A ponto de estourar

Quan­do em ex­ces­so, o estresse po­de al­te­rar até o fun­ci­o­na­men­to do seu cé­re­bro

Mente Curiosa - - NEWS -

Com­pro­mis­sos e ta­re­fas por to­dos os la­dos, so­ma­dos ao trân­si­to in­ten­so, ao sa­lá­rio in­su­fi­ci­en­te e mui­tos ou­tros pro­ble­mas que fa­zem par­te da vi­da de mui­tos bra­si­lei­ros. Nes­te ce­ná­rio, não é di­fí­cil en­con­trar al­guém se quei­xan­do de estresse. “O ape­go a si­tu­a­ções trau­má­ti­cas vi­vi­das, ali­a­das a sen­ti­men­tos cons­tan­tes de me­do, pre­o­cu­pa­ção e des­con­fi­an­ça, além da gran­de car­ga de to­xi­nas des­pe­ja­das no cor­po por meio dos ali­men­tos in­dus­tri­a­li­za­dos, me­di­ca­men­tos e agro­tó­xi­cos são as prin­ci­pais cau­sas do estresse”, ci­ta o te­ra­peu­ta quân­ti­co Wal­la­ce Li­i­ma. No en­tan­to, es­tar es­tres­sa­do vai mui­to além da ex­pres­são tão usa­da. “O estresse se tor­nou um ter­mo ex­tre­ma­men­te im­pre­ci­so. As pes­so­as ten­dem a con­fun­dir emo­ções com o estresse”, afir­ma Ana Ma­ria Ros­si, psi­qui­a­tra e pre­si­den­te da In­ter­na­ti­o­nal Stress Ma­na­ge­ment As­so­ci­a­ti­on (ISMA-BR).

Sen­sa­ção in­des­cri­tí­vel

A de­fi­ni­ção clás­si­ca de estresse é a de adap­ta­ção re­que­ri­da a um in­di­ví­duo, in­de­pen­den­te­men­te de ser al­go po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo. “Is­so quer di­zer que uma pro­mo­ção de­se­ja­da no tra­ba­lho ou a com­pra de um bem pla­ne­ja­do, por exem­plo, ge­ram estresse, pois se cau­sa adap­ta­ção. Uma de­mis­são in­de­se­ja­da ou a do­en­ça de um fa­mi­li­ar tam­bém cau­sam estresse pelo mes­mo mo­ti­vo”, ex­pli­ca Ana Ma­ria. Sen­do as­sim, qual­quer pes­soa es­tá pas­sí­vel de en­fren­tar o estresse no dia a dia, tor­nan­do-se pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel vi­ver sem ele. “O que na re­a­li­da­de nós que­re­mos é li­dar com o estresse de for­ma equi­li­bra­da, por­que mui­to ou pou­co estresse po­de­rão se tor­nar ex­tre­ma­men­te pre­ju­di­ci­ais”, com­ple­men­ta a psi­qui­a­tra. Ba­si­ca­men­te, o que di­fe­ren­cia o estresse ne­ga­ti­vo do po­si­ti­vo é a par­te emo­ci­o­nal. “En­quan­to o estresse po­si­ti­vo es­ti­mu­la a pes­soa a li­dar com a pres­são, o estresse com viés ne­ga­ti­vo ten­de a in­ti­mi­dar, faz com que a pes­soa se sin­ta ame­a­ça­da, que­ren­do fu­gir da si­tu­a­ção”, con­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. O mo­men­to de estresse dei­xa o cor­po em es­ta­do de aler­ta per­ma­nen­te con­tra ini­mi­gos ex­ter­nos e in­ter­nos. Wal­la­ce ex­pli­ca que o es­ta­do de estresse re­me­te às ex­pe­ri­ên­ci­as do ho­mem das ca­ver­nas, quan­do si­tu­a­ções de pe­ri­go imi­nen­te pre­ci­sa­vam ser en­fren­ta­das. “Nos­so cor­po foi pro­je­ta­do pa­ra su­por­tar e con­vi­ver com o estresse em si­tu­a­ções emer­gen­ci­ais e nos de­sa­fi­os co­ti­di­a­nos”.

