14 QUES­TÃO DE IN­TUI­ÇÃO

Ou­vir sua voz in­te­ri­or po­de aju­dar a to­mar de­ci­sões. Mas exis­te uma con­di­ção pa­ra que elas se­jam mais cer­tei­ras

Mente Curiosa - - NEWS -

Sua voz in­te­ri­or po­de aju­dar a to­mar bo­as de­ci­sões

Uma es­tá­tua da­ta­da de 6 a.c., ad­qui­ri­da há pou­co tem­po pe­lo mu­seu ame­ri­can­do J. Paul Getty por US$ 10 mi­lhões, in­tri­gou uma equi­pe de es­pe­ci­a­lis­tas em ar­te an­ti­ga. Uma aná­li­se fei­ta por um geó­lo­go dis­se que o ob­je­to es­ta­va re­co­ber­to por uma fi­na ca­ma­da mi­ne­ral, que po­de­ria ter se acu­mu­la­do du­ran­te mui­tos anos, co­mo pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to do már­mo­re. Mas al­go di­zia à equi­pe que ha­via al­go de er­ra­do. “Eles per­ce­be­ram ime­di­a­ta­men­te quan­do vi­ram a es­tá­tua que ela era fal­sa, ape­sar de equi­pes de ava­li­a­do­res te­rem cer­ti­fi­ca­do que se­ria au­tên­ti­ca”, con­ta Mar­co Cal­le­ga­ro, psi­có­lo­go e mes­tre em neu­ro­ci­ên­ci­as e com­por­ta­men­to, so­bre es­se fa­mo­so epi­só­dio.

In­ves­ti­ga­ções con­du­zi­das pe­lo mu­seu aca­ba­ram des­co­brin­do que o os cer­ti­fi­ca­dos de au­ten­ti­ci­da­de ha­vi­am si­do fal­si­fi­ca­dos. Além dis­so, a su­pos­ta co­ber­tu­ra mi­ne­ral po­de­ria ser pro­du­zi­da em pou­cos me­ses, uti­li­zan­do bo­lor de ba­ta­ta. E co­mo os es­pe­ci­a­lis­tas sim­ples­men­te sa­bi­am da fal­si­fi­ca­ção, só de olhar pa­ra o ob­je­to? É aí que en­tra a in­tui­ção, um pro­ces­so que tam­bém po­de ser in­cons­ci­en­te.

Em se­gun­do pla­no

“A in­tui­ção é uma fun­ção em que seu ob­je­ti­vo é pro­ces­sar in­for­ma­ções quan­to às ex­pe­ri­ên­ci­as pas­sa­das, ob­je­ti­vos fu­tu­ros e pro­ces­sos in­cons­ci­en­tes”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ca­ro­li­na Ca­re­ta. Os sen­ti­dos, co­mo já fa­la­mos, cap­tam in­for­ma­ções do am­bi­en­te nu­ma ta­xa mui­to mai­or do que nos­sos pro­ces­sos ra­ci­o­nais con­se­guem iden­ti­fi­car. As­sim, o in­cons­ci­en­te fi­ca tra­ba­lhan­do em se­gun­do pla­no. De re­pen­te, quan­do a gen­te me­nos se dá con­ta, ele en­tra em ação. “In­di­ví­du­os in­tui­ti­vos pro­ces­sam in­for­ma­ções mui­to rá­pi­do, re­la­ci­o­nan­do ex­pe­ri­ên­cia pas­sa­da com a atu­al”, lem­bra Ca­ro­li­na.

