De den­tro pa­ra fo­ra

Dis­traí­dos, agi­ta­dos e com ener­gia de so­bra. O que mu­da na ati­vi­da­de ce­re­bral de quem tem TDAH

Mente Curiosa - - NEWS -

Por mui­to tem­po, acre­di­tou-se que todos os neurô­ni­os que te­ría­mos até o fim de nos­sos dias já es­ti­ves­sem pre­sen­tes no cé­re­bro des­de o nas­ci­men­to. Na ver­da­de, hoje sa­be­mos que di­ver­sas cé­lu­las ner­vo­sas são cri­a­das o tem­po to­do e que é pos­sí­vel di­vi­dir a vi­da ce­re­bral em al­gu­mas eta­pas, da fa­se in­fan­til à ter­cei­ra ida­de.

Co­mo fun­ci­o­na o cé­re­bro in­fan­til?

Po­de­mos atri­buir às cri­an­ças um cé­re­bro in­can­sá­vel: ape­sar de a ca­pa­ci­da­de ra­ci­o­nal apa­re­cer um pou­co ofus­ca­da por re­a­ções mais emo­ci­o­nais, é nes­sa fa­se que a men­te es­tá mais ávi­da por co­nhe­ci­men­to, afi­nal, tu­do é no­vi­da­de. “Um cé­re­bro em de­sen­vol­vi­men­to tem mai­or ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção e de apren­di­za­do do que o de uma pes­soa ma­du­ra; as­sim, com o avan­ço da ida­de, a apren­di­za­gem re­quer mui­to mais es­for­ço pa­ra se efe­ti­var. As pes­so­as mais ve­lhas po­dem apren­der, mas per­dem a van­ta­gem na­tu­ral do tem­po”, aten­ta a psi­co­te­ra­peu­ta Monica Pes­sa­nha, es­pe­ci­a­li­za­da em cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Po­rém, o bom fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro de uma cri­an­ça de­pen­de de mui­tos fa­to­res, en­tre eles as con­di­ções es­tru­tu­rais dos neurô­ni­os as­so­ci­a­das ao pró­prio de­sen­vol­vi­men­to do ór­gão. Ou se­ja, o ní­vel de ma­tu­ra­ção – ou evo­lu­ção – ce­re­bral é con­tro­la­do e acon­te­ce re­la­ci­o­nan­do ele­men­tos ge­né­ti­cos e am­bi­en­tais. “A sin­to­nia en­tre am­bos é es­sen­ci­al pa­ra o bom an­da­men­to das co­ne­xões en­tre as fun­ções ce­re­brais e cog­ni­ti­vas”, lem­bra o neu­rop­si­có­lo­go Clay Bri­tes, pes­qui­sa­dor do La­bo­ra­tó­rio de Di­fi­cul­da­des e Dis­túr­bi­os da Apren­di­za­gem e Trans­tor­nos de Aten­ção (Di­sa­pre na UNI­CAMP). Já no que se re­fe­re à com­pa­ra­ção de um cé­re­bro in­fan­til com di­ag­nós­ti­co cor­re­to de TDAH ao de uma cri­an­ça sem o pro­ble­ma, as di­fe­ren­ças são bas­tan­te su­tis e não es­tão re­la­ci­o­na­das a me­nor ou mai­or in­te­li­gên­cia.

Quais as di­fi­cul­da­des de um cé­re­bro com TDAH?

Os pro­ble­mas apa­re­cem com mais ên­fa­se no mó­du­lo ce­re­bral res­pon­sá­vel pe­las fun­ções exe­cu­ti­vas. Is­so sig­ni­fi­ca que os atos de or­ga­ni­zar, es­ta­be­le­cer um ní­vel apro­pri­a­do de aler­ta, ter uma me­mó­ria ide­al e re­gu­lar os es­ta­dos emo­ci­o­nais – em fun­ção do de­sem­pe­nho do cór­tex pré-fron­tal e dos nú­cle­os li­ga­dos a ele – são pre­ju­di­ca­dos. Po­de­mos di­zer, en­tão, que as ati­vi­da­des dos neu­ro­trans­mis­so­res – subs­tân­ci­as quí­mi­cas pro­du­zi­das nos neurô­ni­os que fazem a me­di­a­ção da trans­mis­são de men­sa­gens de uma cé­lu­la pa­ra ou­tra – acon­te­ce de ma­nei­ra di­fe­ren­te no cé­re­bro neu­ro­tí­pi­co e na­que­le que pos­sui o trans­tor­no.

Nes­se con­tex­to, a do­pa­mi­na es­tá en­vol­vi­da no con­tro­le da ati­vi­da­de mo­to­ra, re­gu­la­ção de hu­mor e an­si­e­da­de, en­quan­to a no­ra­dre­na­li­na fi­ca li­ga­da ao sis­te­ma de aler­ta e pro­ble­mas de so­no, além de fun­ções de de­fe­sa do or­ga­nis­mo. De­ve­mos en­ten­der, por­tan­to, que am­bas tra­ba­lham uni­das, e quan­do há de­fi­ci­ên­cia em qual­quer neu­ro­trans­mis­sor, as áre­as ce­re­brais em que a pre­sen­ça de­las se­ja mui­to im­por­tan­te po­dem não fun­ci­o­nar ade­qua­da­men­te. De acor­do com Clay, o cé­re­bro de uma cri­an­ça com TDAH não ati­va de for­ma efi­caz as áre­as fun­ci­o­nais no cór­tex pré-fron­tal e de tran­si­ção pa­ra o cor­po es­tri­a­do – um dos nú­cle­os de ba­se do cé­re­bro – em ati­vi­da­des que exi­gem per­sis­tên­cia na aten­ção e exe­cu­ção de ati­vi­da­des sem re­com­pen­sa ime­di­a­ta. “Is­so le­va ao bai­xo fun­ci­o­na­men­to da me­mó­ria ope­ra­ci­o­nal e da ca­pa­ci­da­de de se en­ga­jar em ta­re­fas mo­nó­to­nas e se­quen­ci­ais, tu­do por ocor­rên­cia de um bai­xo ní­vel de do­pa­mi­na e no­ra­dre­na­li­na nes­tas áre­as”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal.

CON­SUL­TO­RI­AS Clay Bri­tes, pes­qui­sa­dor e dou­to­ran­do do La­bo­ra­tó­rio de Di­fi­cul­da­des e Dis­túr­bi­os da Apren­di­za­gem e Trans­tor­nos de Aten­ção (Di­sa­pre) na UNI­CAMP e pro­fes­sor do cur­so de pós-gra­du­a­ção de Neu­rop­si­co­lo­gia Apli­ca­da à Neu­ro­lo­gia In­fan­til na mes­ma ins­ti­tui­ção; Monica Pes­sa­nha, psi­co­te­ra­peu­ta in­fan­til e de ado­les­cen­tes, mes­tre em Psi­co­lo­gia Clí­ni­ca pe­la Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca (PUC), neu­rop­si­co­pe­da­go­ga e man­te­ne­do­ra do pro­je­to Brin­ca­dei­ras Afe­ti­vas. FON­TE The Worldwi­de Pre­va­len­ce of ADHD: A Sys­te­ma­tic Re­vi­ew and Me­ta­re­gres­si­on Analy­sis em The Ame­ri­can Jour­nal Of Psy­chi­a­try.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.