Pa­ra dri­blar o pro­ble­ma

As pri­mei­ras ações, os tra­ta­men­tos e as es­tra­té­gi­as pa­ra li­dar com a hi­pe­ra­ti­vi­da­de

Mente Curiosa - - NEWS -

Pa­ra co­me­çar a ob­ser­var a cri­an­ça di­ag­nos­ti­ca­da de uma for­ma di­fe­ren­te, é ne­ces­sá­rio ter um co­nhe­ci­men­to cor­re­to a res­pei­to do dis­túr­bio e su­as com­pli­ca­ções. Po­de ser ne­ces­sá­rio que ha­ja ain­da um acom­pa­nha­men­to pa­ra os pais a fim de que eles apren­dam a li­dar com os sin­to­mas do fi­lho. Por­tan­to, es­sa in­te­ra­ção po­si­ti­va en­tre os pais e os pro­fis­si­o­nais que vão au­xi­li­ar no tra­ta­men­to da cri­an­ça é fun­da­men­tal. “A fa­mí­lia pre­ci­sa re­ce­ber in­for­ma­ções cla­ras so­bre o trans­tor­no, com um pos­sí­vel trei­na­men­to pa­ra os pais e fa­mi­li­a­res pa­ra que eles pos­sam apren­der es­tra­té­gi­as pa­ra li­dar com os sin­to­mas do TDAH e au­xi­li­ar seus fi­lhos no pla­ne­ja­men­to e or­ga­ni­za­ção das ati­vi­da­des diá­ri­as”, ex­pli­ca Sylvia Flo­res, pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Newton Pai­va, de Be­lo Ho­ri­zon­te. De acor­do com a psi­qui­a­tra Ju­li­e­ta Me­jia Gu­e­va­ra, ou­tro pon­to im­por­tan­te a des­ta­car é que os pais tam­bém po­dem ter o trans­tor­no, as­sim, uma ava­li­a­ção com­ple­ta da fa­mí­lia aju­da­ria a todos.

Quem po­de aju­dar de per­to?

O tra­ta­men­to do TDAH en­vol­ve uma abor­da­gem múl­ti­pla. Ou se­ja, vá­ri­os su­jei­tos es­tão in­se­ri­dos no au­xí­lio à cri­an­ça, sem­pre pro­cu­ran­do ter um co­nhe­ci­men­to bas­tan­te am­plo das ro­ti­nas, mo­ti­va­ções e de­sen­ca­de­a­do­res do com­por­ta­men­to que mo­ti­vou es­sa bus­ca por aju­da. De acor­do com o psi­qui­a­tra Thi­a­go Blan­co Vi­ei­ra, es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes, o acom­pa­nha­men­to é fei­to por um gru­po de pro­fis­si­o­nais que po­de en­glo­bar di­fe­ren­tes for­ma­ções. “São psi­có­lo­gos, fo­no­au­dió­lo­gos, te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais, psi­co­pe­da­go­gos, edu­ca­do­res fí­si­cos e ou­tros que, se qua­li­fi­ca­dos de­vi­da­men­te, po­dem ori­en­tar os pais a fim de que pro­cu­rem aju­da mé­di­ca e tra­ta­men­to com me­di­ca­men­tos ali­a­do às ou­tras terapias ca­so se­ja pre­ci­so”. Ele es­cla­re­ce ain­da que, ape­sar de o TDAH es­tar pre­vis­to no gru­po de trans­tor­nos men­tais, mui­tos neu­ro­pe­di­a­tras

atu­am de for­ma com­pe­ten­te à fren­te do qua­dro di­ag­nos­ti­ca­do. “De­di­can­do-se ao es­tu­do mais por­me­no­ri­za­do des­se gru­po de do­en­ças, o neu­ro­pe­di­a­tra po­de, sim, ser um pro­fis­si­o­nal bas­tan­te ca­paz e in­di­ca­do pa­ra o tra­ta­men­to das cri­an­ças com TDAH”, de­fen­de.

É pre­ci­so se pre­o­cu­par com o convívio so­ci­al da cri­an­ça?

