Co­mo a astrologia funciona?

En­quan­to a po­si­ção dos as­tros no dia do nascimento in­flu­en­cia na per­so­na­li­da­de, o mo­vi­men­to du­ran­te os me­ses in­ter­fe­re nas ações do dia a dia

Mente Curiosa - - NEWS -

“Mui­tos nem ima­gi­nam que os tex­tos de pre­vi­sões são ana­li­sa­dos e ela­bo­ra­dos a par­tir do po­si­ci­o­na­men­to dos as­tros e das dis­tân­ci­as an­gu­la­res en­tre eles em de­ter­mi­na­do pe­río­do. É um tra­ba­lho sé­rio, com em­ba­sa­men­to, de­man­da es­tu­do, aná­li­ses, cál­cu­los, e não tem na­da a ver com adi­vi­nha­ção”. A afir­ma­ção é da as­tró­lo­ga Vi­tó­ria Fer­nan­des e já dá uma ideia: pa­ra pre­pa­rar o ho­rós­co­po dos 12 sig­nos, não bas­ta jo­gar o da­do pa­ra ci­ma ou pal­pi­tar so­bre as si­tu­a­ções do dia pa­ra ca­da um. To­dos os pos­sí­veis acon­te­ci­men­tos su­ge­ri­dos pe­lo ho­rós­co­po, se­ja pa­ra o dia, pa­ra o mês ou o ano, são ba­se­a­dos em ob­ser­va­ções dos as­tros e in­ter­pre­ta­ções so­bre co­mo eles vão in­flu­en­ci­ar na to­ma­da de de­ci­sões. O po­si­ci­o­na­men­to de um pla­ne­ta po­de afe­tar a vi­da de to­dos em de­ter­mi­na­do as­pec­to, e de um sig­no es­pe­cí­fi­co em ou­tros. “Te­mos as pre­vi­sões mais ge­rais, vá­li­das pa­ra to­das as pes­so­as, e as es­pe­cí­fi­cas, des­ti­na­das pa­ra ca­da sig­no. As do ti­po ge­ral são ten­dên­ci­as que en­vol­vem as­sun­tos de in­te­res­se co­le­ti­vo e po­dem tra­zer prog­nós­ti­cos pa­ra cer­ta lo­ca­li­da­de ou até pa­ra o país. Já as es­pe­cí­fi­cas são ela­bo­ra­das pa­ra ca­da sig­no, por­tan­to, são ex­clu­si­vas pa­ra o gru­pa­men­to de pes­so­as que nas­ce­ram em um de­ter­mi­na­do pe­río­do. O ho­rós­co­po apon­ta os as­sun­tos e se­to­res da vi­da que es­ta­rão em mai­or evi­dên­cia no pe­río­do, com in­di­ca­ções por­me­no­ri­za­das e de­ta­lha­das so­bre as ten­dên­ci­as po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas pa­ra aque­le mo­men­to”, com­ple­men­ta Vi­tó­ria. O ho­rós­co­po, por­tan­to, mos­tra as ener­gi­as que o seu sig­no re­ce­be­rá dos as­tros em de­ter­mi­na­do pe­río­do de tem­po e não exa­ta­men­te o que vai acon­te­cer na sua vi­da. Ve­ja o exem­plo exem­plop ppa­ra pa­ra o sig­nog sig­no de Ári­es, na se­ma­na do dia 25 de ju­nho a 1 de ju­lho: “Boa fa­se

pa­ra fo­car nos es­tu­dos e tro­car in­for­ma­ções com os co­le­gas. Va­le a pe­na cau­sar boa im­pres­são na che­fia”. A se­ma­na foi um bom pe­río­do, por­tan­to, pa­ra se de­di­car a es­tu­do e tra­ba­lho, uma vez que as ener­gi­as do as­tros es­ta­vam fa­vo­rá­veis pa­ra es­ses as­pec­tos. A de­ci­são de dar mais aten­ção a es­sa par­te da vi­da, con­tu­do, fi­ca a cri­té­rio de ca­da pes­soa.

Além do sig­no

Ari­a­nos são im­pul­si­vos, tau­ri­nos são tei­mo­sos, li­bri­a­nos in­de­ci­sos, can­ce­ri­a­nos ca­ren­tes… Es­sas ge­ne­ra­li­za­ções, é cla­ro, nem sem­pre ba­tem com a per­so­na­li­da­de da pes­soa dos res­pec­ti­vos sig­nos. Is­so por­que exis­tem mui­tos ou­tros fa­to­res que in­flu­en­ci­am nes­sas ca­rac­te­rís­ti­cas. O sig­no de ca­da um