Pelo cor­po

É im­por­tan­te des­ta­car que tan­to o estresse po­si­ti­vo quan­to o ne­ga­ti­vo cau­sam re­a­ções fi­si­o­ló­gi­cas si­mi­la­res. “Se­ja o estresse fí­si­co, quí­mi­co ou emo­ci­o­nal, ca­da ti­po ati­va cer­ca de 1.400 re­a­ções e pro­duz mais de 30 hormô­ni­os e neu­ro­trans­mis­so­res no cor­po”, ex­pli­ca o te­ra­peu­ta quân­ti­co. Ta­ma­nha al­te­ra­ção no or­ga­nis­mo ge­ra um tur­bi­lhão de re­a­ções. “Se seu es­ti­lo de vi­da faz com que vo­cê vi­va em um am­bi­en­te es­tres­san­te, se­ja por um mo­ti­vo co­nhe­ci­do ou até in­cons­ci­en­te, o seu cor­po não te­rá co­mo re­tor­nar ao es­ta­do de equilíbrio, pois vo­cê se sen­te em um es­ta­do de ame­a­ça per­ma­nen­te”, afir­ma Wal­la­ce. Es­se de­se­qui­lí­brio aca­ba por com­pro­me­ter o es­ta­do ge­ral do or­ga­nis­mo, ge­ran­do, mui­tas ve­zes, pro­ble­mas de saú­de, já que o cor­po não é pre­pa­ra­do pa­ra vi­ver em es­ta­do de estresse cons­tan­te. Me­nos ener­gia se­rá dis­po­ni­bi­li­za­da pa­ra a nu­tri­ção ce­lu­lar ade­qua­da e even­tu­ais re­pa­ros nas cé­lu­las en­fra­que­ci­das pelo estresse. “Pa­ra eco­no­mi­zar ener­gia em mo­men­tos de pe­ri­go, as cé­lu­las su­pri­mem a co­mu­ni­ca­ção com as de­mais cé­lu­las, fi­can­do cen­tra­das na sua pró­pria so­bre­vi­vên­cia. To­da a ener­gia fo­ca­da em se de­fen­der le­va ao en­fra­que­ci­men­to dos sis­te­mas do cor­po”, con­ta o es­pe­ci­a­lis­ta. A par­tir de en­tão, os sis­te­mas en­dó­cri­no, imu­ne, di­ges­ti­vo e ner­vo­so são com­pro­me­ti­dos, o que cria con­di­ções fa­vo­rá­veis pa­ra o apa­re­ci­men­to de inú­me­ras do­en­ças. De­pres­são, úl­ce­ra, di­a­be­tes e até cân­cer são al­guns exem­plos que são in­flu­en­ci­a­dos pelo estresse cons­tan­te. “No Bra­sil, 80% das pes­so­as mor­rem em fun­ção das do­en­ças crô­ni­cas, e fi­ca ca­da vez mais evi­den­te que o am­bi­en­te de estresse per­ma­nen­te e de fal­ta de cui­da­dos pre­ven­ti­vos da mai­o­ria das pes­so­as es­tá por trás des­se nú­me­ro”, des­ta­ca Wal­la­ce.

