Em bus­ca de al­ter­na­ti­vas

A ci­ên­cia vem ten­tan­do com­pro­var se os tra­ta­men­tos não con­ven­ci­o­nais fun­ci­o­nam de ver­da­de

Mente Curiosa - - NEWS -

Na bus­ca por ali­vi­ar as do­res, mui­tas for­mas de tra­ta­men­to já fo­ram in­ven­ta­das. A me­di­ci­na con­ven­ci­o­nal se de­bru­ça nos mé­to­dos ci­en­tí­fi­cos pa­ra descobrir as in­ter­ven­ções ca­pa­zes de dar um fim ao so­fri­men­to. Os avan­ços são reais, mas de­vi­do a com­ple­xi­da­de do qu­a­dro – prin­ci­pal­men­te nos ca­sos crô­ni­cos –, há quem di­ga que exis­tam mei­os al­ter­na­ti­vos e mais efi­ci­en­tes de tra­tar es­sas do­res. As téc­ni­cas de hip­no­se, me­di­ta­ção, acu­pun­tu­ra e até mes­mo de ima­gi­na­ção têm si­do am­pla­men­te uti­li­za­das ao re­dor do mun­do. Par­te da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca ain­da as ob­ser­va com des­con­fi­an­ça – e até uma do­se des­pre­zo –, en­quan­to ou­tra par­ce­la se em­pe­nha em es­tu­dá-las e descobrir, de uma vez por to­das, se os tais mé­to­dos re­al­men­te fun­ci­o­nam.

Co­lo­can­do à pro­va A dú­vi­da dos ci­en­tis­tas em re­la­ção à me­di­ci­na al­ter­na­ti­va se­ria com­pre­en­sí­vel. Afi­nal, nos trâ­mi­tes do de­sen­vol­vi­men­to far­ma­cêu­ti­co uma sé­rie de re­qui­si­tos e tes­tes ri­go­ro­sos pre­ci­sam ser se­gui­dos até que uma me­di­ca­ção pas­se a ser uti­li­za­da. A des­con­fi­an­ça re­si­de na fal­ta de ex­pe­ri­men­tos, de aná­li­ses das con­train­di­ca­ções e efei­tos co­la­te­rais. Mas as téc­ni­cas não con­ven­ci­o­nais tam­bém têm seus mé­ri­tos. São, mui­tas ve­zes, prá­ti­cas mi­le­na­res, uti­li­za­das nas tra­di­ções chi­ne­sas (acu­pun­tu­ra) e gre­gas (ho­me­o­pa­tia), por exem­plo. De­pois de tan­tos anos de uso e di­ver­sos re­la­tos de so­bre sua efi­cá­cia, seus adep­tos não pen­sam em abrir mão dos be­ne­fí­ci­os. Pe­lo con­trá­rio, as prá­ti­cas cha­mam aten­ção e es­tão sem­pre ga­nhan­do in­te­res­sa­dos. Co­mo era de se es­pe­rar, os es­tu­di­o­sos de­ci­di­ram sub­me­tê-las ao mé­to­do ci­en­tí­fi­co e co­lo­car à pro­va os efei­tos já tra­di­ci­o­nal­men­te di­fun­di­dos pe­las cul­tu­ras ao re­dor do mun­do. E a re­la­ção das te­ra­pi­as al­ter­na­ti­vas com as do­res crô­ni­cas não fu­giu des­se em­ba­te. O que já foi es­tu­da­do Um gru­po de ci­en­tis­tas ame­ri­ca­nos do Na­ti­o­nal Cen­ter for Com­ple­men­tary and In­te­gra­ti­ve He­alth (Cen­tro Na­ci­o­nal de Saú­de Com­ple­men­tar e In­te­gra­ti­va) do Na­ti­o­nal Ins­ti­tu­tes of He­alth (Ins­ti­tu­tos Na­ci­o­nais da Saú­de) ana­li­sou cer­ca de 100 es­tu­dos clí­ni­cos re­a­li­za­dos de 1966 a 2016. A in­ten­ção era descobrir se já ha­via si­do pro­va­da a efi­ci­ên­cia de téc­ni­cas co­mo Tai Chi (ar­te mar­ci­al chi­ne­sa), mas­sa­gem te­ra­pêu­ti­ca, acu­pun­tu­ra, ma­ni­pu­la­ção os­te­o­pá­ti­ca e ou­tras. A pes­qui­sa abran­geu cin­co qua­dros de dor: cer­vi­cal, en­xa­que­ca, lom­bal­gia, os­te­o­ar­tri­te e fi­bro­mi­al­gia. De acor­do com os au­to­res, a acu­pun­tu­ra as­so­ci­a­da ao Tai Chi aju­da no tra­ta­men­to da os­te­o­ar­tri­te, do­en­ça que afe­ta as ar­ti­cu­la­ções do jo­e­lho. A téc­ni­ca com agu­lhas apa­re­ceu no­va­men­te e, jun­to ao io­ga, se mos­trou efi­caz em ali­vi­ar as do­res na lom­bar. Já a me­di­ta­ção po­de re­du­zir as en­xa­que­cas e não apre­sen­tou efei­tos co­la­te­rais, as­sim co­mo as ou­tras te­ra­pi­as ana­li­sa­das. Se­gun­do a acu­pun­tu­ris­ta Már­cia Ya­ma­mu­ra, a acu­pun­tu­ra é ca­paz de re­gu­lar me­ca­nis­mos cor­po­rais. “A in­ser­ção da agu­lha de acu­pun­tu­ra faz com que ocor­ra se­cre­ção de en­dor­fi­nas que re­la­xam os sis­te­mas car­di­o­vas­cu­lar e mus­cu­lar, nor­ma­li­zan­do as di­ver­sas fun­ções do or­ga­nis­mo. A acu­pun­tu­ra tam­bém au­xi­lia no con­tro­le da in­fla­ma­ção, au­men­tan­do o nú­me­ro e a ati­vi­da­de das cé­lu­las do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co e as que con­tro­lam o pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio, re­du­zin­do a in­fla­ma­ção agu­da e a crô­ni­ca tam­bém”, afir­ma. Már­cia ain­da ex­pli­ca que a me­di­ta­ção, a psi­co­te­ra­pia e o io­ga tra­ba­lham o as­pec­to emo­ci­o­nal, um fa­tor de­ci­si­vo pa­ra o sur­gi­men­to das do­res crô­ni­cas. É o que res­sal­ta o anes­te­si­o­lo-

