O ca­mi­nho até a sen­sa­ção

En­ten­da co­mo o cé­re­bro in­ter­pre­ta a dor e a in­fluên­cia des­se pro­ces­so na ex­pe­ri­ên­cia do­lo­ro­sa

Mente Curiosa - - NEWS -

De 0 a 10, qual o ní­vel da sua dor?”. Pro­va­vel­men­te, vo­cê já ou­viu es­sa per­gun­ta em uma con­sul­ta mé­di­ca. Mas, co­mo de­fi­nir o que se pas­sa no seu corpo? Pa­ra me­dir a dor, de­ve-se le­var em con­si­de­ra­ção to­dos os incô­mo­dos já sen­ti­dos na vi­da? Afi­nal, o seu ní­vel 10 é di­fe­ren­te do mes­mo nú­me­ro de ou­tra pes­soa. Na ten­ta­ti­va de des­cre­ver es­sa sen­sa­ção, es­ta­be­le­ce­mos as­so­ci­a­ções com aqui­lo o que é con­cre­to: “é co­mo se al­guém es­ti­ves­se aper­tan­do mi­nhas cos­tas”, “pa­re­ce que es­tou sen­do es­pe­ta­do por agu­lhas no estô­ma­go” ou “sa­be quan­do vo­cê sen­te al­gu­ma coi­sa mar­te­lan­do na sua ca­be­ça?”.

Tu­do is­so acon­te­ce por­que, de cer­ta for­ma, a dor é sub­je­ti­va. De acor­do com a de­fi­ni­ção da As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal pa­ra o Es­tu­do da Dor (IASP), é uma “ex­pe­ri­ên­cia sen­si­ti­va e emo­ci­o­nal de­sa­gra­dá­vel as­so­ci­a­da ou re­la­ci­o­na­da a le­são re­al ou po­ten­ci­al dos te­ci­dos. Ca­da in­di­ví­duo apren­de a uti­li­zar es­se ter­mo atra­vés das su­as ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res”. To­do mun­do en­ten­de o que é dor e já sen­tiu al­gum des­con­for­to, por me­nor que se­ja. Con­tu­do, vo­cê sa­be co­mo o cé­re­bro in­ter­pre­ta a dor e in­flu­en­cia na ma­nei­ra co­mo ca­da um a vi­ven­cia? Do corpo ao cé­re­bro A par­tir do mo­men­to em que vo­cê ba­te o de­di­nho do pé na qui­na da ca­ma até o ine­vi­tá­vel incô­mo­do, a in­for­ma­ção co­le­ta­da per­cor­re, em uma fra­ção de se­gun­dos, um lon­go ca­mi­nho. Is­so por­que o cé­re­bro não sen­te na­da e o de­di­nho não con­se­gue in­ter­pre­tar as con­sequên­ci­as da pan­ca­da. De acor­do com o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to, o fa­to che­ga ao cé­re­bro pe­lo sis­te­ma ner­vo­so, que o re­ce­be no cór­tex ce­re­bral, on­de o im­pul­so se­rá en­ten­di­do e tra­du­zi­do co­mo dor, per­cor­ren­do a me­du­la e vá­ri­as es­tru­tu­ras ce­re­brais. “En­tre os en­vol­vi­dos es­tão o tá­la­mo, cu­ja fun­ção é es­pe­ci­fi­car o lo­cal (no ca­so, o de­di­nho do pé), o sis­te­ma lím­bi­co, res­pon­sá­vel pe­las emo­ções, e o sis­te­ma re­ti­cu­lar, que de­ter­mi­na o grau de es­tres­se des­se im­pac­to”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta. Tu­do is­so acon­te­ce mui­to rá­pi­do: vo­cê ba­te o de­do, fi­ca tris­te por­que do­eu e re­cla­ma com o uni­ver­so por­que é a se­gun­da vez no mes­mo dia. Pa­ra vi­a­bi­li­zar tal pro­ces­so, que se ini­cia nas áre­as pe­ri­fé­ri­cas, a ati­vi­da­de neu­ros­sen­so­ri­al é ati­va­da pe­los no­ci­cep­to­res, cé­lu­las es­pa­lha­das por to­do o corpo en­car­re­ga­das de re­ce­ber a men­sa­gem de um cho­que, cor­te ou qual­quer ou­tro fa­tor ca­paz de cau­sar dor. “Os re­cep­to­res são, na ver­da­de, sen­so­res que es­tão em vá­ri­os te­ci­dos no corpo. Por exem­plo, em vá­ri­os lo­cais, co­mo pré­di­os, apar­ta­men­tos e aviões, exis­tem de­tec­to­res de fu­ma­ça. Nós te­mos de­tec­to­res da­qui­lo que po­de nos ma­chu­car, co­mo os es­tí­mu­los tér­mi­cos, me­câ­ni­cos e quí­mi­cos. Quan­do os no­ci­cep­to­res de­tec­tam al­gu­ma ame­a­ça, ra­pi­da­men­te sobem im­pul­sos elé­tri­cos pa­ra avi­sar ao sis­te­ma ner­vo­so do ocor­ri­do”, ex­pli­ca Ar­tur Pa­dão, fi­si­o­te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­li­za­do em dor.

