3 VO­CÊ NÃO DE­CI­DE Vo­cê não de­ci­de

O in­cons­ci­en­te se ma­ni­fes­ta em qua­se to­das as ações do seu dia a dia. E ele po­de aca­bar en­ga­nan­do seu cé­re­bro quan­do vo­cê me­nos es­pe­rar

Mente Curiosa - - NEWS -

O in­cons­ci­en­te en­ga­na seu cé­re­bro quan­do ele me­nos es­pe­ra

Uma má­qui­na po­ten­te, in­te­li­gen­te e ca­paz de fa­zer coi­sas in­crí­veis, que vo­cê nem es­pe­ra ou se­quer ima­gi­na. Vo­cê gos­ta­ria de pos­suir uma má­qui­na des­sas? Pois to­do mun­do na­tu­ral­men­te tem uma: é seu cé­re­bro. Es­se ór­gão tão im­por­tan­te co­or­de­na su­as fun­ções vi­tais, co­mo res­pi­rar e ali­men­tar-se. Tam­bém pos­si­bi­li­ta o seu ra­ci­o­cí­nio e sua co­mu­ni­ca­ção com as pes­so­as di­a­ri­a­men­te. Cap­ta to­das as in­for­ma­ções ao seu re­dor por meio dos sen­ti­dos e trans­mi­te to­dos es­ses es­tí­mu­los sen­so­ri­ais a vo­cê, mes­mo que não per­ce­ba ou se dê con­ta de tu­do o que es­tá cap­tan­do. E tu­do is­so fi­ca guar­da­do em al­gum lu­gar do seu cé­re­bro, pois, em al­gum mo­men­to, vo­cê irá pre­ci­sar – in­cons­ci­en­te­men­te.

“O in­cons­ci­en­te é co­mo um ar­qui­vo de pro­ces­sos men­tais vi­ven­ci­a­dos des­de o pe­río­do in­trau­te­ri­no, on­de já exis­tem sen­sa­ções. Em ter­mos ge­rais, é tu­do aqui­lo que re­ce­be­mos atra­vés dos sen­ti­dos, mas de que não es­ta­mos cons­ci­en­tes ago­ra; o que eu sei mas não es­tou pen­san­do no mo­men­to; o que lem­bro, re­cor­do e fa­ço in­vo­lun­ta­ri­a­men­te sem pres­tar aten­ção”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ca­ro­li­na Ca­re­ta.

É is­so mes­mo: a par­te cons­ci­en­te do seu cé­re­bro, nes­te mo­men­to, é ca­paz de ab­sor­ver, cap­tar e lhe in­for­mar o con­teú­do des­ta lei­tu­ra. Vo­cê lê as pa­la­vras por meio das le­tras, da cor do pa­pel e da lu­mi­no­si­da­de do am­bi­en­te. Es­ses es­tí­mu­los vi­su­ais che­gam ao seu cé­re­bro, que trans­for­ma os sím­bo­los vi­su­ais em idei­as e ima­gens. En­tão, vo­cê acre­di­ta es­tar len­do o tex­to de uma re­vis­ta ago­ra. Ao me­nos, is­so é o que seu cons­ci­en­te es­tá co­mu­ni­can­do a vo­cê. Con­tu­do, nes­te mes­mo pe­río­do, a quan­ti­da­de de in­for­ma­ções que seu in­cons­ci­en­te es­tá cap­tan­do é mui­to mai­or. O quan­to mai­or? Cer­ca de 2.000 ve­zes mai­or do que seu cons­ci­en­te é ca­paz de ar­ma­ze­nar, se­gun­do es­tu­dos da área das neu­ro­ci­ên­ci­as. As­sus­ta­dor, não? “Os nos­sos sen­ti­dos in­cons­ci­en­tes são os ‘en­car­re­ga­dos’ de vas­cu­lhar, per­ce­ber e jul­gar com ta­ma­nha ra­pi­dez e sen­si­bi­li­da­de”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga.

