DESAPEGADOS

En­ten­da co­mo os desapegados se mol­dam a uma vi­da mais sim­ples e, con­se­quen­te­men­te, mais fe­liz

Mente Curiosa - - NEWS -

O que pen­sam? Co­mo vi­vem? En­ten­da co­mo es­sa ati­tu­de di­an­te da vi­da po­de ge­rar mais fe­li­ci­da­de e ple­ni­tu­de

Pen­se no per­fil de um rapaz for­ma­do na fa­cul­da­de, vin­do de uma fa­mí­lia ri­ca, com no­tas ex­ce­len­tes na gra­du­a­ção e que aban­do­nou tu­do a fim de pro­cu­rar al­go além do ma­te­ri­a­lis­mo pro­por­ci­o­na­do pe­la so­ci­e­da­de. Seu ob­je­ti­vo era vi­a­jar até o Alas­ca e se en­con­trar em meio à na­tu­re­za. Mes­mo des­cri­to pe­la fic­ção, es­se ca­so é ve­rí­di­co e fi­cou co­nhe­ci­do co­mo a his­tó­ria de vi­da de Ch­ris­topher Mc­can­dless, jo­vem nor­te-ame­ri­ca­no que te­ve sua vi­da re­tra­ta­da no fil­me In­to de Wild (no Bra­sil, Na Na­tu­re­za Sel­va­gem) e no li­vro homô­ni­mo de Jon Kra­kau­er.

A men­te hu­ma­na é cheia de sur­pre­sas e, no ca­so de Ch­ris­topher, ela sur­pre­en­deu to­dos que o cer­ca­vam e que de­se­ja­vam a ele um fu­tu­ro pro­mis­sor, con­for­me con­si­de­ra­dos ade­qua­dos por ele. Po­rém, o jo­vem que­ria mais do que is­so e, pa­ra atin­gir sua me­ta, pra­ti­cou o desapego de to­das as su­as finanças e bens ma­te­ri­ais, co­mo re­fle­xo do té­dio cau­sa­do pe­la pa­dro­ni­za­ção hu­ma­na.

Ca­sos co­mo o de Mc­can­dless não são in­co­muns. Mui­tos de­ci­dem ab­di­car de seus bens a fim de con­quis­tar uma vi­da mais sim­ples e, con­se­quen­te­men­te, mais fe­liz. O ex-pre­si­den­te uru­guaio, Jo­sé Mu­ji­ca, é dos exem­plos mais fa­mo­sos. Sua vi­da sim­ples na pe­ri­fe­ria do país cha­mou a aten­ção do mun­do in­tei­ro por se en­con­trar fo­ra dos pa­drões de­mons­tra­dos pe­la re­pre­sen­ta­ção má­xi­ma de uma na­ção.

Se­gun­do uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, as ne­ces­si­da­des ro­ti­nei­ras de uma pes­soa, pa­ra que ela atin­ja a ple­ni­tu­de, es­tão em ter uma ca­sa, co­mi­da e rou­pa pa­ra po­der viver. Mais do que is­so não pa­re­ce acres­cen­tar tan­to à lon­ge­vi­da­de de in­di­ví­du­os que, com pou­co, tor­nam-se mais ale­gres e oti­mis­tas.

Apren­der a per­der

As­sim co­mo a te­se apre­sen­ta­da pe­la psi­qui­a­tra bra­si­lei­ra So­fia Bauer, em seu li­vro Car­ti­lha do Oti­mis­mo, a fe­li­ci­da­de de pos­suir bens ma­te­ri­ais se man­tém por se­te se­ma­nas, en­quan­to o mes­mo sen­ti­men­to, pro­vin­do das con­quis­tas do ser, du­ra oi­to se­ma­nas. Es­se pa­râ­me­tro re­ve­la co­mo a con­di­ção hu­ma­na de se ale­grar com o apri­mo­ra­men­to do seu “eu” po­de ser be­né­fi­ca à saú­de, con­tri­buin­do até mes­mo pa­ra o pro­lon­ga­men­to da vi­da.

Pa­ra en­ten­der o ato de eman­ci­pa­ção de coi­sas ma­te­ri­ais, é ne­ces­sá­rio com­pre­en­der seu in­ver­so: o ape­go. As­sim co­mo afir­ma o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner, “o ape­go

po­de ser con­cei­tu­a­do co­mo a di­fi­cul­da­de de per­mi­tir que coi­sas ou ob­je­tos se­jam com­pul­si­va­men­te ‘atraí­dos’ ao in­te­res­se de al­guém que pas­sa a acu­mu­lá-los; e da im­pos­si­bi­li­da­de de, uma vez ad­qui­ri­dos e in­cor­po­ra­dos à co­le­ção ‘com­pul­si­va’ de bens, se­rem dis­po­ni­bi­li­za­dos ao uni­ver­so”.

Par­te do exer­cí­cio de desapego re­a­li­za­do por pes­so­as que fa­zem gran­des mu­dan­ças em su­as vi­das, tor­nan­do -as mais des­com­pli­ca­das e mi­ni­ma­lis­tas, é de­vi­do à vi­são que se tem do pró­xi­mo. As­sim co­mo o psi­có­lo­go Bayard Gal­vão con­tex­tu­a­li­za, “apren­der a per­der, mui­tas ve­zes, é a me­lhor ma­nei­ra de sa­bo­re­ar o que vo­cê tem”. Pa­ra is­so, o in­di­ví­duo de­ve fa­zer ques­ti­o­na­men­tos, co­mo pro­pos­to pe­lo pro­fis­si­o­nal, “quem ti­ver mui­to me­do de per­der o sta­tus que atin­giu ten­de­ria a so­frer com es­ta pos­si­bi­li­da­de (de per­da)?”. Es­sa ati­vi­da­de pos­si­bi­li­ta ao in­di­ví­duo mai­or pers­pec­ti­va da­qui­lo que é be­né­fi­co ao ou­tro e a si mes­mo por meio do seu desapego.

