Fa­mí­lia e es­co­la: pa­péis es­sen­ci­ais

Não há dú­vi­das de que a par­ti­ci­pa­ção dos edu­ca­do­res e dos res­pon­sá­veis no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do por­ta­dor de TDAH é in­dis­pen­sá­vel. Con­fi­ra di­cas de como os adul­tos po­dem li­dar com o pro­ble­ma

Mente Curiosa - - NEWS -

Como iden­ti­fi­car pos­sí­veis por­ta­do­res de TDAH na sa­la de au­la?

No En­si­no In­fan­til, é co­mum que os pe­que­nos não con­si­gam se man­ter sen­ta­dos em su­as car­tei­ras e pre­sos a uma úni­ca ati­vi­da­de por mui­to tem­po. Qu­an­do eles es­tão um pou­qui­nho mai­o­res, po­rém, es­sas li­mi­ta­ções di­mi­nu­em, me­nos pa­ra os por­ta­do­res de TDAH. É nor­mal exis­tir aque­le ga­ro­to que não pa­ra qui­e­to, se mo­vi­men­ta o tem­po to­do e vai me­sa a me­sa dos co­le­gui­nhas pa­ra sa­ber o que es­tão fa­zen­do. En­tre as me­ni­nas, a fal­ta de aten­ção pre­do­mi­na: com­por­ta­da, mas dis­traí­da, ra­bis­ca a car­tei­ra, brin­ca com as ca­ne­tas do es­to­jo etc. Em am­bos os ca­sos, o apro­vei­ta­men­to aca­dê­mi­co aca­ba sen­do in­fe­ri­or ao do res­tan­te da tur­ma. Ou­tra ma­ni­fes­ta­ção do pro­ble­ma tem a ver com di­fi­cul­da­des em obe­de­cer a um có­di­go dis­ci­pli­nar rí­gi­do.

De que for­ma di­fe­ren­ci­ar trans­tor­no de agi­ta­ção?

“Um dos me­ca­nis­mos pa­ra iden­ti­fi­car alu­nos hi­pe­ra­ti­vos é ava­li­ar o ren­di­men­to em sa­la de au­la. Fi­ca­mos mui­to aten­tos aos tra­ba­lhos que es­se es­tu­dan­te re­a­li­za e, prin­ci­pal­men­te, às no­tas, que são o nos­so mai­or termô­me­tro. Is­so não sig­ni­fi­ca, po­rém, que to­do alu­no agi­ta­do te­nha TDAH. Se a cri­an­ça é na­tu­ral­men­te agi­ta­da, as no­tas de­la os­ci­lam em de­ter­mi­na­dos pe­río­dos. Em uma prova ela vai bem, em ou­tra nem tan­to. Qu­an­do se ob­ser­va o TDAH, es­sa li­nha é cons­tan­te pa­ra bai­xo”, ex­pli­ca a ori­en­ta­do­ra pe­da­gó­gi­ca do Co­lé­gio Ofi­ci­na do Es­tu­dan­te, Si­mo­ne Vic­tó­rio. Ela ex­pli­ca que, por mais que o alu­no ten­te pres­tar aten­ção a pro­vas e au­las, con­ti­nua di­fí­cil me­lho­rar o seu de­sem­pe­nho.

Ao per­ce­ber si­nais de TDAH, como de­ve ser fei­to o con­ta­to com os pais?

É im­por­tan­te des­ta­car que o pa­pel do co­lé­gio não é fa­zer um di­ag­nós­ti­co, mas sim ori­en­tar a fa­mí­lia a pro­cu­rar aju­da es­pe­ci­a­li­za­da. “Ori­en­ta­mos os pais com ba­se no que ob­ser­va­mos den­tro e fo­ra da sa­la de au­la, como a cri­an­ça age com os ami­gos, sua re­la­ção com os de­ve­res e con­teú­dos apli­ca­dos etc. Qu­an­do pre­ci­so, ins­truí­mos que eles pro­cu­rem um neu­rop­si­có­lo­go, a fim de in­ves­ti­gar quais as pos­sí­veis cau­sas de tais com­por­ta­men­tos e se is­so po­de ser ca­rac­te­ri­za­do como TDAH.”, aten­ta a pro­fis­si­o­nal.

