AR­TE DE SE RE­LA­CI­O­NAR

Os re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais es­tão pre­sen­tes em pra­ti­ca­men­te tu­do o que fa­ze­mos. Ve­ja a im­por­tân­cia das in­te­ra­ções e co­mo de­sen­vol­ver ca­da vez mais as bo­as re­la­ções

Mente Curiosa - - NEWS -

As van­ta­gens de de­sen­vol­ver me­lho­res re­la­ci­o­na­men­tos com as pes­so­as

in­guém es­tá so­zi­nho no mundo! Po­de até pa­re­cer ób­vio, pois nos­sa so­ci­e­da­de é for­ma­da por mais de se­te bi­lhões de pes­so­as em to­do o pla­ne­ta. O pró­prio ter­mo “so­ci­e­da­de”, que veio do la­tim so­ci­e­tas, sig­ni­fi­ca “as­so­ci­a­ção amis- to­sa com ou­tros”. Es­sa pa­la­vra nos traz a in­ter­pre­ta­ção de que es­ta­mos or­ga­ni­za­dos em gru­pos com ou­tros in­di­ví­du­os que fa­zem par­te de um mes­mo con­tex­to. Lo­go, a for­ma de se re­la­ci­o­nar com ou­tras pes­so­as têm uma ex­tre­ma im­por­tân­cia na for­ma­ção de ca­da in­di­ví­duo.

As re­la­ções de ca­da dia

En­tre­tan­to, vo­cê já pa­rou pa­ra pen­sar na in­fluên­cia dos re­la­ci­o­na­men­tos em nos­sas vi­das? Ima­gi­ne-se re­a­li­zan­do qual­quer ati­vi­da­de. Po­de ser no am­bi­en­te fa­mi­li­ar, pro­fis­si­o­nal ou ou­tro es­pa­ço. Quan­tas ve­zes vo­cê te­ve de se re­la­ci­o­nar pa­ra cum­prir seu pa­pel so­ci­al? Co­mo es­ta­mos or­ga­ni­za­dos em uma so­ci­e­da­de, os re­la­ci­o­na­men­tos são im­pres­cin­dí­veis pa­ra tu­do o que fa­ze­mos, des­de o mo­men­to em que acor­da­mos até quan­do va­mos dor­mir.

Se­ja em ca­sa, no tra­ba­lho ou na vi­da amo­ro­sa, nós de­pen­de­mos da in­te­ra­ção com as ou­tras pes­so­as pa­ra so­bre­vi­ver em so­ci­e­da­de. Além dis­so, mui­to do que con­quis­ta­mos na vi­da é re­sul­ta­do dos la­ços que cons­truí­mos ao lon­go de­la. “In­di­ví­du­os, com ra­rís­si­mas ex­ce­ções, re­la­ci­o­nam­se com ou­tros e con­si­go mes­mos. O que re­ge as re­la­ções, na prá­ti­ca, são as emo­ções”, ob­ser­va o co­a­ch Alexandre Prado. Por es­sa óti­ca, as re­la­ções que cri­a­mos du­ran­te a vi­da são fun­da­men­tais pa­ra o su­ces­so tan­to pes­so­al co­mo pro­fis­si­o­nal.

Não tão fá­cil

Sa­ber cons­truir la­ços com as ou­tras pes­so­as po­de pa­re­cer uma ta­re­fa sim­ples, cer­to? Mui­to pe­lo con­trá­rio, afi­nal ca­da in­di­ví­duo é um uni­ver­so par­ti­cu­lar. Por is­so, com­pre­en­der os sen­ti­men­tos alhei­os e, prin­ci­pal­men­te, sa­ber li­dar com as emo­ções é fun­da­men­tal. “Quan­do sa­be­mos que as pes­so­as são di­fe­ren­tes e têm per­so­na­li­da­des dis­tin­tas, con­se­gui­mos en­ten­der por que uma po­de ser mais im­pul­si­va, ou­tra mais fir­me e as­sim por di­an­te. Com is­so, con­se­gui­mos res­pei­tar os ou­tros pon­tos de vis­tas”, des­ta­ca o con­sul­tor em­pre­sa­ri­al Gus­ta­vo Ru­e­da.

O QE (quociente emo­ci­o­nal – mais de­ta­lhes so­bre ele na pá­gi­na 14) tem si­do mui­to mais exi­gi­do do que o QI (quociente de in­te­li­gên­cia). Pro­va dis­so são as di­nâ­mi­cas de gru­pos com si­tu­a­ções de pres­são, de de­sa­fi­os, de to­ma­das de de­ci­são. O com­por­ta­men­to das pes­so­as é ava­li­a­do e, con­se­quen­te­men­te, o emo­ci­o­nal tam­bém”, es­cla­re­ce Gus­ta­vo Ru­e­da.

Co­mo uma em­pre­sa é for­ma­da por di­ver­sas pes­so­as, sa­ber li­dar com os co­le­gas de tra­ba­lho é es­sen­ci­al. Se­gun­do a psi­có­lo­ga Fer­nan­da Reis, apli­car a IE no mer­ca­do de for­ma pro­du­ti­va, “ge­ra, na equi­pe de tra­ba­lho, um mai­or en­ga­ja­men­to, pois os fun­ci­o­ná­ri­os pas­sam a ser mais em­pá­ti­cos uns com os ou­tros”.

Pa­ra o co­a­ch Alexandre Prado, o não de­sen­vol­vi­men­to des­sa ca­pa­ci­da­de po­de cau­sar al­gu­mas con­sequên­ci­as ca­tas­tró­fi­cas. “Um in­di­ví­duo com co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos ex­ce­len­tes e gran­de ex­pe­ri­ên­cia prá­ti­ca, mas que não pos­sua in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, po­de­rá trans­for­mar-se em uma bom­ba-re­ló­gio a qual­quer mo­men­to, im­pac­tan­do ne­ga­ti­va­men­te to­do o am­bi­en­te or­ga­ni­za­ci­o­nal”, sin­te­ti­za. “En­tão, a di­ca pa­ra os co­la­bo­ra­do­res é: de­sen­vol­vam su­as ha­bi­li­da­des emo­ci­o­nais”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

CON­SUL­TO­RI­AS Alexandre

Prado, co­a­ch, es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças, con­sul­tor e pre­si­den­te da Nú­cleo Ex­pan­são; Fer­nan­da Reis, psi­có­lo­ga; Gus­ta­vo

Ru­e­da, con­sul­tor em­pre­sa­ri­al, es­pe­ci­a­lis­ta em al­ta per­for­man­ce de exe­cu­ti­vos e di­re­tor re­gi­o­nal da Net Pro­fit.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.