Qual a me­lhor saída?

Não dei­xe os sin­to­mas do estresse se acu­mu­la­rem. Ve­ja quais os tra­ta­men­tos dis­po­ní­veis pa­ra com­ba­ter es­se trans­tor­no

Mente Curiosa - - NEWS -

Oes­tres­se é con­si­de­ra­do pa­to­ló­gi­co quan­do seus sin­to­mas co­me­çam, em ex­ces­so, a pre­ju­di­car o es­ta­do fí­si­co e emo­ci­o­nal do in­di­ví­duo. E, a par­tir des­se mo­men­to, é ne­ces­sá­rio acei­tar o estresse co­mo um dis­túr­bio men­tal e pro­cu­rar a saída mais con­ven­ci­o­nal, que se­rá in­di­ca­da por um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­lis­ta, psi­qui­a­tra ou psi­có­lo­go, de acor­do com as ca­rac­te­rís­ti­cas e de­man­das de ca­da qua­dro.

Re­mé­di­os

Quan­do o di­ag­nós­ti­co do pro­fis­si­o­nal apon­ta um qua­dro avan­ça­do de estresse, os re­mé­di­os pa­re­cem ser a saída mais efi­caz — e de fa­to po­dem ser. O tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so vai atu­ar di­re­ta­men­te con­tra os sin­to­mas do estresse, tan­to os de ca­rá­ter fí­si­co quan­to emo­ci­o­nal. Co­mo ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha, “ho­je em dia, te­mos vá­ri­os ti­pos de me­di­ca­men­tos. Há tran­qui­li­zan­tes de di­ver­sas clas­ses, an­ti­de­pres­si­vos que po­dem ser usa­dos de ma­nei­ra bas­tan­te in­di­vi­du­a­li­za­da sem, ne­ces­sa­ri­a­men­te, fa­zer com que o in­di­ví­duo pa­gue o pre­ço dos efei­tos co­la­te­rais por pe­río­dos de tem­po re­la­ti­va­men­te cur­tos”.

Ca­mi­nho al­ter­na­ti­vo

Mes­mo que se­ja uma saída se­gu­ra se re­a­li­za­da jun­ta­men­te de um acom­pa­nha­men­to mé­di­co, o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so ain­da po­de ge­rar al­gu­ma in­se­gu­ran­ça pa­ra quem so­fre com o estresse. Vis­to is­so, exis­tem ou­tros ca­mi­nhos a se se­guir quan­do o as­sun­to é com­ba­ter es­se dis­túr­bio ou o sur­gi­men­to de­le. Ro­dri­go Pes­sa­nha con­ta que é di­fí­cil pen­sar em pre­ve­nir o estresse de­vi­do às ro­ti­nas ca­da vez mais cor­ri­das. “Mas eu acre­di­to que po­de­mos pen­sar em me­di­das pa­li­a­ti­vas, bus­can­do tra­ta­men­to pa­ra as com­pli­ca­ções li­ga­das ao estresse o mais ce­do pos­sí­vel”, in­di­ca o es­pe­ci­a­lis­ta. Qual­quer coi­sa que dei­xe vo­cê em um es­ta­do de re­la­xa­men­to e fa­ça com que se abs­traia, mes­mo que mo­men­ta­ne­a­men­te (co­mo qual­quer hobby), dos ele­men­tos es­tres­so­res do seu dia a dia já é um bom co­me­ço. En­tre­tan­to, pa­ra quem se en­con­tra em um qua­dro mais avan­ça­do de estresse, exis­tem al­gu­mas me­di­das te­ra­pêu­ti­cas al­ter­na­ti­vas mi­nis­tra­das por di­fe­ren­tes es­pe­ci­a­lis­tas. Po­rém, co­mo res­sal­ta a psi­có­lo­ga Pa­trí­cia Me­kler, “em al­guns ca­sos, quan­do es­te po­de ser pa­to­ló­gi­co, se faz ne­ces­sá­rio pro­cu­rar por um mé­di­co psi­qui­a­tra as­so­ci­a­do a um tra­ta­men­to com um psi­có­lo­go”. Abai­xo, con­fi­ra 12 di­cas de te­ra­pi­as e ati­vi­da­des pa­ra se li­vrar dos sin­to­mas do estresse:

1. Acu­pun­tu­ra

A ideia de fi­car sen­do es­pe­ta­do por agu­lhas po­de ser de­sa­gra­dá­vel pa­ra al­gu­mas pes­so­as — mas é um meio mui­to efi­ci­en­te pa­ra com­ba­ter o estresse. Por meio da apli­ca­ção de agu­lhas em re­giões es­pe­cí­fi­cas com vi­as ner­vo­sas, a téc­ni­ca ali­via a ten­são na­que­la área. Es­se efeito de re­la­xa­men­to ocor­re de­vi­do à li­be­ra­ção no cé­re­bro de subs­tân­ci­as res­pon­sá­veis pelo pra­zer, co­mo a do­pa­mi­na, a se­ro­to­ni­na e a en­dor­fi­na.