Cé­re­bro em pi­lo­to au­to­má­ti­co

Se vo­cê uti­li­za um au­to­mó­vel em gran­de par­te da se­ma­na, faz uso de pro­ces­sos que já são in­cons­ci­en­tes. Não é ne­ces­sá­rio pa­rar e pen­sar em co­mo fa­zer pa­ra li­gar o car­ro, pi­sar na em­bre­a­gem an­tes de en­ga­tar a pri­mei­ra mar­cha, sol­tá-la aos pou­cos e só en­tão co­me­çar a pi­sar no ace­le­ra­dor pa­ra fa­zer o car­ro se mo­ver. Vo­cê não pen­sa em ca­da pro­ces­so pa­ra fa­zer ca­da ação: é tu­do fru­to de in­for­ma­ções guar­da­das em seu in­cons­ci­en­te.

“No ato de di­ri­gir um au­to­mó­vel, se fi­car­mos pres­tan­do aten­ção em ca­da ação que fa­ze­mos, va­mos co­me­ter bar­bei­ra­gens. A in­cons­ci­ên­cia da di­re­ção au­to­mo­bi­lís­ti­ca é fun­da­men­tal pa­ra re­a­li­zar o ato da di­re­ção de for­ma cor­re­ta”, in­di­ca Sér­gio Li­ma, psi­qui­a­tra e mes­tre em psi­co­lo­gia so­ci­al.

O psi­co­te­ra­peu­ta jun­gui­a­no e es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca João Ra­fa­el Torres acre­di­ta que o ato de di­ri­gir é um bom exem­plo de au­to­ma­ção de pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes que vai sen­do in­tro­je­ta­do com a prá­ti­ca. “Com o tem­po, já não pre­ci­sa­mos se­quer pen­sar no tra­je­to fei­to até nos­sa ca­sa. Quan­do per­ce­be­mos, já es­ta­mos lá”.

Usar ta­lhe­res pa­ra co­mer, pres­si­o­nar o bo­tão pa­ra aten­der o te­le­fo­ne ce­lu­lar e li­gar o chu­vei­ro pa­ra to­mar ba­nho

são ou­tra sa­ti­vi­da­des que fa­ze­mos no dia ad ia­que já es­tão nes­se ti po­de“pi­lo­to au­to­má­ti­co” que con­duz nos­sa vi­da. Mas não ape­nas es­se ti­po de ati­vi­da­de es­tá as­so­ci­a­do a pro­ces­sos con­du­zi­dos pe­lo in­cons­ci­en­te. Ele par­ti­ci­pa tam­bém em de­ci­sões e pa­drões de com­por­ta­men­to que as­su­mi­mos di­an­te de de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções. Ou se­ja, em cer­tos mo­men­tos, vo­cê faz ou­tras coi­sas sur­pre­en­den­tes sem pen­sar.

Uma pes­soa que tem me­do de ra­to, ao ver uma som­bra pe­que­na pas­san­do ra­pi­da­men­te pe­lo chão, au­to­ma­ti­ca­men­te en con­tra rán­con tra­rá um lu­gar al­to pa­ra ten­tar se pro­te­ger.eger. Ela não vai cal­cu­lar mo­vi­men­tos pa­ra­a­ra su­bir em uma ca­dei­ra. Is­so tam­bém ém va­le pa­ra cer­tas res­pos­tas que da­mos a al­gu­mas “pro­vo­ca­ções”s” da vi­da.

Qu­em as­su­mi­rá a de­ci­são eci­são e con­du­zi­rá to­do o pro­ces­so oces­so se­rá um com­ple­xo in­cons- cons­ci­en­te, se­gun­do João Ra­fa­el. “Ele vai im­pri­mir­mir um rit­mo par­ti­cu­lar e ca­rac­te­rís­ti­co, que atra­ves­sa o fí­si­co (al­te­ra­ções fi­si­o­ló­gi­cas, mu­dan­ça na en­to­na­ção da voz, ex­pres­são do ros­to, etc.), o men­tal (pa­drão de pen­sa­men­tos), o emo­ci­o­nal

(quais as emo­ções evo­ca­das pe­la si­tu­a­ção) e o es­pi­ri­tu­al (aa ca­pa­ci­da­de de re­fle-- xão so­bre os acon­te- - ci­dos). Ob­vi­a­men­te, e, tu­do is­so im­pri­mi­rá uma no­va di­nâ­mi­ca so­ci­a­lal – por exem­plo: pes­so­as agra­dá­veis ra­dá­veis mas que, di­an­te da mãe, se tor­nam ir­ri­ta­di­ças e gros­sei­ras;os­sei­ras; na­mo­ra­dos que, quan­do so­zi­nhos, as­su­mem ca­rac­te­rís­ti­cas in­fan­tis etc”, ex­pli­ca.

