dicas pa­ra turbinar a me­mó­ria

O que fa­zer – e o que não fa­zer – pa­ra ter as lem­bran­ças sem­pre em men­te

Mente Curiosa - - NEWS -

Orit­mo ace­le­ra­do da vi­da atu­al aca­ba re­fle­tin­do no fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo, re­sul­tan­do em al­guns da­nos. “Es­ta­mos vi­ven­do em uma so­ci­e­da­de ex­tre­ma­men­te ati­va e exi­gen­te. Is­so é um dos mo­ti­vos que le­va ao pen­sa­men­to ace­le­ra­do, o que acar­re­ta ini­ci­al­men­te em can­sa­ço fí­si­co e men­tal e pre­juí­zos na me­mó­ria”, afir­ma a mé­di­ca de fa­mí­lia Cris­ti­a­ne Gus­si Bai­to. Pa­ra não sen­tir tan­to as in­fluên­ci­as da ro­ti­na agi­ta­da, al­gu­mas ati­tu­des fa­zem to­da a di­fe­ren­ça quando o as­sun­to é qua­li­da­de de vi­da e saú­de. Sa­ben­do-se que a boa me­mó­ria es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da a es­ses dois itens, é fun­da­men­tal bus­car cui­dar do cor­po e da men­te pa­ra le­var lem­bran­ças por mais tem­po. Con­fi­ra, a se­guir, al­gu­mas dicas pa­ra co­lo­car em prá­ti­ca, já!

1. Se­ja or­ga­ni­za­do

Man­ter em or­dem os lu­ga­res em que mais frequên­cia, co­mo per­ma­ne­ce com ca­sa, car­ro e tra­ba­lho de guar­dar os ob­je­tos e ter o cui­da­do (ócu­los, car­tei­ra, nos mes­mos lo­cais celular, etc) sem­pre aju­da no fun­ci­o­na­men­to da me­mó­ria.

2. Cui­de da ali­men­ta­ção

Um gran­de pas­so pa­ra a me­mó­ria fun­ci­o­nar bem é o or­ga­nis­mo es­tar em or­dem. Pa­ra is­so, o “com­bus­tí­vel” des­ta má­qui­na per­fei­ta pre­ci­sa ser o de me­lhor qua­li­da­de pos­sí­vel. “Ali­men­ta­ção le­ve e equi­li­bra­da é ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ria pa­ra um sis­te­ma ner­vo­so or­ga­ni­za­do. A me­mó­ria é um dos as­pec­tos cog­ni­ti­vos do cé­re­bro e, por is­so, pre­ci­sa de um sis­te­ma sau­dá­vel pa­ra um bom fun­ci­o­na­men­to”, afir­ma a mé­di­ca. São di­ver­sos os ali­men­tos in­di­ca­dos pa­ra uma di­e­ta sau­dá­vel, mas, ba­si­ca­men­te, o car­dá­pio de­ve ser ri­co em fru­tas e ve­ge­tais. Eles co­la­bo­ram pa­ra a pro­te­ção das cé­lu­las ce­re­brais, pois são fon­te de subs­tân­ci­as an­ti­o­xi­dan­tes. Além dis­so, pei­xes não po­dem fi­car de fo­ra, já que con­têm áci­dos gra­xos do ti­po ôme­ga-3, uma gor­du­ra que me­lho­ra o de­sem­pe­nho cog­ni­ti­vo. O nu­tri­en­te es­ti­mu­la a pro­du­ção de no­vos neurô­ni­os, par­ti­ci­pa do de­sen­vol­vi­men­to e da ma­nu­ten­ção do sis­te­ma ner­vo­so e ser­ve de ma­té­ria-pri­ma pa­ra a pro­du­ção de subs­tân­ci­as pro­te­to­ras do cé­re­bro. Ou­tra di­ca é o ca­fé, que por con­ter ca­feí­na aju­da a man­ter o cé­re­bro em aler­ta, fa­ci­li­tan­do a cap­ta­ção de in­for­ma­ção. Em con­tra­par­ti­da, evi­te o ex­ces­so de car­boi­dra­tos sim­ples, co­mo pães e mas­sas, e açú­car. Ape­sar de no iní­cio pro­por­ci­o­nar uma sen­sa­ção de eu­fo­ria, o con­su­mo aca­ba ge­ran­do um es­ta­do de len­ti­dão, ,p pre­ju­di­can­doj a me­mó­ria.

