A MEN­TE DOS ACUMULADORES

O trans­tor­no de acu­mu­la­ção já é bem co­nhe­ci­do – mui­tas ve­zes sen­do re­tra­ta­do de ma­nei­ra su­per­fi­ci­al, in­clu­si­ve. Mas as raí­zes do qua­dro são gra­ves, e sua pre­sen­ça com­pro­me­te o cotidiano dos por­ta­do­res

Mente Curiosa - - NEWS -

De­fi­ni­ção, sin­to­mas, di­ag­nós­ti­cos e cau­sas: saiba tu­do so­bre o Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção

Vo­cê já de­ve ter acom­pa­nha­do um da­que­les pro­gra­mas de te­le­vi­são ame­ri­ca­nos em que os re­pór­te­res en­tram na ca­sa de pes­so­as que simplesmente não con­se­guem se li­vrar de mon­ta­nhas de ob­je­tos. A re­si­dên­cia ge­ral­men­te se en­con­tra em um es­ta­do com­pli­ca­do, on­de a in­te­gri­da­de fí­si­ca e men­tal do mo­ra­dor fi­ca com­pro­me­ti­da pe­la de­sor­ga­ni­za­ção e a fal­ta de es­pa­ço e lim­pe­za.

Ape­sar das abor­da­gens pos­si­vel­men­te sen­sa­ci­o­na­lis­tas, o qua­dro dos in­di­ví­du­os apre­sen­ta­dos exis­te e traz con­sequên­ci­as gra­ves pa­ra su­as vi­das. O Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção (TA), co­mo é cha­ma­do, es­tá clas­si­fi­ca­do no Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM-V) e o prin­ci­pal cri­té­rio di­ag­nós­ti­co ex­pos­to são “as di­fi­cul­da­des per­sis­ten­tes de des­car­tar ou se des­fa­zer de per­ten­ces, in­de­pen­den­te­men­te do seu valor re­al”.

Des­fa­zer e so­frer

O trans­tor­no car­re­ga sin­to­mas mui­to ne­ga­ti­vos –e é um es­ta­do com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da prá­ti­ca de co­le­ci­o­na­do­res co­muns. Os por­ta­do­res do TA são to­ma­dos pe­la an­si­e­da­de e a tris­te­za em to­das as ten­ta­ti­vas de jo­gar cer­tas coi­sas fo­ra.

Em ge­ral, é co­mum que as pes­so­as que con­vi­vem com o trans­tor­no te­nham jus­ti­fi­ca­ti­vas pró­pri­as pa­ra guar­dar to­do ti­po de uten­sí­li­os, móveis e até mes­mo acu­mu­lar ani­mais. As ra­zões es­tão re­la­ci­o­na­das a ex­pe­ri­ên­ci­as trau­má­ti­cas, co­mo po­bre­za ex­tre­ma e per­da de pes­so­as ou ani­mais pró­xi­mos.

Por es­se mo­ti­vo, os es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que os acumuladores po­dem car­re­gar ou­tras con­di­ções psi­quiá­tri­cas. De acor­do com o mé­di­co e psi­có­lo­go Ro­ber­to Debs­ki, os acumuladores são, na mai­o­ria, “mu­lhe­res de meia ida­de e sol­tei­ras, que vi­vem so­zi­nhas e po­dem ter ou­tros tra­ços de trans­tor­nos de per­so­na­li­da­de e psi­quiá­tri­cos. Nes­sa fa­se da vi­da, pe­la agra­va­ção dos sin­to­mas e di­fi­cul­da­des so­ci­ais e de re­la­ci­o­na­men­tos, au­men­ta-se a ne­ces­si­da­de de cui­dar e con­tro­lar, agra­van­do o Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção”.

Fa­to­res relevantes

Os trau­mas afe­tam a no­ção de ape­go hu­ma­no e ma­te­ri­al e são pe­ça-cha­ve no de­sen­vol­vi­men­to do trans­tor­no, co­mo ex­pli­ca Debs­ki: “os trans­tor­nos bi­o­ló­gi­cos e trau­mas vi­ven­ci­a­dos, co­mo pri­va­ções ma­te­ri­ais ou emo­ci­o­nais na in­fân­cia, atu­am con­jun­ta­men­te pa­ra ini­ci­ar e man­ter es­se qua­dro dis­fun­ci­o­nal e al­ta­men­te pre­ju­di­ci­al”.

No ca­so dos acumuladores de ani­mais, es­se fa­tor fi­ca evi­den­te. “Se­gun­do pes­qui­sa­do­res, as pes­so­as que acu­mu­lam ani­mais pas­sa­ram por ex­pe­ri­ên­ci­as em su­as vi­das de ape­go dis­fun­ci­o­nal, e, quan­do en­ve­lhe­cem e as afei­ções hu­ma­nas se trans­for­mam em um pro­ble­ma mais grave, se vin­cu­lam aos ani­mais”, res­sal­ta.

O psi­có­lo­go e es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no Pau­lo Sér­gio Oli­vei­rah afir­ma que quan­do os por­ta­do­res ti­ve­ram ex­pe­ri­ên­ci­as de fo­me e es­cas­sez ma­te­ri­al, es­se vín­cu­lo ocor­re em re­la­ção aos ob­je­tos – e é fru­to do me­do de vol­tar àque­la si­tu­a­ção.

