MOTIVE-SE!

Sen­tir-se mo­ti­va­do em si­tu­a­ções can­sa­ti­vas ou ten­sas – es­pe­ci­al­men­te en­vol­ven­do tra­ba­lho – é um bai­ta de­sa­fio. Mas, na bus­ca por mais in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, tra­ta-se de al­go ne­ces­sá­rio e per­fei­ta­men­te pos­sí­vel de atin­gir. Descubra co­mo

Mente Curiosa - - NEWS -

Co­mo tra­ba­lhar sua pró­pria mo­ti­va­ção e li­dar me­lhor com co­le­gas de tra­ba­lho

Em agos­to de 2016, uma pla­ni­lha ali­men­ta­da de for­ma anô­ni­ma por pes­so­as que tra­ba­lha­vam em agên­ci­as de publicidade cau­sou a mai­or po­lê­mi­ca nas re­des so­ci­ais. Ne­la, os fun­ci­o­ná­ri­os e ex­fun­ci­o­ná­ri­os des­ta­ca­ram as com­pli­ca­das con­di­ções de tra­ba­lho e si­tu­a­ções di­fí­ceis que vi­ven­ci­a­ram nes­ses am­bi­en­tes.

Não bas­tas­se to­da a repercussão des­se arquivo, a his­tó­ria só pi­o­rou quan­do a pro­pri­e­tá­ria de uma agên­cia tam­bém re­sol­veu se ma­ni­fes­tar, e es­cre­veu um tex­to in­ti­tu­la­do “Vo­cê já mo­ti­vou seu che­fe hoje?”. Nes­sa pos­ta­gem, ela co­men­ta­va que a mo­ti­va­ção é uma via de mão du­pla, e que os do­nos e su­pe­ri­o­res tam­bém pre­ci­sam se sen­tir mo­ti­va­dos por fun­ci­o­ná­ri­os com­pro­me­ti­dos –e o tex­to aca­bou re­ce­ben­do uma ava­lan­che de com­par­ti­lha­men­tos, crí­ti­cas e pi­a­das. To­da es­sa si­tu­a­ção ilus­tra co­mo o fa­to de se sen­tir des­mo­ti­va­do po­de atin­gir to­das as pes­so­as, de qual­quer clas­se so­ci­al ou fun­ção. Não à toa, Da­ni­el Go­le­man des­ta­cou a au­to­mo­ti­va­ção co­mo um dos pi­la­res mais im­por­tan­tes pa­ra as pes­so­as emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­tes. Mas co­mo é pos­sí­vel ob­ter is­so, se, ao que tu­do in­di­ca, a in­sa­tis­fa­ção po­de ba­ter na por­ta de qual­quer um?

Sa­ber li­dar

Os es­pe­ci­a­lis­tas em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal des­ta­cam que me­dos e an­gús­ti­as fa­zem par­te da tra­je­tó­ria de to­do mundo – o que não po­de é dei­xar que is­so pa­ra­li­se a sua vi­da e im­pe­ça a to­ma­da de ati­tu­des. “Mo­ti­va­ção, co­mo o pró­prio no­me diz, sig­ni­fi­ca mo­ti­vo pa­ra agir. Vo­cê pre­ci­sa ter um mo­ti­vo que se­ja im­por­tan­te e con­si­de­rá­vel pa­ra a ação”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga e co­a­ch Gra­zi­e­la Van­ni. Fa­lan­do nes­sas pa­la­vras, nem pa­re­ce que es­ta­mos di­an­te de al­go tão com­ple­xo. Mas es­ta­mos. Tu­do por­que o nos­so ca­mi­nho não é com­pos­to ape­nas por flo­res: a jor­na­da tem seus obs­tá­cu­los, que às ve­zes po­dem nos dei­xar in­dis­pos­tos ou in­sa­tis­fei­tos. “Uma das ver­da­des da vi­da é que ela se cons­ti­tui do ‘fa­zer’. Um ‘fa­zer’ que po­de­mos nos sen­tir ‘obri­ga­dos a fa­zê-lo’, se­ja pe­las cir­cuns­tân­ci­as da vi­da ou pe­las ou­tras pes­so­as”, ex­pli­ca o mé­di­co, co­a­ch e ins­tru­tor de trei­na­men­tos Gil­ber­to Ka­taya­ma. Quan­do nos sen­ti­mos for­ça­dos a fa­zer al­gu­ma coi­sa – co­mo a sim­ples ne­ces­si­da­de de acor­dar ce­do pa­ra ir tra­ba­lhar, por exem­plo – aca­ba­mos re­féns de for­mas de pen­sa­men­to co­mo “te­nho que...”. “sou obri­ga­do a...”, en­tre ou­tras. “As­sim, nes­sas cir­cuns­tân­ci­as em que es­ta­mos sen­do pres­si­o­na­dos pe­lo mundo ex­te­ri­or, fi­ca di­fí­cil en­con­trar a mo­ti­va­ção”, com­ple­men­ta o pro­fis­si­o­nal. Po­rém, tra­ta-se de al­go con­tor­ná­vel. “Em al­guns ca­sos, es­sa é a re­a­li­da­de que se apre­sen­ta a vo­cê na­que­le ins­tan­te. E, di­an­te da re­a­li­da­de o que lhe res­ta fa­zer? Só lhe res­ta acei­tar”, apon­ta Gil­ber­to. Is­so não quer di­zer que de­ve­mos es­ti­mu­lar o con­for­mis­mo – é só que, em mui­tos ca­sos, é ne­ces­sá­rio li­dar com cer­tas coi­sas des­con­for­tá­veis e fa­zer pe­que­nas adap­ta­ções, sem per­mi­tir que is­so dei­xe a pe­te­ca cair. O pro­ble­ma é que, nes­se ca­so, es­ta­mos fa­lan­do de ocor­rên­ci­as nem tão de­sa­fi­a­do­ras as­sim. Só que, de­pen­den­do do de­par­ta­men­to da vi­da que dis­cu­ti­mos, o bu­ra­co é mais em­bai­xo. É o ca­so do am­bi­en­te de tra­ba­lho.

