16 TRAU­MAS E TRANS­TOR­NOS

Mente Curiosa - - NEWS -

Co­mo su­pe­rar emo­ções ne­ga­ti­vas vin­das do la­do obs­cu­ro da sua men­te

Aos qua­tro anos, a mãe de Sa­ra en­gra­vi­dou. A me­ni­na se ale­grou, pois lo­go iria ga­nhar um no­vo ir­mão ou uma ir­mã­zi­nha pa­ra brin­car com ela. In­fe­liz­men­te, me­ses de­pois, a mãe so­freu um abor­to. Ten­tan­do su­pe­rar a per­da e a frus­tra­ção, ex­pli­cou à fi­lha que não se­ria des­sa vez que ga­nha­ria uma com­pa­nhia pa­ra su­as brin­ca­dei­ras. Ape­sar de ou­tras ten­ta­ti­vas, a mu­lher não con­se­guiu ter ou­tro fi­lho.

Anos se pas­sa­ram, e Sa­ra ago­ra é adul­ta e es­tá em um re­la­ci­o­na­men­to es­tá­vel. Há al­guns di­as, co­me­çou a sen­tir en­jo­os, dor nas ma­mas, au­men­to de pe­so, além de no­tar um atra­so no ci­clo mens­tru­al. A ex­pli­ca­ção ób­via é que Sa­ra es­tá grá­vi­da. Con­tu­do, não foi is­so que dis­se os exa­mes: ela es­ta­va sau­dá­vel, mas nem um pou­co grá­vi­da.

Vo­cê já de­ve ter ou­vi­do fa­lar que a gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca po­de acon­te­cer em mu­lhe­res com um gran­de de­se­jo de ge­rar uma cri­an­ça. Mas tam­bém, ocor­rer com qu­em tem gran­de re­ceio de uma ges­ta­ção. In­cons­ci­en­te­men­te, o cé­re­bro faz o or­ga­nis­mo emi­tir si­nai sin­di­can­do avin­da de um ano­va cri­an­ça. O cor­po apre­sen­ta sin­to­mas de es­tar car­re­gan­do uma cri­an­ça em seu ven­tre, e a “fal­sa grá­vi­da” aca­ba­a­cre­di­tan­do nis­so.

De vol­ta a Freud

O psi­ca­na­lis­ta aus­tría­co acre­di­ta­va que a in­ter­pre­ta­ção de acon­te­ci­men­tos ne­ga­ti­vos du­ran­te a vi­vên­cia das pes­so­as, co­mo os trau­mas, se­ria a fon­te de mui­tas das afli­ções hu­ma­nas. No ca­so de Sa­ra, Freud ex­pli­ca­ria que a ges­ta­ção sem su­ces­so da mãe fi­cou no in­cons­ci­en­te da en­tão ga­ro­ti­nha. Com re­ceio de so­frer al­go pa­re­ci­do, o de­sen­vol­vi­men­to de uma gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca se­ria ma­ni­fes­ta­ção des­sa an­gús­tia, que fi­cou em al­gum lu­gar obs­cu­ro de sua men­te.

Pa­ra Ro­ber­ta Bac­ca­ri de Fran­ça, psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­lis­ta em se­xu­a­li­da­de,“os sin­to­mas fí­si­cos são, por si, ma­ni­fes­ta­ções do in­cons­ci­en­te. Por is­so, po­dem es­tar vin­cu­la­dos a vi­vên­ci­as trau­má­ti­cas do de­sen­vol­vi­men­to que, pa­ra pro­te­ger o ego, fo­ram re­cal­ca­das” (sai­ba mais so­bre re­cal­que ao la­do).

A psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ca­ro­li­na Ca­e­ta lem­bra que a per­so­na­li­da­de é for­ma­da até os se­te anos de ida­de, um pe­río­do mui­to de­ter­mi­nan­te em nos­sas vi­das. “His­tó­ri­cos de trai­ção en­tre os pais, se­pa­ra­ção, do­en­ças, etc. po­dem oca­si­o­nar mo­men­tos di­fí­ceis na fa­se adul­ta. Vi­vên­cia de vi­o­lên­cia, aban­do­no, re­jei­ção e ca­sos de abu­so se­xu­al con­tri­bu­em mui­to pa­ra es­se as­pec­to de in­sa­tis­fa­ção”, exem­pli­fi­ca.

