DES­CU­BRA

Mente Curiosa - - NEWS -

Vo­cê é um acumulador? Responda às per­gun­tas com sin­ce­ri­da­de e ve­ri­fi­que se não é ho­ra de pro­cu­rar aju­da

À lu­ta

O pro­ces­so de acei­ta­ção de um qua­dro ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo não é fá­cil, mui­to me­nos a ba­ta­lha con­tra ele. Se­gun­do o psi­có­lo­go Ar­man­do Ri­bei­ro, “o tra­ta­men­to com me­lhor evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca é a com­bi­na­ção de terapia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e far­ma­co­te­ra­pia”. Po­rém, ou­tras no­vi­da­des na área já es­tão dis­po­ní­veis, co­mo: bio/neu­ro­fe­ed­back, me­di­ta­ção, a Des­sen­si­bi­li­za­ção e Re­pro­ces­sa­men­to Atra­vés de Mo­vi­men­tos Ocu­la­res (EMDR, em in­glês) e as Téc­ni­cas de Li­be­ra­ção Emo­ci­o­nal (EFT, em in­glês).

Pri­mei­ra­men­te, é im­por­tan­te a pes­soa com o trans­tor­no per­ce­ber que a sen­sa­ção de “de­ver cum­pri­do” pro­por­ci­o­na­da ao re­a­li­zar o TOC é pas­sa­gei­ra, e gra­du­al­men­te to­ma­rá o co­man­do no cotidiano ao pon­to de o in­di­ví­duo não con­tro­lar mais a pró­pria for­ça de von­ta­de.

É fun­da­men­tal não pror­ro­gar a pro­cu­ra por uma aju­da mé­di­ca em ca­sos co­mo es­ses, prin­ci­pal­men­te se es­ti­ver em um es­tá­gio ini­ci­al, pois, quan­to an­tes o tra­ta­men­to co­me­çar, me­no­res se­rão os da­nos co­la­te­rais, pro­por­ci­o­nan­do uma qua­li­da­de de vi­da me­lhor ao pa­ci­en­te. Se não fo­rem re­a­li­za­dos di­ag­nós­ti­cos e cui­da­dos pré­vi­os, o dis­túr­bio po­de tra­zer gran­des pre­o­cu­pa­ções, pois, co­mo ex­pli­ca Juliana Bi­ze­to, “a re­la­ção en­tre o TOC e o sui­cí­dio é mui­to al­ta. É o trans­tor­no que as pes­so­as cor­rem mais o ris­co de não su­por­tar con­vi­ver”.

Tocs fa­mo­sos

se­gre­gaO Trans­tor­no­por ra­ça, Ob­ses­si­vo­gê­ne­ro ou Com­pul­si­vo­fa­ma. A lis­ta não­de ce­le­bri­da­des que li­dam, ou já li­da­ram, com o dis­túr­bio é gran­de: • Leonardo di Ca­prio: mes­mo sob con

tro­le, o ator ale­ga ter que pas­sar por uma por­ta di­ver­sas ve­zes pa­ra fi­car sa­tis­fei­to. • Ro­ber­to Car­los: o rei só sai pe­la mes­ma

por­ta que en­trou, além de não usar rou­pas es­cu­ras, prin­ci­pal­men­te mar­rom, e cen­su­rar al­gu­mas pa­la­vras, co­mo ‘mau’, de su­as mú­si­cas. • Da­vid Beckham: o jo­ga­dor tem a com

pul­são de co­lo­car ob­je­tos em li­nha ou em

pares. • Ca­me­ron Di­az: a atriz sem­pre abre

por­tas de um jei­to in­co­mum. De­vi­do à sua ob­ses­são con­tra ger­mes, ela não to­ca em ma­ça­ne­tas – lim­pan­do-as ao pon­to de ti­rar a cor. De­vi­do à mes­ma ques­tão, ela lava as mãos a to­do o mo­men­to. • Jus­tin Tim­ber­la­ke: além de gos­tar dos

ob­je­tos per­fei­ta­men­te ali­nha­dos, o can­tor sem­pre pre­ci­sa ter ali­men­tos es­pe­cí­fi­cos em sua ge­la­dei­ra. • Mi­cha­el Jack­son: o as­tro do pop era co­nhe­ci­do pe­la ob­ses­são em al­te­rar ca­rac­te­rís­ti­cas de sua apa­rên­cia. Es­sa com­pul­são se cha­ma Trans­tor­no Dis­mór­fi­co Cor­po­ral. • Me­gan Fox: a atriz ame­ri­ca­na apre­sen­ta su­as ques­tões re­la­ci­o­na­das à lim­pe­za. As­sim, não uti­li­za ta­lhe­res de res­tau­ran­te, nem ba­nhei­ros pú­bli­cos, tu­do pe­lo me­do das bac­té­ri­as.

CON­SUL­TO­RI­AS Ar­man­do Ri­bei­ro, psi­có­lo­go; Juliana Bi­ze­to, psi­có­lo­ga; Mário Gui­ma­rães, neu­ro­lo­gis­ta e pro­fes­sor de me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi, em São Pau­lo (SP); Sandra Car­va­lhais, psi­qui­a­tra, co­or­de­na­do­ra e pro­fes­so­ra na Fa­cul­da­de Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa e En­si­no Mé­di­co (IPEMED) de Ciências Mé­di­cas, em São Pau­lo (SP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.