PA­RA TO­DA A VI­DA

En­ten­da co­mo os há­bi­tos e pen­sa­men­tos in­ter­fe­rem no pe­so e mo­di­fi­que-os

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mui­to pro­va­vel­men­te vo­cê co­nhe­ce al­guém que co­me sem se pre­o­cu­par com a qua­li­da­de dos ali­men­tos in­ge­ri­dos, cer­to? A ques­tão é que, em al­gum mo­men­to, es­sa ali­men­ta­ção ina­de­qua­da vai sur­tir efei­to, cau­san­do pro­ble­mas de saú­de e ex­ces­so de pe­so. E daí, co­mo re­sol­ver is­so? A mai­o­ria das pes­so­as di­ria que fa­zer uma di­e­ta se­ria ide­al e, de cer­ta for­ma, tem ra­zão. Po­rém, de­pois de um tem­po, a di­e­ta aca­ba e a ali­men­ta­ção vol­ta a ser co­mo era an­tes. E é exa­ta­men­te nes­se pon­to que es­tá o er­ro. Ema­gre­cer de­ve ser uma ati­tu­de de­fi­ni­ti­va e só é pos­sí­vel fa­zer is­so re­e­du­can­do o me­ta­bo­lis­mo. E co­mo fa­zer? Ad­qui­rin­do há­bi­tos sau­dá­veis e ten­do uma ali­men­ta­ção mais ba­lan­ce­a­da.

O que é re­e­du­ca­ção ali­men­tar?

“É um con­cei­to am­plo, que en­vol­ve a for­mu­la­ção de vá­ri­as di­e­tas no de­cor­rer do tem­po, con­for­me ocor­rer a evo­lu­ção do pa­ci­en­te com a sequên­cia do tra­ta­men­to”, ex­pli­ca No­a­dia Lo­bão, es­pe­ci­a­lis­ta em nutrição. Em ou­tras pa­la­vras, po­de-se di­zer que a re­e­du­ca­ção ali­men­tar tem co­mo ob­je­ti­vo en­si­nar a co­mer bem e, com is­so, pro­por­ci­o­nar um ema-

gre­ci­men­to sau­dá­vel. Quan­do a pes­soa es­tá dis­pos­ta a fa­zer es­sa mu­dan­ça, pre­ci­sa ter em men­te que não é obri­ga­da a dei­xar de co­mer ne­nhum ali­men­to, con­tu­do, é fun­da­men­tal ob­ser­var a quan­ti­da­de e a va­ri­e­da­de da­qui­lo que for con­su­mir. “A re­e­du­ca­ção ali­men­tar con­sis­te no pro­ces­so de trans­for­ma­ção e mu­dan­ças fa­vo­rá­veis a há­bi­tos ali­men­ta­res sau­dá­veis, mas sem es­que­cer a in­di­vi­du­a­li­da­de e o pra­zer em co­mer bem”, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana Ra­quel Bu­car. Ou se­ja, es­se pro­ces­so pro­por­ci­o­na co­nhe­ci­men­to pa­ra que se pos­sam fa­zer es­co­lhas no dia a dia, co­mo em um res­tau­ran­te, em uma fes­ta e um bar ou ou­tras si­tu­a­ções do ti­po.

Por ou­tro la­do...

A di­e­ta, na ver­da­de, é uma res­tri­ção. Co­mo as­sim? Po­de ser de só­dio, no ca­so de um pa­ci­en­te com hi­per­ten­são ar­te­ri­al ou de açú­car pa­ra pes­so­as que so­frem com o di­a­be­tes, mas tam­bém de ca­lo­ri­as pa­ra qu­em de­se­ja per­der pe­so. “Além dis­so, a di­e­ta tem a pro­pos­ta de ter iní­cio e fim, ao con­trá­rio da re­e­du­ca­ção ali­men­tar, que vi­sa não só o ema­gre­ci­men­to, mas uma ma­nu­ten­ção do pe­so pos­te­ri­or­men­te”, acres­cen­ta Ana Ra­quel. É im­por­tan­te en­ten­der que fa­zer uma di­e­ta não é a mes­ma coi­sa que pas­sar fo­me e que re­du­ção ca­ló­ri­ca mui­to ra­di­cal tam­bém não é a so­lu­ção pa­ra ema­gre­cer. Is­so por­que a au­sên­cia de ca­lo­ri­as po­de acar­re­tar per­da de nu­tri­en­tes ne­ces­sá­ri­os pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo. Por is­so é acon­se­lhá­vel que qual­quer di­e­ta se­ja pres­cri­ta e acom­pa­nha­da por um es­pe­ci­a­lis­ta.