Não é se­gre­do: da in­fân­cia à ida­de adul­ta, pa­ra se ter ami­gos é pre­ci­so cul­ti­vá-los. Des­sa for­ma, aque­les que são di­ag­nos­ti­ca­dos com hi­pe­ra­ti­vi­da­de e ou­tros pro­ble­mas con­co­mi­tan­tes – co­mo a im­pul­si­vi­da­de – aca­bam pre­ju­di­ca­dos. “Mui­tas ve­zes, di­an­te de pe­que­nas frus­tra­ções, grandes pro­ble­mas aca­bam acon­te­cen­do. Is­so tal­vez di­fi­cul­te que as ami­za­des per­du­rem ou que a com­pa­nhia da cri­an­ça com TDAH se­ja de­se­ja­da pe­los co­le­gas pró­xi­mos”, aten­ta Thi­a­go. Des­sa for­ma, po­de ocor­rer uma ten­dên­cia ao iso­la­men­to so­ci­al e, em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, sur­gem sin­to­mas que im­pli­cam em ain­da mais pre­juí­zos pa­ra a cri­an­ça. Por­tan­to, man­ter a aten­ção so­bre os de­sa­fi­os que o por­ta­dor de TDAH vi­ven­cia é es­sen­ci­al pa­ra evi­tar que pro­ble­mas fu­tu­ros com­pro­me­tam su­as in­te­ra­ções so­ci­ais – se­jam eles re­sul­ta­do de uma me­di­ca­ção que cau­se efei­tos co­la­te­rais ou de sim­ples di­fi­cul­da­des com­por­ta­men­tais do dia a dia.

Quais as prin­ci­pais ma­nei­ras de tra­tar o trans­tor­no?

A cha­ve do su­ces­so de um tra­ta­men­to de TDAH es­tá na com­bi­na­ção de mé­to­dos. Ou se­ja, a pes­soa que so­fre com o pro­ble­ma pre­ci­sa con­ci­li­ar me­di­ca­men­tos e terapias, sen­do a abor­da­gem cog­ni­ti­va-com­por­ta­men­tal a prin­ci­pal for­ma de aten­di­men­to pa­ra pa­ci­en­tes com o trans­tor­no, por apre­sen­tar bons re­sul­ta­dos em ter­mos de mu­dan­ças de ati­tu­de du­ra­dou­ras. O pro­fis­si­o­nal res­pon­sá­vel por es­se ti­po de acom­pa­nha­men­to vai atu­ar com uma es­pé­cie de trei­no re­la­ci­o­na­do a so­lu­ções de pro­ble­mas e me­lho­res ha­bi­li­da­des so­ci­ais. Além dis­so, de­ve pro­por­ci­o­nar for­mas de re­la­xa­men­to e es­ta­be­le­cer agen­das de ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras, de ob­je­ti­vos e me­tas a se­rem cum­pri­das. O te­ra­peu­ta cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal tam­bém en­si­na co­mo mo­di­fi­car as for­mas de pen­sar e li­dar com pro­ble­mas que po­dem ser pre­ju­di­ci­ais de ime­di­a­to. Po­rém, é im­por­tan­te fri­sar que as téc­ni­cas uti­li­za­das pa­ra con­du­zir o tra­ta­men­to de­vem va­ri­ar e se ade­quar ao per­fil do pa­ci­en­te, sua his­tó­ria de vi­da e do qua­dro sin­to­má­ti­co, além de ca­rac­te­rís­ti­cas pes­so­ais e am­bi­en­tais.

Os re­mé­di­os são mes­mo ne­ces­sá­ri­os?

Uma das me­lho­res op­ções pa­ra o tra­ta­men­to do TDAH re­al­men­te são as terapias psi­co­ló­gi­cas, mas só o acom­pa­nha­men­to com pro­fis­si­o­nais não é o su­fi­ci­en­te. “Os re­mé­di­os uti­li­za­dos são ge­ral­men­te es­ti­mu­lan­tes, que ati­vam os re­cep­to­res ou blo­quei­am a re­cep­ta­ção, pa­ra au­men­tar ou es­ta-

bi­li­zar os ní­veis si­náp­ti­cos de do­pa­mi­na e no­re­pi­ne­fri­na, res­pon­sá­veis por evi­den­ci­ar os sin­to­mas do trans­tor­no”, es­cla­re­ce Ma­rí­lia Gur­gel de Cas­tro, psi­có­lo­ga clí­ni­ca.