No cé­re­bro

Co­man­do cen­tral de to­do o cor­po, é no cé­re­bro que se ini­cia o pro­ces­so de re­a­ções ao estresse. Di­an­te de uma si­tu­a­ção de adap­ta­ção, o or­ga­nis­mo pas­sa a pro­du­zir al­guns hormô­ni­os que são ma­lé­fi­cos quan­do em ex­ces­so. “A ati­va­ção per­ma­nen­te do sis­te­ma ner­vo­so sim­pá­ti­co au­men­ta a pro­du­ção de cor­ti­sol e de gli­co­cor­ti­coi­de. Es­sas subs­tân­ci­as en­fra­que­cem as co­ne­xões si­náp­ti­cas no hi­po­cam­po, que é uma re­gião do cé­re­bro ca­paz de cri­ar no­vos hormô­ni­os e no­vas me­mó­ri­as”, con­ta Wal­la­ce. Com a me­mó­ria afe­ta­da, o cé­re­bro ten­de a po­ten­ci­a­li­zar e dis­tor­cer as me­mó­ri­as ne­ga­ti­vas, fa­zen­do com que o in­di­ví­duo per­ma­ne­ça em um es­ta­do de pre­o­cu­pa­ção, cau­san­do an­si­e­da­de. A re­gião da amíg­da­la, res­pon­sá­vel pe­las me­mó­ri­as sub­cons­ci­en­tes, tam­bém é afe­ta­da, con­tri­buin­do pa­ra in­ten­si­fi­car a an­si­e­da­de, tra­zen­do à to­na o me­do e a in­se­gu­ran­ça de for­ma per­ma­nen­te. Sen­tir-se es­tres­sa­do ain­da di­mi­nui a pro­du­ção do neu­ro­trans­mis­sor no­re­pi­ne­fri­na, o que aju­da o in­di­ví­duo a se sen­tir aler­ta. Sua al­te­ra­ção no or­ga­nis­mo po­de dei­xar a pes­soa apá­ti­ca e com di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, que abre as por­tas pa­ra a de­pres­são. A do­pa­mi­na, ou­tro neu­ro­trans­mis­sor, tam­bém é re­du­zi­da, fa­zen­do com que si­tu­a­ções que an­tes da­vam pra­zer fi­quem sem gra­ça. Co­mo se não fos­se o bas­tan­te, o estresse tam­bém im­pac­ta a pro­du­ção de se­ro­to­ni­na, con­si­de­ra­do o neu­ro­trans­mis­sor mais im­por­tan­te do cor­po pa­ra a ma­nu­ten­ção do pra­zer e bom hu­mor. Dá pa­ra per­ce­ber que fi­car es­tres­sa­do ge­ra um bai­ta es­tra­go no or­ga­nis­mo, não é?

Ho­ra de pe­dir aju­da

Co­mo o estresse é al­go na­tu­ral ao cor­po, quan­do se sen­te sin­to­mas li­ga­dos a ele, fi­que aler­ta: is­so sig­ni­fi­ca que seu ní­vel já se ex­ce­deu. Os pri­mei­ros si­nais de que al­go não vai bem são ma­ni­fes­ta­ções es­po­rá­di­cas, co­mo di­fi­cul­da­de pa­ra dor­mir e dor de ca­be­ça. Em um se­gun­do mo­men­to, tais si­nais se tor­nam sin­to­mas re­gu­la­res. “Não fa­zen­do uma in­ter­ven­ção de for­ma efi­ci­en­te, es­ses sin­to­mas po­dem se trans­for­mar na do­en­ça. É quan­do a gen­te ou­ve a pes­soa di­zer que não lem­bra qual foi a úl­ti­ma vez que não te­ve dor de ca­be­ça ou que dor­miu bem”, res­sal­ta Ana Ma­ria.

E a an­si­e­da­de?

Ao ana­li­sar os sin­to­mas do estresse e su­as re­a­ções pelo cor­po, é pos­sí­vel ima­gi­nar que ele se as­se­me­lha à an­si­e­da­de. Po­rém, são re­a­ções dis­tin­tas, co­mo ex­pli­ca Ana Ma­ria: “A an­si­e­da­de é uma emo­ção que gi­ra em tor­no da adre­na­li­na, e o estresse é uma adap­ta­ção re­que­ri­da no or­ga­nis­mo. In­clu­si­ve, to­da pes­soa que es­tá an­si­o­sa es­tá tam­bém es­tres­sa­da, por­que ela es­tá se adap­tan­do. Mas nem to­da pes­soa que es­tá es­tres­sa­da es­tá an­si­o­sa. Al­gu­mas pes­so­as po­dem es­tar com rai­va, ou­tras com cul­pa, ou­tras de­pri­mi­das...”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.