RE­OR­GA­NI­ZAN­DO AS SI­NAP­SES

Se me­di­tar têm efei­tos sig­ni­fi­ca­ti­vos em nos­sa saú­de e bem-es­tar, é im­por­tan­te sa­ber que mui­to dis­so é con­sequên­cia de com­ple­xos re­ar­ran­jos pro­por­ci­o­na­dos pela prá­ti­ca em nos­sa ati­vi­da­de ce­re­bral

Mente Curiosa - - NEWS - CON­SUL­TO­RI­AS Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em mindfulness; De­ni­se de Cas­tro Me­ne­zes, neu­ro­lo­gis­ta e pro­fes­so­ra de me­di­ta­ção.

A téc­ni­ca me­di­ta­ti­va é ca­paz de re­es­tru­tu­rar as li­ga­ções que seu cé­re­bro faz

Os pri­mei­ros re­gis­tros his­tó­ri­cos re­la­ci­o­na­dos às prá­ti­cas me­di­ta­ti­vas da­tam de me­a­dos do ano 1.500 a.c. e se mis­tu­ram à li­te­ra­tu­ra e mis­ti­cis­mo da Ín­dia. Ape­sar do ca­rá­ter es­pi­ri­tu­al, atre­la­do prin­ci­pal­men­te às re­li­giões ori­en­tais, a me­di­ta­ção tem si­do, ca­da vez mais, in­se­ri­da no cam­po ci­en­tí­fi­co. No âm­bi­to da neu­ro­lo­gia, os es­tu­dos so­bre os efei­tos da me­di­ta­ção no cé­re­bro têm de­mons­tra­do re­sul­ta­dos sur­pre­en­den­tes, que vão des­de mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas em sua es­tru­tu­ra fí­si­ca até um ba­lan­ço das ati­vi­da­des quí­mi­cas.

Mas­sa cin­zen­ta

Um es­tu­do de 2011, li­de­ra­do por pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, de­mons­trou que oi­to se­ma­nas de prá­ti­ca diá­ria da téc­ni­ca de mindfulness fo­ram ca­pa­zes de re­a­li­zar mu­dan­ças con­si­de­rá­veis na mas­sa cin­zen­ta do cé­re­bro. A pes­qui­sa le­vou em con­ta os re­sul­ta­dos de 16 par­ti­ci­pan­tes, que re­a­li­za­vam uma mé­dia de 27 minutos de me­di­ta­ção por dia.

A amíg­da­la, gru­po de neurô­ni­os que exer­ce pa­pel im­por­tan­te na an­si­e­da­de e no es­tres­se, te­ve uma di­mi­nui­ção de den­si­da­de na ma­té­ria cin­zen­ta. Ou­tra re­gião afe­ta­da foi o hi­po­cam­po, que so­freu um au­men­to na es­tru­tu­ra neu­ral. Es­sa área tem fun­ção em pro­ces­sos co­mo a apren­di­za­gem, a me­mó­ria e a com­pai­xão.

“A me­di­ta­ção pro­mo­ve al­te­ra­ções quí­mi­cas de gran­de im­pac­to. Neu­ro­trans­mis­so­res de­se­ja­dos, co­mo é o ca­so da se­ro­to­ni­na, o cha­ma­do hormô­nio da fe­li­ci­da­de, têm li­be­ra­ção au­men­ta­da; ou­tros, me­nos de­se­ja­dos, co­mo o cor­ti­sol, têm sua pro­du­ção di­mi­nuí­da” Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em mindfulness

Se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em mindfulness Mar­tin Port­ner, es­ses re­sul­ta­dos são pal­pá­veis no dia a dia. “Pra­ti­ca­men­te to­das as áre­as ce­re­brais se tor­nam al­vo de um pro­ces­so de re­or­ga­ni­za­ção po­si­ti­va gui­a­do pela me­di­ta­ção. Além dis­so, o cé­re­bro mu­da em relação aos com­por­ta­men­tos pros­so­ci­ais. Os neurô­ni­os – es­pe­lho, adap­ta­dos pa­ra re­pro­du­zir os sen­ti­men­tos de ou­tro ser hu­ma­no em nós mes­mos, nos em­po­de­ram com a qua­li­da­de da em­pa­tia”, com­ple­ta o pro­fis­si­o­nal.

Port­ner es­cla­re­ce que es­sas mu­dan­ças agem em du­as fren­tes po­de­ro­sas den­tro da dis­po­si­ção ce­re­bral: a pri­mei­ra diz res­pei­to às ca­ma­das mais ex­ter­nas do cé­re­bro, on­de os me­di­ta­do­res apresentam uma mai­or den­si­da­de cor­ti­cal. Nes­tas, alo­jam-se “os neurô­ni­os ar­ti­cu­la­do­res do pen­sar, sen­tir, de­ci­dir e pros­pe­rar”, con­for­me ex­põe o es­pe­ci­a­lis­ta.

