Pa­ra se re­la­ci­o­nar (e vi­ver) me­lhor

Mente Curiosa - - NEWS - Ri­car­do Pic­ci­na­to, edi­tor ri­car­do.pic­ci­na­to@as­tral.com.br

Sem­pre foi um gran­de de­sa­fio de­fi­nir o que é in­te­li­gên­cia. Afi­nal, vo­cê po­de con­si­de­rar que um ami­go ou ami­ga que es­tu­da com vo­cê é ab­sur­da­men­te in­te­li­gen­te, en­quan­to ou­tra pes­soa que es­tá cur­san­do al­go nu­ma área to­tal­men­te di­fe­ren­te di­fi­cil­men­te vai con­cor­dar com es­sa opi­nião, que mui­tas ev­zes é pes­so­al. Uma boa me­mó­ria, um bom re­per­tó­rio de cul­tu­ra ge­ral, do­mi­nar tec­no­lo­gi­as, ela­bo­rar os me­lho­res pro­je­tos a lis­ta do que po­de de­fi­nir in­te­li­gên­cia é in­ter­mi­ná­vel, e re­al­men­te de­pen­de da pers­pec­ti­va de quem vê. Não bas­tas­se es­sa di­fi­cul­da­de ini­ci­al, nos anos 1990 um con­cei­to que já vi­nha sen­do es­tu­da­do e men­ci­o­na­do em di­ver­sas pes­qui­sas ex­plo­diu. Es­ta edi­ção de MEN­TE CURIOSA tra­ba­lha jus­ta­men­te pa­ra iden­ti­fi­car no que con­sis­te es­sa no­va for­ma de in­te­li­gên­cia, a IN­TE­LI­GÊN­CIA EMO­CI­O­NAL. Nas pá­gi­nas a se­guir, de­ta­lha­mos to­das as su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra vo­cê se apro­fun­dar nes­sa ha­bi­li­da­de ca­da vez mais re­qui­si­ta­da – e ne­ces­sá­ria – em am­bi­en­tes de tra­ba­lho e em nos­sa pró­pria vi­da so­ci­al. Boa lei­tu­ra!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.