Pre­pa­rar, apontar, FA­LAR!

Expressar idei­as pa­ra uma quan­ti­da­de con­si­de­rá­vel de pes­so­as é di­fí­cil, mas não im­pos­sí­vel. Con­fi­ra as di­cas pa­ra se pre­pa­rar an­tes das apre­sen­ta­ções

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Pa­ra mui­tas pes­so­as, fa­lar em pú­bli­co não é uma ta­re­fa fá­cil. Pla­ne­jar e es­tu­dar o con­teú­do são ações es­sen­ci­ais, mas, mui­tas ve­zes, o ner­vo­sis­mo po­de to­mar con­ta e aca­bar com a per­for­man­ce. Se­gun­do um es­tu­do de 2015 re­a­li­za­do pe­lo jor­nal bri­tâ­ni­co Sun­day Ti­mes, o me­do de fa­lar em pú­bli­co (que atin­ge 41% dos três mil en­tre­vis­ta­dos), é mai­or que o te­mor da mor­te (19% dos vo­lun­tá­ri­os). Mes­mo que se­ja dif ícil, exis­tem ati­tu­des pa­ra aju­dar vo­cê a não per­der o con­tro­le da si­tu­a­ção.

É HO­RA DE SE PRE­PA­RAR

O pri­mei­ro pas­so pa­ra uma boa apre­sen­ta­ção é es­tu­dar o as­sun­to que irá fa­lar. Por mais ób­vio que se­ja, quan­to mais vo­cê co­nhe­cer o te­ma, mais con­fi­an­ça tra­rá con­si­go no mo­men­to de fa­lar na fren­te de vá­ri­as pes­so­as. Pa­ra ini­ci­ar, o ide­al é fa­zer um tex­to so­bre tu­do que se pre­ten­de dis­cu­tir e, em se­gui­da, pre­pa­rar um ro­tei­ro e iro­co mas equên­ci ad os­te­mas, o tem pom­po ne­ces­sá­rio pa­ra dis­cor­rer to­do o as­sun­to sun­to e o per­fil da pla­teia – um as­pec­to im­por­tant em por­tan­te pa­ra con­si­de­ra­ra lin­gua­gem ouu for­ma­tos mul­ti­mí­di­as pa­rau ti­li­zar, por exem­plo. A pró­xi­ma ma­e­ta­paéo en­saio, um apar­te fun­da­men­tal en­talp ara­vo cê“apren­der quais os er­ros rros vo­cê po­de co­me­ter e cor­ri­gi-los os (co­mo pe­río­do de ca­da blo­co), lo­co), do­mi­nar o as­sun­to sun­to no ca­so de uma per­gun­ta ou con­ser­tar er­ro em m uma pla­ni­lha ou com­pu­ta­dor. AAs-ssim, vo­cê não

A FUN­ÇÃO DOS SLIDES

É co­mum en­con­trar apre­sen­ta­ções que con­têm ele­men­tos vi­su­ais, os slides. Con­tu­do, seu uso po­de tan­to aju­dar co­mo di­fi­cul­tar o en­ten­di­men­to da ex­po­si­ção, is­so por­que po­dem fi­car po­luí­dos vi­su­al­men­te, ti­ran­do a aten­ção da pla­teia em re­la­ção ao ora­dor. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta em ha­bi­li­da­des co­mu­ni­ca­ti­vas Ro­gé­rio Che­quer, as sequên­ci­as de­vem con­ter ape­nas tó­pi­cos do pró­xi­mo te­ma e ilus­tra­ções, ví­de­os e ou­tros re­cur­sos que com­ple­men­tam o que é di­to. Pa­ra is­so, os slides não de­vem con­ter po­lui­ção (mui­to tex­to, ima­gens ou co­res), “mas ofe­re­ce­rem a con­ti­nui­da­de que vo­cê pre­ci­sa sem pre­ci­sar me­mo­ri­zar. E o me­lhor mo­men­to pa­ra mon­tá-los é após cri­ar o seu ro­tei­ro, de­pois de de­ter­mi­nar exa­ta­men­te o que vo­cê vai fa­lar ba­se­a­do no in­te­res­se da au­di­ên­cia e no seu ob­je­ti­vo. As­sim, vo­cê cria slides pa­ra acom­pa- p nhar a sua fa­la, e não o con­trá­rio”, ex­pli­ca Che­quer.

se sub­me­te à si­tu­a­ção co­mo se fos­se a pri­mei­ra vez que vo­cê faz aque­la apre­sen­ta­ção, pois is­so o co­lo­ca em uma con­di­ção de­li­ca­da, trans­mi­tin­do ner­vo­sis­mo e an­si­e­da­de”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta em ha­bi­li­da­des co­mu­ni­ca­ti­vas Ro­gé­rio Che­quer.

MA­TE­RI­AIS DE APOIO

Usar ou não slides? Ter ou não uma fo­lha de pa­pel em mãos? Mui­tas dú­vi­das so­bre o que é cer­to em uma ex­po­si­ção sur­gem no mo­men­to do pla­ne­ja­men­to. Con­tu­do, mes­mo que pa­re­ça mais pro­fis­si­o­nal apre­sen­tar-se sem ne­nhu­ma aju­da, não é o ide­al, já que “a car­ga emo­ci­o­nal de ter que me­mo­ri­zar o tex­to de uma apre­sen­ta­ção vai te co­lo­car em um es­ta­do com­ple­ta­men­te ina­pro­pri­a­do pa­ra en­fren­tar uma si­tu­a­ção de pres­são”, con­ta Che­quer. O me­lhor a se fa­zer é le­var con­si­go ano­ta­ções breves e slides. O pri­mei­ro, con­tu­do, não de­ve con­ter fra­ses lon­gas e in­tei­ras, já que “vo­cê não con­se­gui­rá lo­ca­li­zar as par­tes mais im­por­tan­tes em um gran­de tex­to. Além dis­so, se vo­cê ler o con­teú­do, a fa­la se tor­na ar­ti­fi­ci­al”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta. Des­se mo­do, o ide­al é ter em mãos ape­nas tó­pi­cos do te­ma que vem a se­guir, uma fun­ção que tam­bém se en­cai­xa aos slides – que de­vem ser me­lhor pen­sa­dos, uma vez que tam­bém são des­ti­na­dos ao pú­bli­co.