Tru­ques do in­cons­ci­en­te

Vo­cê tem cons­ci­ên­cia de to­das as su­as lembranças? Tem cer­te­za de tu­do que o es­tá aí guar­da­do é re­al ou, de fa­to, acon­te­ceu? Vol­tan­do à con­cep­ção de que o in­cons­ci­en­te tam­bém po­de ser um ban­co que ar­ma­ze­na nos­sas me­mó­ri­as, sai­ba que es­se ar­qui­vo tam­bém po­de ser in­flu­en­ciá­vel. E a par­te ra­ci­o­nal de seu cé­re­bro nem se dá con­ta dis­so.

As me­mó­ri­as até pa­re­cem ser uma re­pre­sen­ta­ção na cons­ci­ên­cia de al­go vi­ven­ci­a­do, mas es­se con­cei­to é ques­ti­o­ná­vel. “De fa­to, es­sa dis­tin­ção en­tre cons­ci­ên­cia e in­cons- ci­en­te só é útil à cons­ci­ên­cia mas, na psiquê, a dis­tin­ção não é tão cla­ra as­sim”, lem­bra João Ra­fa­el. Quan­do nos de­pa­ra­mos com um acon­te­ci­men­to, o pro­ces­sa­men­to da­que­la ex­pe­ri­ên­cia não se da­rá pu­ra­men­te pe­la cons­ci­ên­cia, sem a par­ti­ci­pa­ção do in­cons­ci­en­te. “Até por­que a cons­ci­ên­cia não cos­tu­ma es­tar pre­pa­ra­da, dis­po­ní­vel, pa­ra tu­do aqui­lo com o que nos de­pa­ra­mos. Sem­pre uma par­ce­la dos con­teú­dos trans­bor­da­rá e se aco­mo­da­rá no in­cons­ci­en­te”, ex­pli­ca o psi­co­te­ra­peu­ta.

“A me­mó­ria po­de ser afe­ta­da por as­pec­tos in­cons­ci­en­tes, com fu­sões de as­pec­tos do pas­sa­do e de­for­ma­ções ded coi­sas per­ce­bi­das e vi­ven­ci­a­das no pas­sa­do”, apos­ta o psi­qui­a­tra Sé Sér­gio Li­ma. Quer um exem­plo re re­al, ou me­lhor, não mais tão re­al as­sim? Vo­cê se lem­br lem­bra per­fei­ta­men­te do seu pri­mei­ro bei­jo? No dia se­guin­te a es­sa ex­pe pe­ri­ên­cia, vo­cê po­de­ria re­cor­dar-se da cor d da rou­pa que a pes­soa v ves­tia, co­mo era o lo­cal o on­de es­ta­vam, qu­al a sen­sa­ção ao to­car os lá­bi­os de­la, en­tre ou­tras lembranças. Va­mos pu­lar pa­ra a es­te exa­to mo­men­to: vo­cê é ca­paz de des­cre­ver exa­ta­men­te tu­do o que acon­te­ceu, da mes­ma ma­nei­ra em que se re­lem­brou na­que­le dia? P Pro­va­vel­men­te não. Se a ex­pe­ri­ên­cia foi ruim pa­ra vo­cê no dia se­guin­te, prov pro­va­vel­men­te pa­re­ce­rá pi­or ho ho­je. Se foi boa, é pos­sí­vel que di­ga ago­ra que foi fan­tás­ti­ca. Por quê?

Uma si­tu­a­ção, quan­do re­me­mo­ra­da, nun­ca vi­rá à men­te co­mo de fa­to ocor­reu. An­tes, pas­sa­rá pe­la in­ter­pre­ta­ção de di­ver­sos com­ple­xos que as­si­mi­la­ram o ocor­ri­do. “A me­mó­ria é uma es­pé­cie de re­cons­tru­ção do fa­to, que sem­pre vi­rá tin­gi­da pe­las as­so­ci­a­ções fei­tas com ou­tros mo­men­tos, com as emo­ções evo­ca­das, com as cren­ças, etc”; ex­pli­ca João Ra­fa­el. Se­gun­do o psi­ca­na­lis­ta, es­se se­ria um me­ca­nis­mo de de­fe­sa da psiquê, não só pa­ra li­dar com si­tu­a­ções de con­fli­to, mas tam­bém pa­ra li­dar com o ex­ces­so de in­for­ma­ção. Is­so por­que se­ria hu­ma­na­men­te im­pos­sí­vel re­gis­trar e man­ter ati­vos na cons­ci­ên­cia to­dos os acon­te­ci­men­tos da sua vi­da, sem que is­so nos per­tur­bas­se ex­ces­si­va­men­te – com­pro­me­te­ria in­clu­si­ve nos­sa ca-