Is­so quer di­zer que a mai­o­ria das ações que to­ma­mos são por con­ta das in­tui­ção que te­mos? Não é bem as­sim. Mal­con Gladwell, au­tor do best-sel­ler Blink: a de­ci­são em um pis­car de olhos, de­no­mi­na es­sa in­tui­ção de pro­ces­sos rá­pi­dos in­cons­ci­en­tes, al­go co­mo “fa­ti­ar fi­no a re­a­li­da­de”. Pa­ra is­so, se­gun­do o au­tor, pa­ra ter bo­as in­tui­ções, é pre­ci­so con­tar com um ban­co de da­dos gi­gan­tes­co que se acu­mu­la du­ran­te nos­sas vi­vên­ci­as. “Quan­do se tem ex­pe­ri­ên­cia, o cé­re­bro ti­ra fa­ti­as fi­nas da re­a­li­da­de, ou se­ja, pres­ta aten­ção so­men­te ao que é ne­ces­sá­rio e re­le­van­te pa­ra a de­ci­são cor­re­ta. E fa­ze­mos is­to em se­gun­dos, sem es­for­ço e sem sa­ber co­mo é que che­ga­mos ao re­sul­ta­do”, ex­pli­ca Mar­co Cal­le­ga­ro. Foi por is­so que os es­pe­ci­a­lis­tas in­tuí­ram que a es­tá­tua era fal­sa. Afi­nal, já ha­vi­am acu­mu­la­do anos e anos de ex­pe­ri­ên­cia ava­li­an­do obras de ar­te. Bas­tou dei­xar a in­tui­ção fa­lar mais al­to na­que­le mo­men­to.

Usar ou não usar a in­tui­ção? Eis a ques­tão

Es­se pro­ces­so de dei­xar nos­so in­cons­ci­en­te de­ci­dir ou nos gui­ar é o que o neu­ro­ci­en­tis­ta por­tu­guês An­tó­nio Da­má­sio re­fe­re co­mo “sen­ti­men­tos vis­ce­rais”. São efei­tos no cor­po cu­jas sen­sa­ções ser­vem pa­ra nos di­zer se es­ta­mos “quen­tes” ou “fri­os” ao nos apro­xi­mar­mos do ca­mi­nho mais acer­ta­do. “Quan­do es­ta­mos con­sul­tan­do um enor­me ban­co de da­dos de ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res, al­go que não sa­be­mos de­fi­nir em nos­so cor­po, co­mo um frio na bar­ri­ga, um ar­re­pio ou uma ta­qui­car­dia, cer­tas es­co­lhas pa­re­cem es­tar no ca­mi­nho cer­to, en­quan­to ou­tras nos dei­xam in­qui­e­tos e com va­go mal es­tar. É im­por­tan­te ou­vir es­tes sen­ti­men­tos, cer­ta­men­te”, re­co­men­da Mar­co Cal­le­ga­ro.

Mas nem sem­pre de­ve­mos pen­sar me­nos ra­ci­o­nal­men­te e dei­xar o in­cons­ci­en­te fa­lar mais al­to em nos­sas ações. Mar­co con­si­de­ra es­sa uma ques­tão de­li­ca­da, sem uma so­lu­ção úni­ca. “Po­de­mos usar os pro­ces­sos cons­ci­en­tes pa­ra fil­trar nos­sas in­tui­ções, em pri­mei­ro lu­gar ou­vin­do os sen­ti­men­tos vis­ce­rais, e de­pois ava­li­an­do as van­ta­gens e des­van­ta­gens de cer­tas de­ci­sões”.

Pa­ra is­so, é bom re­fle­tir de ca­be­ça fria, dei­xar as emo­ções pas­sa­rem e re­pen­sar o que fa­zer lon­ge do efei­to de uma tempestade emo­ci­o­nal. Sa­be quan­do vo­cê vai dor­mir e co­lo­ca a ca­be­ça no tra­ves­sei­ro an­tes de to­mar uma de­ci­são im­por­tan­te? Is­so é vá­li­do. “Nes­se mo­men­to, so­mos obri­ga­dos a nos acal­mar, e tam­bém a pas­sar pe­los pro­ces­sos de so­nho, que po­dem aju­dar a pro­ces­sar as in­for­ma­ções”, re­co­men­da Mar­co.

Uma an­ti­ga es­tá­tua de már­mo­re in­tri­gou es­pe­ci­a­lis­tas em ar­te an­ti­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.