Qu­al é o me­di­ca­men­to mais co­mum e quais são seus prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os?

No Bra­sil, a ri­ta­li­na tem si­do o mais re­cei­ta­do dos es­ti­mu­lan­tes e is­so mu­da mui­to de acor­do com a so­ci­e­da­de e país em que a cri­an­ça es­tá in­se­ri­da. Por exem­plo: en­quan­to nos Es­ta­dos Uni­dos, on­de, em 2010, dois ter­ços das cri­an­ças hiperativas to­ma­vam es­ti­mu­lan­tes co­mo tra­ta­men­to de pri­mei­ra li­nha, na Eu­ro­pa os mé­di­cos ape­nas os ad­mi­nis­tram em ca­sos gra­ves ou quan­do o tra­ta­men­to psi­co­ló­gi­co não con­se­guiu mes­mo re­sul­ta­dos efi­ca­zes. Ma­rí­lia apon­ta que os be­ne­fí­ci­os da me­di­ca­ção con­sis­tem em me­lho­ra da me­mó­ria de tra­ba­lho es­pa­ci­al, da ca­pa­ci­da­de de pla­ne­jar, da aten­ção di­fu­sa e fo­ca­da, da im­pul­si­vi­da­de re­la­ci­o­nal e da hi­pe­ra­ti­vi­da­de.

Exis­tem pre­juí­zos pa­ra quem faz uso?

Os me­di­ca­men­tos de­vem ser in­di­ca­dos com cau­te­la e o mé­di­co res­pon­sá­vel de­ve fa­zer um acom­pa­nha­men­to mi­nu­ci­o­so, sem­pre mo­ni­to­ran­do pe­ri­o­di­ca­men­te os re­sul­ta­dos da me­di­ca­ção. “As me­di­ca­ções pa­ra tra­tar o TDAH são bem to­le­ra­das e com pou­cos efei­tos co­la­te­rais, quan­do exis­tem. Mas al­gu­mas cri­an­ças têm, sim, sin­to­mas in­de­se­já­veis que li­mi­tam o uso con­ti­nu­a­do de uma ou ou­tra me­di­ca­ção. A van­ta­gem é que os efei­tos co­la­te­rais são todos pas­sa­gei­ros, com a sus­pen­são do re­mé­dio e, por is­so, o uso po­de ser fei­to sem grandes ris­cos pa­ra o pa­ci­en­te, mes­mo quan­do não se sa­be a sen­si­bi­li­da­de da cri­an­ça pa­ra de­ter­mi­na­do me­di­ca­men­to”, ex­pli­ca Thi­a­go. CON­SUL­TO­RI­AS Clay Bri­tes, pes­qui­sa­dor e pro­fes­sor do cur­so de pós-gra­du­a­ção de Neu­rop­si­co­lo­gia apli­ca­da à Neu­ro­lo­gia In­fan­til; Ju­li­e­ta Me­jia Gu­e­va­ra, psi­qui­a­tra e di­re­to­ra da Neu­rohe­alth, cen­tro es­pe­ci­a­li­za­do no uso da téc­ni­ca de Es­ti­mu­la­ção Mag­né­ti­ca Trans­cra­ni­a­na em pa­ci­en­tes com de­pres­são e ou­tras pa­to­lo­gi­as de ori­gem com­por­ta­men­tal; Ma­rí­lia Gur­gel de Cas­tro, psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­lis­ta em Saú­de da Fa­mí­lia; Sylvia Flo­res, pro­fes­so­ra de Psi­co­lo­gia do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Newton Pai­va, de Be­lo Ho­ri­zon­te; eThi­a­goB­lan co Vi­ei­ra, psi­qui­a­tra da in­fân­cia e ado­les­cên­cia, es­pe­ci­a­lis­ta em Te­ra­pia Cog­ni­ti­vo­com­por­ta­men­tal pa­ra Cri­an­ças e Ado­les­cen­tes.

Vo­cê co­nhe­ce o COACHING AL? COMPORTAMENT os Ele aju­da a tra­tar em sin­to­mas do TDAH ado­les­cen­tes e adul­tos! Sai­ba mais no AL POR­TAL AL­TO ASTR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.