gis­ta e mé­di­co in­ter­ven­ci­o­nis­ta da dor Char­les Ama­ral de Oli­vei­ra: “o tra­ta­men­to da dor den­tro de um mo­de­lo mul­ti­dis­ci­pli­nar exi­ge a pre­sen­ça de um psi­có­lo­go es­pe­ci­a­li­za­do em dor. Mo­de­los de te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e téc­ni­cas co­mo bi­o­fe­ed­back e mind­ful­ness au­xi­li­am mui­to no tra­ta­men­to. Es­sas téc­ni­cas aju­dam a co­lo­car a dor na di­men­são re­al e não no ta­ma­nho do pro­ble­ma que a pes­soa em so­fri­men­to usu­al­men­te a co­lo­ca”, ex­pli­ca.

“O tra­ta­men­to da dor den­tro de um mo­de­lo mul­ti­dis­ci­pli­nar exi­ge a pre­sen­ça de um psi­có­lo­go es­pe­ci­a­li­za­do em dor. Mo­de­los de te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e téc­ni­cas co­mo bi­o­fe­ed­back e mind­ful­ness au­xi­li­am mui­to no tra­ta­men­to. Es­sas téc­ni­cas aju­dam a co­lo­car a dor na di­men­são re­al e não no ta­ma­nho do pro­ble­ma que a pes­soa em so­fri­men­to usu­al­men­te a co­lo­ca” Char­les Ama­ral de Oli­vei­ra, anes­te­si­o­lo­gis­ta e mé­di­co in­ter­ven­ci­o­nis­ta da dor

Can­na­bis Ape­sar de a ma­co­nha ser con­si­de­ra­da ile­gal pela le­gis­la­ção bra­si­lei­ra, mui­tas pes­so­as de­fen­dem seu uso no tra­ta­men­to de inú­me­ros qua­dros. Em um es­tu­do realizado na Uni­ver­si­da­de do Co­lo­ra­do, nos Es­ta­dos Uni­dos, 121 pes­so­as di­ag­nos­ti­ca­das com en­xa­que­ca fo­ram tra­ta­das com can­na­bis de ja­nei­ro de 2010 a se­tem­bro de 2014. Des­ses participantes, 103 dis­se­ram ter ti­do uma di­mi­nui­ção ge­ral da en­xa­que­ca. Em uma ou­tra pes­qui­sa re­a­li­za­da pela Uni­ver­si­da­de Mc­gill, no Ca­na­dá, par­ti­ci­pa­ram 21 adul­tos com do­res cô­ni­cas. Eles uti­li­za­ram ma­co­nha com di­fe­ren­tes ní­veis de THC (com­pos­to en­con­tra­do na plan­ta) por 56 di­as, e as do­ses mais for­tes apre­sen­ta­ram os me­lho­res efei­tos, re­du­zin­do a dor e per­mi­tin­do que os pa­ci­en­tes dor­mis­sem me­lhor. O tra­ta­men­to tam­bém te­ve efei­tos po­si­ti­vos na an­si­e­da­de e de­pres­são. TEX­TO An­ge­lo Ma­ti­lha Che­ru­bi­ni/co­la­bo­ra­dor | EN­TRE­VIS­TAS Éri­ka Al­fa­ro | CON­SUL­TO­RI­AS Már­cia Li­ka Ya­ma­mu­ra, acu­pun­tu­ris­ta e di­re­to­ra do Cen­ter AO – Cen­tro de Pes­qui­sa e Es­tu­do da Me­di­ci­na Chi­ne­sa; Char­les Ama­ral de Oli­vei­ra, anes­te­si­o­lo­gis­ta e mé­di­co in­ter­ven­ci­o­nis­ta da dor, mem­bro da Ame­ri­can So­ci­ety of In­ter­ven­ti­o­nal Pain Prac­ti­ce (ASIPP), da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Me­di­ci­na In­ter­ven­ci­o­nis­ta da Dor (SOBRAMID) e da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra pa­ra os Es­tu­dos da Dor (SBED) | FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.