EMO­ÇÕES EM FO­CO

O con­cei­to de in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal des­ta­ca que li­dar bem com emo­ções e sen­ti­men­tos ga­nhou a mes­ma im­por­tân­cia de ser bom em cál­cu­los e ter su­ces­so em pro­vas e de­sa­fi­os. Entenda por que

Mente Curiosa - - NEWS -

Entenda o con­cei­to de in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal e sua in­fluên­cia no dia a dia

Uma ma­nei­ra di­fe­ren­te de ser in­te­li­gen­te. Es­sa fra­se cau­sa um es­tra­nha­men­to mes­mo nos di­as de hoje – ago­ra ima­gi­ne no ano de 1996. Nes­sa épo­ca, con­cei­tos co­mo o tes­te de QI co­me­ça­vam a ser ques­ti­o­na­dos, Howard Gard­ner já ti­nha apre­sen­ta­do a te­o­ria das in­te­li­gên­ci­as múl­ti­plas, mas na­da dis­so foi com­pa­rá­vel ao que ocor­re­ria a se­guir.

O psi­có­lo­go ame­ri­ca­no Da­ni­el Go­le­man, que es­cre­via pa­ra o The New York Times, cha­co­a­lhou o meio ci­en­tí­fi­co ao lan­çar o li­vro In­te­li­gên­cia Emo­ci­o­nal - A Te­o­ria Re­vo­lu­ci­o­ná­ria que Re­de­fi­ne o que é Ser In­te­li­gen­te. “Tra­ta-se de um con­cei­to que já vi­nha sen­do tra­ba­lha­do, na dé­ca­da de 1990, por no­mes co­mo Pe­ter Sa­lo­vey e John Mayer, que pu­bli­ca­ram ar­ti­gos e con­so­li­da­ram o te­ma em di­ver­sos jor­nais aca­dê­mi­cos”, des­ta­ca Se­ma­dar Marques, pa­les­tran­te e es­pe­ci­a­lis­ta em es­tra­té­gia hu­ma­na e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal. “Ou­tros pes­qui­sa­do­res tam­bém vi­nham uti­li­zan­do es­ta ex­pres­são, mas ela só se po­pu­la­ri­zou com a pu­bli­ca­ção do li­vro”, com­ple­ta.

O que se­ria es­sa no­va in­te­li­gên­cia?

“In­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é o con­jun­to de ha­bi­li­da­des que cap­tu­ram a cons­ci­ên­cia de nos­sas pró­pri­as emo­ções e das emo­ções dos ou­tros, e ain­da co­mo nós usa­mos es­sa cons­ci­ên­cia pa­ra ge­rir a nós mes­mos de for­ma efi­caz e for­mar re­la­ções de qua­li­da­de”, re­su­me João Marcelo Fur­lan, es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men- to de li­de­ran­ça e em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal. Des­sa for­ma, é pos­sí­vel li­dar de ma­nei­ra mais agra­dá­vel e sau­dá­vel com as atri­bui­ções da ro­ti­na, e até com as di­fi­cul­da­des do dia a dia no tra­to com si mes­mo e com as ou­tras pes­so­as. “Is­so não quer di­zer que o in­di­ví­duo nun­ca te­rá emo­ções ne­ga­ti­vas”, en­fa­ti­za Se­ma­dar. “Ele as te­rá, mas sa­be­rá re­co­nhe­cê-las e, em al­gum mo­men­to, su­pe­rá-las e ti­rar al­gum en­ten­di­men­to mais am­plo so­bre si mes­mo – o que irá re­fle­tir em seus re­la­ci­o­na­men­tos, que se­rão de me­lhor qua­li­da­de”, com­ple­men­ta. O mo­de­lo de Go­le­man re­co­men­da a ca­pa­ci­da­de de cons­truir uma vi­são po­si­ti­va e ver­da­dei­ra so­bre si mes­mo, a in­te­li­gên­cia in­tra­pes­so­al, e o re­co­nhe­ci­men­to das emo­ções alhei­as, que se­ria a in­te­li­gên­cia in­ter­pes­so­al. Es­ses dois pon­tos in­clu­em cin­co ca­rac­te­rís­ti­cas bá­si­cas, que des­ta­ca­mos a se­guir – e que de­ta­lha­re­mos com mais pro­pri­e­da­de nas pró­xi­mas ma­té­ri­as.

CON­SUL­TO­RI­AS João Marcelo Fur­lan, es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to de li­de­ran­ça e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, e au­tor do li­vro FLAPS! Li­de­ran­ça Adap­tá­gil; Se­ma­dar Marques, pa­les­tran­te es­pe­ci­a­lis­ta em es­tra­té­gia hu­ma­na e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal (www.se­ma­dar­mar­ques.com.br).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.