DE­SEN­VOL­VEN­DO A IN­TE­LI­GÊN­CIA EMO­CI­O­NAL

Mente Curiosa - - NEWS -

A ver­da­de é que não há uma re­cei­ta a ser se­gui­da pa­ra uma re­la­ção sau­dá­vel en­tre pes­so­as, vis­to que, co­mo já di­to, ca­da ser hu­ma­no é úni­co. “No en­tan­to, há uma sé­rie de com­por­ta­men­tos que con­tri­bu­em pa­ra re­la­ções mais sau­dá­veis e be­né­fi­cas pa­ra to­dos”, re­ve­la o co­a­ch Alexandre Prado. Co­nhe­ça al­gu­mas ati­tu­des que, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, fa­zem com que o in­di­ví­duo es­te­ja pre­pa­ra­do di­an­te de uma si­tu­a­ção ad­ver­sa nos re­la­ci­o­na­men­tos:

• Bus­ca de au­to­co­nhe­ci­men­to: um dos pi­la­res do de­sen­vol­vi­men­to da in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é tam­bém uma das ba­ses dos re­la­ci­o­na­men­tos pes­so­ais. “Co­nhe­cer o pró­prio per­fil é im­por­tan­te pa­ra en­ten­der os li­mi­tes e os de­sa­fi­os. A par­tir dis­so, con­se­gui­re­mos iden­ti­fi­car es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas em ou­tras pes­so­as”, assegura Gus­ta­vo Ru­e­da.

• Com­pai­xão E Em­pa­tia: “O in­di­ví­duo que tem a ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber co­mo o ou­tro sen­te-se em de­ter­mi­na­da cir­cuns­tân­cia, bem co­mo a ha­bi­li­da­de de en­ten­der co­mo ele mes­mo si­tua-se na­que­le con­tex­to, pos­sui em su­as mãos um trun­fo va­li­o­so”, des­ta­ca Alexandre Prado.

• pa­ci­ên­cia E Equi­lí­brio: pa­ra Alexandre, a pa­ci­ên­cia é im­por­tan­te, pois in­di­ví­du­os emo­ci­o­nal­men­te ro­bus­tos sa­bem que nem sem­pre se acer­ta e se che­ga ao su­ces­so. Já pa­ra Gus­ta­vo, “a fal­ta do con­tro­le po­de cau­sar, prin­ci­pal­men­te, respostas im­pul­si­vas. A di­ca pa­ra is­so é cri­ar uma for­ma de ‘amor­te­cer’ o que foi di­to pe­lo ou­tro”.

• re­si­li­ên­cia: a re­si­li­ên­cia é a ca­pa­ci­da­de de se re­cu­pe­rar fa­cil­men­te de al­gu­ma ad­ver­si­da­de en­con­tra­da. Pes­so­as com IE de­sen­vol­vi­da “en­ten­dem que as di­fi­cul­da­des tra­tam-se de um pro­ces­so de apren­di­za­do e pro­cu­ra­rá per­ce­ber on­de er­rou, o que po­de­ria ter si­do fei­to de me­lhor e ten­ta ou­tra vez. é a tí­pi­ca pes­soa que ra­pi­da­men­te, de­cor­ren­te de uma que­da, le­van­ta-se, sa­co­de a po­ei­ra e dá a vol­ta por ci­ma”, ex­pli­ca Alexandre Prado.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.