11NA VE­LO­CI­DA­DE DA LUZ

O in­cons­ci­en­te age mais rá­pi­do do que vo­cê pen­sa. Li­te­ral­men­te

Mente Curiosa - - NEWS -

O in­cons­ci­en­te age mais rá­pi­do do que vo­cê pen­sa – li­te­ral­men­te

Aa­tu­al vi­são de que te­mos pro­ces­sos cons­ci­en­tes e in­cons­ci­en­tes vem de re­cen­tes des­co­ber­tas so­bre o fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma cé­re­bro-men­te. Is­so por­que os neu­ro­ci­en­tis­tas têm in­ves­ti­ga­do ca­da vez mais es­sa fas­ci­nan­te área da men­te hu­ma­na, ob­ten­do des­co­ber­tas in­crí­veis.

Ho­je, con­for­me afir­ma Mar­co Cal­le­ga­ro, psi­có­lo­go e mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as e com­por­ta­men­to, sa­be­mos que a mai­or par­te do que fa­ze­mos é re­a­li­za­da em ní­vel in­cons­ci­en­te, e só te­mos aces­so a um re­su­mo do que o cé­re­bro es­tá pro­ces­san­do em da­do mo­men­to. “As­sim, po­de­mos di­zer que to­do nos­so com­por­ta­men­to tem par­ti­ci­pa­ção da men­te in­cons­ci­en­te”.

Não ape­nas nos­sa ma­nei­ra de agir po­de acon­te­cer por meio de pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes. Des­de a re­gu­la­ção me­ta­bó­li­ca, imu­ne, neu­ro-hor­mo­nal e até emo­ci­o­nal, cog­ni­ti­va e so­ci­al, tu­do tem um pro­ces­sa­men­to in­cons­ci­en­te, des­de os tem­pos mais lon­gín­quos e pa­ra vá­ri­as es­pé­ci­es. “Os cé­re­bros de ani­mais in­fe­ri­o­res já re­gu­la­vam o com­por­ta­men­to de for­ma adap­ta­ti­va e efi­ci­en­te, sem ne­ces­si­da­de de pro­ces­sos men­tais cons­ci­en­tes. Cla­ro que hou­ve um gra­du­al au­men­to do pa­pel des­ses pro­ces­sos na evo­lu­ção; po­de­mos ima­gi­nar que exis­tem vá­ri­os ní­veis de cons­ci­ên­cia na es­ca­la ani­mal an­tes de che­gar ao ho­mem”, afir­ma Mar­co.

Des­de a pré-his­tó­ria

Co­mo já men­ci­o­na­mos, es­tu­dos in­di­cam que nos­sos sen­ti­dos con­se­guem cap­tar es­tí­mu­los do am­bi­en­te ao nos­so re­dor em uma ra­zão mui­to mai­or do que os pro­ces­sos cons­ci­en­tes. O psi­qui­a­tra Sér­gio Li­ma diz que es­sa ca­pa­ci­da­de foi de­sen­vol­vi­da ao lon­go do de­sen­vol­vi­men­to e da evo­lu­ção do ser humano pa­ra se re­la­ci­o­nar me­lhor ao meio em que vi­via. “A nos­sa es­pé­cie se adap­tou ao am­bi­en­te e cons­truiu a ci­vi­li­za­ção a par­tir do de­sen­vol­vi­men­to des­sa ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber even­tos e si­tu­a­ções da­no­sas an­tes de elas acon­te­ce­rem”, ex­pli­ca.

Pa­ra en­ten­der me­lhor, va­mos vol­tar no tem­po, mais pre­ci­sa­men­te na pré-his­tó­ria. Há mais de 300 mil anos, o ho­mem de ne­an­der­tal con­vi­via en­tre ani­mais sel­va­gens e ou­tros se­res co­mo ele, mas nem to­dos eram amis­to­sos. Quan­do se de­pa­ra­va com uma pos­sí­vel ame­a­ça, não ha­via mui­to tem­po pa­ra ‘tro­car uma ideia’, nem ana­li­sar ra­ci­o­nal­men­te se ou­tro ho­mem das ca­ver­nas era pa­cí­fi­co ou hos­til. Pa­ra is­so, ler as ex­pres­sões fa­ci­ais era mui­to im­por­tan­te – aliás, ques­tão de so­bre­vi­vên­cia. E, ho­je sa­be­mos, a ação de ler ros­tos e ana­li­sar ros­tos em um pis­car de olhos tra­ta-se de uma ati­vi­da­de in­cons­ci­en­te. E es­sa aná­li­se se dá mais rá­pi­do do que vo­cê pen­sa.

Em um pis­car de olhos

Es­ti­ma­ti­vas ba­se­a­das em me­dir o vo­lu­me em bits da ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to de in­for­ma­ção atri­bu­em uma par­te pa­ra ca­da 200.000 co­mo sen­do a pro­por­ção en­tre a ati­vi­da­de ce­re­bral cons­ci­en­te e a in­cons­ci­en­te. “Em ou­tras pa­la­vras, se es­tas es­ti­ma­ti­vas es­tão cor­re­tas, o in­cons­ci­en­te é 200.000 ve­zes mais rá­pi­do e po­ten­te do que o cons­ci­en­te”, re­fle­te Mar­co.

