Dos si­nais ao di­ag­nós­ti­co

A pre­ci­são é in­dis­pen­sá­vel na ho­ra de ava­li­ar se a cri­an­ça é mes­mo hi­pe­ra­ti­va

Mente Curiosa - - NEWS -

Odi­ag­nós­ti­co do TDAH é clí­ni­co, por­tan­to, não exis­te, até o mo­men­to, ne­nhum exa­me que pos­sa re­co­nhe­cê-lo e tra­zer so­zi­nho to­das as res­pos­tas, mas é pos­sí­vel se aten­tar a cer­tos com­por­ta­men­tos que evi­den­ci­am in­dí­ci­os do trans­tor­no. “Os pri­mei­ros sin­to­mas nor­mal­men­te apa­re­cem na es­co­la e evi­den­ci­am di­fi­cul­da­de de apren­di­za­do, in­qui­e­ta­ção e im­pul­si­vi­da­de. O di­ag­nós­ti­co en­vol­ve apli­car es­ca­las que ava­li­am es­tes sin­to­mas além de ten­tar ve­ri­fi­car o im­pac­to de­les na vida da cri­an­ça. As­sim, os exa­mes são re­a­li­za­dos ape­nas pa­ra afas­tar ou­tros di­ag­nós­ti­cos”, ex­pli­ca André Fe­lí­cio, co­or­de­na­dor do cur­so de pós-gra­du­a­ção em Neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de IPEMED de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas. Pa­ra não ne­gli­gen­ci­ar um ca­so ou sim­ples­men­te trans­for­mar uma sim­ples agi­ta­ção em um bi­cho de se­te ca­be­ças, o me­lhor é es­tar in­for­ma­do e aten­to a qual­quer si­nal de pro­ble­ma.

Qu­al o mo­men­to de pro­cu­rar aju­da es­pe­ci­a­li­za­da?

Em mé­dia, o cé­re­bro ama­du­re­ce até os 25 anos. Po­rém, qu­an­do exis­te o trans­tor­no, es­se ama­du­re­ci­men­to acon­te­ce de for­ma mais len­ta. “A cri­an­ça po­de de­mo­rar a de­sen­vol­ver a fa­la, a par­te in­te­lec­tu­al, além de fi­car hi­pe­ra­ti­va e dis­per­sa”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Victor Mas­se­na, do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta Sil­ves­tre. Po­rém, tais com­por­ta­men­tos não es­tão sem­pre li­ga­dos ao TDAH e a dú­vi­da so­bre o mo­men­to cer­to de ir atrás do au­xí­lio de um pro­fis­si­o­nal é re­cor­ren­te. “Pa­ra sa­ber a ho­ra de pro­cu­rar aju­da es­pe­ci­a­li­za­da é pre­ci­so se aten­tar à in­ten­si­da­de dos sin­to­mas, sua frequên­cia e o grau em que afe­tam a fun­ci­o­na­li­da­de da cri­an­ça em ati­vi­da­des re­la­ti­va­men­te sim­ples”, aten­ta Sylvia Flo­res, pro­fes­so­ra de Psi­co­lo­gia do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio New­ton Pai­va, de Be­lo Ho­ri­zon­te. Is­so por­que, an­tes de tra­tar o dé­fi­cit de aten­ção e a hi­pe­ra­ti­vi­da­de como um di­ag­nós­ti­co, é pre­ci­so en­xer­gá-los tam­bém – por que não? – como sin­to­mas de ou­tros pro­ble­mas. “Is­so só se­rá um di­ag­nós­ti­co se não for en­con­tra­da ne­nhu­ma ou­tra cau­sa. As cau­sas pre­ci­sam ser tra­ta­das, do mes­mo mo­do que não se de­ve cui­dar ape­nas da fe­bre de um pa­ci­en­te que se en­con­tra com uma pneu­mo­nia”, com­pa­ra o psi­qui­a­tra San­der Frid­man, do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta.

Po­de­mos ci­tar com­por­ta­men­tos co­muns em cri­an­ças hi­pe­ra­ti­vas?

