Por que o as­sun­to aca­ba sen­do tão es­pi­nho­so?

Mente Curiosa - - NEWS -

A prin­cí­pio, não de­ve­ria ser, vis­to que to­ca a ex­pres­são de li­ber­da­de e a na­tu­re­za de ca­da um. No en­tan­to, mui­tos ain­da clas­si­fi­cam a ques­tão de gê­ne­ro co­mo uma op­ção ou uma ques­tão de “se sen­tir” mu­lher ou “se sen­tir” ho­mem. Mas o gê­ne­ro não é uma op­ção. A pes­soa não es­co­lhe ser de um jei­to ou de ou­tro – é uma ten­dên­cia do pró­prio ser. O pro­ble­ma é que, mui­tas ve­zes, es­sa ten­dên­cia aca­ba sen­do de­tur­pa­da ou im­pe­di­da de se ex­pres­sar ge­nui­na­men­te. Is­so oca­si­o­na to­do ti­po de neu­ro­ses, psi­co­ses e in­fe­li­ci­da­des. “Um pai abu­si­vo ou uma mãe abu­si­va po­dem pro­vo­car tan­ta aver­são na cri­an­ça que ela nun­ca vai que­rer ser igual, e se for­ça a es­co­lher o se­xo opos­to. Tam­bém po­de acon­te­cer de a cri­an­ça abu­sa­da por um pe­dó­fi­lo, por exem­plo, apren­der a ex­pres­sar sua se­xu­a­li­da­de da­que­le jei­to, mes­mo não sen­do es­sa a sua es­sên­cia”, ex­pli­ca Jú­lia. No en­tan­to, não res­tam dú­vi­das de que as trans­for­ma­ções ci­rúr­gi­cas e hor­mo­nais se­jam os fa­to­res mais incô­mo­dos di­an­te do de­ba­te pú­bli­co. Ain­da na dé­ca­da de 60, o pro­fes­sor de psi­qui­a­tria na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, Ro­bert Stol­ler, ino­vou ao de­sen­vol­ver pes­qui­sas que mes­cla­vam as­pec­tos fi­si­o­ló­gi­cos com cul­tu­rais, so­ci­ais e his­tó­ri­cos. E, ao tér­mi­no de seus es­tu­dos, cu­nhou uma das má­xi­mas do uni­ver­so tran­se­xu­al: é mais fá­cil mu­dar a ge­ni­tá­lia de al­guém do que sua men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.