Quer um exem­plo de quão rá­pi­do se­ria? Ch­ris Firth, neu­ro­ci­en­tis­ta bri­tâ­ni­co do Uni­ve­rity Col­le­ge, em Lon­dres, e au­tor do li­vro Ma­king Up the Mind: How the Brain Cre­a­tes Our Men­tal World (em tra­du­ção li­vre, Des­ven­dan­do a men­te: co­mo o cé­re­bro cria o mun­do da nos­sa men­te), es­ti­ma que mais de 90% do que nos­so cé­re­bro faz nun­ca che­ga à cons­ci­ên­cia.

Firth ci­ta ex­pe­ri­men­tos já re­a­li­za­dos mos­tran­do que há par­tes do cé­re­bro que são aci­o­na­das sem mes­mo nos dar con­ta. Por exem­plo, num pri­mei­ro mo­men­to, é apre­sen­ta­do um ros­to a uma pes­soa por um cur­tís­si­mo es­pa­ço de tem­po (30 mi­lis­se­gun­dos, por exem­plo); de­pois é mos­tra­da ou­tra coi­sa: a pes­soa não te­rá cons­ci­ên­cia de ter vis­to es­te ros­to. Em ou­tro mo­men­to, é apre­sen­ta­do um ros­to com mui­to me­do (tam­bém em 30 mi­lis­se­gun­dos) ime­di­a­ta­men­te se­gui­do por uma ex­pres­são neu­tra. A pes­soa tam­bém não es­ta­rá ci­en­te de ter vis­to es­se ros­to me­dro­so. Con­tu­do, por meio de ima­gens, é de­tec­ta­do que seu cé­re­bro (na ver­da­de, a amí­da­la) res­pon­de a es­sa ex­pres­são, ge­ran­do res­pos­tas de me­do, sem a pes­soa ter a cons­ci­ên­cia do que cau­sou is­so.

Vo­cê não co­man­da

Mar­co Cal­le­ga­ro con­ta um ex­pe­ri­men­to cu­ri­o­so fei­to na dé­ca­da de 1960 que de­sa­fia a nos­sa com­pre­en­são so­bre a men­te hu­ma­na até ho­je. Ape­sar de re­pe­ti­do inú­me­ras ve­zes em di­ver­sas uni­ver­si­da­des, sem­pre mos­trou os mes­mos re­sul­ta­dos.

“Um pes­qui­sa­dor in­tro­du­ziu ele­tro­dos no cór­tex mo­tor do cé­re­bro (uma es­tru­tu­ra que go­ver­na os nos­sos mo­vi­men­tos do cor­po) em su­jei­tos em la­bo­ra­tó­rio. O tem­po exa­to do im­pul­so neu­ral pa­ra mo­ver a mão po­de ser re­gis­tra­do, en­tão o su­jei­to de­ve­ria aper­tar um bo­tão quan­do qui­ses­se. O tem­po da de­ci­são de aper­tar o bo­tão era re­gis­tra­do por um cronô­me­tro de pre­ci­são fren­te ao su­jei­to, que de­ve­ria re­gis­trar o tem­po em que to-

mou a de­ci­são e aper­tar o bo­tão. To­dos ima­gi­nam que a sequên­cia de even­tos se­ria a se­guin­te: to­ma­mos a de­ci­são de aper­tar o bo­tão, de­pois o cór­tex mo­tor re­ce­be um si­nal neu­ral e efe­tua uma or­dem mo­to­ra que fi­nal­men­te faz os mús­cu­los da mão aper­ta­rem o de­do. No en­tan­to, a sequên­cia re­ve­la­da por es­te es­tu­do é to­tal­men­te an­ti -in­tui­ti­va: pri­mei­ro sai uma or­dem do cór­tex mo­tor pa­ra os mús­cu­los se con­traí­rem, de­pois os mús­cu­los res­pon­dem aper­tan­do o bo­tão. Meio se­gun­do de­pois (en­tre 300 a 500 mi­lis­se­gun­dos), o su­jei­to tem a de­ci­são de aper­tar o bo­tão. Sim, nos­sa de­ci­são é to­ma­da meio se­gun­do de­pois de o in­cons­ci­en­te exe­cu­tar o com­por­ta­men­to”, con­ta Cal­le­ga­ro.

O psi­có­lo­go e mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia do com­por­ta­men­to con­si­de­ra que es­te re­sul­ta­do é tão sur­pre­en­den­te que de­ve­ria cau­sar on­das de cho­que em to­da a psi­co­lo­gia e fi­lo­so­fia. “Com ex­ce­ção de al­guns pes­qui­sa­do­res, foi dei­xa­do de la­do po­de ser al­go es­qui­si­to, tal­vez pe­la gran­de re­sis­tên­cia que te­mos em acei­tar que não es­ta­mos no co­man­do de nós mes­mos”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.