Tu­do so­bre o TDAH

A cri­an­ça hi­pe­ra­ti­va é um de­sa­fio pa­ra pro­fes­so­res e fa­mi­li­a­res, mas co­nhe­cê-las a fun­do po­de ser o ca­mi­nho pa­ra uma vi­da fe­liz e sau­dá­vel

Mente Curiosa - - NEWS -

O que sig­ni­fi­ca ser hi­pe­ra­ti­vo?

A hi­pe­ra­ti­vi­da­de é um dos com­po­nen­tes mais co­nhe­ci­dos do TDAH (Trans­tor­no do Dé­fi­cit de Aten­ção com Hi­pe­ra­ti­vi­da­de). Em ge­ral, ela se as­so­cia a di­fi­cul­da­des fre­quen­tes no am­bi­en­te es­co­lar e no re­la­ci­o­na­men­to com a fa­mí­lia. Cri­an­ças hiperativas cos­tu­mam se ma­chu­car com mais frequên­cia, são in­tem­pes­ti­vas, mui­to in­qui­e­tas e, mes­mo hiperativas, ten­dem a fi­car iso­la­das em al­guns momentos. Po­rém, é vá­li­do des­ta­car que uma sim­ples agi­ta­ção não de­ve ser con­fun­di­da com um qua­dro de hi­pe­ra­ti­vi­da­de. Nes­te con­tex­to, é im­por­tan­te des­ta­car a di­fe­ren­ça en­tre a cri­an­ça es­tar e ser hi­pe­ra­ti­va, já que, no pri­mei­ro ca­so, ocor­re uma di­fi­cul­da­de mo­men­tâ­nea – de adap­ta­ção, pro­va­vel­men­te –, en­quan­to no se­gun­do exis­te um trans­tor­no que re­sul­ta em ati­tu­des fre­quen­tes in­de­pen­den­te­men­te do am­bi­en­te em que ela es­tá in­se­ri­da. É pre­ci­so es­cla­re­cer ain­da que nem sem­pre o fa­tor hi­pe­ra­ti­vi­da­de apa­re­ce acom­pa­nha­do do dé­fi­cit de aten­ção, mas es­sa é a si­tu­a­ção mais co­mum, vis­to que, ao pos­suir um grau ex­ces­si­vo de agi­ta­ção, a cri­an­ça se aten­ta a mui­tas coi­sas ao mes­mo tem­po – e de­sen­vol­ve a cha­ma­da hi­per­vi­gi­lân­cia – di­fi­cul­tan­do, por­tan­to, uma con­cen­tra­ção di­re­ci­o­na­da e ide­al. “Po­de­mos di­fe­ren­ci­ar uma cri­an­ça com e sem a hi­pe­ra­ti­vi­da­de pre­sen­te no Trans­tor­no do Dé­fi­cit de Aten­ção pe­la in­ten­si­da­de de su­as ati­vi­da­des, in­qui­e­tu­de e re­a­ti­vi­da­de in­ten­sa a pe­que­nos es­tí­mu­los. Quan­do não há o agra­van­te hi­pe­ra­ti­vo, ela pos­sui bai­xa re­a­ti­vi­da­de e até bai­xa sen­si­bi­li­da­de à per­cep­ção de es­tí­mu­los”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra San­der Frid­man. “As cri­an­ças mais pro­pen­sas a ter o pro­ble­ma são aque­las que nas­ce­ram pre­ma­tu­ras, so­fre­ram in­fec­ções co­mo me­nin­gi­te ou ti­ve­ram trau­ma cra­ni­a­no, cu­jas mães fu­ma­ram ou uti­li­za­ram dro­gas ilí­ci­tas e, pre­do­mi­nan­te­men­te, as que têm his­tó­ri­co fa­mi­li­ar de TDAH”, ex­pli­ca An­dré Fe­lí­cio, co­or­de­na­dor do cur­so de pós-gra­du­a­ção em Neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de IPEMED de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas.

Qu­al é a de­fi­ni­ção bá­si­ca de TDAH?

Se­gun­do o Manual Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais da As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Psi­qui­a­tria, den­tro de um qua­dro de TDAH, é pos­sí­vel ha­ver pre­do­mi­nân­ci­as di­fe­ren­tes ou com­bi­na­das, sen­do elas: TDAH com pre­do­mí­nio de sin­to­mas de de­sa­ten­ção; de hi­pe­ra­ti­vi­da­de e im­pul­si­vi­da­de; e com­bi­na­do. To­das, po­rém, são de­fi­ni­das co­mo uma per­tur­ba­ção neu­ro­bi­o­ló­gi­ca trans­mi­ti­da em grande par­te ge­ne­ti­ca­men­te e que afe­ta de ma­nei­ra im­por­tan­te a vi­da do in­di­ví­duo, sen­do bas­tan­te co­mum na in­fân­cia e tor­nan­do-se um dos trans­tor­nos mais es­tu­da­dos

no cam­po da psi­qui­a­tria in­fan­til. Diz-se que o pro­ble­ma é neu­ro­bi­o­ló­gi­co por­que, quem é di­ag­nos­ti­ca­do cor­re­ta­men­te, apre­sen­ta di­fe­ren­ças ce­re­brais no que se re­fe­re às fun­ções de or­ga­ni­zar, es­ta­be­le­cer um ní­vel de aler­ta apro­pri­a­do ou até man­ter uma me­mó­ria ade­qua­da, mas, em ge­ral, o cé­re­bro da cri­an­ça com e sem o TDAH é “ávi­do por no­vas in­for­ma­ções, or­ga­ni­za­do es­tru­tu­ral e fun­ci­o­nal­men­te”, ex­pli­ca An­dré.

