CÉ­RE­BRO GRA­TO

Co­mo in­cluir a gratidão na ro­ti­na mo­di­fi­ca o fun­ci­o­na­men­to do ór­gão

Mente Curiosa - - EDITORIAL/SUMÁRIO -

Há al­gu­mas dé­ca­das, fa­lar so­bre gratidão e, prin­ci­pal­men­te, so­bre os be­ne­fí­ci­os de­la po­de­ria so­ar co­mo pa­po de pro­fis­si­o­nal de au­to­a­ju­da – ou, por ser uma sa­be­do­ria an­ti- ga vin­da de nos­sos an­ces­trais, es­te as­sun­to sem­pre es­te­ve as­so­ci­a­do aos re­li­gi­o­sos. Po­rém, há al­gum tem­po, a ci­ên­cia vem mos­tran­do que o ato de ser gra­to po­de cau­sar al­te­ra­ções em seu cé­re­bro.

“Em­bo­ra os co­nhe­ci­men­tos em re­la­ção às ba­ses neu­rais da ex­pres­são da gratidão se­jam ain­da li­mi­ta­dos, os es­tu­dos re­cen­tes têm mos­tra­do da­dos in­te­res­san­tes”, apon­ta o neu­rop­si­có­lo­go Thi­a­go Go­mes. Uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da pela re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Neu­roi­ma­ge, por exem­plo, mos­trou que o ato de ser gra­to re - fle­te em uma mai­or ati­vi­da­de en­tre os neurô­ni­os no cór­tex pré -fron­tal me­di­al – área que tem uma gran­de im­pli­ca­ção no pla­ne­ja­men - to, to­ma­da de de­ci­sões e com­por­ta­men­to so­ci­al.

SIS­TE­MA DE RECOMPENSAS

Es­sa ex­ci­ta­ção mai­or do cór­tex pré-fron­tal cau­sa a ati­va­ção de uma re­gião cha­ma­da nú­cleo ac­cum­bens, prin­ci­pal área res­pon­sá­vel pe­lo co­nhe­ci­do sis­te­ma de recompensas, um pro­ces­so que nos pre­mia com uma sen­sa­ção fí­si­ca e men­tal de pra­zer quan­do nos­sas ações são bem-su­ce­di- das. Es­se­sis­te­maéab ase neu­ro­ló­gi­ca da sa­tis­fa­ção e au­to es­ti­ma. Quan­do te­mos pen­sa­men­tos re­la­ci­o­na­dos à gratidão, exer­ci­ta­mos a ação des­sa área. “A gratidão ati­va a li­be­ra­ção de do­pa­mi­na, um dos neu­ro­trans­mis­so­res en­vol­vi­dos no sen­ti­men­to de recompensa. Ele­va tam­bém a se­ro­to­ni­na, hormô­nio que nos faz de­sen­vol­ver o al­to-as­tral. O re­sul­ta­do é im­ba­tí­vel: o sen­ti­men­to ge­nuí­no de gratidão nos dei­xa bem por mui­tas ho­ras ”, des­cre­ve o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner. É por es­se mo­ti­vo que pes­so­as que pra­ti­cam a gratidão de­mons­tram ní­veis mais al­tos de emo­ções po­si­ti­vas, vi­ta­li­da­de e sa­tis­fa­ção. Nu­ma amos­tra com 389 adul­tos, ci­en­tis­tas de três uni­ver­si­da­des bri­tâ­ni­cas ana­li­sa­ram a gratidão e o bem-es­tar no con­tex­to do es­ti­lo de per­so­na­li­da­de. Os pes­qui­sa­do­res ob­ser­va­ram que o sen­ti­men­to de ser gra­to foi mais for­te­men­te

re­la­ci­o­na­do com os atri­bu­tos re­la­ci­o­na­dos ao bem-es­tar. “Os re­sul­ta­dos mos­tra­ram que a gratidão tem uma re­la­ção úni­ca com a sa­tis­fa­ção com a vi­da, e es­cla­re­ce co­mo ela se re­la­ci­o­na com a per­so­na­li­da­de no ní­vel das fa­ce­tas”, expõe Thi­a­go Go­mes.