pa­ci­da­de de vi­ver.

“Ima­gi­ne só se man­ti­vés­se­mos vi­vos to­do o mal es­tar ge­ra­do no tér­mi­no de uma re­la­ção. Evi­ta­ría­mos qual­quer ou­tra pos­si­bi­li­da­de de re­la­ção pe­lo me­do de re­vi­ver es­se dis­sa­bor. Da mes­ma for­ma, his­tó­ri­as cres­cem, ga­nham de­ta­lhes não ocor­ri­dos, tor­nam-se mais in­te­res­san­tes quan­do re­me­mo­ra­das. Já sen­tiu a frus­tra­ção de vi­si­tar o lu­gar pre­fe­ri­do na in­fân­cia e per­ce­bê-lo co­mo bem me­nor e mui­to mais co­mum do que o que se tem na me­mó­ria?”, exem­pli­fi­ca.

Brin­ca­dei­ras do so­nho

Es­sa re­la­ção en­tre o in­cons­ci­en­te e a me­mó­ria de ma­ni­fes­ta em pro­ces­sos além des­sas re­cor­da­ções que acon­te­ce­ram no pas­sa­do. Eles po­dem se com­bi­nar e agir em tu­do o que vi­ven­ci­a­mos, che­gan­do a ma­ni­pu­lar nos­sos so­nhos. “O in­cons­ci­en­te na­da mais é do que nos­so gi­gan­tes­co ban­do de da­dos, que se tor­na pra­ti­ca­men­te in­fi­ni­to de­vi­do ao fa­to de que o pro­ces­sa­men­to é com­bi­na­to­ri­al”, diz Si­dar­ta Ri­bei­ro, neu­ro­ci­en­tis­ta que atu­al­men­te di­ri­ge o Ins­ti­tu­to do Cé­re­bro na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Gran- de do Nor­te. Ou se­ja, tu­do o que vo­cê vi­ven­cia e é cap­ta­do tan­to pe­la cons­ci­ên­cia ou pe­lo in­cons­ci­en­te po­de ser usa­do e com­bi­na­do pe­lo seu cé­re­bro em al­gum mo­men­to, até mes­mo du­ran­te seus so­nhos. É co­mo se fos­se um brin­que­do de en­cai­xar pe­ças di­fe­ren­tes pa­ra for­mar al­go sur­pre­en­den­te.

Por exem­plo, vo­cê já so­nhou com al­guém não co­nhe­cia? Ou que, cons­ci­en­te­men­te, nun­ca viu an­tes? Is­so é pos­sí­vel por cau­sa de seus pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes, que são com­bi­na­dos com sua me­mó­ria. “Vo­cê po­de so­nhar com pes­so­as que nun­ca viu por­que es­sas re­pre­sen­ta­ções con­têm as­pec­tos de pes­so­as que efe­ti­va­men­te viu, co­mo num re­tra­to fa­la­do, mas mui­to mais fi­no na sua for­ma de com­bi­nar frag­men­tos de re­pra­e­sen­ta­ções sen­so­ri­ais”, ex­pli­ca Si­dar­ta. Ou se­ja, até em so­nho, nos­so in­cons­ci­en­te atua, brin­can­do com seu cé­re­bro. (Con­fi­ra as re­la­ções en­tre so­nho e as te­o­ri­as de Sig­mund Freud na pá­gi­na 7)

Sem pre­con­cei­to. Tem cer­te­za?

