Uma ques­tão de edu­ca­ção

Mente Curiosa - - NEWS -

A con­ver­sa e o apoio são fun­da­men­tais pa­ra for­ta­le­cer o(a) fi­lho(a) que, ine­vi­ta­vel­men­te, ex­pe­ri­men­ta­rá o so­fri­men­to cau­sa­do pe­lo pre­con­cei­to. Con­tu­do, por mais que pai e mãe pos­sam ame­ni­zar a si­tu­a­ção, é pre­ci­so lem­brar: pro­te­ger não é es­con­der ou en­clau­su­rar a cri­an­ça num mun­do fe­cha­do. Ela pre­ci­sa ser en­co­ra­ja­da a se re­la­ci­o­nar com as ou­tras e não se sen­tir en­ver­go­nha­da. As­sim, a psi­co­te­ra­pia aca­ba sen­do ex­tre­ma­men­te acon­se­lhá­vel. “Ho­je, em São Pau­lo, dois lu­ga­res de re­fe­rên­cia aco­lhem as pes­so­as trans e fa­mi­li­a­res. O pri­mei­ro é o Hos­pi­tal das Clí­ni­cas. O ou­tro, o mais re­cen­te inau­gu­ra­do `Nú­cleo de Es­tu­dos, Pes­qui­sa, Ex­ten­são e As­sis­tên­cia à Pes­soa Trans'”, in­for­ma o psi­có­lo­go. No cam­po do en­si­no, as es­co­las ain­da têm di­fi­cul­da­de pa­ra tra­tar do as­sun­to. Po­rém, o re­la­to co­mum é de que as cri­an­ças em si não são pre­con­cei­tu­o­sas, mas re­fle­tem o pre­con­cei­to de seus pais. Pa­ra Bre­no, não res­tam dú­vi­das de que o am­bi­en­te es­co­lar ain­da é he­te­ro­cen­tra­do, no qual o pre­con­cei­to é ve­la­do ou ex­plí­ci­to quan­to às cri­an­ças trans­gê­ne­ras. “São des­de agres­sões ver­bais, fí­si­cas e se­xu­ais por par­te de co­le­gas, pro­fes­so­res e fun­ci­o­ná­ri­os. São ame­a­ças, expulsões, ex­clu­são so­ci­al, des­res­pei­to ao no­me so­ci­al e ao uso do ba­nhei­ro de acor­do com o gê­ne­ro e o si­len­ci­a­men­to des­sas vi­o­lên­ci­as so­fri­das. A des­le­gi­ti­ma­ção e a fal­ta de re­co­nhe­ci­men­to das iden­ti­da­des de gê­ne­ro ain­da são pre­sen­tes no es­pa­ço da es­co­la, que de­ve­ria ser um lu­gar de aco­lhi­men­to, apren­di­za­do e des­cons­tru­ção. Não são ape­nas as cri­an­ças trans que so­frem trans­fo­bia. Is­so sem fa­lar de pro­fes­so­res transgêneros que tam­bém re­la­tam ca­sos de pre­con­cei­to por par­te de co­le­gas de tra­ba­lho”, elen­ca Bre­no.

“Os pais de­vem pra­ti­car a to­le­rân­cia e não ado­tar uma pos­tu­ra pre­con­cei­tu­o­sa, cons­tran­ge­do­ra ou de re­pro­va­ção. Por­tan­to, pre­ci­sam sus­ten­tar a di­fe­ren­ça, com­pre­en­der a si­tu­a­ção, man­ter o diá­lo­go e aju­dar a cri­an­ça no que for ne­ces­sá­rio" Bre­no Ro­sos­to­la­to, psi­có­lo­go e edu­ca­dor se­xu­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.