A raiz do trans­tor­no

En­ten­der as cau­sas da de­pres­são é um pas­so im­por­tan­te pa­ra o tra­ta­men­to

Mente Curiosa - - NEWS -

Di­an­te do di­ag­nós­ti­co da de­pres­são, uma das ques­tões que mais per­tur­ba a men­te é “por que is­so acon­te­ceu?”. Es­sa re­fle­xão pas­sa pe­la ca­be­ça da pes­soa que es­tá con­vi­ven­do com o trans­tor­no, da­que­les que es­tão ao seu re­dor (ten­tan­do, ou não, aju­dar) e tam­bém do pro­fis­si­o­nal de saú­de men­tal. Is­so por­que a iden­ti­fi­ca­ção das cau­sas pro­pi­cia a in­for­ma­ção ne­ces- sá­ria pa­ra que o dis­túr­bio se­ja tra­ta­do e até mes­mo es­tu­da­do. “O en­ten­di­men­to dos de­sen­ca­de­a­do­res do qua­dro depressivo fa­vo­re­ce o de­sen­vol­vi­men­to de no­vas pes­qui­sas que po­de­rão ser­vir co­mo ins­tru­men­tos pa­ra o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, a es­co­lha te­ra­pêu­ti­ca ade­qua­da e a re­vi­são dos ca­mi­nhos pa­ra va­lo­ri­zar os mo­men­tos da vi­da”, des­ta­ca a pro­fes­so­ra de neu­ro­a­na­to­mia e neu­ro­bi­o­lo­gia Mar­ta Rel­vas.

É fa­to que exis­tem di­ver­sos fa­to­res ca­pa­zes de cau­sar a de­pres­são, que se de­sen­vol­ve de ma­nei­ra dis­tin­ta em ca­da in­di­ví­duo. No en­tan­to, os es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que a com­bi­na­ção de fa­to­res ge­né­ti­cos e am­bi­en­tais es­tá por trás da mai­o­ria dos ca­sos.

He­re­di­ta­ri­e­da­de

In­ves­ti­ga­ções pro­mo­vi­das atu­al­men­te es­tão com­pro­van­do, ca­da vez mais, a re­la­ção en­tre ge­né­ti­ca e de­pres­são. Uma pes­qui­sa con­du­zi­da por es­tu­di­o­sos da Uni­ver­si­da­de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, ava­li­ou 424 pais de­pri­mi­dos e 143 fi­lhos de pes­so­as des­se gru­po. Ao mes­mo tem­po, em ou­tro gru­po, acom­pa­nhou o mes­mo nú­me­ro de pais sem de­pres­são e 197 fi­lhos. De­pois de 23 anos de es­tu­dos, os re­sul­ta­dos de­mons­tra­ram que os fi­lhos adul­tos dos in­di­ví­du­os de­pri­mi­dos pos­su­em mai­or pro­pen­são aos sin­to­mas da de­pres­são (as­sim co­mo mais pro­ble­mas fí­si­cos e emo­ci­o­nais) quan­do com­pa­ra­dos aos fi­lhos dos pais sau­dá­veis. Além dis­so, 70% dos que pos­suíam pais por­ta­do­res do dis­túr­bio ale­ga­ram ter ou­tros mem­bros da fa­mí­lia com o mes­mo qua­dro, en­quan­to ape­nas 45% do ou­tro gru­po re­la­tou o mes­mo ca­so. Em 2016, um ar­ti­go pu­bli­ca­do na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Na­tu­re Ge­ne­tics evi­den­ci­ou 17 va­ri­a­ções ge­né­ti­cas li­ga­das ao trans­tor­no. Ao ana­li­sar per­fis de ge­nes de mais de 450 mil vo­lun­tá­ri­os, den­tre os quais 121 mil de­cla­ra­ram pos­suir his­tó­ri­co de de­pres­são. De acor­do com Mar­ta, fa­to­res ge­né­ti­cos re­pre­sen­tam pa­péis im­por­tan­tes no de­sen­vol­vi­men­to do trans­tor­no do hu­mor depressivo, que apre­sen­ta ca­rac­te­rís­ti­ca de he­ran­ça ge­né­ti­ca quan­ti­ta­ti­va, ou se­ja, uma gra­vi­da­de gra­du­al de sin­to­mas. “Por cau­sa de seus fe­nó­ti­pos con­tí­nu­os de apre­sen­ta­ção, o dis­túr­bio pos­sui um pa­drão de trans­mis­são de he­ran­ça não men­de­li­a­na e, em ge­ral, ocor­re em fa­mí­li­as com um mo­do de he­ran­ça com­ple­xo – pro­va­vel­men­te mul­ti­fa­to­ri­al po­li­gê­ni­co, re­sul­tan­te da in­te­ra­ção de múl­ti­plos ge­nes de vul­ne­ra­bi­li­da­de com o am­bi­en­te”, ex­pli­ca. A pro­fes­so­ra tam­bém res­sal­ta que es­sa abor­da­gem ori­en­ta que pa­to­lo­gi­as li­ga­das à de­pres­são po­dem ser cau­sa­das por fa­to­res am­bi­en­tais e que os ge­nes in­flu­en­ci­am as sus­ce­ti­bi­li­da­des des­ses fa­to­res.

