De on­de sur­ge? En­ten­da os fa­to­res que po­dem le­var al­guém a co­mer com­pul­si­va­men­te

Mente Curiosa - - NEWS -

Ain­da não exis­te uma cau­sa es­ta­be­le­ci­da pa­ra a compulsão alimentar. “Acre­di­ta-se que ha­ja um con­jun­to de fa­to­res he­re­di­tá­ri­os, am­bi­en­tais e so­ci­o­cul­tu­rais que le­vam o in­di­ví­duo a apre­sen­tar o trans­tor­no de compulsão alimentar. Po­de vir as­so­ci­a­do em in­di­ví­du­os com trans­tor­nos psi­quiá­tri­cos, co­mo de­pres­são e an­si­e­da­de, po­den­do tam­bém es­tar pre­sen­te em pes­so­as com trans­tor­no bi­po­lar”, ex­pli­ca Flá­via Ri­bei­ro Fu­nes, en­do­cri­no­lo­gis­ta. De acor­do com a pro­fis­si­o­nal, tam­bém há in­dí­ci­os que afir­mam que fa­to­res am­bi­en­tais são ca­pa­zes de in­flu­en­ci­ar no sur­gi­men­to e de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça.

Fa­to­res ge­né­ti­cos

Além do fa­to do pró­prio am­bi­en­te pos­si­bi­li­tar o apa­re­ci­men­to da compulsão alimentar, exis­tem al­gu­mas do­en­ças ge­né­ti­cas que cau­sam es­se dis­túr­bio, pois há um de­fei­to re­co­nhe­ci­do no sis­te­ma de sa­ci­e­da­de lo­ca­li­za­do no hi­po­tá­la­mo. Des­se mo­do, a pes­soa não con­se­gue con­tro­lar sua fo­me e nem o im­pul­so de co­mer. “Além dis­so, tam­bém exis­tem fa­to­res he­re­di­tá­ri­os que es­tão re­la­ci­o­na­dos a compulsão alimentar”, acres­cen­ta a pro­fis­si­o­nal.

De olho nas di­e­tas

Pro­va­vel­men­te vo­cê co­nhe­ce al­gu­ma pes­soa que já ten­tou ema­gre­cer fa­zen­do di­ver­sas di­e­tas. Mas sa­bia que es­sa prá­ti­ca, apa­ren­te­men­te ino­fen­si­va, po­de ter re­la­ção com a compulsão alimentar? “Es­se trans­tor­no po­de ocor­rer em pa­ci­en­tes que pas­sa­ram por uma di­e­ta mui­to rí­gi­da”, afir­ma Flá­via. Afi­nal, por que is­so ocor­re? A re­a­li­da­de é que a mai­o­ria das pes­so­as que so­fre do trans­tor­no vi­ve tran­si­tan­do en­tre di­e­ta e compulsão. “Na ver­da­de, o que se sa­be ho­je é que, quan­to mai­or a res­tri­ção, mai­or a pro­pen­são à compulsão, ou se­ja, quan­to mais li­mi­tan­te for o re­gi­me, mai­or pos­si­bi­li­da­de da pes­soa ao `es­cor­re­gar' ou `sair' da di­e­ta, co­mer des­con­tro­la­da­men­te”, in­for­ma Da­ni­e­la Fa­er­tes, psi­có­lo­ga. Por­tan­to, uma boa al­ter­na­ti­va é a re­e­du­ca­ção alimentar, na qual o pa­ci­en­te vai apren­der a con­tro­lar seus há­bi­tos, equi­li­bran­do a di­e­ta e con­su­min­do to­dos as subs­tân­ci­as ne­ces­sá­ri­as ao or­ga­nis­mo.

Sín­dro­me do co­mer no­tur­no

Quan­do al­guém tem o cos­tu­me de `ata­car a ge­la­dei­ra' du­ran­te a noi­te, apre­sen­ta um dos si­nais da compulsão alimentar. Se­gun­do a en­do­cri­no­lo­gis­ta, ape­sar de nor­mal­men­te o in­di­ví­duo se­guir uma di­e­ta du­ran­te o dia, à noi­te não con­se­gue se con­tro­lar e co­me ali­men­tos com al­to te­or ca­ló­ri­co em pou­ca quan­ti­da­de de tempo.

