Os vi­lões

Mente Curiosa - - NEWS -

Pa­ra que a me­mó­ria es­te­ja sem­pre ti­nin­do, é im­por­tan­te que tan­to a es­tru­tu­ra quan­to a saú­de do cé­re­bro es­te­jam em dia. Al­guns ti­pos de re­cor­da­ções po­dem ser per­di­dos de­pen­den­do de on­de são ar­qui­va­dos no cé­re­bro. Se a área so­frer al­gu­ma al­te­ra­ção, as me­mó­ri­as são es­que­ci­das pa­ra sem­pre. Con­fi­ra al­guns vi­lões das su­as lem­bran­ças: • Mor­te de uma par­te do cé­re­bro: do­en­ça, aci­den­te, der­ra­me e es­tres­se ex­ces­si­vo são al­guns mo­ti­vos que po­dem le­var uma par­te do cé­re­bro a mor­rer. Co­mo con­sequên­cia, as me­mó­ri­as tam­bém dei­xam de exis­tir. • So­no e ál­co­ol: fi­xar al­go quando se es­tá há mui­to tem­po sem dor­mir ou al­co­o­li­za­do ten­de a ser mui­to mais di­fí­cil, já que o cé­re­bro não fun­ci­o­na nor­mal­men­te. • Pseu­do­me­mó­ria: en­ten­di­da co­mo me­mó­ria fal­sa,é quando amen­te mes­cla o que é re­al com o que ela pró­pria pro­duz. Sa­be aque­la his­tó­ria “mas eu te dis­se is­so” quando, na re­a­li­da­de, vo­cê só achou que ti­ves­se di­to? É co­mo se fos­sem pe­que­nas pe­ças que o cé­re­bro pre­ga no in­di­ví­duo. • Trau­mas emo­ci­o­nais: “Lem­brar de al­go mui­to ruim é co­mo to­car num cor­te re­cém fei­to. Trau­mas emo­ci­o­nais são vi­vên­ci­as do­lo­ro­sas, que po­dem se des­do­brar em efei­tos no­ci­vos pa­ra o dia adia. Po­dem pro­vo­car lem­bran­ças in­ten­sas do acon­te­ci­do, au­men­to sú­bi­to de es­tres­se, di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, di­fi­cul­da­de de dis­tin­ção en­tre re­a­li­da­de e lem­bran­ças e até psi­co­se”, ex­pli­ca o psi­có­lo­go e hip­no­te­ra­peu­ta Bayard Gal­vão. O dis­túr­bio de es­tres­se pós-trau­má­ti­co é um exem­plo que po­de al­te­ra­ra neu­roquí­mi­ca do cé­re­bro, ge­ran­do pro­ble­mas de me­mo­ri­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.