FO­CO NO TRA­BA­LHO

Saiba co­mo a prá­ti­ca do mindfulness pro­por­ci­o­na me­lho­ras no ren­di­men­to e com­por­ta­men­to pro­fis­si­o­nal

Mente Curiosa - - NEWS - CON­SUL­TO­RIA Fa­bi­a­na Be­net­ti, psi­ca­na­lis­ta

As em­pre­sas des­co­bri­ram que a me­di­ta­ção po­de tra­zer bons re­sul­ta­dos e efi­ci­ên­cia

Em­pre­sas ao re­dor do mun­do vêm in­ves­tin­do no mindfulness co­mo exer­cí­cio pa­ra seus fun­ci­o­ná­ri­os. No­mes co­nhe­ci­dos co­mo Go­o­gle, Ap­ple e Twit­ter já fa­zem par­te des­se gru­po de or­ga­ni­za­ções que dis­po­ni­bi­li­zam trei­na­men­tos so­bre a prá­ti­ca pa­ra seus pro­fis­si­o­nais e pe­que­nas pau­sas na ro­ti­na pa­ra que eles pos­sam pra­ti­car a me­di­ta­ção.

Os efei­tos be­né­fi­cos da aten­ção ple­na são di­ver­sos e, no âm­bi­to pro­fis­si­o­nal, eles tam­bém po­dem ser per­ce­bi­dos. Por meio de es­tu­dos sa­be-se que, quan­to mai­or o ní­vel de prá­ti­ca do mindfulness, mai­or a cri­a­ti­vi­da­de, o bem-es­tar, o fo­co e a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal — ca­rac­te­rís­ti­cas que po­dem co­la­bo­rar em si­tu­a­ções do mer­ca­do de tra­ba­lho.

Pro­du­ti­vi­da­de ace­le­ra­da

Um dos prin­ci­pais pon­tos que po­de jus­ti­fi­car a prá­ti­ca do exer­cí­cio me­di­ta­ti­vo é a me­lho­ra do ren­di­men­to nas or­ga­ni­za­ções. Um es­tu­do re­a­li­za­do pela Uni­ver­si­da­de de Har vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, mos­trou que as pes­so­as, quan­do es­tão acor­da­das, pas­sam cer­ca de 47% do seu tem­po per­di­das em pen­sa­men­tos sol­tos, ou se­ja, pra­ti­ca­men­te me­ta­de do dia com a men­te

“no mun­do da lua”. É aí que o mindfulness tem sua par­ti­ci­pa­ção

— a me­di­ta­ção traz seu pra­ti­can­te pa­ra o pre­sen­te, com fo­co no que acon­te­ce ago­ra.

Com bre­ves pau­sas no co­ti­di­a­no da em­pre­sa, a prá­ti­ca pro­por­ci­o­na um es­ta­do de aten­ção mai­or nos acon­te­ci­men­tos do dia a dia, as­sim co­mo mais per­cep­ção do que es­tá ao re­dor. O fun­ci­o­ná­rio pas­sa a se si­tu­ar e con­cen­trar me­lhor no que acon­te­ce aqui e ago­ra, ex­cluin­do pre­o­cu­pa­ções e dis­tra­ções ale­a­tó­ri­as e, co­mo con­sequên­cia, me­lho­ran­do a pro­du­ti­vi­da­de em seu tra­ba­lho.

Lon­ge da ne­ga­ti­vi­da­de

Tra­ba­lhar em um am­bi­en­te com ener­gia pe­sa­da, pes­so­as mal-hu­mo­ra­das ou de­sa­ni­ma­das não é con­vi­da­ti­vo pa­ra nin­guém. A prá­ti­ca do mindfulness dei­xa pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos dis­tan­tes e aju­da a li­dar me­lhor com os pró­pri­os sen­ti­men­tos.

“Quan­do te­mos mais cons­ci­ên­cia de nós mes­mos, nos mis­tu­ra­mos me­nos com o ou­tro. O ato de me­di­tar agre­ga a ca­pa­ci­da­de de ver o ou­tro co­mo ou­tro e de iden­ti­fi­car o que é nos­so, me­lho­ran­do as re­la­ções in­ter­pes­so­ais e a res­pon­sa­bi­li­da­de nas es­co­lhas”, ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Fa­bi­a­na Be­net­ti.

Pro­fis­si­o­nais que apren­dem a tra­ba­lhar a men­te pa­ra ver as­pec­tos po­si­ti­vos nas si­tu­a­ções e que pos­su­em cla­re­za con­si­go mes­mo al­can­çam um equi­lí­brio fun­da­men­tal na ro­ti­na, pois ter as emo­ções e pen­sa­men­tos sob con­tro­le é tão im­por­tan­te quan­to pos­suir co­nhe­ci­men­to nas téc­ni­cas do tra­ba­lho.

Em­pa­tia e boa con­vi­vên­cia

Es­tu­dos com­pro­vam que a aten­ção ple­na pos­sui gran­de co­ne­xão com o com­por­ta­men­to so­ci­al. O trei­no faz com que a em­pa­tia au­men­te, afe­tan­do de for­ma di­re­ta — e po­si­ti­va — as re­la­ções in­ter­pes­so­ais. Quem me­di­ta ten-

de a mos­trar mais bon­da­de e com­pai­xão com o ou­tro, pois a prá­ti­ca au­men­ta a sen­si­bi­li­da­de aos sen­ti­men­tos e pen­sa­men­tos em relação ao ou­tro. Além dis­so, o mindfulness co­la­bo­ra no apri­mo­ra­men­to da ca­pa­ci­da­de de ou­vir, ca­rac­te­rís­ti­ca que me­lho­ra a co­mu­ni­ca­ção e co­la­bo­ra­ção en­tre os fun­ci­o­ná­ri­os, re­du­zin­do possíveis con­fli­tos — con­tri­buin­do pa­ra que, des­sa for­ma, o cli­ma or­ga­ni­za­ci­o­nal se­ja mais agra­dá­vel e fa­vo­rá­vel pa­ra to­dos os co­la­bo­ra­do­res.

“Se­ria fun­da­men­tal que to­dos os se­res hu­ma­nos, do­en­tes ou não, apren­des­sem a res­pi­rar, me­di­tar e olhar pa­ra si. Es­sa é uma con­di­ção pa­ra se viver na in­te­gri­da­de de nos­so ser, prin­ci­pal­men­te nos di­as de hoje, em que fun­ci­o­na­mos mui­to co­mo má­qui­nas” Fa­bi­a­na Be­net­ti, psi­ca­na­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.