Vo­cê po­de di­zer que é li­vre de pre­con­cei­tos - ou, ao me­nos, diz não ser pre­con­cei­tu­o­so de for­ma cons­ci­en­te. De fa­to, há pes­so­as que di­zem ter uma ati­tu­de po­si­ti­va fren­te a gru­pos mi­no­ri­tá­ri­os, mas elas po­dem se es­pan­tar com re­sul­ta­dos de tes­tes sim­ples, co­mo o Tes­te de As­so­ci­a­ção Im­plí­ci­ta. Mar­co Cal­le­ga­ro, psi­có­lo­go e mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia e com­por­ta­men­to, re­lem­bra um in­te­res­san­te es­tu­do con­du­zi­do na Uni­ver­si­da­de de Har­vard em uma área de pes­qui­sa cha­ma­da pre­con­cei­to in­cons­ci­en­te. O Tes­te de As­so­ci­a­ção Im­plí­ci­ta é re­a­li­za­do pa­ra me­dir a for­ça des­te viés que nem sa­be­mos que te­mos, mas que afe­ta nos­so com­por­ta­men­to e jul­ga­men­to dos ou­tros. “Um exem­plo se­ria o pre­con­cei­to ra­ci­al, que exis­te em ní­vel cons­ci­en­te e in­cons­ci­en­te. Um su­jei­to bran­co, que afir­ma não ter pre­con­cei­to com ne­gros, ao fa­zer o tes­te, mos­tra um for­te viés ne­ga­ti­vo. Mais cu­ri­o­so: gran­de pro­por­ção de ne­gros mos­trou ter pre­con­cei­to in­cons­ci­en­te com ne­gros, mes­mo sem sa­ber dis­to”, re­lem­bra Mar­co (con­fi­ra ou­tros es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos em re­la­ção ao in­cons­ci­en­te na pá­gi­na 7).

Pa­ra o mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as em com­por­ta­men­to, as pes­so­as ge­ral­men­te fi­cam cho­ca­das e con­tra­ri­a­das ao se­rem con­fron­ta­das com a no­ção de que não sa­bem o que es­tão fa­zen­do, agin­do de for­ma di­fe­ren­te das que pen­sam que es­tão fa­zen­do. “Nos­sa men­te foi cons­truí­da pa­ra nar­rar uma his­tó­ria co­e­ren­te so­bre nos­so com­por­ta­men­to, e nos co­lo­can­do sem­pre co­mo agen­tes de tu­do o que fa­ze­mos. Mas, na ver­da­de, agi-

mos por ra­zões in­cons­ci­en­tes e cri­a­mos uma fic­ção, uma nar­ra­ti­va, ra­ci­o­na­li­zan­do e tor­nan­do acei­tá­vel o nos­so com­por­ta­men­to”.

Mar­co acre­di­ta que a ques­tão de sen­ti­mos que sa­be­mos por que agi­mos, e que fi­ze­mos es­co­lhas cons­ci­en­tes e ra­ci­o­nais so­bre nos­sa for­ma de agir, se­ria ape­nas uma ilu­são da cons­ci­ên­cia. “Pen­sar so­bre is­to é al­go re­al­men­te per­tur­ba­dor, pois te­mos uma ne­ces­si­da­de de es­tar no con­tro­le de nós mes­mos. No en­tan­to, pou­co sa­be­mos so­bre por que agi­mos”, fi­na­li­za.

Nos­so in­cons­ci­en­te é as­sim: sur­pre­en­den­te. Seu po­der po­de se ma­ni­fes­tar nas ações e ati­vi­da­des mais co­muns de nos­so dia a dia, co­mo nas to­ma­das de de­ci­sões, em nos­sos so­nhos e até na ma­nei­ra em que exi­bi­mos nos­sos pre­con­cei­tos. Nas pró­xi­mas pá­gi­nas, vo­cê irá mer­gu­lhar ca­da vez mais nes­te mis­te­ri­o­so e fas­ci­nan­te mun­do do in­cons­ci­en­te.

In­for­ma­ções cap­ta­das pe­los sen­ti­dos fi­cam ar­ma­ze­na­das em al­gum lu­gar do seu cé­re­bro. Um dia, vo­cê irá pre­ci­sar de­las in­cons­ci­en­te­men­te.

Di­ri­gir um car­ro é uma ação que uti­li­za pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes.

Pro­ce­di­men­tos de ima­gem de res­sô­nan­cia mag­né­ti­ca fun­ci­o­nal mos­tram áre­as do cé­re­bro que po­dem es­tar li­ga­das a pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.