Anal­gé­si­co na­tu­ral É nes­te mes­mo mo­men­to, quan­do che­ga ao cé­re­bro, que o im­pul­so com a in­for­ma­ção da le­são dis­pa­ra o sis­te­ma su­pres­sor da dor. Is­so mes­mo: nós pos­suí­mos um me­ca­nis­mo pró­prio pa­ra ini­bir a dor e li­be­rar subs­tân­ci­as que pro­por­ci­o­nam bem-es­tar, co­mo en­dor­fi­na e se­ro­to­ni­na. De acor­do com o fi­si­o­te­ra­peu­ta, tal es­tru­tu­ra tem a ca­pa­ci­da­de de blo­que­ar im­pul­sos ner­vo­sos que in­for­mam ao sis­te­ma ner­vo­so se exis­te al­gu­ma le­são ou ris­co de le­são na pe­le, mús­cu­los, ar­ti­cu­la­ções ou vís­ce­ras.

A par­tir do mo­men­to em que vo­cê ba­te o de­di­nho do pé na qui­na da ca­ma até o ine­vi­tá­vel incô­mo­do, a in­for­ma­ção co­le­ta­da per­cor­re, em uma fra­ção de se­gun­dos, um lon­go ca­mi­nho. Is­so por­que o cé­re­bro não sen­te na­da e o de­di­nho não con­se­gue in­ter­pre­tar as con­sequên­ci­as da pan­ca­da.

“Além dis­so, se já es­ta­mos com dor, o sis­te­ma su­pres­sor é ca­paz de pro­du­zir anal­gé­si­cos pró­pri­os e, as­sim, ini­bir a dor quan­do ne­ces­sá­rio. Em mui­tas si­tu­a­ções, va­mos con­ti­nu­ar sen­tin­do dor, pois se tra­ta de uma for­ma bem na­tu­ral de pro­te­ger nos­so corpo e nos afas­tar de ame­a­ças em po­ten­ci­al. Co­mo a dor é uma ex­pe­ri­ên­cia sub­je­ti­va fí­si­ca e emo­ci­o­nal de­sa­gra­dá­vel pa­ra boa par­te das pes­so­as, as emo­ções, por exem­plo, po­dem man­ter a dor de for­ma per­sis­ten­te”, ex­pli­ca Ar­tur Pa­dão. TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Éri­ka Al­fa­ro | CON­SUL­TO­RI­AS Aris­ti­des Bri­to, neu­ro­ci­en­tis­ta e di­re­tor da Mar­ca Pes­so­al Trei­na­men­tos; Ar­tur Pa­dão, fi­si­o­te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­li­za­do em dor, mes­tre em ci­ên­ci­as/clí­ni­ca mé­di­ca pela Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ) | FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.