CO­MO OS FA­MI­LI­A­RES DE­VEM IN­TER­VIR?

Mente Curiosa - - NEWS -

A per­gun­ta fei­ta por pa­ren­tes ou ami­gos que acom­pa­nham o pro­ces­so de Trans­tor­no de Acu­mu­la­ção de um in­di­ví­duo é “co­mo eu pos­so aju­dar?”. Se­gun­do o psi­có­lo­go Bayard Gal­vão, “a per­gun­ta mais ra­zoá­vel se­ria: em que me­di­da a acu­mu­la­ção es­tá ge­ran­do do­res ou so­fri­men­tos? Ca­so es­te­ja, a pos­tu­ra mais im­por­tan­te de ser as­su­mi­da com es­ta pes­soa se­ria: de tu­do o que pos­sui, quan­to vo­cê uti­li­zou no úl­ti­mo ano? Do que vo­cê não uti­li­zou, o que se­ria ra­ci­o­nal vo­cê dar, ven­der, jo­gar no lixo ou tro­car?”. Pa­ra tan­to, o fa­mi­li­ar de­ve se ori­en­tar da con­di­ção de seu en­te, pa­ra não ha­ver dú­vi­das na for­ma de tra­tá-lo.

Já Mar­tin Port­ner afir­ma que “os neurô­ni­os da amíg­da­la ce­re­bral – com co­nhe­ci­da di­fi­cul­da­de em ma­ni­fes­tar desapego – de­vem re­ce­ber uma ação de freio ori­gi­na­da na par­te mais an­te­ri­or do cé­re­bro, o cór­tex pre­fron­tal. Co­mo es­se freio é de­fi­ci­tá­rio nas pes­so­as com TA, elas têm ca­da vez mais ape­go a coi­sas ou ob­je­tos”. O pro­fis­si­o­nal ain­da pon­tua que “por es­ta ra­zão, é pou­co pro­vá­vel que a fa­mí­lia ou os ami­gos pos­sam ser fon­te efi­caz de aju­da. A ex­ce­ção fi­ca por con­ta de gru­pos or­ga­ni­za­dos da so­ci­e­da­de co­mo uma as­so­ci­a­ção su­per­vi­si­o­na­da de pes­so­as com TA”. Ou se­ja, a me­lhor for­ma de se en­qua­drar em uma si­tu­a­ção que de­pen­de do di­ag­nós­ti­co clí­ni­co de um en­te é es­pe­rar pe­la ava­li­a­ção mé­di­ca, pa­ra que o in­di­ví­duo não so­fra com mé­to­dos in­va­si­vos ori­gi­ná­ri­os da pre­o­cu­pa­ção de fa­mi­li­a­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.