Pa­la­vra-cha­ve: moderar

Sa­bia que car­boi­dra­to, gor­du­ra e ou­tros nu­tri­en­tes não de­vem ser vis­tos co­mo vi­lões da saú­de?

Mente Curiosa - - NEWS -

Fa­ça um tes­te sim­ples: per­gun­te a uma pes­soa que es­tá fa­zen­do al­gu­ma di­e­ta pa­ra per­der pe­so quais ali­men­tos ela re­ti­rou por com­ple­to do car­dá­pio. É bem pro­vá­vel que mui­tas de­las res­pon­dam que os pães e os do­ces per­de­ram es­pa­ço nas re­fei­ções do dia a dia. Em­bo­ra es­se pen­sa­men­to pos­sa pa­re­cer cer­to, nem sem­pre o car­boi­dra­to, o açú­car e a gor­du­ra (nu­tri­en­tes que com­põe os prin­ci­pais ali­men­tos com fa­ma de en­gor­da­ti­vos) são vi­lões da boa for­ma. Que tal en­ten­der me­lhor es­se as­sun­to?

O “x” da ques­tão

A re­gra que re­ge o pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to é sim­ples: a pro­por­ção en­tre o que vo­cê co­me e o que vo­cê gas­ta é o que con­tri­bui pa­ra o ga­nho ou a re­du­ção do pe­so. Ou se­ja, quan­do vo­cê con­so­me mais ca­lo­ri­as do que é ca­paz de gas­tar ao lon­go do dia, os pon­tei­ros da ba­lan­ça ten­dem a su­bir. Des­sa for­ma, é per­mi­ti­do in­ge­rir ali­men­tos con­si­de­ra­dos ca­ló­ri­cos, des­de que com mo­de­ra­ção e ali­a­dos a um pla­no re­gu­lar de exer­cí­ci­os fí­si­cos. “A die-

ta fo­ca­da na qua­li­da­de dos ali­men­tos não im­pe­de vo­cê de co­mer os do­ces que gos­ta ou de to­mar uma cer­ve­ja no fim de se­ma­na, por exem­plo. O es­ti­lo de vi­da ali­men­tar per­fei­to pre­ci­sa pro­por­ci­o­nar tam­bém li­ber­da­de. O que im­por­ta é que a mai­or par­te da sua ali­men­ta­ção se­ja com­pos­ta por in­gre­di­en­tes que equi­li­brem o seu sis­te­ma hor­mo­nal”, en­si­na o per­so­nal trai­ner Vi­ní­cius Pos­se­bon. Além dis­so, o or­ga­nis­mo pre­ci­sa que a gor­du­ra, o car­boi­dra­to, as fi­bras, o açú­car e a pro­teí­na fa­çam par­te da sua ro­ti­na ali­men­tar, uma vez que eles de­sem­pe­nhem fun­ções im­por­tan­tes no cor­po hu­ma­no. Du­vi­da? En­tão, con­cen­tre-se nas pró­xi­mas li­nhas!

GOR­DU­RA: “Es­se nu­tri­en­te é fon­te de ener­gia, com­po­nen­te fun­da­men­tal de to­das as mem­bra­nas ce­lu­la­res e de al­guns hormô­ni­os, pro­te­ge ór­gãos con­tra o cho­que me­câ­ni­co e o cor­po con­tra o ex­ces­so de per­da de água ou de ca­lor. Ain­da au­xi­lia na ab­sor­ção das vi­ta­mi­nas li­pos­so­lú­veis A, D, E e K e con­tri­bui no pro­ces­so de sa­ci­e­da­de”, ex­pli­ca o car­di­o­lo­gis­ta Daniel Mag­no­ni. Con­tu­do, é im­por­tan­te sa­ber que a di­fe­ren­ça pa­ra a saú­de es­tá no ti­po de gor­du­ra usa­da, ou se­ja, se ela é boa ou ruim. Des­sa for­ma, o re­co­men­da­do é apos­tar nas gor­du­ras mo­no ou po­li-in­sa­tu­ra­das (de ori­gem ve­ge­tal) e evi­tar as trans (pre­sen­tes em di­ver­sos pro­du­tos pro­ces­sa­dos).