Even­tos co­mo os acon­te­ci­dos com Sa­ra po­dem ser ex­pli­ca­dos pe­las me­mó­ri­as emo­ci­o­nais. São lembranças de al­go ba­se­a­do prin­ci­pal­men­te em emo­ções in­ten­sas do pas­sa­do, que fi­cam ar­ma­ze­na­das na me­mó­ria. De acor­do com as neu­ro­ci­ên­ci­as cog­ni­ti­vas, exis­tem me­mó­ri­as im­plí­ci­tas ou in­cons­ci­en­tes; “Há cer­tos pro­ces­sos de na­tu­re­za in­cons­ci­en­te que não te­mos aces­so di­re­to; ape­nas sen­ti­mos os efei­tos in­di­re­tos em cor­po, co­mo cer­tas me­mó­ri­as emo­ci­o­nais, que fun­ci­o­nam co­mo ar­qui­vos pa­ra os quais não te­mos ca­pa­ci­da­de de lei­tu­ra pe­lo sis­te­ma cons­ci­en­te”, ex­pli­ca Mar­co Cal­le­ga­ro, psi­có­lo­go e mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as e com­por­ta­men­to.

A go­ta d’água

As­sim co­mo a gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca, ro­er as unhas, mor­der a pe­le dos de­dos e dos lá­bi­os ou ou­tros ti­ques tam­bém po­dem ser ex­pli­ca­dos pe­la psi­co­lo­gia. O psi­co­te­ra­peu­ta jun­gui­a­no e es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca João Ra­fa­el Torres diz que, ge­ral­men­te, es­ses ti­ques cor­res­pon­dem a pre­dis­po­si­ções dos com­ple­xos in­cons­ci­en­tes, ou se­ja, a uma res­pos­ta com­por­ta­men­tal as­so­ci­a­da a uma te­má­ti­ca es­pe­cí­fi­ca, ar­ma­ze­na­da na psiquê do in­di­ví­duo. “Uma vez que es­sa te­má­ti­ca se apre­sen­ta no­va­men­te di­an­te de­le (se­ja na re­a­li­da­de, se­ja em su­as fan­ta­si­as), o com­ple­xo ten­de a re­a­gir com o mes­mo com­por­ta­men­to no cor­po, mas tam­bém no pen­sa­men­to, nas emo­ções e nas cren­ças”, ana­li­sa.

A psi­cos­so­má­ti­ca, ver­ten­te da pa­si­ca­ná­li­se se en­car­re­ga de ex­pli­car es­sa cor­re­la­ção en­tre o cor­po e a psiquê. Acon­te­ci­men­tos ne­ga­ti­vos em nos­sas vi­das, ao se acu­mu­la­rem, po­dem ge­rar con­sequên­ci­as pa­ra o cor­po e pa­ra a men­te. Pa­ra a psi­có­lo­ga Ca­ro­li­na Ca­re­ta, de­cep­ções, tris­te­zas, frus­tra­ções, rai­va e in­con­for­mis­mo são co­mo go­tas de água cain­do em um co­po. Um dia, ele vai en­cher e, mais do que is­so, trans­bor­dar. “Trans­fe­rin­do es­se exem­plo pa­ra nos­so cor­po, quan­do nos­so in­te­ri­or se ‘en­che’ des­ses con­teú­dos des­tru­ti­vos, ele co­me­ça a gri­tar de for­ma so­má­ti­ca: do­res no cor­po, úl­ce­ras e gas­tri­tes, do­res de ca­be­ça, man­chas na pe­le e in­fec­ções. Is­so po­de se es­ten­der a do­en­ças mais gra­ves, por exem­plo, o cân­cer e trans­tor­nos psi­co­ló­gi­cos co­mo an­si­e­da­de e de­pres­são”, aler­ta.

João Ra­fa­el com­ple­men­ta es­sa no­ção de psi­cos­so­má­ti­ca fa­zen­do re­la­ções com nos­sos pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes: “O sin­to­ma (e, pos­te­ri­or­men­te, a dis­fun­ção, a le­são e a mor­te de um ór­gão, sis­te­ma ou or­ga­nis­mo) fa­la das emo­ções que não pu­de­ram ga­nhar com­pre­en­são na cons­ci­ên­cia e aca­ba­ram por mi­grar ao in­cons­ci­en­te”.

Pa­ra epi­só­di­os di­fí­ceis que o in­cons­ci­en­te aca­ba ma­ni­fes­tan­do, a psi­co­te­ra­pia é uma boa ma­nei­ra de en­fren­tar, es­cla­re­cer e li­dar com es­ses sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos, se­gun­do a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ca­ro­li­na Ca­re­ta.

Ago­ra, vol­tan­do aos acon­te­ci­men­tos da vi­da de Sa­ra, lá no co­me­ço des­sa ma­té­ria: se vo­cê fi­cou tris­te ou aba­la­do, não se pre­o­cu­pe. O abor­to da mãe e a gra­vi­dez psi­co­ló­gi­ca são fa­tos fic­tí­ci­os, ape­nas pa­ra aju­dar a com­pre­en­der co­mo in­cons­ci­en­te, men­te e cor­po es­tão in­ter­li­ga­dos. Po­de fi­car com a cons­ci­ên­cia tran­qui­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.