TRA­TA­MEN­TO

Ve­ja quais são as re­co­men­da­ções e os mé­to­dos mais apli­ca­dos pe­la ciência pa­ra ca­sos de Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção

Mente Curiosa - - NEWS -

Os mé­to­dos pa­ra su­pe­rar o ape­go exa­ge­ra­do

Vo­cê co­nhe­ce pes­so­as que cos­tu­mam acu­mu­lar ob­je­tos sim­ples, pas­sí­veis de se­rem des­car­ta­dos, mas que pos­su­em gran­de valor a ela a pon­to de in­ter­fe­ri­rem nas su­as ati­vi­da­des diá­ri­as? Pois saiba que, tal­vez, es­se in­di­ví­duo te­nha Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção (TA).

A con­di­ção clí­ni­ca tem co­mo sintoma prin­ci­pal a ne­ces­si­da­de de pos­suir bens em gran­de quan­ti­da­de e, os quais, em gran­de par­te já o fo­ram des­car­ta­dos pe­la so­ci­e­da­de co­mo lixo. Tal qua­dro pas­sa a afe­tar a vi­da so­ci­al do acumulador, le­van­do a qua­dros mais gra­ves co­mo to­tal iso­la­men­to e, con­se­quen­te­men­te, de­pres­são.

A in­ter­ven­ção de ami­gos e fa­mi­li­a­res, nes­te ca­so, po­de ser agres­si­va ao pa­ci­en­te. A com­pre­en­são de que a per­da da­qui­lo que es­se jun­tou du­ran­te sua ro­ti­na po­de não ter o mes­mo as­pec­to pa­ra aque­les que o ob­ser­vam. Por­tan­to, a bus­ca de pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos, co­mo psi­có­lo­gos, é es­sen­ci­al quan­do no­ta­dos os pri­mei­ros si­nais da acu­mu­la­ção com­pul­si­va, ge­ral­men­te, de­nun­ci­a­dos pe­la frequên­cia na so­ci­a­li­za­ção, cui­da­dos com a hi­gi­e­ne pes­so­al e ali­men­ta­ção.

A TCC

O Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção (TA), por ve­zes, é en­ca­ra­do co­mo uma sim­ples ma­nia que não exi­ge a aten­ção ofe­re­ci­da a uma pa­to­lo­gia. Se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner, “a nor­ma do acumulador é ob­ter, e não en­tre­gar. A pes­soa aco­me­ti­da pe­lo TA es­tá sob cons­tan­te pres­são in­ter­na pa­ra acu­mu­lar mais e or­ga­ni­zar me­nos. Em de­cor­rên­cia, as re­la­ções com as de­mais pes­so­as vão fi­can­do fra­cas e sem sen­ti­do”. A psicologia e as propostas mé­di­co-clí­ni­cas, en­tão, de­vem in­ter­vir e se apoi­ar em te­ra­pi­as e, em ca­sos mais gra­ves, me­di­ca­men­tos pa­ra a su­a­vi­za­ção dos efei­tos da do­en­ça.

O mé­to­do de tra­ta­men­to mais re­cor­ren­te pa­ra o Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção é a Terapia Cog­ni­ti­va Com­por­ta­men­tal (TCC), que es­tu­da co­mo a in­ter­pre­ta­ção hu­ma­na po­de ser pre­pon­de­ran­te pa­ra o di­ag­nós­ti­co do pa­ci­en­te. A dis­tor­ção da in­ter­pre­ta­ção so­bre ações diá­ri­as, co­mo a re­cep­ção de crí­ti­cas, po­de ge­rar pen­sa­men­tos au­to­má­ti­cos, se­jam eles ne­ga­ti­vos ou po­si­ti­vos. Em ge­ral, os pri­mei­ros aca­bam su­bes­ti­man­do aná­li­ses cor­re­tas.

Nos ca­sos de quem apre­sen­ta um qua­dro de TA, a psi­co­te­ra­pia po­de ser be­né­fi­ca pa­ra que o pa­ci­en­te tra­ba­lhe den­tro da ocor­rên­cia do seu com­por­ta­men­to, a par­tir de uma re­or­ga­ni­za­ção cog­ni­ti­va, na qu­al se­rão pro­por­ci­o­na­das for­mas de di­mi­nui­ção do so­fri­men­to oca­si­o­na­do pe­lo des­car­te da­qui­lo que acu­mu­lou e con­di­ci­o­na­men­to pa­ra de­ci­sões ne­ces­sá­ri­as ao desapego de ob­je­tos (e, em al­guns ca­sos, ani­mais).

Ou­tros mé­to­dos

Com a re­cen­te in­ser­ção do Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção na quin­ta edição do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor- nos Men­tais (DSM-5), os tra­ta­men­tos pa­ra a pa­to­lo­gia ain­da per­cor­rem o mun­do ci­en­tí­fi­co com mui­tas dú­vi­das. Por­tan­to, além da Terapia Com­por­ta­men­tal Cog­ni­ti­va, sur­gi­ram ou­tros mé­to­dos pa­ra es­sa con­di­ção clí­ni­ca.

Vis­to o êxi­to no tra­ta­men­to do TA com a TCC, o mé­to­do foi as­so­ci­a­do ao gru­po, per­mi­tin­do aos pa­ci­en­tes in­te­ra­gir com o ambiente so­ci­al, re­du­zin­do, as­sim, os sin­to­mas de de­pres­são e an­si­e­da­de. De acor­do com es­tu­do re­a­li­za­do pe­la cientista nor­te -ame­ri­ca­na, as­so­ci­a­da a ou­tros pes­qui­sa­do­res, Ch­ris­ti­na Gil­li­an, cons­ta­tou-se que um 80% gru­po sub­me­ti­do a 26 ses­sões de terapia apre­sen­tou re­du­ção sin­to­má­ti­ca.

Além des­te mé­to­do, a Terapia do Es­que­ma per­mi­te ao in­di­ví­duo a des­cons­tru­ção da re­a­li­da­de que lhe foi apre­sen­ta­da, tor­nan­do-a me­nos rí­gi­da à sua aná­li­se. So­bre me­di­ca­men­tos, Mar­tin Port­ner afir­ma que, “na mai­or par­te das ve­zes, os re­mé­di­os são ne­ces­sá­ri­os pa­ra con­tro­lar o im­pul­so acumulador”. “Es­ses po­dem ser tran­qui­li­zan­tes, co­mo o clo­na­ze­pam e al­pra­zo­lam, ou da clas­se dos an­ti­de­pres­si­vos, co­mo o es­ci­ta­lo­pram ou, mais re­cen­te­men­te, a des­ven­la­fa­xi­na”, con­clui o pro­fis­si­o­nal. CON­SUL­TO­RIA Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co, es­pe­ci­a­lis­ta em hip­no­se e pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Mil­ton Erick­son de São Pau­lo; Mar­tin Port­ner, mé­di­co Neu­ro­lo­gis­ta, mes­tre em Neu­ro­ci­ên­cia pe­la Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, es­cri­tor e pa­les­tran­te.

“Em que me­di­da a acu­mu­la­ção es­tá ge­ran­do do­res ou so­fri­men­tos? Ca­so es­te­ja, a pos­tu­ra mais im­por­tan­te de ser as­su­mi­da com es­ta pes­soa se­ria: de tu­do o que pos­sui, quan­to vo­cê uti­li­zou no úl­ti­mo ano?” Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.