2. Mu­si­co­te­ra­pia

Ao con­trá­rio do que pa­re­ce, es­sa al­ter­na­ti­va de tra­ta­men­to não se re­su­me a co­lo­car seu es­ti­lo de mú­si­ca pre­fe­ri­do, sen­tar e cur­tir (ape­sar de is­so tam­bém fun­ci­o­nar mui­to bem, não é?). O mu­si­co­te­ra­peu­ta, por meio do rit­mo, har­mo­nia, som e me­lo­dia uti­li­za­rá a mú­si­ca pa­ra pro­por­ci­o­nar um es­ta­do de gran­de re­la­xa­men­to ao pa­ci­en­te, além de um mai­or de­sen­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal.

3. Io­ga

Com exer­cí­ci­os que tra­ba­lham des­de a pos­tu­ra até um con­tro­le mai­or da res­pi­ra­ção com téc­ni­cas es­pe­cí­fi­cas, es­se mé­to­do é ca­paz de di­mi­nuir to­da a ten­são cau­sa­da pelo estresse.

4. Pi­la­tes

Por meio do aper­fei­ço­a­men­to e da re­e­du­ca­ção da pos­tu­ra cor­po­ral com alon­ga­men­tos e téc­ni­cas pa­ra me­lho­rar a res­pi­ra­ção, o pi­la­tes (con­du­zi­do por um fi­si­o­te­ra­peu­ta ou edu­ca­dor fí­si­co) é uma ex­ce­len­te al­ter­na­ti­va pa­ra quem bus­ca di­mi­nuir os sin­to­mas do estresse.

5. Shi­at­su

Es­sa téc­ni­ca é ba­se­a­da na me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal do ori­en­te pa­ra quem quer se li­vrar do estresse. Além de tam­bém tra­ba­lhar com a pos­tu­ra e res­pi­ra­ção, o shi­at­su vi­sa um equilíbrio ener­gé­ti­co cor­po­ral com­ple­to. Es­sa te­ra­pia tam­bém po­de ser uti­li­za­da pa­ra au­xi­li­ar em ou­tras pa­to­lo­gi­as, co­mo as re­la­ci­o­na­das ao sis­te­ma cir­cu­la­tó­rio.

6. Di­e­ta

Uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da não é uma re­co­men­da­ção ex­clu­si­va pa­ra se pre­ve­nir e com­ba­ter o estresse. Con­tu­do, es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra es­se ca­so, in­cluir ali­men­tos com vi­ta­mi­na C, co­mo as fru­tas cí­tri­cas, de­ri­va­dos de lei­te e ovo e ce­re­ais in­te­grais são uma boa pe­di­da pa­ra se ter no car­dá­pio.

E, é cla­ro, um dos ali­men­tos mais apre­ci­a­dos en­tre o gran­de pú­bli­co, o cho­co­la­te tam­bém é uma in­di­ca­ção con­tra o estresse, vis­to que os fla­va­noi­des pre­sen­tes ne­le fa­vo­re­cem a pro­du­ção de se­ro­to­ni­na no cé­re­bro, um neu­ro­trans­mis­sor im­por­tan­te pa­ra a re­gu­la­ção do hu­mor e do so­no. Mas na­da de exa­ge­ros, hein!

7. Me­di­ta­ção

Me­di­tar pe­ri­o­di­ca­men­te, mes­mo que por pou­cos mi­nu­tos, po­de ser uma boa saída pa­ra ali­vi­ar as ten­sões ge­ra­das pelo estresse. Além des­se be­ne­fí­cio, a téc­ni­ca po­de ser bas­tan­te útil pa­ra di­mi­nuir a an­si­e­da­de, for­ta­le­cer as de­fe­sas do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, com­ba­ter a insô­nia e au­xi­li­ar vo­cê a ter uma men­te mais fo­ca­da. Va­le a pe­na ten­tar!

8. Te­ra­pia cog­ni­ti­vo­com­por­ta­men­tal (TCC)

Uti­li­za­da por psi­có­lo­gos pa­ra con­tro­lar qua­dros de cri­ses de an­si­e­da­de, es­se ti­po de te­ra­pia é uma op­ção in­te­res­san­te em ca­sos de estresse. O es­pe­ci­a­lis­ta nes­sa téc­ni­ca vai aju­dar a pes­soa a iden­ti­fi­car, com­pre­en­der e li­dar com os ele­men­tos es­tres­so­res que es­ti­ve­rem de­sen­ca­de­an­do os sin­to­mas. As­sim, com um tra­ta­men­to pro­gres­si­vo, o pa­ci­en­te con­se­gui­rá mu­dar os pen­sa­men­tos ou há­bi­tos que ati­vam o ga­ti­lho da cri­se.