Hora de co­mer

Di­fe­ren­te­men­te do que en­si­nam vá­ri­as di­e­tas, fa­zer di­ver­sas re­fei­ções ao lon­go do dia é o mais ade­qua­do pa­ra con­se­guir atin­gir a me­ta do ema­gre­ci­men­to. “A re­e­du­ca­ção ali­men­tar pre­co­ni­za o co­mer a ca­da 3 ho­ras. Em­bo­ra is­so tam­bém se­ja de ca­da pes­soa, não só pelo fa­to da in­ges­tão au­men­tar o me­ta­bo­lis­mo pelo pro­ces­so da di­ges­tão e ab­sor­ção do ali­men­to, mas sim pa­ra não che­gar à re­fei­ção com fo­me”, con­ta Ana Ra­quel. Po­rém, é ne­ces­sá­rio le­var em con­si­de­ra­ção pa­râ­me­tros bi­oquí­mi­cos e as­pec­tos da vi­da co­ti­di­a­na de ca­da pes­soa pa­ra de­ter­mi­nar a quan­ti­da­de de ali­men­tos que de­ve ser in­ge­ri­da. Se­gun­do No­a­dia, a ex­clu­são ou in­clu­são de ali­men­tos se­rá fei­ta de acor­do com es­ses pa­râ­me­tros, que são úni­cos pa­ra ca­da ser hu­ma­no. “Nos ca­sos em que a ali­men­ta­ção po­de ser fra­ci­o­na­da, ela apre­sen­ta re­sul­ta­dos su­pe­ri­o­res na ob­ten­ção dos ob­je­ti­vos nu­tri­ci­o­nais”, fi­na­li­za Ana Ra­quel.

Se­ja mo­de­ra­do!

A pa­la­vra de or­dem é mo­de­ra­ção, se­ja na di­e­ta ou, prin­ci­pal­men­te, na re­e­du­ca­ção ali­men­tar. O que is­so que di­zer? Que uma fei­jo­a­da no do­min­go ou um chur­ras­co no sá­ba­do são to­le­ra­dos, mas não va­le co­mer es­se ti­po de ali­men­to to­dos os di­as. Tam­bém é pos­sí­vel con­su­mir um cho­co­la­te du­ran­te a TPM, mas no dia a dia pre­fi­ra fru­tas em vez de do­ces com al­to te­or de açú­car.

Be­ne­fí­ci­os

Ao ser fei­ta uma di­e­ta, o ema­gre­ci­men­to é a prin­ci­pal van­ta­gem ad­qui­ri­da. Por ou­tro la­do, com a re­e­du­ca­ção ali­men­tar é pos­sí­vel con­quis­tar di­ver­sos be­ne­fí­ci­os pa­ra a saú­de, tais co­mo:

• Re­du­ção dos ní­veis de tri­gli­ce­rí­de­os

• Di­mi­nui­ção do co­les­te­rol ruim (LDL)

• Mai­or dis­po­si­ção e so­no mais tran­qui­lo

• Pre­ven­ção de do­en­ças crônicas, co­mo di­a­be­tes

Ana Ra­quel Bu­car, nu­tri­ci­o­nis­ta; No­a­dia Lo­bão, es­pe­ci­a­lis­ta em nutrição CONSULTORIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.