Co­mo se­pa­rar os ti­pos de TDAH?

É pos­sí­vel apon­tar al­gu­mas di­fe­ren­ças en­tre os ti­pos de TDAH ma­ni­fes­ta­dos. “O pu­ra­men­te de­sa­ten­to cos­tu­ma ser tí­mi­do, in­tros­pec­ti­vo, de pou­ca ini­ci­a­ti­va so­ci­al, às ve­zes ví­ti­ma de bullying e com si­nais de de­sin­te­res­se pa­ra se en­ga­jar em ati­vi­da­des que exi­gem pra­zos e obri­ga­ções. Não dá tra­ba­lho na es­co­la, no que tan­ge seu com­por­ta­men­to, mas tem bai­xo ren­di­men­to em lei­tu­ra, es­cri­ta e arit­mé­ti­ca, por ex­ces­si­va de­sa­ten­ção e bai­xa per­sis­tên­cia pa­ra cum­prir sequên­ci­as”, de­fi­ne Clay Bri­tes, pes­qui­sa­dor do La­bo­ra­tó­rio de Di­fi­cul­da­des e Dis­túr­bi­os da Apren­di­za­gem e Trans­tor­nos de Aten­ção (Di­sa­pre) da UNI­CAMP e pro­fes­sor do cur­so de pós-gra­du­a­ção de Neu­rop­si­co­lo­gia Apli­ca­da à Neu­ro­lo­gia In­fan­til na mes­ma ins­ti­tui­ção. O es­pe­ci­a­lis­ta lem­bra que es­se ti­po de TDAH tam­bém po­de le­var a pro­ble­mas de bai­xa au­to­es­ti­ma, já que a cri­an­ça se sen­te in­ca­paz e aban­do­na­da. “Por ou­tro la­do, quan­do fa­la­mos do ti­po hi­pe­ra­ti­vo/im­pul­si­vo, te­mos al­guém ex­tre­ma­men­te ex­tro­ver­ti­do, às ve­zes in­con­ve­ni­en­te, e in­va­si­vo so­ci­al­men­te”, com­ple­ta. Se a es­co­la não es­ti­ver pre­pa­ra­da pa­ra li­dar com o trans­tor­no, a cri­an­ça fi­ca mar­ca­da por cau­sar mui­tas de­sa­ven­ças e pro­ble­mas em sala de au­la. “Os pro­ble­mas de ren­di­men­to exis­tem, mas são pro­por­ci­o­nal­men­te me­no­res se com­pa­ra­dos ao com­por­ta­men­to. Ela cos­tu­ma ser agres­si­va, ex­plo­si­va, in­to­le­ran­te à frus­tra­ção e quer tu­do na sua ho­ra e no seu tem­po. Tem mui­ta os­ci­la­ção de hu­mor e ten­de a se en­vol­ver em bri­gas e con­fli­tos so­ci­ais”, aten­ta Clay. De acor­do com o psi­qui­a­tra San­der Frid­man, es­se se­gun­do di­ag­nós­ti­co é mais co­mum em me­ni­nos, mas é im­por­tan­te que os pro­fis­si­o­nais es­te­jam aten­tos pa­ra que não ha­ja con­fu­são ao de­ter­mi­nar o qua­dro do pa­ci­en­te. “Por exem­plo, as de­pres­sões do hu­mor po­dem se apre­sen­tar com re­du­ção im­por­tan­te na ca­pa­ci­da­de de aten­ção, con­cen­tra­ção e me­mó­ria, e nos mais de­pres­si­vos e me­lan­có­li­cos se con­fun­dir com o Trans­tor­no do Dé­fi­cit de Aten­ção sem Hi­pe­ra­ti­vi­da­de/im­pul­si­vi­da­de. En­quan­to nos qua­dros an­si­o­sos, ocor­re se­me­lhan­ça com o ti­po de­sa­ten­to e agi­ta­do. É pre­ci­so lem­brar tam­bém que a tris­te­za não é o úni­co sin­to­ma das de­pres­sões, po­den­do pre­va­le­cer de­sin­te­res­se ou ir­ri­ta­ção, prin­ci­pal­men­te em cri­an­ças, pro­por­ci­o­nan­do um pa­re­cer mui­to se­me­lhan­te ao do TDAH”, aler­ta.

Exis­tem pri­mei­ro si­nais?