Tra­ba­lhan­do a mo­ti­va­ção

O tra­ba­lho po­de ser con­si­de­ra­do uma das mai­o­res fon­tes de des­mo­ti­va­ção sim­ples­men­te pe­lo fa­to de que se en­cai­xa na ca­te­go­ria que coi­sas que, que­ren­do ou não, so­mos “obri­ga­dos” a fa­zer. Afi­nal, to­do mundo pre­ci­sa ti­rar seu sus­ten­to de al­gu­ma for­ma. E são mui­tas ho­ras por dia de­di­ca­das a is­so – ou se­ja, se es­ta­mos in­sa­tis­fei­tos com al­go que to­ma tan­to do nos­so tem­po, o so­fri­men­to aca­ba sen­do mai­or. De acor­do com Gra­zi­e­la Van­ni, a pes­soa que se sen­te in­fe­liz no tra­ba­lho pre­ci­sa, pri­mei­ra­men­te, iden­ti­fi­car se o pro­ble­ma re­si­de no que ela faz ou no am­bi­en­te. “Se for o que ela faz, é bem re­co­men­dá­vel que bus­que com­pre­en­der o que quer de ver­da­de, qual é a área que mais gos­ta, e ir em bus­ca”, co­men­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Se o pro­ble­ma for o pró­prio am­bi­en­te de tra­ba­lho, mui­tas ques­tões en­tram

em ce­na. “Por exem­plo, se não gos­to do es­pa­ço fí­si­co e te­nho a opor­tu­ni­da­de de co­lo­car al­go que me agra­de na de­co­ra­ção, pron­to: co­lo­que e des­fru­te des­sa trans­for­ma­ção”, in­di­ca a co­a­ch. Ago­ra, se a ques­tão fo­rem as pes­so­as, as coi­sas se com­pli­cam um pou­co. Tu­do por­que, mui­tas ve­zes, es­pe­ra­mos de­las al­go que não po­dem ofe­re­cer – e is­so ocor­re por um sim­ples fa­to: to­ma­mos a nós mes­mos co­mo re­fe­rên­cia, a par­tir de pen­sa­men­tos co­mo “que­ro que a pes­soa me ofe­re­ça o que mi­nha ex­pec­ta­ti­va quer, que­ro do meu jei­to e que­ro ago- ra” ou ain­da “Que­ro que ela dê o me­lhor co­mo eu dou, e fa­ça o me­lhor que pu­der”. “Es­se ‘mundo’ de exi­gên­ci­as e ex­pec­ta­ti­vas pro­vo­ca a dor da frus­tra­ção cons­tan­te, por is­so me des­mo­ti­vo e não te­nho in­te­res­se de ir no meu tra­ba­lho”, apon­ta Gra­zi­e­la. As­sim, nes­se ca­so, o ide­al é bus­car­mos a re­es­tru­tu­ra­ção do nos­so pen­sa­men­to, nu­ma li­nha tam­bém pró­xi­ma da acei­ta­ção. “Fa­ça per­gun­tas co­mo: ‘quem é es­sa pes­soa?’, ‘O que vo­cê po­de es­pe­rar de­la?’, ‘O que ela sig­ni­fi­ca?’”, ex­pli­ca a co­a­ch. Aí, co­me­ça o pro­ces­so de per­cep­ção: se vo­cê con­si­de­ra seu co­le­ga ar­ro­gan­te, mas ao mes­mo tem­po per­ce­be que na­da vai mu­dar e que não po­de es­pe­rar na­da mais do que is­so, cria-se uma bar­rei­ra de pro­te­ção, e es­sa per­so­na­li­da­de não afe­ta mais a sua pro­du­ti­vi­da­de. “O pro­ces­so de acei­ta­ção é in­crí­vel. Acei­tar não é ser con­for­ma­do nem re­sig­na­do, é vi­ver a si­tu­a­ção sem co­lo­car a emo­ção no meio”, con­clui a es­pe­ci­a­lis­ta.