1001 BE­NE­FÍ­CI­OS

Além do bem-es­tar cau­sa­do pe­lo sis­te­ma de re - com­pen­sas, a gratidão tam­bém es­ti­mu­la, por meio de ou­tra via neu­ral, as vi­as ce­re­brais de li­be­ra­ção de oci­to­ci­na. O hormô­nio, que é pro­du­zi­do em uma re­gião do cé­re­bro cha­ma­da de hi­po­tá­la­mo, es­ti­mu­la o afe­to, traz tran­qui­li­da­de, re­duz a an­si­e­da­de, o medo e a fo­bia, fi­can­do bem mais fá­cil con­tro­lar os es­ta­dos men­tais tó­xi­cos. “O sen­ti­men­to de es­tar agra­de­ci­do – prin­ci­pal­men­te quan­do é a si pró­prio – e as vi­as ce­re­brais en­vol­vi­das nes­ta ope­ra­ção in­di­cam que o sen­ti­men­to de gratidão con­tra­põe-se às emo­ções ne­ga­ti­vas, co­mo rai­va, ir­ri­ta­ção, an­ti­pa­tia e des­gos­to”, afir­ma Mar­tin.

NEURÔ­NI­OS-ESPELHO

Ao ver al­guém bo­ce­jan­do, pro­va­vel­men­te vo­cê tam­bém sen­te o de­se­jo de bo­ce­jar, em um ato-re­fle­xo (tal­vez só de pen­sar na ce­na vo­cê já es­te­ja abrin­do o bo­cão tam­bém!). Até po­de­mos ten­tar pa­rá-lo, mas ele vai co­me­çar sem que qu­ei­ra­mos. A c ulp a des - sa re­pe­ti­ção da ati­tu­de é dos neurô­ni­os-espelho, um con­jun­to de cé­lu­las que nos per­mi­tem si­mu­lar in­ter­na­men­te as ações dos ou­tros. Além de nos fa­zer bo­ce­jar, es­ses neurô­ni­os tam­bém são es­sen­ci­ais para a so­ci­a­li­za­ção e, prin­ci­pal­men­te, para a em­pa­tia. Se­gun­do Mar­tin Port­ner, a ca­pa­ci­da­de de se co­lo­car no lu­gar dos ou­tros “é a qua­li­da­de hu­ma­na que per­mi­te

ati­var in­ter­na­men­te cir­cui­tos emo­ci­o­nais idên­ti­cos aos que es­tão sen­do vi­ven­ci­a­dos pela pes­soa com quem es­ta­mos in­te­ra­gin­do”. Mas o que a gratidão tem a ver com is­so? “Em­pa­tia, em es­sên­cia, é o que per­mi­te ser­mos gra­tos à nos­sa in­crí­vel hu­ma­ni­da­de”, re­su­me o es­pe­ci­a­lis­ta. Tu­do is­so exi­ge bi­lhões de neurô­ni­os ali­nha­dos em pou­co es­pa­ço de tem - po e o consumo de gran­des re­ser vas ce­re - brais. “Uma pri­mei­ra boa ideia se­ria agra - de­cer p elo fa­to de po - der­mos fa­zer tu­do is so; a se­gun­da, agra­de­cer que al­guém te­nha ‘em­pres­ta­do’ su­as emo­ções e sen­ti­men­tos co­mo pon­to de par­ti­da para que pos­sa­mos sen­tir o que ela sen­te”, acon­se­lha.

TREINANDO O CÉ­RE­BRO

Di­fe­ren­te­men­te das emo­ções bá­si­cas ne­ga­ti­vas, que são “re­si­den­tes” nas en­gre­na­gens do cé­re­bro hu­ma­no – qu­an­tas ve­zes vo­cê não se sen­tiu mal mes­mo sem sa­ber o mo­ti­vo? –, a gratidão é pro­mo­vi­da ape­nas por meio de uma ex­pe­ri­ên­cia cons­ci­en­te. Co­mo re­sul­ta­do, o sen­ti­men­to gra­to só acon­te­ce com um es­for­ço para pro­mo­ver sen­ti­men­tos positivos e en­xer­gar a vi­da co­mo um de­sa­fio que v al e a p ena ser vi­vi­do. Es­sa d e di - ca­ção, uma vez al­can­ça­da, faz com que cé­re­bro r e c o mp e n - se a men­te atra­vés de subs­tân­ci­as in­ter nas com po - de­res psi­co­a­ti­vos. “Pre­cis amos de­ci­dir pela gratidão, pre­ci­sa­mos agir in­ter­na­men­te para ser­mos gra­tos a al­gu­ma coi­sa”, lem­bra o neu­ro­lo­gis­ta. Por es­ta ra­zão, o cé­re­bro po­de ser trei­na­do para exer­cer a gratidão: quan­to mais uti­li­za­mos es­se sis­te­ma, mais o re­for­ça­mos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.