Com­pul­si­vo por quê?

En­ten­da de on­de sur­ge o de­se­jo exa­ge­ra­do por co­mer e por que is­so po­de ser um trans­tor­no emo­ci­o­nal

Mente Curiosa - - NEWS -

Em uma reu­nião de família, uma fes­ta en­tre ami­gos, quan­do al­guém faz o seu pra­to pre­fe­ri­do… Nes­sas oca­siões, exa­ge­rar na co­mi­da é co­mum. Con­tu­do, quan­do o ex­ces­so se tor­na fre­quen­te e, prin­ci­pal­men­te, quan­do traz con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas pa­ra a saú­de, é ho­ra de bus­car aju­da mé­di­ca. “Compulsão alimentar ou co­mer em ex­ces­so tor­na-se um dis­túr­bio a par­tir do mo­men­to em que uma pes­soa con­so­me uma gran­de quan­ti­da­de de ali­men­to de uma só vez ou `be­lis­ca' cons­tan­te­men­te, mes­mo quan­do não tem fo­me du­ran­te um de­ter­mi­na­do pe­río­do”, ex­pli­ca Dewey Jo­sé de Al­mei­da Gui­ma­rães, es­pe­ci­a­lis­ta em ci­rur­gia ge­ral pe­lo Co­lé­gio Bra­si­lei­ro de Ci­rur­giões. Ou se­ja, es­se trans­tor­no é ca­rac­te­ri­za­do, prin­ci­pal­men­te, pe­lo des­con­tro­le em re­la­ção à co­mi­da.

Um pou­co de his­tó­ria

As pes­so­as e a co­mi­da têm uma re­la­ção de so­bre­vi­vên­cia, pra­zer e as­so­ci­a­ções emo­ci­o­nais des­de que nas­cem. Con­for­me exem­pli­fi­ca a psi­có­lo­ga Da­ni­e­la Fa­er­tes, a mãe, ao dar de ma­mar ao seu fi­lho, aca­len­ta-o de for­ma ca­ri­nho­sa - as­sim, co­mi­da e afe­to são as­so­ci­a­dos. Além dis­so, o be­bê, ao sen­tir fo­me, cho­ra pa­ra se co­mu­ni­car, sa­ci­an­do seu incô­mo­do e trans­for­man­do a co­mi­da em uma es­pé­cie de cal­man­te. E, mes­mo de­pois de adul­tos, con­ti­nua-se dan­do sig­ni­fi­ca­dos emo­ci­o­nais à co­mi­da, des­de se pre­mi­an­do (“Pas­sei na­que­la prova, me­re­ço co­me­mo­rar com uma piz­za”) até se con­for­tan­do com al­gum ali­men­to (“Ti­ve um dia in­ten­so de tra­ba­lho, me­re­ço co­mer uma bar­ra de cho­co­la­te”). Além dis­so, em co­me­mo­ra­ções, da­tas es­pe­ci­ais, reu­niões e até even­tos for­mais co­mo os de tra­ba­lho, há sem­pre co­mi­da à von­ta­de.

“Os ame­ri­ca­nos cri­a­ram pa­ra is­so a ex­pres­são `com­fort fo­od', tam­bém cha­ma­do de co­mi­da-con­for­to. Além dis­so, as pes­so­as com­pul­si­vas cri­am, a par­tir do des­con­tro­le e da cul­pa, uma re­la­ção de guer­ra e lu­ta com a co­mi­da. Mas, di­fe­ren­te­men­te do que fa­ze­mos com dro­gas (que po­de­mos nos abs­ter), co­mo guer­re­ar com al­go que nos é ne­ces­sá­rio e que nós gos­ta­mos?”, in­da­ga a pro­fis­si­o­nal.

