MINDFULNESS PO­DE­RO­SO

Co­nhe­ça (al­guns dos) be­ne­fí­ci­os do exer­cí­cio me­di­ta­ti­vo que vem equi­li­bran­do pes­so­as de di­ver­sos lu­ga­res do mun­do

Mente Curiosa - - NEWS -

Co­nhe­ça al­guns dos inú­me­ros be­ne­fí­ci­os pro­por­ci­o­na­dos pela prá­ti­ca

Di­ver­sos es­tu­dos acer­ca dos be­ne­fí­ci­os do mindfulness pa­ra o cor­po e a men­te vêm sen­do con­du­zi­dos com frequên­cia e, co­mo re­sul­ta­do, a prá­ti­ca tem se tor­na­do co­mum em vá­ri­os es­pa­ços, co­mo em es­co­las, e na área da saú­de (saiba mais no box).

Acom­pa­nhe, a se­guir, al­gu­mas das van­ta­gens pro­mo­vi­das pela prá­ti­ca do mindfulness — ou aten­ção ple­na, co­mo tam­bém é co­nhe­ci­da — e aproveite pa­ra começar a se be­ne­fi­ci­ar com a téc­ni­ca se­guin­do o pas­so a pas­so da pá­gi­na 18.

Pro­mo­ve mu­dan­ças fí­si­cas

O ato de sen­tar, res­pi­rar e se dis­tan­ci­ar dos pen­sa­men­tos fo­can­do to­tal­men­te no pre­sen­te traz di­ver­sas mu­dan­ças no cor­po. Além da co­ne­xão e am­pli­a­ção da pró­pria cons­ci­ên­cia cor­po­ral, o re­a­jus­te pos­tu­ral e a me­lho­ra do so­no, al­te­ra­ções no cé­re­bro tam­bém po­dem acon­te­cer.

“Quan­do uma pes­soa me­di­ta re­gu­lar­men­te, com dis­ci­pli­na, ela pro­vo­ca al­gu­mas mu­dan­ças em es­tru­tu­ras ce­re­brais im­por­tan­tes, co­mo o cór­tex — área usa­da pa­ra ati­vi­da­des co­mo o pen­sa­men­to abs­tra­to e a in­tros­pec­ção —e o hi­po­cam­po, fun­da­men­tal pa­ra a me­mó­ria”, ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Fa­bi­a­na Be­net­ti. Com a prá­ti­ca, o hi­po­cam­po po­de che­gar a au­men­tar de vo­lu­me e den­si­da­de.

É o que mos­trou um es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, nos Es­ta­dos Uni­dos, que apon­tou al­te­ra­ções no re­sul­ta­do de um tes­te de ra­ci­o­cí­nio ver­bal do GRE (tes­te pa­dro­ni­za­do uti­li­za­do no pro­ces­so de ad­mis­são pa­ra pro­gra­mas de mes­tra­do acadêmico e pro­fis­si­o­nal em to­do o mun­do) e na me­mó­ria ope­ra­ci­o­nal. Na pes­qui­sa, 26 uni­ver­si­tá­ri­os re­a­li­za­ram oi­to ses­sões da prá­ti­ca com du­ra­ção de 45 minutos ao lon­go de du­as se­ma­nas. Os exer­cí­ci­os en­si­na­vam aos alu­nos a uti­li­za­rem o mindfulness em su­as ro­ti­nas diá­ri­as, man­ten­do o fo­co no pre- sen­te e evi­tan­do dis­tra­ções. Os es­tu­dan­tes mos­tra­ram au­men­to na ca­pa­ci­da­de de con­cen­tra­ção, na com­pre­en­são de tex­tos e na me­mó­ria ope­ra­ci­o­nal e me­lhor de­sem­pe­nho no exa­me de gra­du­a­ção (GRE).

Me­lho­ra o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co

O ato de me­di­tar me­xe com um ei­xo do sis­te­ma neu­ro­ló­gi­co res­pon­sá­vel pela nos­sa res­pos­ta a si­tu­a­ções es­tres­san­tes. Um es­tu­do pu­bli­ca­do na re­vis­ta He­alth Psy­cho­logy mos­trou uma as­so­ci­a­ção di­re­ta en­tre o au­men­to da prá­ti­ca de mindfulness e a di­mi­nui­ção de ní­veis de cor­ti­sol, o hormô­nio do es­tres­se. Des­sa for­ma, a ati­vi­da­de aju­da a re­gu­lar a li­be­ra­ção de subs­tân­ci­as que, em ex­ces­so, po­dem ser tó­xi­cas ao cor­po.

“Pra­ti­car me­di­ta­ção pro­vo­ca uma mu­dan­ça da fi­si­o­lo­gia do or­ga­nis­mo, ocor­ren­do, des­sa for­ma, uma re­no­va­ção ce­lu­lar que traz di­ver­sos be­ne­fí­ci­os, co­mo a re­du­ção da pres­são ar­te­ri­al e o con­tro­le res­pi­ra­tó­rio, que le­va a re­du­ção dos sin­to­mas an­si­o­sos”, acres­cen­ta o psi­qui­a­tra Ri­car­do Fro­ta.

Quan­do as­so­ci­a­do com ati­vi­da­des fí­si­cas, o mindfulness au­men­ta os ní­veis

“O há­bi­to de vol­tar a aten­ção pa­ra den­tro, ou se­ja, pa­ra o nos­so cor­po, pen­sa­men­tos e emo­ções nos faz co­nhe­cer e en­xer­gar me­lhor o que se pas­sa no in­te­ri­or de­le, as­sim co­mo os es­tí­mu­los e re­a­ções que te­mos di­an­te de uma cir­cuns­tân­cia” Ri­car­do Fro­ta, psi­qui­a­tra e es­pe­ci­a­lis­ta em com­por­ta­men­to hu­ma­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.