se re­fe­re à po­si­ção do Sol no mo­men­to do nascimento. Con­tu­do, pa­ra de­ci­frar me­lhor as qua­li­da­des de ca­da um, é pre­ci­so le­var em con­ta, tam­bém, a po­si­ção dos ou­tros as­tros nes­se mes­mo mo­men­to. É pa­ra is­so que ser­ve o ma­pa as­tral. “Ca­da ma­pa as­tral é ex­clu­si­vo, úni­co e in­di­vi­du­al, um guia pa­ra a pes­soa se es­pe­lhar e en­ten­der su­as ati­tu­des, seus gos­tos, seu jei­to de agir, amar e se re­la­ci­o­nar. É pos­sí­vel se co­nhe­cer, cres­cer e evo­luir por meio das in­fluên­ci­as do sig­no, do ma­pa e tam­bém dos avi­sos que os ho­rós­co­pos tra­zem nas pre­vi­sões. O as­trô­no­mo Carl Sa­gan dis­se que nós so­mos po­ei­ra de es­tre­las, en­tão, na­da mais ló­gi­co do que vi­ver em sin­to­nia com o céu e pres­tar aten­ção aos re­ca­dos si­len­ci­o­sos que os as­tros en­vi­am lá de ci­ma to­dos os di­as”, ex­pli­ca a as­tró­lo­ga. Pa­ra tra­çar o ma­pa as­tral, é ne­ces­sá­rio sa­ber o dia, mês, ano, ho­rá­rio e lo­cal de nascimento. A par­tir des­sas in­for­ma­ções, é pos­sí­vel ve­ri­fi­car o po­si­ci­o­na­men­to dos as­tros nas 12 ca­sas do zo­día­co e, as­sim, co­nhe­cer as in­fluên­ci­as em ca­da se­tor da vi­da, bem co­mo o fa­mo­so sig­no as­cen­den­te que, jun­ta­men­te com o sig­no so­lar, de­fi­nem a per­so­na­li­da­de da pes­soa, a for­ma co­mo ela se mos­tra pa­ra o mun­do. Ca­da ca­sa do zo­día­co re­pre­sen­ta uma área da vi­da, por exem­plo: a Ca­sa 1, on­de se lo­ca­li­za o sig­no as­cen­den­te, re­fe­re-se à iden­ti­da­de, en­quan­to a Ca­sa 7 es­tá re­la­ci­o­na­da à vi­da a dois e a Ca­sa 12 à es­pi­ri­tu­a­li­da­de. É pos­sí­vel tra­çar o ma­pa as­tral au­to­ma­ti­ca­men­te em si­tes, po­rém a in­ter­pre­ta­ção de­le de­pen­de de um as­tró­lo­go pro­fis­si­o­nal.

In­fer­no as­tral: o que é is­so?

Um tem­po an­tes do ani­ver­sá­rio, vo­cê es­tá fe­liz, pla­ne­jan­do a fes­ta, ima­gi­nan­do os ami­gos que po­de­rá re­ver, a fa­mí­lia reu­ni­da, os pre­sen­tes ga­nha­dos, e pe­que­nas coi­sas co­me­çam a dar er­ra­do: ba­te o car­ro no trân­si­to, per­de a car­tei­ra, to­ma chu­va, es­cor­re­ga na cal­ça­da, bri­ga com o ma­ri­do ou a es­po­sa. Tan­to azar só po­de ser si­nal de in­fer­no as­tral. Mas por que es­se pe­río­do, que com­pre­en­de 30 di­as an­tes do dia do ani­ver­sá­rio, é fa­mo­so por tan­ta con­fu­são? A Astrologia ex­pli­ca: o Sol cir­cu­la por ca­da ca­sa do ma­pa as­tral por 30 di­as e, quan­do vo­cê faz ani­ver­sá­rio, o Sol vol­ta pa­ra a ca­sa 1 do seu ma­pa as­tral, no mes­mo grau on­de ele es­ta­va no mo­men­to em que vo­cê nas­ceu. Já no mês an­te­ri­or, o Sol pas­sa pe­la ca­sa 12, que re­pre­sen­ta de­sa­fi­os, dis­sa­bo­res, de­si­lu­sões, trai­ções e que­da de vi­ta­li­da­de fí­si­ca. Sim­bo­li­za o fim de um ci­clo, mo­men­to de re­sol­ver o que fi­cou pen­den­te. Des­sa for­ma, é mais pro­vá­vel que vo­cê pre­ci­se su­pe­rar con­tra­tem­pos na sua vi­da, mas ou­tros fa­to­res in­flu­en­ci­am tam­bém. De­pen­den­do do pla­ne­ta que es­ti­ver tran­si­tan­do por es­sa ca­sa, as coi­sas po­dem ser mais di­fí­ceis ou mais tran­qui­las, con­tu­do, não so­fra an­tes da ho­ra: o me­lhor a fa­zer é apro­vei­tar o pe­río­do cha­ma­do de in­fer­no as­tral pa­ra re­fle­tir, fa­zer um ba­lan­ço so­bre sua vi­da, dar aten­ção à sua es­pi­ri­tu­a­li­da­de, re­com­por su­as ener­gi­as e, cla­ro, se pre­pa­rar pa­ra as bo­as no­vas que o seu no­vo ano so­lar, o seu re­nas­ci­men­to, vai tra­zer. Além do pe­río­do, exis­tem tam­bém o sig­no que é o in­fer­no as­tral de ca­da um. É aque­le com o qual vo­cê tem me­nos afi­ni­da­des e, por­tan­to, mais di­fi­cul­da­des de se acer­tar no ro­man­ce. Com­pre­en­de o sig­no ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or ao seu (por exem­plo, se vo­cê é de Li­bra, seu in­fer­no as­tral é Vir­gem; se é de Pei­xes, o in­fer­no as­tral é Aquá­rio, e as­sim por di­an­te). Po­rém, mais uma vez, es­sas con­di­ções não de­ter­mi­nam al­go ine­vi­tá­vel: é pos­sí­vel se re­la­ci­o­nar bem com seu sig­no in­fer­no as­tral, bas­ta uma boa do­se de pa­ci­ên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.