Co­mo re­ver­ter o desapego ao al­truís­mo

As for­mas de re­a­li­zar o desapego são mui­tas. De acor­do com o psi­có­lo­go Pau­lo Oli­vei­rah, o po­der da me­di­ta­ção po­de ser es­sen­ci­al à mu­da­ça de pers­pec­ti­va. Se­gun­do Pau­lo, quan­do en­vi­a­mos a in­for­ma­ção da re­gião cen­tral pa­ra os ló­bu­los pa­ren­tais que atu­a­rão em con­jun­to pa­ra fil­trá-la e di­re­ci­o­ná-la, pos­te­ri­or­men­te, pa­ra o cam­po fron­tal, per­mi­te a re­a­li­za­ção da­qui­lo que foi pro­gra­ma­do. Is­so pro­por­ci­o­na ao su­jei­to uma al­te­ra­ção no pon­to de vis­ta, re­sul­tan­do em seu es­ta­do de li­ber­ta­ção da­qui­lo que a so­ci­e­da­de pre­ga.

Por ou­tra via, mui­tos desapegados man­têm su­as vi­das ba­se­a­das no al­truís­mo, ou se­ja, em ati­vi­da­des que per­mi­tem re­co­nhe­cer o amor ao pró­xi­mo. É por meio de do­a­ção de bens ma­te­ri­ais ou tem­po de­di­ca­do a al­guém que cer­tas áre­as ce­re­brais se­rão es­ti­mu­la­das, pro­vo­can­do a sen­sa­ção de pra­zer nos in­dí­vi­du­os. Com ela, o cres­ci­men­to pes­so­al é de­sen­vol­vi­do pa­ra o pa­ta­mar de com­par­ti­lha­men­to de ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tras, em di­fe­ren­tes si­tu­a­ções.

“O ape­go po­de ser con­cei­tu­a­do co­mo a di­fi­cul­da­de de per­mi­tir que coi­sas ou ob­je­tos se­jam com­pul­si­va­men­te ‘atraí­dos’ ao in­te­res­se de al­guém que pas­sa a acu­mu­lá-los” Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta e pa­les­tran­te.

INS­TI­TUI­ÇÕES QUE TRA­BA­LHAM COM O DESAPEGO ALTRUÍSTA O iní­cio de um de­sa­pe­ga­do es­tá na aná­li­se da­qui­lo que pos­sui e co­mo aqui­lo po­de ser re­pas­sa­do a ou­tras pes­so­as que es­tão a sua vol­ta. No cam­po ma­te­ri­al, ele po­de re­a­li­zar do­a­ções em ins­ti­tui­ções be­ne­fi­cen­tes que, a par­tir de ba­za­res, au­xi­li­am fi­nan­cei­ra­men­te fa­mí­li­as, co­mu­ni­da­des ou gru­pos que ca­re­cem de al­guns bens úteis à for­ma­ção das pes­so­as que os com­põem. Lo­go abai­xo, lis­ta­mos al­gu­mas in­si­tui­ções be­ne­fi­cen­tes que au­xi­li­am nes­ta ati­vi­da­de: • Casas André Luiz: res­pon­sá­vel pe­lo aten­di­men­to de 1.400 pa­ci­en­tes com de­fi­ci­ên­cia men­tal, es­ta en­ti­da­de acei­ta móveis, ob­je­tos re­ci­clá­veis, livros e rou­pas. Sua atu­a­ção con­cen­tra-se na Gran­de São Pau­lo e nas re­giões de Cam­pi­nas e So­ro­ca­ba, no in­te­ri­or pau­lis­ta. • Exér­ci­to da Sal­va­ção: agin­do in­ter­na­ci­o­nal­men­te, a en­ti­da­de, atu­al­men­te, man­tém cen­tros de educação in­fan­til, além abri­gar me­no­res em si­tu­a­ção de ris­co e idosos. Seus ba­za­res be­ne­fi­cen­tes acei­tam itens de ves­tuá­rio, móveis e livros e, den­tro os cin­co pro­gra­ma­dos anu­al­men­te, dois ocor­rem na ca­pi­tal de São Pau­lo. • AACD: com do­a­ções fei­tas tam­bém por meio do si­te, a As­so­ci­a­ção de Apoio à Cri­an­ça com Cân­cer (AACD) oferece su­por­te ao tra­ta­men­to e apoio emo­ci­o­nal de cri­an­ças que recebem mo­ra­dia e ali­men­ta­ção pe­la mes­ma en­ti­da­de. A do­a­ção de ca­dei­ras de rodas, pe­ru­cas, ma­te­ri­al de lim­pe­za e hi­gi­e­ne pes­so­al são sem­pre mui­to bem-vin­das.

CON­SUL­TO­RI­AS Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co, es­pe­ci­a­lis­ta em hip­no­se e pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Mil­ton Erick­son de São Pau­lo (SP); Mar­tin Port­ner, mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta, mes­tre em Neu­ro­ci­ên­cia pe­la Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, es­cri­tor e pa­les­tran­te; Pau­lo Sér­gio Oli­vei­rah, psi­có­lo­go trans­pes­so­al e es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.