9. Hip­no­te­ra­pia

Mui­to útil em ca­sos de estresse pós-trau­má­ti­co, o hip­no­te­ra­peu­ta, por meio da res­sig­ni­fi­ca­ção do sub­cons­ci­en­te, fa­rá com que o pa­ci­en­te re­cons­trua o sen­ti­do da­qui­lo que ati­va a cri­se de estresse. É im­por­tan­te res­sal­tar que não há na­da de mís­ti­co na hip­no­se co­mo cos­tu­ma­va se pen­sar. Por is­so, é ne­ces­sá­rio ter pa­ci­ên­cia com o mé­to­do pa­ra po­der sen­tir os avan­ços do tra­ta­men­to gra­du­al­men­te.

10. Exer­cí­ci­os ae­ró­bi­cos

Va­mos com­bi­nar que se me­xer de vez em quan­do é uma óti­ma ma­nei­ra de man­ter a saú­de em dia, não é? E, pa­ra re­for­çar es­sa ideia, a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos es­tá ci­en­ti­fi­ca­men­te li­ga­da ao au­men­to da pro­du­ção de en­dor­fi­na (o neu­ro­trans­mis­sor res­pon­sá­vel pelo bem-es­tar ge­ral). Mas is­so não quer di­zer que vo­cê pre­ci­sa ser um atle­ta pa­ra ad­qui­rir es­ses be­ne­fí­ci­os. Co­me­ce com uma ca­mi­nha­da cur­ta e vá au­men­tan­do o rit­mo con­for­me for me­lho­ran­do seu con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co. Va­le lem­brar que, an­tes de co­me­çar qual­quer ati­vi­da­de, é im­por­tan­te pas­sar pe­la ava­li­a­ção de uma equi­pe

mul­ti­dis­ci­pli­nar pa­ra che­car su­as con­di­ções car­di­o­vas­cu­la­res e ou­tros fa­to­res pa­ra ga­ran­tir a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os com se­gu­ran­ça.

11. Ape­nas re­la­xe

Es­sa não é bem uma te­ra­pia e mui­to me­nos re­quer um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra au­xi­li­ar no pro­ces­so. A mes­tre em psi­co­lo­gia Mau­ra de Al­ba­ne­si acon­se­lha que a ma­nei­ra mais efi­ci­en­te de se pre­ca­ver con­tra os pre­juí­zos cau­sa­dos pelo estresse é des­co­brir e de­fi­nir o rit­mo de vi­da mais con­for­tá­vel pa­ra vo­cê e res­pei­tá-lo. “Te­mos 24 ho­ras por dia, oi­to pa­ra dor­mir, oi­to pa­ra tra­ba­lhar e oi­to pa­ra la­zer. Co­me­çar a in­ver­ter de­ma­si­a­da­men­te es­ses tem­pos o co­lo­ca­rá sob estresse”, su­ge­re a es­pe­ci­a­lis­ta.

12. Flo­rais de Ba­ch

Ou­tro tra­ta­men­to que tem o ob­je­ti­vo de pro­mo­ver o equilíbrio das emo­ções é a te­ra­pia flo­ral, que cons­ta na ad­mi­nis­tra­ção de al­gu­mas go­tas diá­ri­as de uma so­lu­ção que mis­tu­ra pro­pri­e­da­des das flo­res. “Pa­ra a se­gu­ran­ça do pa­ci­en­te, so­men­te os pro­fis­si­o­nais que têm a for­ma­ção de pós-gra­du­a­ção em te­ra­pia flo­ral po­dem in­di­car o tra­ta­men­to”, in­for­ma a te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­lis­ta em flo­rais Vi­vi­a­ni Fa­rah. Qual­quer pes­soa po­de se be­ne­fi­ci­ar da te­ra­pia, já que não há con­train­di­ca­ção nem efei­tos co­la­te­rais. Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, eles po­dem ser usa­dos jun­to a ou­tros me­di­ca­men­tos e um dos ob­je­ti­vos, in­clu­si­ve, po­de ser o de fa­zer o pa­ci­en­te aban­do­nar os re­mé­di­os que cau­sam efei­tos co­la­te­rais. Os mais co­nhe­ci­dos são os Flo­rais de Ba­ch, as­sim cha­ma­dos por te­rem si­do de­sen­vol­vi­dos pelo mé­di­co in­glês Edward Ba­ch na dé­ca­da de 1930. Ao to­do, são 38 es­sên­ci­as in­di­ca­das pa­ra con­tro­lar emo­ções. A quan­ti­da­de e a com­bi­na­ção en­tre elas são pres­cri­tas pelo es­pe­ci­a­lis­ta, bem co­mo a frequên­cia de uso e a du­ra­ção do tra­ta­men­to. “Ca­da pa­ci­en­te é úni­co, com sua his­tó­ria par­ti­cu­lar. É pre­ci­so tra­tar o do­en­te, e não a do­en­ça”, com­ple­men­ta a te­ra­peu­ta.

“Po­de­mos pen­sar em me­di­das pa­li­a­ti­vas, bus­can­do tra­ta­men­to pa­ra as com­pli­ca­ções li­ga­das ao estresse o mais ce­do pos­sí­vel” Ro­dri­go Pes­sa­nha, psi­qui­a­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.