Há al­guns com­por­ta­men­tos a se­rem ob­ser­va­dos, co­mo: a cri­an­ça fre­quen­te­men­te brin­ca ou me­xe ex­ces­si­va­men­te os de­dos, mãos ou pés e mo­ve-se na ca­dei­ra? Le­van­ta o tem­po to­do du­ran­te a au­la em si­tu­a­ções que de­ve­ria per­ma­ne­cer sen­ta­do? Pos­sui di­fi­cul­da­de em re­la­xar? Além des­ses, ou­tros exem­plos de­vem ser con­si­de­ra­dos, sem­pre acom­pa­nha­dos de uma sé­rie de cri­té­ri­os adi­ci­o­nais, sen­do ava­li­a­dos em di­ver­sas si­tu­a­ções e le­van­do em con­ta ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas. É pro­vá­vel que qual­quer cri­an­ça per­ma­ne­ça de­sa­ten­ta ou in­qui­e­ta em si­tu­a­ções des­fa­vo­rá­veis ou de di­fi­cul­da­de, mas aque­la que pos­sui o TDAH não con­se­gue man­ter um com­por­ta­men­to ade­qua­do nem ao me­nos quan­do es­tá fa­mi­li­a­ri­za­da com o as­sun­to ou am­bi­en­te. “Mas é im­pres­cin­dí­vel uma aná­li­se pro­fun­da do ca­so, pois há uma sé­rie de ou­tros trans­tor­nos que pro­du­zem sin­to­mas co­muns aos do TDAH, tais co­mo dis­tra­ção, hi­pe­ra­ti­vi­da­de, im­pul­si­vi­da­de, de­sor­ga­ni­za­ção, pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to, agi­ta­ção men­tal, pro­ble­mas com au­to­es­ti­ma e bai­xo ren­di­men­to es­co­lar”, ex­pli­ca Sylvia Flo­res, pro­fes­so­ra de Psi­co­lo­gia do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Newton Pai­va, de Be­lo Ho­ri­zon­te (MG).

O TDAH es­tá res­tri­to ape­nas a uma fa­se da vi­da?

É mais co­mum que o TDAH sur­ja na in­fân­cia, mas ele po­de ser di­ag­nos­ti­ca­do ape­nas na ado­les­cên­cia ou dar si­nais na vi­da adul­ta. “O TDAH na ado­les­cên­cia é uma ex­ten­são do trans­tor­no na in­fân­cia, com os agra­van­tes des­te mo­men­to da vi­da, que des­per­ta uma sé­rie de ques­tões es­pe­cí­fi­cas li­ga­das ao in­te­res­se se­xu­al, com­por­ta­men­tos opo­si­ti­vos e rei­vin­di­ca­tó­ri­os mais fre­quen­tes, de­sa­fi­os às re­gras fa­mi­li­a­res e mai­or in­ten­si­da­de na vi­vên­cia das emo­ções”, exem­pli­fi­ca Sylvia. Nes­te ca­so, o tra­ta­men­to se­gue si­mi­lar ao es­ta­be­le­ci­do na in­fân­cia, com psi­co­te­ra­pia e in­ser­ção de me­di­ca­men­tos quan­do pre­ci­so. Da mes­ma for­ma se­ria se o Trans­tor­no do Dé­fi­cit de Aten­ção com Hi­pe­ra­ti­vi­da­de ti­ves­se con­ti­nui­da­de na fa­se adul­ta, o que mu­da é a ma­nei­ra co­mo o pro­ble­ma se ma­ni­fes­ta. Mas co­mo as res­pon­sa­bi­li­da­des e as exi­gên­ci­as só au­men­tam con­for­me se avan­ça na ida­de, o ide­al é que a investigação do trans­tor­no se­ja fei­ta o qu­an­to an­tes, as­sim que hou­ver a per­cep­ção de si­nais e for pos­sí­vel ini­ci­ar um acom­pa­nha­men­to. Is­so evi­ta­ria di­ver­sas di­fi­cul­da­des e so­fri­men­tos des­ne­ces­sá­ri­os. CON­SUL­TO­RI­AS An­dré Fe­lí­cio, co­or­de­na­dor do cur­so de pós-gra­du­a­ção em Neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de IPEMED de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas; Clay Bri­tes, pes­qui­sa­dor e dou­to­ran­do do La­bo­ra­tó­rio de Di­fi­cul­da­des e Dis­túr­bi­os da Apren­di­za­gem e Trans­tor­nos de Aten­ção (Di­sa­pre) na UNI­CAMP e pro­fes­sor do cur­so de pós-gra­du­a­ção de Neu­rop­si­co­lo­gia Apli­ca­da à Neu­ro­lo­gia In­fan­til na mes­ma ins­ti­tui­ção; San­der Frid­man, psi­qui­a­tra do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta Sil­ves­tre; Sylvia Flo­res, pro­fes­so­ra de Psi­co­lo­gia do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Newton Pai­va, de Be­lo Ho­ri­zon­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.