O QUE NÃO CAU­SA O TDAH?

Mente Curiosa - - NEWS -

1. Não tem ori­gem em con­fli­tos neu­ró­ti­cos: na­da se re­la­ci­o­na ao Com­ple­xo de Édi­po, por exem­plo, ou a ou­tros con­fli­tos te­o­ri­za­dos pe­la psi­ca­ná­li­se.

2. Não tem ori­gem em pro­ble­mas fa­mi­li­a­res ou con­ju­gais: por mais que eles pos­sam pro­vo­car per­tur­ba­ção de adap­ta­ção, cu­jos sin­to­mas são bem pa­re­ci­dos aos do TDAH, não é co­mum que a cri­an­ça apre­sen­te tra­ços do trans­tor­no nos dois con­tex­tos e de for­ma inin­ter­rup­ta. Por ou­tro la­do, se ela vi­ve em am­bi­en­te hos­til e pos­sui ca­rên­cia afe­ti­va, é pos­sí­vel que um di­ag­nós­ti­co di­fe­ren­ci­al se­ja fei­to, mas não que is­so, au­to­ma­ti­ca­men­te, im­pli­que no TDAH.

3. Não se re­la­ci­o­na com pro­ble­mas emo­ci­o­nais e psi­quiá­tri­cos que ou­tros fa­mi­li­a­res pos­sam ter: des­de que eles não apre­sen­tem o TDAH – já que vi­mos sua cau­sa ge­né­ti­ca – a pre­sen­ça de ou­tros qua­dros psi­quiá­tri­cos não de­ve im­pli­car no apa­re­ci­men­to do trans­tor­no.

4. Não tem ori­gem em uma edu­ca­ção ina­de­qua­da: in­qui­e­tos, de­sa­ten­tos e ex­tre­ma­men­te agi­ta­dos? Sim! Mas, não mal edu­ca­dos. Os sin­to­mas não têm qual­quer ori­gem no mé­to­do de edu­ca­ção se­gui­do pe­los pais. Se­jam eles as­ser­ti­vos, re­la­xa­dos, rí­gi­dos, is­so não re­sul­ta di­re­ta­men­te no apa­re­ci­men­to do TDAH. No en­tan­to, con­du­zir o com­por­ta­men­to dos fi­lhos de ma­nei­ra ade­qua­da e cui­da­do­sa faz to­tal di­fe­ren­ça du­ran­te o tra­ta­men­to do trans­tor­no.

5. Não tem ori­gem em uma par­ti­ci­pa­ção ina­pro­pri­a­da do meio so­ci­al ou edu­ca­ci­o­nal: a in­ci­dên­cia de TDAH não va­ria mui­to de acor­do com a clas­se so­ci­al, sal­vo ca­sos de gru­pos po­pu­la­ci­o­nais em si­tu­a­ção de mi­sé­ria, com des­nu­tri­ção crô­ni­ca, ane­mia, com ex­po­si­ção a po­lu­en­tes ou mei­os es­co­la­res em que a cri­an­ça é sub­me­ti­da a exi­gên­ci­as ab­sur­da­men­te aci­ma de su­as possibilidades. Is­so quer di­zer que uma sala nu­me­ro­sa, com mui­tos alu­nos, não pro­vo­ca TDAH, po­rém, am­plia as di­fi­cul­da­des de ofe­re­cer o en­si­no per­so­na­li­za­do que ela re­quer.

6. Não se de­ve a con­su­mo ex­ces­si­vo de açú­ca­res, adi­ti­vos ou co­ran­tes ar­ti­fi­ci­ais, nem a pro­ces­sos alér­gi­cos: nos anos 1970, acre­di­tou­se que ha­via uma re­la­ção en­tre o trans­tor­no e ques­tões li­ga­das à ali­men­ta­ção. No en­tan­to, atu­al­men­te, todos os co­ran­tes que po­de­ri­am oca­si­o­nar al­gum ti­po de pro­ble­ma es­tão proi­bi­dos de se­rem co­mer­ci­a­li­za­dos. Sa­be-se tam­bém que não há re­la­ção com aler­gi­as. Se uma cri­an­ça faz um tra­ta­men­to com cor­ti­coi­des, ela po­de fi­car in­qui­e­ta e ir­ri­tá­vel por um tem­po, mas não a pon­to de ser di­ag­nos­ti­ca­do a TDAH.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.