8 FREUD EX­PLI­CA?

O que a psi­ca­ná­li­se e a psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca de Jung têm a di­zer so­bre a in­cons­ci­ên­cia

Mente Curiosa - - NEWS -

O que a psi­ca­ná­li­se e a psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca de Jung têm a di­zer

Ima­gi­ne um gran­de po­rão. Bem gran­de mes­mo. Ne­le, há um in­ter­rup­tor que acen­de uma luz, mas ilu­mi­na ape­nas seu co­me­ço. O lo­cal es­tá cheio de ob­je­tos; al­guns de­les es­tão ilu­mi­na­dos, ou­tros fi­cam na pe­num­bra. Po­rém, uma gran­de par­te es­tá on­de não há luz, e vo­cê nem ima­gi­na o quan­to per­ma­ne­ce no es­cu­ro. A gros­so mo­do, es­se gran­de po­rão re­pre­sen­ta sua men­te. Seu con­teú­do são os pro­ces­sos men­tais vi­ven­ci­a­dos des­de quan­do vo­cê es­ta­va em ges­ta­ção, na bar­ri­ga de sua mãe, até ho­je. Os ob­je­tos que con­se­gue en­xer­gar, ou se­ja, os pro­ces­sos men­tais aos quais vo­cê tem aces­so, for­mam seu cons­ci­en­te. O que não con­se­gue aces­sar faz par­te de seu in­cons­ci­en­te.

Es­sa con­cep­ção de in­cons­ci­en­te foi con­ce­bi­da pe­lo aus­tría­co Sig­mund Freud. Co­nhe­ci­do co­mo pai da psi­ca­ná­li­se, o neu­ro­lo­gis­ta que es­tu­da­va a men­te hu­ma­na for­mu­lou que nos­so apa­re­lho psí­qui­co é com­pos­to de três par­tes. “Se­ri­am o cons­ci­en­te, o sub­cons­ci­en­te que po­de­ría­mos aces­sar com es­for­ço, e o in­cons­ci­en­te di­nâ­mi­co ou freu­di­a­no, uma es­pé­cie de po­rão es­cu­ro da men­te car­re­ga­do de pul­sões se­xu­ais ou agres­si­vas, ina­ces­sí­vel ao cons­ci­en­te”, ex­pli­ca Mar­co Cal­le­ga­ro, psi­có­lo­go, mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as e com­por­ta­men­to.

Freud me­di­tou so­bre o sig­ni­fi­ca­do do cons­ci­en­te du­ran­te sua car­rei­ra in­tei­ra. Mais tar­de, che­gou a dis­tri­buir os ní­veis de cons­ci­ên­cia e/ ou in­cons­ci­ên­cia en­tre as três en­ti­da­des que for­mam a men­te hu­ma­na: o id, o ego e o su­pe­re­go (ve­ja bo­xe com a com­pa­ra­ção a um ice­berg). “Pa­ra Freud, o ego (cons­ci­en­te) é con­ce­bi­do atra­vés do id (in­cons­ci­en­te), por uma in­fluên­cia do mun­do ex­ter­no e da ne­ces­si­da­de de adap­ta­ção ao mes­mo”, diz Ro­ber­ta Bac­ca­rim de Fran­ça, psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­lis­ta em so­ci­a­bi­li­da­de.

Se­gun­do Ro­ber­ta, o ego é a prin­ci­pal ins­tân­cia psí­qui­ca que fun­ci­o­na co­mo me­di­a­do­ra, in­te­gra­do­ra e har­mo­ni­za­do­ra en­tre as pul­sões do id, as exi­gên­ci­as e ame­a­ças do su­pe­re­go e as de­man­das da re­a­li­da­de ex­te­ri­or. Além dis­so, o con­teú­do do in­cons­ci­en­te é, mui­tas ve­zes, re­pri­mi­do pe­lo ego. Po­rém, es­se con­teú­do nem sem­pre fi­ca apri­si­o­na­do nes­se gran­de po­rão que é o in­cons­ci­en­te: cer­tas ve­zes, ele dá as ca­ras no nos­so dia a dia. Um des­ses mo­men­tos é por meio dos so­nhos (sai­ba mais na pá­gi­na 16).

Di­vi­são

To­das as ex­pe­ri­ên­ci­as fi­cam ar­ma­ze­na­das em nos­sa men­te to­do dia, quer cons­ci­en­te­men­te ou não. E não ape­nas as sen­sa­ções pes­so­ais são abri­ga­das na par­te mais ina­ces­sí­vel de nos­sa psiquê. É o que de­fen­dia Carl Gus­tav Jung. O psi­qui­a­tra suí­ço bus­ca­va ana­li­sar o ho­mem em sua in­te­gra­li­da­de, ou se­ja, le­van­do em con­ta a co­mu­ni­da­de em que vi­ve,

sua cul­tu­ra e to­dos os even­tos ocor­ri­dos na hu­ma­ni­da­de. Por is­so, propôs uma di­vi­são do in­cons­ci­en­te em pes­so­al e co­le­ti­vo.

