Pelo cor­po to­do

Co­mo o or­ga­nis­mo re­a­ge em uma cri­se de estresse

Mente Curiosa - - NEWS -

Asen­sa­ção é que vo­cê es­tá pres­tes a ex­plo­dir. O cé­re­bro já não tra­ba­lha da mes­ma for­ma e seu cor­po co­me­ça a agir de uma for­ma es­tra­nha. Se­ria uma ata­que car­día­co? Um aces­so de rai­va? Es­ta­ria per­den­do a sa­ni­da­de? Uma cri­se de estresse é o si­nal de que o ní­vel to­le­ra­do pelo or­ga­nis­mo já passou da con­ta. É uma for­ma de ele di­zer que al­go não es­tá na­da bem. “Du­ran­te uma cri­se de estresse, o cor­po e o cé­re­bro fi­cam sob um nú­me­ro ex­ces­si­vo de es­tí­mu­los, se­jam eles sen­so­ri­ais ou men­tais, que le­vam o fun­ci­o­na­men­to psí­qui­co e, mui­tas ve­zes, até fi­si­o­ló­gi­co, à exaus­tão”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Va­lé­ria Lo­pes da Sil­va. A psi­có­lo­ga Pris­ci­la Ca­mi­le Ba­ri­o­ni Sal­ga­do lem­bra que o estresse é uma re­a­ção na­tu­ral do ser hu­ma­no li­ga­do à na­tu­re­za de seus an­ces­trais que pre­ci­sa­vam ati­var um sis­te­ma de aler­ta to­das as ve­zes que se sen­ti­am em pe­ri­go. “Nos ani­mais, a re­a­ção co­mum ao estresse é a fu­ga, o ata­que ou a ca­mu­fla­gem. Os hu­ma­nos, po­rém, re­a­gem de inú­me­ras ou­tras for­mas, por meio de res­pos­tas fí­si­cas, cog­ni­ti­vas e emo­ci­o­nais”, con­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Pas­sa­do o mo­men­to de gran­de estresse, o cor­po se au­tor­re­gu­la e vol­ta ao nor­mal — o que não sig­ni­fi­ca que ou­tras cri­ses es­tão des­car­ta­das. Nem to­das as pes­so­as vão re­a­gir da mes­ma ma­nei­ra, po­rém, al­guns sin­to­mas são co­muns. Con­fi­ra:

Cé­re­bro a mil por ho­ra

O ní­vel de ati­vi­da­des ce­re­brais é ele­va­do de­vi­do à des­car­ga de hormô­ni­os. Além dis­so, o au­men­to do flu­xo san­guí­neo po­de ge­rar dor de ca­be­ça.

Pres­são lá em ci­ma

O san­gue per­cor­re to­do o cor­po e é fun­da­men­tal pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to dos ór­gãos. Po­rém, a pres­são ar­te­ri­al de­ve ser man­ti­da sob con­tro­le, o que não acon­te­ce du­ran­te a cri­se. “O sis­te­ma ner­vo­so sim­pá­ti­co é ati­va­do, fa­zen­do com que a pres­são san­guí­nea au­men­te de­vi­do à ele­va­ção dos ba­ti­men­tos car­día­cos no qual os mús­cu­los ten­ci­o­nam”, ex­pli­ca Wal­la­ce Li­i­ma, te­ra­peu­ta quân­ti­co.

Ten­são mus­cu­lar

Mais uma vez, os hormô­ni­os são os “cul­pa­dos”. A men­sa­gem que o cé­re­bro re­ce­be de pe­ri­go imi­nen­te faz os mús­cu­los fi­ca­rem rí­gi­dos, co­mo se o cor­po es­ti­ves­se se pre­pa­ran­do pa­ra um ata­que. Em cri­ses mui­to for­tes ou fre­quen­tes, a ri­gi­dez é tan­ta que po­de pro­vo­car do­res mus­cu­la­res, prin­ci­pal­men­te nos om­bros e pes­co­ço, que cos­tu­mam fi­car mais ten­sos.

Su­an­do frio

“A adre­na­li­na é o hormô­nio que afe­ta a quan­ti­da­de de açú­car no san­gue, a gor­du­ra das cé­lu­las adi­po­sas, eé o res­pon­sá­vel pe­las re­a­ções fi­si­o­ló­gi­cas da pes­soa co­mo a su­do­re­se, quan­do as mãos e os pés fi­cam ge­la­dos”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Ana Ma­ria Ros­si. As­sim, trans­pi­rar em ex­ces­so po­de ocor­rer mes­mo em di­as fri­os. A trans­pi­ra­ção po­de ser ge­ne­ra­li­za­da ou con­cen­tra­da em al­gu­mas par­tes, co­mo mãos e axi­las.

Co­ra­ção ace­le­ra­do

Sen­tir que o co­ra­ção vai “sair pe­la bo­ca” é co­mum nas cri­ses de estresse, sen­do mui­tas ve­zes con­fun­di­do com um in­far­to — o que po­de as­sus­tar bas­tan­te. Po­rém, a ta­qui­car­dia é uma res­pos­ta do co­ra­ção ao me­ta­bo­lis­mo ace­le­ra­do. O sin­to­ma tam­bém é mui­to co­mum em cri­ses de an­si­e­da­de e pâ­ni­co.

Des­car­ga de hormô­ni­os

Por mais que o in­di­ví­duo não per­ce­ba, di­ver­sos hormô­ni­os são dis­pa­ra­dos no or­ga­nis­mo, con­tri­buin­do pa­ra vá­ri­as al­te­ra­ções or­gâ­ni­cas. “Subs­tân­ci­as co­mo o cor­ti­sol, co­nhe­ci­do co­mo o hormô­nio do estresse, e a adre­na­li­na inun­dam o cor­po cri­an­do as con­di­ções pa­ra lu­tar ou fu­gir”, afir­ma Wal­la­ce. “Quan­do o cor­ti­sol é li­be­ra­do re­gu­lar­men­te, du­ran­te um pe­río­do de estresse mui­to pro­lon­ga­do, ele aca­ba afe­tan­do to­do o or­ga­nis­mo da pes­soa, co­mo a cir­cu­la­ção, a res­pi­ra­ção, os ba­ti­men­tos car­día­cos e até o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co”, com­ple­men­ta a psi­qui­a­tra Ana Ma­ria Ros­si.

TEXTO E ENTREVISTAS Na­tá­lia Ne­gret­ti CONSULTORIA Ana Ma­ria Ros­si, pre­si­den­te da In­ter­na­ti­o­nal Stress Ma­na­ge­ment As­so­ci­a­ti­on (ISMA-BR), co­pre­si­den­te da di­vi­são de saú­de ocu­pa­ci­o­nal da As­so­ci­a­ção Mun­di­al de Psi­qui­a­tria (WPA) e di­re­to­ra da clí­ni­ca de Stress e Bi­o­fe­ed­back (www.anam­ros­si.com. br); Pris­ci­la Ca­mi­le Ba­ri­o­ni Sal­ga­do, co­or­de­na­do­ra do cur­so de psi­co­lo­gia da Fa­cul­da­de Anhan­gue­ra, de Cam­pi­nas (SP) – uni­da­de Ta­qua­ral; Va­lé­ria Lo­pes da Sil­va, pro­fes­so­ra do cur­so de psi­co­lo­gia da Anhan­gue­ra de Aná­po­lis (GO); Wal­la­ce Li­i­ma, pro­fes­sor de pós-gra­du­a­ção em saú­de quân­ti­ca, es­cri­tor e te­ra­peu­ta quân­ti­co | FOTO Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.