3. Con­su­ma cul­tu­ra

ir ao ci­va­ri­a­das, co­mo ler, Ati­vi­da­des in­te­lec­tu­ais ea man­têm a men­te cur­so de lín­guas, ne­ma e fa­zer um me­mó­ria em for­ma.

4. Com­pre­en­da

pe­la r epe­tiMe­mo­ri­zar ape­nas er­ro, já que vo­cê ção é um gran­de e a es­que­fi­ca su­jei­to aos “bran­cos” O ide­al é com­cer tu­do de re­pen­te. e, assim, se si­tu­ar pre­en­der o as­sun­to ao re­dor do que em to­do o con­cei­to so­bre. vo­cê pre­ci­sa sa­ber

5. Be­ba água

Hi­dra­tar o cor­po é ou­tro item es­sen-ci­al­pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to or­ga-nis­mo.Pa­ra do is­so, o in­di­ca­do é in­ge­rir em tor­no de oi­to co­pos (de 250ml) do lí­qui-do­por dia. A ca­rên­cia de água si­dra­ta­ção, le­va à de - o que po­de dar a sen­sa­ção de can­sa­ço, di­fi­cul­tan­do a con­cen­tra­ção.

6. Fa­ça lis­tas

Com­pro­mis­sos, com­pras... Se­ja qu­al for a ati­vi­da­de, as lis­tas são uma aju­da e tan­to na ho­ra de or­ga­ni­zar o que é pa­ra fa­zer. O sim­ples fa­to de des­cre­vê-las já é uma es­tra­té­gia pa­ra me­mo­ri­za­ção.

7. A no­te

– por mais afi­a­da que Con­fi­ar na me­mó­ria já que ser uma boa op­ção, ela se­ja – po­de não alap­sos de es­que­ci­men­to­dos es­tão su­jei­tos blo­ou do celular) ou to. Usar agen­da (fí­si­ca mar­car é im­por­tan­te pa­ra co de ano­ta­ções o ris­co diá­ri­os e não cor­rer os com­pro­mis­sos Po­rém, o al­go im­por­tan­te. de dei­xar pas­sar à vis­ta, lem­bren­tes sem­pre ide­al é man­ter os se­não dá na mes­ma.

8. Leia

as de es­ti­me­lho­res ma­nei­ras A lei­tu­ra é uma das do que Uma di­ca é fa­zer re­su­mos­mos mu­lar a me­mó­ria. de de guar-rguar­me­lho­ra sua ca­pa­ci­da­de vo­cê lê, pois, assim, dar con­teú­dos men­tal­men­te.

9. Man­te­nha o check up em dia

Acom­pa­nhar pe­ri­o­di­ca­men­te a saú­de é co­mo an­dan­da fun­da­men­tal pa­ra fun­ci­o­nan­do sa­ber co­mo es­tá seu cor­po. Fi­car aten­to -que­nas­mo­di­fi­ca­çõe­sa pe­pe­es­sen-ci­al­pa­ra­pre­ve­ni­ren-na me­mó­ria é mai­o­res pro­ble­mas.

10 Pe­que­nas mu­dan­ças

ame­mo­ri­za­ção,ame­mo­ri­za­ção,po­poé im­por­tan­te pa­ra Man­ter uma ro­ti­na e fa­zer tu­do sem de “cair no au­to­má­ti­co” rém, cor­re-se o ris­co re­a­li­ze pe­que­nas mu­e­vi­tar es­se pro­ble­ma, pen­sar di­rei­to. Pa­ra tes­te um no­vo ca­mi­nho a dia. Por exem­plo: os dan­ças no seu dia res­tau­ran­te, es­co­ve co­nhe­ça um no­vo pa­ra ir ao tra­ba­lho, usar, etc. “Uma ma­nei­ra que cos­tu­ma não den­tes com a mão é fa­zer se­ma me­mó­ria e o cé­re­bro de en­ri­je­cer e en­ve­lhe­cer mo­no­to­na­men­te . Fa­zer as mes­ma ma­nei­ra, pre o mes­mo, da es­ti­mu­la nos­so cé­re­bro, no­vo e di­fe­ren­te a coi­sas de um jei­to e for­ta­le­ce neu­rais, ge­ra apren­di­za­gem en­ri­que­ce as re­des Ro­ber­to Debs­ki. o mé­di­co e psi­có­lo­go me­mó­ria”, afir­ma