Fa­to­res de ris­co

A acu­mu­la­ção ge­ral­men­te já co­me­ça a se ma­ni­fes­tar en­tre os 11 e 15 anos de ida­de, e seus sin­to­mas vão se in­ten­si­fi­can­do com o pas­sar das dé­ca­das. Se­gun­do o DSM-V, por vol­ta dos 30 anos o qua­dro co­me­ça a causar pre­juí­zos sig­ni­fi­ca­ti­vos, ape­sar dos par­ti­ci­pan­tes de pes­qui­sas cli­ní­cas es­ta­rem ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te na ca­sa dos 50 anos.

Os fa­to­res de ris­co que an­te­ce­dem a pre­sen­ça do trans­tor­no são apre­sen­ta­dos no DSM-V co­mo:

• Tem­pe­ra­men­tais: a in­de­ci­são é uma ca­rac­te­rís­ti­ca pro­e­mi­nen­te dos in­di­ví­du­os com trans­tor­no de acu­mu­la­ção e em seus pa­ren­tes de pri­mei­ro grau.

• Am­bi­en­tais: os in­di­ví­du­os com trans­tor­no de acu­mu­la­ção com frequên­cia re­la­tam re­tros­pec­ti­va­men­te even­tos vi­tais es­tres­san­tes e trau­má­ti­cos pre­ce­den­do o iní­cio do trans­tor­no ou cau­san­do uma exa­cer­ba­ção.

• Ge­né­ti­cos e fi­si­o­ló­gi­cos: o com­por­ta­men­to de acu­mu­la­ção é fa­mi­li­ar, com cer­ca de 50% dos in­di­ví­du­os que acu­mu­lam re­la­tan­do ter um pa­ren­te que tam­bém acu­mu­la. Es­tu­dos de gêmeos in­di­cam que apro­xi­ma­da­men­te 50% da va­ri­a­bi­li­da­de no com­por­ta­men­to de acu­mu­la­ção de­ve­se a fa­to­res ge­né­ti­cos adi­ti­vos.

Ou­tro da­do im­pres­si­o­nan­te do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais apon­ta que, se­gun­do pes­qui­sas co­mu­ni­tá­ri­as, a “pre­va­lên­cia pon­to de acu­mu­la­ção cli­ni­ca­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va nos Es­ta­dos Uni­dos e na Eu­ro­pa se­ja de apro­xi­ma­da­men­te 2 a 6%” da po­pu­la­ção.

Ati­vi­da­de ce­re­bral

Pa­ra quem não convive com o trans­tor­no, en­ten­der o que le­va a acu­mu­la­ção de ob­je­tos sem apa­ren­te uti­li­da­de é di­fí­cil. Pa­ra ten­tar es­cla­re­cer um pou­co es­sa ques­tão, Da­vid To­lin, pes­qui­sa­dor da Es­co­la de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Ya­le, li­de­rou um es­tu­do que ana­li­sou o cé­re­bro de 43 adul­tos di­ag­nos­ti­ca­dos com Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção, 31 com trans­tor­no obs­ses­si­vo-com­pul­si­vo (TOC) e 33 sau­dá­veis.

Ca­da um de­les te­ve que le­var uma pi­lha de jornais e cor­res­pon­dên­ci­as an­ti­gas. Atra­vés de um apa­re­lho de res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, os pes­qui­sa­do­res es­ca­ne­a­ram os ob­je­tos e os pro­je­ta­ram aos vo­lun­tá­ri­os, que de­ve­ri­am pres­si­o­nar bo­tões pa­ra de­ci­dir se gos­ta­ri­am de guar­dá-los ou não.

No to­tal eram apre­sen­ta­dos 50 pa­péis, dos quais al­guns per­ten­ci­am aos par­ti­ci­pan­tes e ou­tros não. As pes­so­as que não so­fri­am com a con­di­ção jo­ga­ram 40 dos 50 itens fo­ra e os di­ag­nos­ti­ca­dos com TOC des­car­ta­ram 37. No ca­so dos acumuladores, 29 ob­je­tos fo­ram des­car­ta­dos e o tem­po le­va­do pa­ra to­mar a de­ci­são foi, em mé­dia, de 2,8 se­gun­dos, con­tra 2,3 dos sau­dá­veis.

Os por­ta­do­res do TA re­por­ta­ram ní­veis con­si­de­ra­vel­men­te mai­o­res de an­si­e­da­de, in­de­ci­são e tris­te­za ao se de­pa­ra­rem com a si­tu­a­ção apre­sen­ta­da. Quan­to às re­giões ce­re­brais, os acumuladores apre­sen­ta­ram ati­vi­da­de re­du­zi­da na ín­su­la an­te­ri­or e no cór­tex cin­gu­la­do an­te­ri­or. A pri­mei­ra é li­ga­da à ava­li­a­ção de ris­cos e de­ci­sões emo­ci­o­nais, já a segunda es­tá as­so­ci­a­da à iden­ti­fi­ca­ção de er­ros.

Pa­ra Ro­ber­to Debs­ki, as “pos­sí­veis con­clu­sões des­se tra­ba­lho é que os acumuladores evi­tam de­ci­dir o que fa­zer quan­do pen­sam em se li­vrar dos ob­je­tos acu­mu­la­dos por me­do de to­mar de­ci­sões er­ra­das”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.