Compulsão x bu­li­mia

De acor­do com in­for­ma­ções dis­po­ní­veis na quar­ta edi­ção do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais (DSM-IV) a compulsão alimentar é con­si­de­ra­da, ao con­trá­rio do que mui­tas pes­so­as po­dem pen­sar, um trans­tor­no - não ne­ces­sa­ri­a­men­te uma do­en­ça. A par­tir dis­so, é pos­sí­vel en­con­trar opi­niões pro­fis­si­o­nais dis­tin­tas em re­la­ção a es­se dis­túr­bio, uma vez que al­guns es­pe­ci­a­lis­tas con­si­de­ram que a compulsão alimentar é uma par­te da bu­li­mia, en­quan­to ou­tros des­ta­cam uma diferença im­por­tan­te: na bu­li­mia, de­pois do con­su­mo exa­ge­ra­do de ali­men­tos, a pes­soa ten­ta com­pen­sar a quan­ti­da­de in­ge­ri­da e per­der pe­so, ou se­ja, exis­te o ato de for­çar o vô­mi­to, tam­bém pre­ju­di­can­do a saú­de. Ao con­trá­rio dis­so, pa­ci­en­tes por­ta­do­res da compulsão alimentar não che­gam ao ex­tre­mo de vo­mi­tar de for­ma in­ten­ci­o­nal. Em ou­tras pa­la­vras, os com­pul­si­vos, fre­quen­te­men­te, en­gor­dam e per­ma­ne­cem com o pe­so aci­ma do in­di­ca­do.

Prin­ci­pais sin­to­mas

Em­bo­ra se­ja um des­con­tro­le di­an­te das co­mi­das, é pos­sí­vel se aten­tar a al­guns si­nais pa­ra de­tec­tar o pos­sí­vel qua­dro de compulsão alimentar, tais co­mo: • Co­mer mui­tas ve­zes ao dia e sem se­guir uma ro­ti­na; • Con­su­mir ali­men­tos es­con­di­do de ou­tras pes­so­as; • Se sen­tir “pe­sa­do” após as re­fei­ções; • Mas­ti­gar e en­go­lir mui­to rá­pi­do; • Sen­tir cul­pa de­pois de co­mer.

Tem cu­ra?

“Sem­pre que fa­la­mos em com­pul­sões, in­de­pen­den­te de que, não fa­la­mos em cu­ra, mas sim em tratamento. Ou se­ja, não tem cu­ra, mas tem tratamento”, con­ta a psi­có­lo­ga. Con­tu­do, são vá­ri­as as for­mas de com­ba­ter os incô­mo­dos cau­sa­dos por es­se dis­túr­bio alimentar, co­mo: me­di­ca­men­tos, tratamento psi­qui­a­tra e/ou psi­co­ló­gi­co, exer­cí­ci­os fí­si­cos e acom­pa­nha­men­to nu­tri­ci­o­nal. O apoio familiar e de ami­gos é sem­pre bem-vin­do pa­ra tra­tar qual­quer trans­tor­no ou do­en­ça, e com a compulsão alimentar não é di­fe­ren­te, ain­da mais por­que, pa­ra as pes­so­as que não so­frem com es­se ti­po de compulsão, é mui­to di­fí­cil en­ten­der o mo­ti­vo pe­lo qual o pa­ci­en­te `não co­me um pou­co e pa­ra', além do jul­ga­men­to de `fal­ta de for­ça de von­ta­de'. “Quan­do mem­bros da família con­se­guem ter há­bi­tos sau­dá­veis, fi­ca mais fá­cil pa­ra quem quer e precisa me­lho­rar, bus­car al­ter­na­ti­vas pa­ra is­so. O opos­to tam­bém é ver­da­dei­ro. Ou se­ja, é bem mais di­fí­cil pa­ra al­guém que se cons­ci­en­ti­zou que precisa me­lho­rar e não tem on­de apoi­ar-se na família”, afir­ma Mau­ro Car­bo­nar, mé­di­co com es­pe­ci­a­li­za­ção em Acu­pun­tu­ra. Des­sa for­ma, é ne­ces­sá­rio que ha­ja diá­lo­go e com­pre­en­são por par­te dos en­vol­vi­dos pa­ra que o dis­túr­bio se­ja com­ba­ti­do com mai­or efi­cá­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.