In­cons­ci­en­te pes­so­al se­ria uma re­pre­sen­ta­ção do his­tó­ri­co de sen­ti­men­tos, idei­as re­pri­mi­das e de­sen­vol­vi­das ao lon­go da vi­da de al­guém. É con­si­de­ra­da uma ca­ma­da mais su­per­fi­ci­al em com­pa­ra­ção ao in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo, que re­pre­sen­ta o his­tó­ri­co da hu­ma­ni­da­de, de uma ci­vi­li­za­ção, sen­do he­ran­ça de nos­sos an­ces­trais.

“Es­ses ma­ni­fes­tos de as­pec­tos cul­tu­rais do pro­ces­so da ci­vi­li­za­ção hu­ma­na ocor­rem na for­ma de arqué­ti­pos, es­tru­tu­ras que mol­dam a ma­nei­ra de um in­di­ví­duo ex­pres­sar sua evo­lu­ção in­di­vi­du­al”, es­cla­re­ce Sér­gio Li­ma, psi­qui­a­tra e mes­tre em psi­co­lo­gia so­ci­al. Sér­gio exem­pli­fi­ca com o arqué­ti­po do “ve­lho sá­bio”, quan­do as pes­so­as vão en­ve­lhe­cen­do e ten­dem a acu­mu­lar co­nhe­ci­men­to e ma­tu­ri­da­de. Elas de­sen­vol­vem ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas se­me­lhan­tes mes­mo em di­fe­ren­tes cul­tu­ras, co­mo dei­xar a bar­ba cres­cer e de­sen­vol­ver um olhar e um re­co­nhe­ci­men­to de pes­so­as en­ten­di­das de as­sun­tos di­ver­sos. Con­for­me a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ca­ro­li­na Ca­re­ta, ou­tra ma­ni­fes­ta­ções do in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo é en­con­trar a al­ma gê­mea, o com­pa­nhei­ro fi­el que nos sa­tis­fa­ça. “Se­ria um arqué­ti­po de Adão e Eva; se com­ple­tam”.

Ain­da que o in­cons­ci­en­te abri­gue gran­de par­te de nos­sa psiquê, Jung con­si­de­ra­va di­fí­cil me­dir a cons­ci­ên­cia. O suí­ço a com­pa­ra­va a uma ilha per­di­da na imen­si­dão do oce­a­no, que se­ria o in­cons­ci­en­te. Es­se pe­da­ço de ter­ra que emer­ge so­fre to­do dia a atu­a­ção do mar: as chu­vas, os ven­tos, a va­zão das ma­rés... “Da mes­ma for­ma, a cons­ci­ên­cia es­tá o tem­po to­do sob in­fluên­cia de for­ças in­cons­ci­en­tes: os com­ple­xos. Eles mui­tas ve­zes se ir­ma­nam ao com­ple­xo do ego (o prin­cí­pio ges­tor da cons­ci­ên­cia) e o fa­zem acre­di­tar ser o gran­de de­li­be­ra­dor da psiquê. O ego jul­ga­rá que de­ci­diu por si só, mas, no fun­do, uma ga­ma de fa­to­res alhei­os à cons­ci­ên­cia par­ti­ci­pou da­que­la de­ci­são – co­mo trau­mas e ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res, in­fluên­ci­as pa­ren­tais, desejos re­pri­mi­dos”, com­ple­men­ta João Ra­fa­el Torres, psi­co­te­ra­peu­ta e ana­lis­ta jun­gui­a­no.

No­vo in­cons­ci­en­te

Em bus­ca de uma con­cep­ção acei­ta atu­al­men­te por ou­tras áre­as do co­nhe­ci­men­to, prin­ci­pal­men­te as neu­ro­ci­ên­ci­as, a ex­pres­são in­cons­ci­en­te cog­ni­ti­vo ou no­vo in­cons­ci­en­te tem si­do mais em­pre­ga­da. “O ter­mo no­vo in­cons­ci­en­te dei­xa cla­ro que es­ta­mos fa­lan­do da par­te mais pro­fun­da da men­te, mas sem usar as idei­as de Freud, e sim o no­vo re­fe­ren­ci­al das neu­ro­ci­ên­ci­as e das ci­ên­ci­as cog­ni­ti­vas. Nes­ta no­va vi­são, o mo­de­lo de psi­co­te­ra­pia que mais tem a ver é a te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal, e não a psi­ca­ná­li­se”, es­cla­re­ce o mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as Mar­co Cal­le­ga­ro.

In­ves­ti­gan­do o que acon­te­ce em nos­so cé­re­bro e os pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes, as neu­ro­ci­ên­ci­as ten­tam en­trar e ilu­mi­nar com uma lan­ter­na a vas­ti­dão do gran­de po­rão que é a men­te hu­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.