Como a es­co­la de­ve se por­tar di­an­te de um di­ag­nós­ti­co po­si­ti­vo?

A par­tir do mo­men­to que se des­co­bre uma cri­an­ça por­ta­do­ra de TDAH, pais, pro­fes­so­res e os pro­fis­si­o­nais da saú­de en­vol­vi­dos pre­ci­sam unir es­for­ços pa­ra que o

tra­ta­men­to de­la se­ja re­al­men­te efe­ti­vo, em es­pe­ci­al na es­co­la, on­de apa­re­cem as prin­ci­pais di­fi­cul­da­des. “Se ca­da alu­no, em sua sub­je­ti­vi­da­de, pre­ci­sa ser acom­pa­nha­do de acor­do com o de­sen­vol­vi­men­to de su­as apren­di­za­gens, is­so é ain­da mais ne­ces­sá­rio àque­les que re­que­rem uma edu­ca­ção es­pe­ci­al”, con­clui Fe­lí­cio.

Den­tro do uni­ver­so es­co­lar, que ati­tu­des po­dem pre­ju­di­car o de­sen­vol­vi­men­to d o alu­no com TDAH?

“To­da ati­tu­de que le­ve a cri­an­ça, hi­pe­ra­ti­va ou não, a se sen­tir ex­cluí­da, di­fe­ren­te, in­ca­paz, é con­de­ná­vel”, aten­ta Va­nei­de Hi­ga, ori­en­ta­do­ra edu­ca­ci­o­nal do Co­lé­gio Pe­tró­po­lis. De­ve ha­ver um in­cen­ti­vo aos alu­nos pa­ra iden­ti­fi­ca­rem su­as po­ten­ci­a­li­da­des e su­as di­fi­cul­da­des a fim de que os ob­je­ti­vos in­di­vi­du­ais se­jam atin­gi­dos. É im­por­tan­te lem­brar que a cri­an­ça tal­vez dei­xe de atin­gir os re­sul­ta­dos es­pe­ra­dos, mas is­so não sig­ni­fi­ca pre­gui­ça ou “cor­po mo­le”, é uma li­mi­ta­ção re­al. “Acre­di­to que não en­ten­der o tem­po que elas pre­ci­sam pa­ra re­a­li­zar as ati­vi­da­des e pro­vas na es­co­la, ta­xá-las de pre­gui­ço­sas ou não re­co­nhe­cer seus es­for­ços é um com­por­ta­men­to con­de­ná­vel não ape­nas den­tro do am­bi­en­te do co­lé­gio como no co­ti­di­a­no de quem so­fre de TDAH”, co­men­ta Si­mo­ne. A con­cen­tra­ção, a ma­nei­ra como ab­sor­ve a in­for­ma­ção, o rit­mo, tu­do é di­fe­ren­te. “É pre­ci­so ter pa­ci­ên­cia, ter es­se olhar mais hu­ma­ni­za­do pa­ra tais ne­ces­si­da­des”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

CON­SUL­TO­RI­AS Fe­lí­cio Jo­sé Mo­re­to, Co­or­de­na­dor Psi­co­pe­da­gó­gi­co do Co­lé­gio Ma­ris­ta Ar­qui­di­o­ce­sa­no; Si­mo­ne Vic­tó­rio, ori­en­ta­do­ra pe­da­gó­gi­ca do Co­lé­gio Ofi­ci­na do Es­tu­dan­te; Va­nei­de A. Hi­ga, ori­en­ta­do­ra edu­ca­ci­o­nal do Co­lé­gio Pe­tró­po­lis.

“Acre­di­to que não en­ten­der o tem­po que elas pre­ci­sam pa­ra re­a­li­zar as ati­vi­da­des e pro­vas na es­co­la, ta­xá-las de pre­gui­ço­sas ou não re­co­nhe­cer seus es­for­ços é um com­por­ta­men­to con­de­ná­vel” Si­mo­ne Vic­tó­rio, ori­en­ta­do­ra pe­da­gó­gi­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.