O cé­re­bro é o re­mé­dio

Co­mo o po­der da sua men­te é ca­paz de ame­ni­zar a dor sen­ti­da? En­ten­da is­so e a re­la­ção en­tre men­te e bem-es­tar

Mente Curiosa - - NEWS -

Vo­cê já ima­gi­nou co­mo aque­la dor de den­te ou aque­le incô­mo­do nas cos­tas po­de­ria ser amenizado ape­nas com o con­tro­le da men­te? Mes­mo que vo­cê ten­te, na mai­o­ria das ve­zes, o re­sul­ta­do da ex­pe­ri­ên­cia é fa­lho, pois a dor se apre­sen­ta co­mo um si­nal de­sa­gra­dá­vel oca­si­o­na­do a fim de de­nun­ci­ar al­gu­ma le­são fí­si­ca ou re­pre­sen­tar um es­ta­do emo­ci­o­nal em nos­so or­ga­nis­mo. O ques­ti­o­na­men­to se há uma for­ma de bar­rar a dor, que não se­ja de ma­nei­ra me­di­ca­men­to­sa, re­ve­la-se es­sen­ci­al ao debate de al­ter­na­ti­vas ao com­ba­te da dor. Mui­tos acre­di­tam que o cé­re­bro é ca­paz de ini­bir o incô­mo­do por meio do es­tí­mu­lo elé­tri­co realizado por apa­re­lhos res­pon­sá­veis pela emis­são de ele­tro­dos. Is­so é apli­cá­vel, prin­ci­pal­men­te, a do­res crô­ni­cas, as quais pos­su­em uma res­pos­ta mais len­ta ao seu im­pe­di­men­to.