11 Me­di­te

A me­di­ta­ção tem efei­tos be­né­fi­cos na me­lho­ra da con­cen­tra­ção e na me­mo­ri­za­ção. Quem me­di­ta tem das axô­ni­os, que as fi­bras cha­ma­fun­ci­o­nam co­mo pon­tos do cé­re­bro, co­ne­xões en­tre di­fe­ren­tes es­tru­tu­ra­das de for­ma mes­mas co­ne­xões di­fe­ren­te. São es­sas que pro­por­ci­o­nam um de­sem­pe­nho bral mais ágil e que ce­re­se des­fa­zem di­an­te de ma­les co­mo Alzhei­mer, ou mes­mo na­tu­ral­men­te com o pas­sar dos anos.

12 Não se au­to­me­di­que

O uso de re­mé­di­os sem pres­cri­ção mé­di­ca po­de tra­zer di­ver­sos pro­ble­mas à saú­de, en­tre eles, al­guns li­ga­dos à me­mó­ria. Além dis­so, cer­tos me­di­ca­men­tos pa­ra dor­mir po­dem afe­tar a ca­pa­ci­da­de de me­mo­ri­za­ção. Con­ver­se com seu mé­di­co a res­pei­to.

13 Cui­de do am­bi­en­te

bas­tan­te nos faz su­as ta­re­fas in­flu­en­cia O lo­cal on­de vo­cê é fei­ta. Assim, pro­co­mo a me­mo­ri­za­ção seus es­tí­mu­los e e ilu­mi­na­or­ga­ni­za­do, si­len­ci­o­so cu­re man­ter um am­bi­en­te lei­tu­ra... es­tu­dos, tra­ba­lho, do. Is­so ser­ve pa­ra

14 Bus­que as­so­ci­ar

Sem­pre que vo­cê apren­der al­go no­vo, pro­cu­re li­gar a al­gu­ma coi­sa que já co­nhe­ça, pois is­so fa­ci­li­ta a me­mo­ri­za­ção. A di­ca tam­bém va­le pa­ra quando qui­ser lem­brar de al­gum com­pro­mis­so: as­so­cie ima­gens em tor­no do con­teú­do. A téc­ni­ca é cha­ma­da de re­gra mnemô­ni­ca e é usa­da, prin­ci­pal­men­te, por es­tu­dan­tes pa­ra de­co­rar ma­té­ri­as. Ao as­so­ci­ar uma in­for­ma­ção di­fí­cil de ser me­mo­ri­za­da a al­go de mais fa­ci­li­da­de, o cé­re­bro cria co­ne­xões que aju­dam a re­vi­ver as lem­bran­ças. Ou­tro tru­que é as­so­ci­ar a ob­je­tos: se vo­cê co­nhe­ceu a Ma­ria quando ela se­gu­ra­va um ca­der­no, pen­se ne­la co­mo Ma­ria do Ca­der­no. Pa­re­ce al­go sem sen­ti­do, mas fun­ci­o­na. E acre­di­te: quan­to mais ab­sur­das fo­rem as as­so­ci­a­ções, mais fá­cil de se lem­brar de­las.

15 Pres­te aten­ção

Ca­da ta­re­fa re­a­li­za­da me­re­ce sua to­tal aten­ção. Mui­ta coi­sa na ca­be­ça di­mi­nui a as­si­mi­la­ção e dei­xa pas­sar da­dos que se­ri­am re­le­van­tes. Iden­ti­fi­que as pri­o­ri-da­des­do mo­men­to e fo­que exe-cu­ção,em sua des­li­gan­do-se do res­to. E cla­ro, fa­ça uma ati­vi­da­de por vez. “A di­ca prin-ci­pa­lé fo­car na con­ver­sa ou lei­tu­ra que es­tá fa­zen­do sem pen­sar em mais na­da. Is­so da­rá chan­ce pa­ra seu cé­re­bro efe­ti-va­men­te­re­gis­trar aque­la in­for­ma­ção”, com­par­ti­lha Cris­ti­a­ne.