A mo­ti­va­ção no dia a dia

Mas não adi­an­ta: ain­da que a gen­te atue pon­tu­al­men­te na so­lu­ção de de­ter­mi­na­dos pro­ble­mas, tem ho­ras que o de­sâ­ni­mo sim­ples­men­te ba­te, por mo­ti­vos que vão do can­sa­ço a um acon­te­ci­men­to di­fí­cil que aba­le su­as emo­ções. “Nes­se mo­men­to, o me­lhor é re­ver sua vi­da e o con­tex­to em que es­tá in­se­ri­do. Pre­ci­sa­mos ter a per­cep­ção ple­na de quais são os mo­ti­vos pe­los quais fa­ze­mos o que fa­ze­mos”, re­su­me a co­a­ch e pa­les­tran­te Al­les­san­dra Fer­rei­ra.

CON­SUL­TO­RI­AS

Al­les­san­dra Fer­rei­ra, co­a­ch e pa­les­tran­te; Gra­zi­e­la Van­ni, psi­có­lo­ga e co­a­ch;

João Marcelo Fur­lan, es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to de li­de­ran­ça e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, e au­tor do li­vro FLAPS! Li­de­ran­ça Adap­tá­gil; Gil­ber­to Ka­taya­ma, mé­di­co, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia trans­pes­so­al e ins­tru­tor de trei­na­men­tos do Nú­cleo Ser, em São Pau­lo (SP); Se­ma­dar Marques, pa­les­tran­te es­pe­ci­a­lis­ta em es­tra­té­gia hu­ma­na e in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal (www. se­ma­dar­mar­ques.com.br). Na ho­ra da re­fle­xão, re­pa­re: se­rá que sua in­sa­tis­fa­ção não foi por con­ta de er­ros ou fra­cas­sos? Por­que, gra­ças às co­bran­ças que fa­zem par­te da nos­sa so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea, é na­tu­ral nos cul­par­mos ou fi­car­mos re­al­men­te aba­la­dos quan­do aqui­lo que pla­ne­ja­mos ou fi­ze­mos com afin­co sim­ples­men­te dá er­ra­do. “Quan­do is­so acon­te­cer, ra­ci­o­na­li­ze seu la­do adulto e hu­ma­no”, acon­se­lha Gra­zi­e­la. “As­su­ma o er­ro, pe­ça des­cul­pas, ava­lie o que po­de me­lho­rar e con­ser­te o pro­ble­ma. As­su­mir nos­so la­do hu­ma­no é vi­ven­ci­ar a jor­na­da da vi­da de for­ma le­ve, e en­con­trar o la­do bom da cri­se, des­fru­tan­do do cres­ci­men­to que ela pro­por­ci­o­nou, e sa­ben­do se per­do­ar”, com­ple­men­ta. Ou se­ja, nes­se ins­tan­te de co­ne­xão com seus va­lo­res, é im­por­tan­te pres­tar aten­ção e ve­ri­fi­car se sua fal­ta de mo­ti­va­ção não foi oca­si­o­na­da por um des­vio de ro­ta. Se foi, bo­la pa­ra fren­te. Se não foi e a con­clu­são foi que é ho­ra de mu­dar, não é pre­ci­so en­trar em de­ses­pe­ro: tra­çan­do um pla­no cor­re­to, to­da mu­dan­ça é pos­sí­vel. En­fim, qual­quer que se­ja a si­tu­a­ção que es­te­ja tra­van­do a sua mo­ti­va­ção, as di­cas ao la­do po­dem dar o es­tí­mu­lo que fal­ta pa­ra afas­tar de vez es­se es­pí­ri­to in­sa­tis­fei­to que tei­ma em ten­tar nos der­ru­bar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.