DI­FI­CUL­DA­DES com­par­ti­lha­das

Sa­ber co­mo de­sen­vol­ver a em­pa­tia po­de tra­zer mui­tas van­ta­gens, prin­ci­pal­men­te quan­do pre­ci­sa­mos de­sa­ba­far. Ve­ja mais so­bre es­sa ca­pa­ci­da­de

Mente Curiosa - - NEWS -

To­das as pes­so­as, sem ex­ce­ção, so­frem com al­gum ti­po de pro­ble­ma, mes­mo que o ní­vel das ad­ver­si­da­des se­ja sub­je­ti­vo. E ca­be a nós es­co­lher­mos co­mo li­dar com ca­da um de­les.

No en­tan­to, is­so não quer di­zer que ca­da en­fren­ta­men­to de­ve ocor­rer de for­ma so­li­tá­ria. Às ve­zes, por achar que so­fre­rá jul­ga­men­to de ou­tros in­di­ví­du­os se com­par­ti­lhar su­as di­fi­cul­da­des, o iso­la­men­to pa­re­ce ser o ca­mi­nho mais fá­cil. Po­rém, é im­por­tan­te ter em men­te que sem­pre há al­guém que vo­cê po­de­rá con­tar pa­ra di­vi­dir o pe­so do que es­tá in­co­mo­dan­do – ou se­ja, uma pes­soa com quem de­sen­vol­ve­rá uma re­la­ção de em­pa­tia.

Afi­nal, o que é em­pa­tia?

Em re­su­mo, é a ação de se co­lo­car no lu­gar de um ou­tro in­di­ví­duo ou, co­mo in­di­ca a psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta Cleu­ni­ce Menezes, a ca­pa­ci­da­de psi­co­ló­gi­ca de bus­car a com­pre­en­são de ad­ver­si­da­des alhei­as. “É a prá­ti­ca de se vol­tar pa­ra as si­tu­a­ções vi­vi­das por ou­tra pes­soa de acor­do com o olhar de­la e, ao mes­mo tem­po, es­tar neu­tro, isen­to de seus pró­pri­os jul­ga­men­tos. Pa­ra que al­guém se­ja em­pá­ti­co, te­rá de exer­ci­tar sua im­par­ci­a­li­da­de”, con­ti­nua a pro­fis­si­o­nal.

A em­pa­tia de­ve trans­pa­re­cer mes­mo, e prin­ci­pal­men­te, se o pro­ble­ma do pró­xi­mo não apa­ren­tar ser uma di­fi­cul­da­de pa­ra vo­cê. Quan­do uma pes­soa di­vi­de uma ad­ver­si­da­de com vo­cê, quer di­zer que ela sen­te uma con­fi­an­ça for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra con­tar al­go que es­tá dei­xan­do-a des­con­for­tá­vel. As­sim, o mí­ni­mo que se po­de fa­zer é con­fir­mar es­sa se­gu­ran­ça, es­tan­do a to­do ou­vi­dos. En­tre­tan­to, “is­so não quer di­zer que acei­ta­mos ou con­cor­da­mos com a opi­nião das de­mais pes­so­as, mas que es­ta­mos dis­pos­tos a ou­vi-las sob a sua óti­ca”, con­clui Cleu­ni­ce.

Van­ta­gens de sa­ber es­cu­tar

Ser mais em­pá­ti­co traz inú­me­ros be­ne­fí­ci­os, prin­ci­pal­men­te quan­do se tra­ta do de­sen­vol­vi­men­to pro­fis­si­o­nal. Is­so por­que, de acor­do com a pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia Ber­ta Shei­la, “me­lho­ra o re­la­ci­o­na­men­to en­tre equi­pes, au­men­ta a ca­pa­ci­da­de de to­le­rân­cia e res­pei­to à di­fi­cul­da­de alheia. Além de tra­zer um sen­ti­men­to de igual­da­de, na me­di­da que a pes­soa per­ce­be que tam­bém pre­ci­sa da com­pre­en­são do co­le­ga com as pró­pri­as ne­ces­si­da­des”.