CAR­BOI­DRA­TO: é res­pon­sá­vel por pro­du­zir a gli­co­se, um ti­po de com­bus­tí­vel que for­ne­ce ener­gia pa­ra o cor­po e aju­da no seu fun­ci­o­na­men­to ge­ral. Além dis­so, ele é a pri­mei­ra fon­te de ener­gia que os mús­cu­los uti­li­zam quan­do tra­ba­lham em in­ten­si­da­de ele­va­da e sem oxi­gê­nio. É pos­sí­vel en­con­trar o car­boi­dra­to sim­ples e o com­ple­xo, sen­do que o úl­ti­mo é o mais sau­dá­vel - por ter gran­de quan­ti­da­de de fi­bras. En­tão, in­vis­ta em ali­men­tos co­mo ar­roz e mas­sas in­te­grais, aveia, grão-de-bi­co e mi­lho, por exem­plo.

AÇÚ­CAR: vo­cê sa­bia que ele é, na ver­da­de, um car­boi­dra­to? Des­sa for­ma, tam­bém é ca­paz de for­ne­cer ener­gia ao cor­po, ga­ran­tin­do mai­or qua­li­da­de de vi­da. O la­do ruim do açú­car apa­re­ce a par­tir do mo­men­to em que ele é con­su­mi­do em ex­ces­so, pois quan­do o seu ní­vel es­tá ele­va­do no san­gue, o pân­cre­as li­be­ra in­su­li­na, subs­tân­cia que trans­for­ma a gli­co­se (açú­car) em gli­co­gê­nio. Con­tu­do, se as ta­xas de gli­co­gê­nio já es­ti­ve­rem al­tas e vo­cê con­su­mir mais açú­car, a in­su­li­na aca­ba con­ver­ten­do to­do o ex­ces­so em te­ci­do gor­du­ro­so (tri­gli­ce­rí­deo).

FI­BRAS: exis­tem dois ti­pos de fi­bras, as so­lú­veis e as in­so­lú­veis. “Ca­da uma pos­sui ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes. As so­lú­veis são res­pon­sá­veis pelo au­men­to da sa­ci­e­da­de e aju­dam no con­tro­le do co­les­te­rol e do di­a­be­tes. En­quan­to as in­so­lú­veis au­men­tam o pe­so e ace­le­ram o trân­si­to in­tes­ti­nal”, afir­ma o nu­tró­lo­go Fer­nan­do Ba­ca­lhau. En­tão, qu­em de­se­ja con­tro­lar a sa­ci­e­da­de de­ve man­ter uma ali­men­ta­ção ri­ca em fi­bras so­lú­veis. E lem­bre-se de que as fi­bras de­vem es­tar pre­sen­tes já na pri­mei­ra re­fei­ção do dia, sen­do que bo­as op­ções são fru­tas, pão in­te­gral e gra­no­la.

PRO­TEÍ­NA: o gran­de pro­ble­ma em re­la­ção a es­se nu­tri­en­te é, mais uma vez, o exa­ge­ro. Is­so por­que o or­ga­nis­mo não des­per­di­ça ne­nhu­ma subs­tân­cia con­su­mi­da, ou se­ja, ele ar­ma­ze­na em for­ma de gor­du­ra. Por­tan­to, vo­cê não pre­ci­sa abrir mão da sua car­ne pre­fe­ri­da, bas­ta ter mo­de­ra­ção e es­co­lher cor­tes ma­gros.

“Pre­fe­rir ali­men­tos que con­te­nham a gor­du­ra de ori­gem ve­ge­tal em de­tri­men­to das gor­du­ras ani­mais já con­fi­gu­ra uma mu­dan­ça nu­tri­ci­o­nal va­li­o­sa na vi­da das pes­so­as, além de pre­ve­nir do­en­ças” Daniel Mag­no­ni, car­di­o­lo­gis­ta CONSULTORIA Daniel Mag­no­ni, car­di­o­lo­gis­ta; Fer­nan­do Ba­ca­lhau, nu­tró­lo­go; Vi­ní­cius Pos­se­bon, per­so­nal trai­ner

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.