Zo­diá­co in­di­a­no

Com 12 sig­nos, a Astrologia Védica bus­ca a es­pi­ri­tu­a­li­da­de e é con­si­de­ra­da mais pre­ci­sa que o ho­rós­co­po oci­den­tal

Mente Curiosa - - NEWS -

Odia e o mês em que vo­cê nas­ceu vai de­fi­nir qual é o seu sig­no, en­tre os 12 que vão de Ári­es a Pei­xes. Is­so, con­tu­do, na astrologia oci­den­tal. Vo­cê já de­ve ter ou­vi­do fa­lar, por exem­plo, do ho­rós­co­po chi­nês, que tem sig­nos co­mo co­e­lho, ma­ca­co e ti­gre, determinados pe­lo ano em que a pes­soa nas­ce, em vez do mês. Es­ses dois, po­rém, são ape­nas exem­plos - exis­te ain­da a Astrologia Védica que, ape­sar de ser an­ti­ga, ain­da se man­tém um mis­té­rio pa­ra mui­ta gen­te. “A ori­gem da Astrologia Védica coin­ci­de com a ori­gem dos pró­pri­os Ve­das, li­vros sa­gra­dos do hin­duís­mo, que sur­gi­ram há apro­xi­ma­da­men­te 3 mil anos, de acor­do com os re­gis­tros his­tó­ri­cos. Es­ses li­vros, cu­jo con­teú­do era trans­mi­ti­do oral­men­te de gu­ru pa­ra dis­cí­pu­lo, ti­nham con­teú­do so­bre o fun­ci­o­na­men­to do uni­ver­so e so­bre o com­por­ta­men­to hu­ma­no, tra­zen­do con­cei­tos co­mo kar­ma e dhar­ma. Daí, tam­bém, inú­me­ros ins­tru­men­tos pa­ra re­la­ci­o­nar­mos as leis do uni­ver­so e o com­por­ta­men­to do ser hu­ma­no, sen­do a Astrologia Védica um de­les”, in­for­ma a as­tró­lo­ga Re­na­ta Ne­me, mem­bro da As­so­ci­a­ção Bri­tâ­ni­ca de Astrologia Védica.

12 sig­nos

As­sim co­mo na astrologia oci­den­tal, o zo­día­co in­di­a­no pos­sui 12 sig­nos e 12 ca­sas, po­rém os cál­cu­los se ba­sei­am em es­tre­las fi­xas e, por is­so, es­ti­ma-se que a pre­ci­são as­tronô­mi­ca se­ja mai­or na aná­li­se do ma­pa as­tro­ló­gi­co. “Os sig­nos coin­ci­dem com cons­te­la­ções no céu e são os mes­mos que co­nhe­ce­mos no oci­den­te, ape­sar de te­rem ca­len­dá­ri­os di­fe­ren­tes e no­men­cla­tu­ra no idi­o­ma sâns­cri­to. To­ma­mos co­mo exem­plo o sig­no de Ári­es, o pri­mei­ro do zo­día­co: en­quan­to no oci­den­te ele co­me­ça­ria em 21 de mar­ço, coin­ci­din­do com o iní­cio do ou­to­no, na Astrologia Védica ele tem iní­cio em 14 de abril, apro­xi­ma­da­men­te. Em sâns­cri­to, es­ta cons­te­la­ção tem o no­me de Mesha”, ex­pli­ca Re­na­ta. Con­fi­ra as da­tas:

• Mesha: 14/4 a 13/5 • Vrish­baha: 14/5 a 13/6 • Mithu­na: 14/6 a 14/7 • Kar­ka­ta­ka: 15/7 a 15/8 • Shimha: 16/8 a 15/9 • Kanya: 16/9 a 15/10 • Thu­la: 16/10 a 14/11 • Vrishkha: 15/11 a 14/12 • Dha­nus: 15/12 a 14/1 • Ma­ka­ra: 15/1 a 12/2 • Khumbha: 13/2 a 12/3 • Me­e­na: 13/3 a 13/4

Em bus­ca de co­nhe­ci­men­to

Na Ín­dia, a astrologia védica é cha­ma­da de Jyo­tish, que sig­ni­fi­ca luz do co­nhe­ci­men­to. Di­fe­ren­te­men­te de ou­tros ho­rós­co­pos, ela ana­li­sa co­mo os kar­mas da pes­soa in­flu­en­ci­am em sua vi­da e ori­en­ta so­bre co­mo li­dar com is­so. Além de pre­vi­sões, por­tan­to, quem pro­cu­ra sa­ber so­bre seu pró­prio sig­no ou ma­pa as­tral bus­ca en­ten­der os mo­men­tos bons e ruins pe­los quais pas­sou e as pos­si­bi­li­da­des que tem di­an­te de to­dos eles. É uma aná­li­se do pro­pó­si­to evo­lu­ti­vo, além da mis­são, dos ta­len­tos e dos obs­tá­cu­los de ca­da in­di­ví­duo, uma vez que le­va em con­ta tam­bém as vi­das pas­sa­das. “É uma fon­te de au­to­co­nhe­ci­men­to, em que lan­ça­mos luz à es­cu­ri­dão da ig­no­rân­cia. Se vo­cê pas­sa a co­nhe­cer seus dons e pon­tos for­tes, tan­to qu­an­to seus ga­ti­lhos e seus pa­drões de com­por­ta­men­to, vo­cê se tor­na mui­to mais cons­ci­en­te, o que te per­mi­te mo­di­fi­car gran­de par­te da sua ‘pro­gra­ma­ção’. Is­so já é o mai­or pre­sen­te que a Astrologia Védica po­de nos tra­zer”, com­ple­men­ta a as­tró­lo­ga.

Ho­rós­co­po

En­con­trar pre­vi­sões pa­ra os sig­nos oci­den­tais é mui­to fá­cil: de jor­nais a apli­ca­ti­vos pa­ra smartpho­ne, a sor­te do dia es­tá em to­do lu­gar. No ca­so da Astrologia Védica, con­tu­do, as pre­vi­sões ain­da não es­tão tão dis­po­ní­veis as­sim. Bus­car a ori­en­ta­ção de um as­tró­lo­go es­pe­ci­a­li­za­do, por­tan­to, é a me­lhor op­ção. “Há qua­se ne­nhu­ma bi­bli­o­gra­fia em por­tu­guês so­bre Astrologia Védica e, por es­sa ra­zão, além de es­tar tra­du­zin­do o li­vro da mi­nha mes­tra in­di­a­na pa­ra o por­tu­guês, tam­bém ve­nho me de­di­can­do não ape­nas a aten­der pes­so­as que pre­ci­sam de aju­da, co­mo tam­bém a en­si­nar es­ta fas­ci­nan­te ci­ên­cia es­pi­ri­tu­al, jus­ta­men­te pa­ra di­fun­dir o co­nhe­ci­men­to. Ve­nho tam­bém ofe­re­cen­do di­cas gra­tui­tas nas re­des so­ci­ais, pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so, an­tes bas­tan­te res­tri­to”, diz Re­na­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.