As do­res va­ri­am de acor­do com o or­ga­nis­mo do in­di­ví­duo que a sen­te e, por­tan­to, seu ti­po não po­de ser de­ter­mi­na­do sem uma ava­li­a­ção clí­ni­ca. Is­so de­ve ser en­fa­ti­za­do de­vi­do à exis­tên­cia de do­res com ori­gem psi­co­ló­gi­ca, que não de­pen­dem de um es­tí­mu­lo pa­ra ocor­rer. Sen­do as­sim, con­sul­te um pro­fis­si­o­nal an­tes de di­ag­nos­ti­car qual­quer des­con­for­to no seu or­ga­nis­mo, uma vez que a dor é um aler­ta que de­ve ser le­va­do a sé­rio. Uma ar­ti­ma­nha do or­ga­nis­mo A dor é uma re­a­ção na­tu­ral a al­gum pro­ces­so que se en­con­tra de­sa­jus­ta­do no corpo, se­ja ele de or­dem fí­si­ca ou emo­ci­o­nal. Sua apa­ri­ção vem acom­pa­nha­da do di­ag­nós­ti­co de al­gu­ma pa­to­lo­gia. Po­rém, atu­al­men­te, des­co­ber­tas ci­en­tí­fi­cas re­ve­la­ram que o pro­ces­so de dor po­de ser sen­ti­do mes­mo sem a pre­sen­ça de ner­vos atu­an­tes na cor­res­pon­dên­cia com o cé­re­bro. Mas, co­mo is­so acon­te­ce? Quan­do o des­con­for­to pos­sui ori­gem fi­si­o­ló­gi­ca – ou se­ja, es­tá as­so­ci­a­da ao fun­ci­o­na­men­to das par­tes que com­põem o or­ga­nis­mo – a mes­ma é apre­sen­ta­da por um re­ar­ran­jo quí­mi­co nos te­ci­dos le­si­o­na­dos, cor­res­pon­den­tes à emis­são de subs­tân­ci­as per­ce­bi­das pe­los ner­vos. Co­mo res­pos­ta, es­ses emi­tem im­pul­sos elé­tri­cos ao cé­re­bro. Tal pro­ces­so se cha­ma no­ci­cep­ção. No en­tan­to, há ca­sos nos quais a dor é sen­ti­da, po­rém seu pro­ces­so é ca­rac­te­rís­ti­co de uma res­pos­ta psi­co­ló­gi­ca. As­sim co­mo afir­ma o or­to­pe­dis­ta Car­los Kop­ke, “cha­ma­mos de do­res psi­cos­so­má­ti­cas os qua­dros, em que o es­tí­mu­lo do cé­re­bro cria a do­en­ça. Há pes­so­as que si­mu­lam qua­dros ter­mi­nais de câncer ou dis­túr­bi­os de com­por­ta­men­to por qu­a­dro men­tal al­te­ra­do, por exem­plo”. Se­gun­do uma pes­qui­sa li­de­ra­da por ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Osa­ka, no Ja­pão, e pu­bli­ca­da na re­vis­ta Na­tu­re Com­mu­ni­ca­ti­ons, na qual foi re­cru­ta­do um gru­po de pes­so­as que ti­ve­ram um de seus bra­ços am­pu­ta­dos, a dor fan­tas­ma sur­giu quan­do o cé­re­bro dos participantes emi­tiu um es­tí­mu­lo ao lo­cal que te­ve um bra­ço ro­bó­ti­co co­lo­ca­do, e foi cor­res­pon­di­do com o au­men­to da dor, pois não ha­via res­pos­ta sen­so­ri­al do mem­bro. Pa­ra di­mi­nuir a sen­sa­ção, os co­or­de­na­do­res do ex­pe­ri­men­to pro­pu­se­ram que o mo­vi­men­to do bra­ço ro­bó­ti­co fos­se as­so­ci­a­do ao des­lo­ca­men­to da­que­le que não ha­via si­do afe­ta­do, e os pa­ci­en­tes, por­tan­to, no­ta­ram um pro­gres­so na di­mi­nui­ção do incô­mo­do. Es­sa for­ma de sen­tir dor, ge­ral­men­te, atin­ge pes­so­as que ti­ve­ram um dos seus mem­bros am­pu­ta­dos. Tal pro­ces­so é cha­ma­do pela ci­ên­cia de “dor fan­tas­ma”. Ela ocor­re a par­tir da re­or­ga­ni­za­ção que o cé­re­bro pro­põe após a re­ti­ra­da de um mem­bro. Quan­do as ex­pec­ta­ti­vas do ór­gão não são cor­res­pon­di­das por meio de res­pos­tas mo­to­ras, do­res são emi­ti­das co­mo es­tí­mu­lo à au­sên­cia do re­fle­xo. Pen­sa­men­to po­si­ti­vo: “pí­lu­la” efi­caz no com­ba­te à dor Sa­ben­do que o fun­ci­o­na­men­to do nos­so or­ga­nis­mo es­tá li­ga­do ao cé­re­bro, os pen­sa­men­tos se re­ve­lam co­mo gran­des au­xi­li­a­res ao alí­vio da dor ou no pro­gres­so de um tra­ta­men­to. Co­mo no­ta­do em pes­qui­sa re­a­li­za­da por ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Re­a­ding, na In­gla­ter­ra, na qual um gru­po de pes­so­as foi tes­ta­do por es­tí­mu­los do­lo­ro­sos pro­vo­ca­dos por son­das tér­mi­cas, a mai­o­ria dos participantes con­tro­lou seus pen­sa­men­tos a fim de ame­ni­zar a dor sen­ti­da. Sen­do as­sim, a pes­qui­sa re­ve­la co­mo o cé­re­bro atua a fa­vor da di­mi­nui­ção de incô­mo­dos. As­sim, co­mo afir­ma o pro­fes­sor de psi­co­lo­gia Her­mí­nio Me­ne­guz­zi Jr., exis­tem subs­tân­ci­as li­be­ra­das no nos­so corpo que po­dem ame­ni­zar a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.