Um mun­do de ra­zões

Os nos­sos ge­nes cri­am ten­dên­ci­as, mas são as con­di­ções ex­ter­nas que mo­ti­vam o trans­tor­no. Gran­des trau­mas, co­mo do­en­ças e a per­da de pes­so­as que­ri­das, tam­bém são

“O en­ten­di­men­to dos de­sen­ca­de­a­do­res do qua­dro depressivo fa­vo­re­ce o de­sen­vol­vi­men­to de no­vas pes­qui­sas que po­de­rão ser­vir co­mo ins­tru­men­tos pa­ra o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, a es­co­lha te­ra­pêu­ti­ca ade­qua­da e a re­vi­são dos ca­mi­nhos pa­ra va­lo­ri­zar os mo­men­tos da vi­da”

Mar­ta Rel­vas, pro­fes­so­ra de neu­ro­bi­o­lo­gia e neu­ro­a­na­to­mia

ca­pa­zes de ge­rar o qua­dro depressivo por es­ta­be­le­ce­rem mu­dan­ças re­pen­ti­nas e sig­ni­fi­ca­ti­vas na vi­da das pes­so­as. Con­tu­do, ain­da exis­tem ce­ná­ri­os em que o de­clí­nio gra­da­ti­vo do emo­ci­o­nal pro­duz o mes­mo efei­to. Fa­tos co­mo pro­ble­mas no re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so, de­sen­ten­di­men­tos fa­mi­li­a­res e in­sa­tis­fa­ção pro­fis­si­o­nal co­la­bo­ram com a per­da de pers­pec­ti­va. “O mais in­crí­vel não é sim­ples­men­te o fa­tor ex­ter­no, mas a in­ter­pre­ta­ção des­te. Quan­do a pes­soa se vê pa­ra bai­xo, acha que o mun­do es­tá con­tra ela e não con­se­gue en­fren­tar as si­tu­a­ções que a vi­da apre­sen­ta, ati­tu­de que de­sen­ca­deia a de­pres­são. As­sim, vá­ri­os sis­te­mas neu­rais são en­fra­que­ci­dos, e o cór­tex pré-fron­tal di­rei­to co­me­ça a ser ati­va­do. En­tão, há uma jun­ção de ele­men­tos que po­dem ser con­si­de­ra­dos cau­sa­do­res: si­tu­a­ção, in­ter­pre­ta­ção, sis­te­ma neu­ro­ló­gi­co de neu­ro­trans­mis­so­res e ati­va­ção do cór­tex pré-fron­tal”, sa­li­en­ta a psi­có­lo­ga e co­a­ch Gra­zi­e­la Van­ni.

Quí­mi­ca do cor­po

De acor­do com Mar­ta Rel­vas, uma das cau­sas que tam­bém po­de ser con­si­de­ra­da co­mo cau­sa­do­ra da de­pres­são é a al­te­ra­ção no sis­te­ma mo­no­a­mi­nér­gi­co, que tem co­mo al­vos neu­ro­trans­mis­so­res co­nhe­ci­dos co­mo no­ra­dre­na­li­na, se­ro­to­ni­na e do­pa­mi­na. A pro­fis­si­o­nal ex­pli­ca que as prin­ci­pais idei­as atu­ais são de que o au­men­to de con­cen­tra­ção de mo­no­a­mi­nas cau­se mu­dan­ças adap­ta­ti­vas em neurô­ni­os-al­vo. “Uma das te­o­ri­as é que es­sas mu­dan­ças ocor­rem por al­te­ra­ção de vi­as de si­na­li­za­ção in­tra­ce­lu­lar, le­van­do a fos­fo­ri­la­ção de pro­teí­nas e al­te­ra­ções de ex­pres­são gê­ni­ca. Evi­dên­ci­as su­ge­rem que vi­as de si­na­li­za­ção in­tra­ce­lu­lar re­pre­sen­tam pa­péis fun­da­men­tais na dis­fun­ção de múl­ti­plos sis­te­mas de neu­ro­trans­mis­so­res e pro­ces­sos fi­si­o­ló­gi­cos no trans­tor­no depressivo”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.