Des­se mo­do, qu­an­to mai­or for a em­pa­tia com os com­pa­nhei­ros, mai­o­res se­rão os be­ne­fí­ci­os pa­ra a em­pre­sa, ge­ran­do ca­da vez mais pro­du­ti­vi­da­de, efe­ti­vi­da­de e har­mo­nia no am­bi­en­te de tra­ba­lho. Sem con­tar no de­sen­vol­vi­men­to das re­la­ções in­ter­pes­so­ais na vi­da so­ci­al em ge­ral.

Po­de acon­te­cer com qual­quer um?

Quan­do se fa­la em em­pa­tia, lo­go se pen­sa em uma co­ne­xão ex­tre­ma­men­te pro­fun­da de uma pes­soa com ou­tra, co­mo se fos­se al­go mís­ti­co ex­clu­si­vo de me­lho­res ami­gos.

“Chei­ros, vo­zes, ges­tos, for­mas e jei­tos de ser se as­so­ci­am em ex­pe­ri­ên­ci­as que di­fe­ren­ci­am ca­da um, sem que te­nha­mos até mes­mo cons­ci­ên­cia dis­so, mas re­al­men­te há pes­so­as que pa­re­cem tão fá­ceis de en­ten­der, en­quan­to ou­tras nos exi­gem mais es­for­ço”, afir­ma a psi­có­lo­ga Luiza Ele­na do Val­le.

Por ou­tro la­do, en­xer­gan­do de uma pers­pec­ti­va mais téc­ni­ca, é pos­sí­vel trei­nar a em­pa­tia, pa­ra que se con­si­ga exer­cer com qual­quer pes­soa. Nes­se pon­to de vis­ta, es­pe­ci­a­lis­tas com­pre­en­dem que é viá­vel for­ta­le­cer a em­pa­tia no cé­re­bro por meio da prá­ti­ca de ha­bi­li­da­des co­mo con­cen­tra­ção, es­cu­ta, per­cep­ção e me­mó­ria.

“As me­mó­ri­as po­dem fa­vo­re­cer a uma re­la­ção mais em­pá­ti­ca do que ou­tra. Por exem­plo, uma pes­soa que já vi­veu a ex­pe­ri­ên­cia de per­da de um en­te que­ri­do po­de con­se­guir com­pre­en­der mais fa­cil­men­te o que sen­te quem aca­bou de ser de­mi­ti­do (a ex­pe­ri­ên­cia de per­da, se­ja de qual­quer na­tu­re­za, fa­vo­re­ce a em­pa­ti­zar)”, afir­ma Ber­ta Shei­la.

A neu­ro­ci­ên­cia ex­pli­ca?

As­sim co­mo ou­tras com­pe­tên­ci­as men­tais são des­ven­da­das por pes­qui­sas e es­tu­dos no cam­po da neu­ro­ci­ên­cia, co­mo me­mó­ria, con­cen­tra­ção e ra­ci­o­cí­nio, a em­pa­tia tam­bém tem respostas vis­tas por es­se la­do.

A neu­ro­ci­rur­giã Ra­quel Zor­zi ci­ta que, em um es­tu­do pu­bli­ca­do na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Jour­nal of Neu­ros­ci­en­ce em ou­tu­bro de 2013 pe­lo pes­qui­sa­dor Max Planck, iden­ti­fi­cou-se que o ego­cen­tris­mo é uma ca­rac­te­rís­ti­ca na­tu­ral do ser hu­ma­no.

Mas, em con­tra­par­ti­da, tam­bém foi des­co­ber­to que há uma área ce­re­bral, cha­ma­da de gi­ro su­pra­mar­gi­nal, que cor­ri­ge es­se ex­ces­so de egoís­mo, re­co­nhe­cen­do a fal­ta de em­pa­tia. “Quan­do es­sa re­gião do cé­re­bro não fun­ci­o­na ade­qua­da­men­te, os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que sua ca­pa­ci­da­de de em­pa­tia é dras­ti­ca­men­te re­du­zi­da. Es­sa re­gião nos aju­da a dis­tin­guir o nos­so pró­prio es­ta­do emo­ci­o­nal do de ou­tras pes­so­as, sen­do res­pon­sá­vel pe­la em­pa­tia e com­pai­xão”, ex­pli­ca a neu­ro­ci­rur­giã.