Pa­ra com­pen­sar

O de­sen­ca­de­a­men­to dos epi­só­di­os de compulsão, nor­mal­men­te, ocor­re após al­gum des­con­tro­le emo­ci­o­nal ou psi­co­ló­gi­co. Con­tu­do, na mai­o­ria das ve­zes, es­se dis­túr­bio alimentar é uma ma­nei­ra de su­prir ne­ces­si­da­des não aten­di­das. “Em ou­tras pa­la­vras, sem­pre que hou­ver uma per­da ou fal­ta de al­go im­por­tan­te pa­ra a pes­soa, o ali­men­to en­tra co­mo uma for­ma de com­pen­sa­ção”, jus­ti­fi­ca Mau­ro Car­bo­nar, mé­di­co com es­pe­ci­a­li­za­ção em acu­pun­tu­ra.

8 si­nais de compulsão alimentar

Co­mer es­con­di­do: o com­pul­si­vo sa­be que o fa­to de co­mer de for­ma exa­ge­ra­da é pre­ju­di­ci­al à sua saú­de, po­rém não con­se­gue se con­tro­lar. Des­sa for­ma, pa­ra evi­tar cons­tran­gi­men­tos ou ame­ni­zar a ver­go­nha, op­ta por se alimentar es­con­di­do das de­mais pes­so­as.

Ra­pi­dez ao co­mer: uma das ra­zões pa­ra es­sa ação é a pos­si­bi­li­da­de da exis­tên­cia de uma ideia in­cons­ci­en­te, na qual o pa­ci­en­te de compulsão alimentar acre­di­ta que de­ter­mi­na­da co­mi­da não es­ta­rá dis­po­ní­vel por mui­to tempo. As­sim, ele co­me bas­tan­te em um pe­río­do cur­to, na ten­ta­ti­va de ar­ma­ze­nar a mai­or quan­ti­da­de de ali­men­to pos­sí­vel. Alimentar-se mes­mo sem fo­me: pa­ra a pes­soa que apre­sen­ta es­se dis­túr­bio alimentar, co­mer não es­tá di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­do à fo­me, is­to é, não é pre­ci­so que a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de es­te­ja pre­sen­te pa­ra que ela co­ma. Além dis­so, o com­pul­si­vo be­lis­ca ali­men­tos a to­do ins­tan­te. Sen­sa­ção incô­mo­da: por co­mer gran­des quan­ti­da­des, mes­mo quan­do não es­tá com fo­me, o com­pul­si­vo cos­tu­ma pas­sar mal e fi­car com uma sen­sa­ção incô­mo­da de “es­tar cheio”. Is­so po­de acon­te­cer, prin­ci­pal­men­te, por­que o in­di­ví­duo não é ca­paz de per­ce­ber que não tem mais ne­ces­si­da­de de co­mer. As­sim, con­ti­nua con­su­min­do ali­men­tos não por mo­ti­vos fí­si­cos, e sim por ques­tões psi­co­ló­gi­cas, por exem­plo. Ali­vi­ar as emo­ções na co­mi­da: quan­do as pes­so­as es­tão an­si­o­sas, com me­do, an­gus­ti­a­das ou tris­tes, é co­mum en­con­tra­rem al­gu­ma vál­vu­la de es­ca­pe - uns fa­zem com­pras, en­quan­to ou­tros pra­ti­cam ati­vi­da­des fí­si­cas. Po­rém, no ca­so do com­pul­si­vo, a for­ma de ali­vi­ar as emo­ções é em uma an­ti­ga co­nhe­ci­da, a co­mi­da. Es­con­der ali­men­tos: às ve­zes, é co­mum guar­dar co­mi­da no ar­má­rio ou em al­gu­ma ga­ve­ta pa­ra co­mer mais tar­de, ain­da mais quan­do a pes­soa não es­tá com fo­me no mo­men­to. O pro­ble­ma é quan­do is­so se trans­for­ma em al­go cons­tan­te, fa­zen­do com que sem­pre exis­ta al­gum ali­men­to es­con­di­do pe­la ca­sa. Ar­re­pen­di­men­to: após co­mer de for­ma exa­ge­ra­da e des­con­tro­la­da, o com­pul­si­vo se sen­te cul­pa­do pe­lo que fez. Não es­tar sa­tis­fei­to com a apa­rên­cia: o in­di­ví­duo pos­sui a cons­ci­ên­cia de que, por co­mer mui­to, es­tá su­jei­to a so­frer com a obe­si­da­de e ou­tros pro­ble­mas de saú­de. Ape­sar de mui­tas ve­zes que­rer ter há­bi­tos sau­dá­veis e man­ter uma di­e­ta equi­li­bra­da, ele se sen­te im­po­ten­te di­an­te da co­mi­da, não con­se­guin­do se con­tro­lar. Des­sa for­ma, tem uma al­te­ra­ção em seu pe­so e apa­rên­cia, ge­ran­do des­con­ten­ta­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.