Além dis­so, a ín­su­la e o cór­tex cin­gu­la­do se mos­tram mais ro­bus­tos nos pra­ti­can­tes de mindfulness. Es­sas re­giões, se­gun­do Port­ner, “são fun­da­men­tais pa­ra in­te­grar os im­pul­sos emo­ci­o­nais com a au­to­cons­ci­ên­cia (co­mo quan­do nos per­gun­ta­mos ‘por que es­tou sen­tin­do is­to, nes­te mo­men­to?’) e me­di­ar um pro­ces­so de de­ci­são de mai­or sig­ni­fi­ca­do”.

A segunda pers­pec­ti­va en­vol­ve o for­ta­le­ci­men­to de uma mem­bra­na cha­ma­da mi­e­li­na, que re­ves­te os neurô­ni­os e per­mi­te uma ar­ti­cu­la­ção mais ve­loz.

Quí­mi­ca do bem-es­tar

Du­ran­te a prá­ti­ca do mindfulness, a aten­ção ao mo­men­to pre­sen­te traz a sen­sa­ção de re­la­xa­men­to. Des­li­gar-se das pre­o­cu­pa­ções per­sis­ten­tes (ge­ral­men­te re­la­ci­o­na­das a ru­mi­na­ção de re­cei­os pas­sa­dos ou fu­tu­ros) é fun­da­men­tal no bem-es­tar. Va­ri­a­das pes­qui­sas já apre­sen­ta­ram os be­ne­fí­ci­os a cur­to e lon­go pra­zo pro­ve­ni­en­tes da me­di­ta­ção.

A neu­ro­lo­gis­ta e pro­fes­so­ra de me­di­ta­ção De­ni­se de Cas­tro Me­ne­zes ex­pli­ca que a prá­ti­ca mi­le­nar “for­ta­le­ce nos­sa ca­pa­ci­da­de de con­cen­tra­ção, au­men­ta a ati­vi­da­de em áre­as re­la­ci­o­na­das com afe­to po­si­ti­vo e equi­li­bra nos­so sis­te­ma imu­no­ló­gi­co”.

Con­tu­do, quais mu­dan­ças neu­rais pro­por­ci­o­nam es­se es­ta­do? De acor­do com De­ni­se, es­ses efei­tos são fru­to de um re­ar­ran­jo das si­nap­ses dos neurô­ni­os, o que, em úl­ti­ma aná­li­se, im­pli­ca em uma ati­vi­da­de quí­mi­ca si­náp­ti­ca. “A me­di­ta­ção pro­mo­ve uma mu­dan­ça na plas­ti­ci­da­de ce­re­bral que nos fa­vo­re­ce”, ex­pli­ca.

Em tor­no das va­ri­a­ções quí­mi­cas de­cor­ren­tes da prá­ti­ca, es­tá en­vol­vi­da a li­be­ra­ção de subs­tân­ci­as es­pe­cí­fi­cas, que, se­gun­do Mar­tin Port­ner, po­dem se in­ten­si­fi­car ou se res­trin­gir. “A me­di­ta­ção pro­mo­ve al­te­ra­ções quí­mi­cas de gran­de im­pac­to. Neu­ro­trans­mis­so­res de­se­ja­dos, co­mo é o ca­so da se­ro­to­ni­na, o cha­ma­do hormô­nio da fe­li­ci­da­de, têm li­be­ra­ção au­men­ta­da; ou­tros, me­nos de­se­ja­dos, co­mo o cor­ti­sol, têm sua pro­du­ção di­mi­nuí­da”, rei­te­ra o neu­ro­lo­gis­ta.

Co­mo se não fos­se o bas­tan­te, uma pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de de Bos­ton, nos Es­ta­dos Uni­dos, mos­trou que, du­ran­te exer­cí­ci­os de io­ga (prá­ti­ca si­mi­lar, que tra­ba­lha tam­bém a es­tru­tu­ra cor­po­ral), a ati­vi­da­de do áci­do ga­ma-ami­no­bu­tí­ri­co (GABA) au­men­ta con­si­de­ra­vel­men­te. O com­pos­to é um im­por­tan­te neu­ro­trans­mis­sor do cé­re­bro, li­ga­do à pro­du­ção do efei­to cal­man­te, que é in­du­zi­do por re­mé­di­os co­mo o di­a­ze­pam (Va­lium).

As­sim, Port­ner ex­pli­ca que es­sa sen­sa­ção de cal­ma, an­tes atin­gi­da por meio de, por exem­plo, me­di­ca­men­tos da classe dos ben­zo­di­a­ze­pí­ni­cos, “po­de ser ob­ti­da me­di­an­te a me­di­ta­ção atra­vés de um pro­ces­so in­ter­no to­tal­men­te na­tu­ral”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.