EM FOR­MA DE SOM

Mú­si­cas e man­tras au­xi­li­am na con­cen­tra­ção e na ma­nu­ten­ção do fo­co

Mente Curiosa - - NEWS -

Mú­si­cas e man­tras au­xi­li­am na con­cen­tra­ção e na ma­nu­ten­ção do fo­co

Vo­cê já re­pa­rou que a mai­or res­pon­sá­vel pela dis­tra­ção é a au­di­ção? É pos­sí­vel evi­tar olhar pa­ra al­guém que pas­sou per­to, mas ou­vir o gri­to de uma pes­soa é ine­vi­tá­vel. Des­de os pri­mór­di­os da hu­ma­ni­da­de, os ou­vi­dos dos se­res hu­ma­nos fo­ram trei­na­dos pa­ra es­ta­rem aten­tos aos ba­ru­lhos de um pre­da­dor ou a qual­quer som que pu­des­se re­pre­sen­tar pe­ri­go. Des­sa for­ma, es­se sen­ti­do se tor­nou mui­to agu­ça­do e, até hoje, os ruí­dos são ca­pa­zes de des­vi­ar a aten­ção.

A di­fi­cul­da­de em des­li­gar um mun­do ex­ter­no cheio de sons re­pre­sen­ta um gran­de em­pe­ci­lho pa­ra a me­di­ta­ção. Por is­so, es­co­lher es­tí­mu­los au­di­ti­vos apro­pri­a­dos pa­ra a con­cen­tra­ção po­de aju­dar, e mui­to, na prá­ti­ca. “A música faz com que a pes­soa se con­cen­tre por­que atrai a aten­ção pa­ra a au­di­ção, tra­ba­lhan­do no cór­tex ce­re­bral de for­ma a anes­te­siá-lo. Além dis­so, tam­bém dá rit­mo e, quan­to mais len­ta, mais se ali­nha ao ba­ti­men­to car­día­co e acal­ma. A mes­ma coi­sa pa­ra os man­tras (e as ora­ções), que fa­zem a men­te fo­car em um pon­to e des­li­gar, ca­rac­te­ri­zan­do um es­tá­gio de re­la­xa­men­to mais ade­qua­do”, afir­ma o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to.

Im­por­tan­te pa­ra o cé­re­bro

Se me­di­tar pos­sui efei­tos pro­fun­dos no ór­gão, ali­ar es­sa prá­ti­ca à música e aos man­tras ge­ra re­sul­ta­dos ain­da mais efi­ca­zes. De acor­do com Aris­ti­des, es­ti­mu­la a cir­cu­la­ção, me­lho­ra a oxi­ge­na­ção, li­be­ra do­pa­mi­na – subs­tân­cia res­pon­sá­vel pelo pra­zer – e des­per­ta a me­mó­ria, pois aci­o­na o hi­po­cam­po.

“O rit­mo es­tá li­ga­do ao mo­vi­men­to e en­vol­ve cir­cui­tos do ce­re­be­lo re­la­ci­o­na­dos ao tem­po e à co­or­de­na­ção mo­to­ra. A har­mo­nia tam­bém ati­va o ce­re­be­lo e o tron­co ce­re­bral, que des­per­tam a cog­ni­ção. Ade­mais, a re­pe­ti­ção de man­tras ou le­tras de música in­ci­tam a área de bro­ca e Wer­nic­ke re­la­ci­o­na­dos com a lin­gua­gem”, con­clui o es­pe­ci­a­lis­ta.

QUAL A MÚSICA CER­TA?

Mui­tos con­sul­to­res e pro­fis­si­o­nais su­ge­rem lis­tas de tí­tu­los apro­pri­a­dos pa­ra dei­xar a men­te tran­qui­la e es­ta­be­le­cer um fo­co, pon­tos es­sen­ci­ais pa­ra a me­di­ta­ção. No en­tan­to, a relação das pes­so­as com mú­si­cas e man­tras é par­ti­cu­lar. Um som es­pe­cí­fi­co tem a ca­pa­ci­da­de de de­sen­ca­de­ar um sen­ti­men­to di­fe­ren­te em ca­da in­di­ví­duo. Por is­so, é in­di­ca­do que a es­co­lha se­ja fei­ta por quem ou­vi­rá a can­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.