É TOC?

Mui­tas ve­zes con­fun­di­do com Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção, o TOC é um dis­túr­bio men­tal que nem sem­pre é tra­ta­do co­mo se de­ve

Mente Curiosa - - NEWS -

Conheça o Trans­tor­no Ob­ses­si­vo-com­pul­si­vo (TOC) e as di­fe­ren­ças da acu­mu­la­ção

OMa­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM) é um ma­te­ri­al uti­li­za­do co­mo re­fe­rên­cia por psi­qui­a­tras do mun­do to­do no que diz res­pei­to à saú­de men­tal, clas­si­fi­can­do e ar­qui­van­do as mais di­ver­sas dis­fun­ções. Tal pu­bli­ca­ção de­fi­ne o Trans­tor­no da Acu­mu­la­ção (TA) co­mo “aqui­si­ção com­pul­si­va de ob­je­tos des­ne­ces­sá­ri­os, de­sor­ga­ni­za­ção e di­fi­cul­da­de em des­fa­zer-se das pos­ses”, apon­tan­do a fal­ta da do­cu­men­ta­ção que des­cre­ve e ca­rac­te­ri­za o dis­túr­bio em su­as edi­ções an­te­ri­o­res. As­sim, res­sal­ta que a fal­ta de um di­ag­nós­ti­co es­pe­cí­fi­co fa­zia com que o TA fos­se con­fun­di­do com o Trans­tor­no Ob­ses­si­voCom­pul­si­vo (TOC).

En­ten­da as par­ti­cu­la­ri­da­des do TOC pa­ra di­fe­ren­ciá-lo da acu­mu­la­ção e de com­por­ta­men­tos in­co­muns, co­mo la­var as mãos vá­ri­as ve­zes ao dia e che­car se tran­cou a por­ta de ca­sa.

Além do que se vê

Os dis­túr­bi­os de ob­ses­são com­pul­si­va não se ca­rac­te­ri­zam ape­nas por ri­tu­ais que o in­di­ví­duo não con­se­gue dei­xar de cum­prir, co­mo a lim­pe­za das mãos com gran­de frequên­cia. Mas, tam­bém, por ideias que a pes­soa não ti­ra da ca­be­ça, co­mo as su­pers­ti­ções as­so­ci­a­das ao azar – cru­zar a fren­te de um ga­to pre­to, pas­sar em­bai­xo de es­ca­das ou des­vi­rar sapatos. Por is­so, é de­sa­fi­a­dor fa­zer o di­ag­nós­ti­co de TOC. Se­gun­do a psi­có­lo­ga Juliana Bi­ze­to, “é pos­sí­vel per­ce­ber que exis­tem al­guns qua­dros mais apa­ren­tes do que ou­tros. Às ve­zes, a ques­tão de lim­pe­za, por exem­plo, é mui­to mais cla­ra de no­tar do que ideias ob­ses­si­vas, pois a pes­soa pre­ci­sa co­mu­ni­cá-las pa­ra o di­ag­nós­ti­co”.

No cé­re­bro, o trans­tor­no afe­ta prin­ci­pal­men­te o cir­cui­to cór­ti­co-es­tri­a­do­tá­la­mo- cor ti­cal que, co­mo ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Mário Gui­ma­rães, “envolve o cór­tex, es­tru­tu­ra de on­de emer­gem ideias e co­man­dos mo­to­res, com os nú­cle­os da ba­se, es­tru­tu­ras es­sen­ci­ais na mus­cu­la­tu­ra em fun­ções ner­vo­sas”. Além dis­so, há uma re­du­ção do neu­ro­trans­mis­sor se­ro­to­ni­na, res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le da an­si­e­da­de, e um au­men­to de do­pa­mi­na, glu­ta­ma­to e ace­til­co­li­na.

Não é per­fec­ci­o­nis­mo

Nem to­das as ma­ni­as, por mais que pa­re­çam, são di­ag­nos­ti­ca­das co­mo trans­tor­nos. Es­tes pos­su­em ca­rac­te­rís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas que evi­den­ci­am um com­por­ta­men­to ob­ses­si­vo. Gos­tar dos ob­je­tos or­ga­ni­za­dos é uma coi­sa, mas ter que dei­xá-los sem­pre no mes­mo ân­gu­lo e or­dem pa­ra fi­car sa­tis­fei­to é ou­tra, ou se­ja, um dis­túr­bio. “As ideias ob­ses­si­vas mais fre­quen­tes re­la­ci­o­nam-se com cui­da­dos de lim­pe­za, me­do de con­ta­mi­na­ção, agres­si­vi­da­de, dú­vi­da, pre­o­cu­pa­ção com or­dem, si­me­tria e pen­sa­men­tos re­la­ci­o­na­dos à obs­ce­ni­da­de”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Sandra Car­va­lhais.

TOC E TA

De acor­do com o Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM-V), o trans­tor­no de acu­mu­la­ção não é di­ag­nos­ti­ca­do se os sin­to­mas fo­rem con­si­de­ra­dos con­sequên­cia di­re­ta de ob­ses­sões ou com­pul­sões tí­pi­cas, co­mo me­dos de con­ta­mi­na­ção, de fe­ri­men­tos ou sen­ti­men­tos de in­com­ple­tu­de no TOC. As­sim, “os sen­ti­men­tos de in­com­ple­tu­de (por exem­plo, per­der a iden­ti­da­de ou ter de do­cu­men­tar e pre­ser­var to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da) são os sin­to­mas mais fre­quen­tes de TOC as­so­ci­a­dos a es­sa for­ma de acu­mu­la­ção”, res­sal­ta. A pu­bli­ca­ção ain­da es­cla­re­ce que, no TOC, o com­por­ta­men­to é, em ge­ral, in­de­se­ja­do e al­ta­men­te an­gus­ti­an­te, e o in­di­ví­duo não ex­pe­ri­men­ta pra­zer ou re­com­pen­sa com ele. Já aque­les que acu­mu­lam no contexto do TOC tam­bém têm mais pro­ba­bi­li­da­de de acu­mu­lar itens bi­zar­ros, co­mo lixo, fe­zes, uri­na, unhas, ca­be­lo, fral­das usa­das ou co­mi­da es­tra­ga­da. “O acú­mu­lo des­ses itens é mui­to in­co­mum no trans­tor­no de acu­mu­la­ção. Quan­do a acu­mu­la­ção grave apa­re­ce con­co­mi­tan­te­men­te a ou­tros sin­to­mas tí­pi­cos de TOC, mas é con­si­de­ra­da in­de­pen­den­te des­ses sin­to­mas, am­bos de­vem ser di­ag­nos­ti­ca­dos – trans­tor­no de acu­mu­la­ção e TOC”, afir­ma o ma­nu­al.

“As ideias ob­ses­si­vas mais fre­quen­tes re­la­ci­o­nam-se com cui­da­dos de lim­pe­za, me­do de con­ta­mi­na­ção, agres­si­vi­da­de, dú­vi­da, pre­o­cu­pa­ção com or­dem, si­me­tria e pen­sa­men­tos re­la­ci­o­na­dos à obs­ce­ni­da­de” Sandra Car­va­lhais, psi­qui­a­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.