A mai­o­ria das cri­an­ças que pos­sui o TDAH co­me­ça a de­mons­trar al­guns sin­to­mas an­tes mes­mo de in­gres­sar à pré-es­co­la. Mas é pre­ci­so iden­ti­fi­car que nem sem­pre de­mons­tra­ções de “mau com­por­ta­men­to” re­sul­ta­rão no trans­tor­no. En­tão, o pri­mei­ro pas­so, an­tes de ir atrás de um di­ag­nós­ti­co, é con­si­de­rar as ati­tu­des em mais de um am­bi­en­te. De acor­do com a psicóloga Marília Gur­gel de Cas­tro, es­pe­ci­a­lis­ta em Saú­de da Fa­mí­lia e mes­tran­da em Psi­co­lo­gia do De­sen­vol­vi­men­to na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, o se­gre­do es­tá

em ob­ser­var os exa­ge­ros. “Elas são ati­vas de­mais, im­pul­si­vas de­mais, de­sa­ten­tas de­mais pa­ra res­pon­der às exi­gên­ci­as do seu meio. Es­se exa­ge­ro de­ve ser per­ce­bi­do em mais de um con­tex­to, por exem­plo, na es­co­la e em ca­sa, e por um tem­po de no mí­ni­mo seis me­ses”, co­men­ta. A pro­fis­si­o­nal ex­pli­ca que a gran­de di­fe­ren­ça en­tre as cri­an­ças agi­ta­das ou mal com­por­ta­das e aque­las com TDAH é o fa­to des­tas não con­se­gui­rem se com­por­tar mes­mo a par­tir de sua pró­pria de­ci­são – sem­pre le­van­do em con­ta a ida­de, já que não é pos­sí­vel exi­gir o mes­mo dos mui­to no­vos. Ou­tros sin­to­mas apon­ta­dos pe­lo neu­rop­si­có­lo­go Clay Bri­tes são pro­ble­mas de so­no e a di­fi­cul­da­de pa­ra cum­prir ta­re­fas ro­ti­nei­ras e nor­mais pa­ra ida­de. “Es­sas cri­an­ças cos­tu­mam tam­bém não apren­der com os er­ros e não per­ce­ber de­ta­lhes de fa­las e dis­cur­sos, po­dem ain­da apre­sen­tar al­guns pro­ble­mas de co­or­de­na­ção mo­to­ra e ir­ri­ta­bi­li­da­de ex­ces­si­va a qual­quer ti­po de es­pe­ra ou frus­tra­ção”, com­ple­ta.

De que for­ma é fei­to o di­ga­nós­ti­co?

“Ele de­ve ser mul­ti­dis­ci­pli­nar e se ba­seia na ob­ser­va­ção sis­te­má­ti­ca dos com­por­ta­men­tos apon­ta­dos ao la­do de re­la­tos da es­co­la e da fa­mí­lia, com uma ava­li­a­ção neu­rop­si­co­ló­gi­ca e pon­de­ra­ção dos pre­juí­zos so­ci­ais, afe­ti­vos e aca­dê­mi­cos”, de­fi­ne Clay. Por­tan­to, tor­na-se fun­da­men­tal a par­ti­ci­pa­ção de todos os en­vol­vi­dos na ro­ti­na da cri­an­ça pa­ra se che­gar a um di­ag­nós­ti­co com­ple­to, in­cluin­do pais e pro­fes­so­res ap­tos jun­to às equi­pes de ava­li­a­ção mé­di­ca e não-mé­di­ca es­pe­ci­a­li­za­das. So­bre o pa­re­cer fi­nal, “é im­pres­cin­dí­vel fa­zer uma en­tre­vis­ta com pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do, pa­ra com­pre­en­der o his­tó­ri­co clí­ni­co da cri­an­ça. Tam­bém são so­li­ci­ta­dos exa­mes como ele­tro­en­ce­fa­lo­gra­ma, a fim de ava­li­ar o grau de ima­tu­ri­da­de ce­re­bral; e de ima­gem, como res­so­nân­cia, pa­ra afas­tar ques­tões clí­ni­cas. Po­rém, a ava­li­a­ção neu­rop­si­co­ló­gi­ca é o que de­fi­ne o di­ag­nós­ti­co, qu­an­do se­rá fei­to um con­jun­to de per­gun­tas ao pa­ci­en­te, em qua­tro ou cin­co ses­sões, com aju­da de psi­có­lo­go ou fo­no­au­dió­lo­go, pa­ra ana­li­sar a ca­pa­ci­da­de es­pon­tâ­nea de aten­ção, pen­sa­men­to con­cre­to, abs­tra­to e me­mó­ria, en­tre ou­tros”, de­ta­lha o neu­ro­lo­gis­ta do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta Sil­ves­tre, Victor Mas­se­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.