16 Ad­mi­nis­tre o es­tres­se

O es­tres­se em de­ma­sia in­ter­fe­re na con­cen­tra­ção, já que a ele­va­ção do cor­ti­sol, hormô­nio do es­tres­se, au­men­ta a vi­gi­lân­cia. Pa­ra­do­xal­men­te, di­mi­nui o fo­co, o que re­fle­te di­re­ta­men­te no pro­ces­so de me­mo­ri­za­ção. Ge­ral­men­te, quando es­ta­mos es­tres­sa­dos, mo­di­fi­ca­mos a for­ma de res­pi­ra­ção, au­men­tan­do sua frequên­cia ou sim­ples­men­te pa­ra­mos tem­po­ra­ri­a­men­te de res­pi­rar. Is­so traz de­se­qui­lí­brio pa­ra o cor­po e, no­va­men­te, te­mos a me­mó­ria pre­ju­di­ca­da”, ex­pli­ca Cris­ti­a­ne Gus­si Bai­to, mé­di­ca de fa­mí­lia. Por is­so, a im­por­tân­cia de en­con­trar tem­po pa­ra al­gu­ma ati­vi­da­de de re­la­xa­men­to sem­pre que pos­sí­vel.

17 Con­tro­le a an­si­e­da­de

O sen­ti­men­to é na­tu­ral ao ser hu­ma­no, po­rém, em ex­ces­so, po­de se trans­for­mar em um trans­tor­no. O re­sul­ta­do são os pro­ces­sos ce­re­brais mais len­tos, afe­tan­do a me­mó­ria, além de fa­zer com que o in­di­ví­duo não vi­va o mo­men­to, lo­go, ge­ra pro­ble­mas de aten­ção e con­cen­tra­ção.

18 Cui­de do so­no

Não pen­se que dor­mir bem sig­ni­fi­ca so­men­te mui­tas ho­ras dor­mi­das. “Pa­ra que o cor­po des­can­se, ou se­ja, res­ta­be­le­ça a energia pa­ra um fun­ci­o­na­men­to em equi­lí­brio, é ne­ces­sá­ria uma noi­te de so­no ade­qua­da em ho­ras e em qua­li­da­de”, afir­ma Cris­ti­a­ne. É mui­to co­mum pes­so­as que dor­mem vá­ri­as ho­ras e mes­mo assim des­per­tam can­sa­das. Pa­ra que is­so não acon­te­ça, pro­cu­re re­la­xar no mo­men­to an­tes de ador­me­cer e fa­ça do quar­to um lugar si­len­ci­o­so e acon­che­gan­te. En­quan­to se des­can­sa, o cé­re­bro con­ti­nua tra­ba­lhan­do, e uma de su­as fun­ções nes­se pe­río­do é jus­ta­men­te con­so­li­dar a me­mó­ria, ar­ma­ze­nan­do as in­for­ma­ções re­ce­bi­das ao lon­go do dia.

19 Man­te­nha a hi­gi­e­ne bu­cal

Se­gun­do um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de de West, nos Es­ta­dos Uni­dos, ter uma boa hi­gi­e­ne bu­cal po­de aju­dar a pre­ve­nir a per­da de me­mó­ria. A pes­qui­sa in­di­cou que quem tem in­fec­ções na bo­ca é mais pro­pen­so ao pro­ble­ma. O ál­co­ol afe­ta o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, in­ter­fe­rin­do nos pro­ces­sos de aten­ção e me­mó­ria. Por is­so, evi­te a in­ges­tão de qual­quer ti­po de be­bi­da al­coó­li­ca. CONSULTORIAS Cris­ti­a­ne Gus­si Bai­to, mé­di­ca de fa­mí­lia pós-gra­du­a­da em ge­ri­a­tria e me­di­ci­na chi­ne­sa; Ro­ber­to Debs­ki, mé­di­co, psi­có­lo­go e co­a­ch em pro­gra­ma­ção neu­ro­lin­guís­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.