Em­pa­tia por ta­be­la

Ou­tra for­ma de ex­pli­car e de­sen­vol­ver a em­pa­tia é se fi­zer­mos uma li­ga­ção com os neurô­ni­os-es­pe­lho. Es­sas cé­lu­las ner­vo­sas, pri­mei­ra­men­te re­la­ci­o­na­das a ações mo­to­ras, são ati­va­das quan­do se ob­ser­va uma pes­soa pra­ti­can­do al­gu­ma ati­vi­da­de, co­mo quan­do a in­ten­ção re­al­men­te é imi­tar al­guém ou re­cri­ar uma ação.

Ra­quel Zor­zi es­cla­re­ce que, além de imi­ta­ção, es­ses neurô­ni­os tam­bém se en­car­re­gam de cer­tos pen­sa­men­tos e com­por­ta­men­tos, por exem­plo, a em­pa­tia. “Mui­tos es­tu­dos têm ar­gu­men­ta­do de for­ma in­de­pen­den­te que o sistema de neurô­ni­os-es­pe­lho es­tá en­vol­vi­do em emo­ções e em­pa­tia”, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta. “Is­so quer di­zer que, quan­do ve­mos uma de­ter­mi­na­da emo­ção ex­pres­sa­da pe­la pes­soa, ati­va­mos es­ses neurô­ni­os que ‘si­mu­lam’ co­mo se nós mes­mos es­ti­vés­se­mos vi­ven­do aque­le sen­ti­men­to”, con­clui. Is­so pos­si­bi­li­ta que um ser hu­ma­no con­si­ga se co­lo­car no lu­gar do ou­tro, um as­pec­to fun­da­men­tal da em­pa­tia.

Exer­ci­te

Es­sa não é exa­ta­men­te uma téc­ni­ca fá­cil de se co­lo­car em prá­ti­ca, vis­to que as re­la­ções hu­ma­nas são com­ple­xas. Tam­bém de­ve-se le­var em con­ta que o in­di­vi­du­a­lis­mo é uma ca­rac­te­rís­ti­ca ca­da vez mais re­cor­ren­te, uma vez que te­mos ca­da vez me­nos tem­po pa­ra nos pre­o­cu­par­mos com o pró­xi­mo.

Se­gun­do Ra­quel, “gra­ças à ma­le­a­bi­li­da­de dos cir­cui­tos neu­ro­nais do nos­so cé­re­bro, cha­ma­da de neu­ro­plas­ti­ci­da­de, sua ten­dên­cia de em­pa­tia e com­pai­xão nun­ca é fi­xa”, ou se­ja, é pos­sí­vel re­pro­gra­mar o cé­re­bro pa­ra que se­ja mais com­pre­en­si­vo em pe­que­nas es­co­lhas no dia a dia.

Por is­so, abai­xo, se­pa­ra­mos di­cas da psi­có­lo­ga Cleu­ni­ce Menezes pa­ra vo­cê con­se­guir de­sen­vol­ver a em­pa­tia e, as­sim, se co­lo­car à dis­po­si­ção de al­guém que ne­ces­si­te de com­pre­en­são.

1. Pra­ti­que a es­cu­ta com a in­ten­ção de com­pre­en­der o ou­tro.

2. Evi­te dar con­se­lhos.

3. Com­pre­en­da su­as pró­pri­as emo­ções e sen­ti­men­tos: is­so lhe pro­por­ci­o­na­rá um mai­or en­ten­di­men­to so­bre as emo­ções do ou­tro. “Co­lo­car-se no lu­gar de­le tam­bém traz um alí­vio pa­ra a so­li­dão e es­ti­mu­la no­vas pos­si­bi­li­da­des de en­fren­ta­men­to, com per­cep­ções e ra­ci­o­cí­ni­os mais en­ri­que­ci­dos”, com­ple­men­ta a psi­có­lo­ga Luiza Ribeiro do Val­le.

4. Ten­te com­pre­en­der o ou­tro sem jul­ga­men­tos. “Res­pei­tar o que o ou­tro sen­te não im­pli­ca em ter que sen­tir o mes­mo, mas em acei­tar que es­sa pes­soa se sin­ta as­sim”, acon­se­lha Luiza.

5. Não es­que­ça que ca­da ser hu­ma­no pos­sui uma ma­nei­ra de ver o mundo – ca­be a nós res­pei­tá-lo, pois to­dos os pon­tos de vis­ta são vá­li­dos e res­pei­tá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.