LIDANDO COM O PSICOLÓGICO

Não é fá­cil fa­lar em pú­bli­co, prin­ci­pal­men­te se há me­do ou fo­bia, bem co­mo quadros de an­si­e­da­de. O pri­mei­ro pas­so pa­ra su­pe­rar es­se de­sa­fio é se pre­pa­rar bem, “des­de o es­tu­do so­bre o que

se­rá apre­sen­ta­do até a vi­su­a­li­za­ção do mo­men­to em si, cri­an­do, men­tal­men­te, o su­ces­so an­tes mes­mo de ele acon­te­cer”, in­di­ca a psi­có­lo­ga e co­a­ch Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na. Nos mo­men­tos an­tes de fa­lar em pú­bli­co, há al­gu­mas téc­ni­cas pa­ra se acal­mar e fo­car na ex­po­si­ção: “Pas­sar de 10 a 15 mi­nu­tos ape­nas fo­ca­do na res­pi­ra­ção em si ali­via a ten­são e pro­mo­ve a co­ne­xão. Na sequên­cia, vi­su­a­li­zar a apre­sen­ta­ção tal co­mo vo­cê de­se­ja que ela acon­te­ça tam­bém é mui­to im­por­tan­te, não ima­gi­nan­do o que vo­cê quer evi­tar (um er­ro, uma cer­ta per­gun­ta). O pen­sa­men­to é po­de­ro­so e atrai o que men­ta­li­za”, con­ta a psi­có­lo­ga, que apre­sen­ta ou­tro mé­to­do, o ground, que a pes­soa de­ve fa­zer um aga­cha­men­to, com os bra­ços abra­çan­do as per­nas. “Le­van­te len­ta­men­te, co­mo se es­ti­ves­se se de­sen­ro­lan­do. Vá aos pou­cos es­ti­can­do as per­nas, de­pois o tron­co e, por fim, a ca­be­ça. A ideia é fir­mar bem a ba­se e se sen­tir pro­fun­da­men­te co­nec­ta­do con­si­go e com o mo­men­to pre­sen­te”.

RESPONDENDO PER­GUN­TAS

Fa­lar em pú­bli­co é di­fí­cil por si só e abrir es­pa­ço pa­ra dú­vi­das do pú­bli­co po­de ser um de­sa­fio a mais. Con­tu­do, é uma par­te im­por­tan­te quan­do se ex­põe idei­as, pa­ra que o pú­bli­co in­te­ra­ja com o te­ma pro­pos­to. As­sim, se­gun­do Ro­gé­rio Che­quer, no mo­men­to da ela­bo­ra­ção do ro­tei­ro, pen­se nas per­gun­tas que po­dem sur­gir e pre­pa­re-se pa­ra elas. Ou­tra di­ca é man­ter a cal­ma e ser ver­da­dei­ro e au­tên­ti­co. Mui­tas ve­zes vo­cê po­de não sa­ber a res­pos­ta, mes­mo as­sim, “vá até on­de sen­tir-se se­gu­ro e co­mu­ni­que is­so com cla­re­za. Ca­so não se sin­ta con­for­tá­vel em ir além de um de­ter-

“Di­fi­cil­men­te te­re­mos do­mí­nio so­bre to­do o te­ma que abor­da­re­mos, mas es­tar se­gu­ro so­bre o que nos pro­po­mos a fa­lar é fun­da­men­tal” Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na, psi­có­lo­ga e co­a­ch

mi­na­do pon­to, in­di­que al­gum li­vro, ar­ti­go ou si­te no qual a pes­soa po­de­rá ob­ter ou­tras in­for­ma­ções, por exem­plo”, ex­pli­ca Ch­ris­ti­a­ne.

QUAN­DO TU­DO DÁ ER­RA­DO!

Nem sem­pre as coi­sas sa­em co­mo foi pla­ne­ja­do, ain­da mais quan­do al­guns ele­men­tos da apre­sen­ta­ção de­pen­dem de tec­no­lo­gi­as que são fá­ceis de dar er­ro, co­mo in­ter­net e com­pu­ta­do­res. As­sim, a di­ca é não per­der o con­tro­le e pen­sar que o fo­co da apre­sen­ta­ção se per­deu. Le­ve na brin­ca­dei­ra, fa­ça pi­a­das, dei­xe o pú­bli­co sa­ber o que acon­te­ceu e re­to­me o as­sun­to. Ser con­fi­an­te e pas­sar se­gu­ran­ça é es­sen­ci­al pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas.

EN­TRE­VIS­TA DE EM­PRE­GO

Fa­lar em pú­bli­co não pre­ci­sa, ne­ces­sa­ri­a­men­te, es­tar as­so­ci­a­do a uma apre­sen­ta­ção. Uma si­tu­a­ção de per­gun­tas e res­pos­tas em que vo­cê de­ve se mos­trar con­fi­an­te e de­ter­mi­na­do tam­bém es­tá li­ga­da com a en­tre­vis­ta de em­pre­go, prin­ci­pal­men­te se ela for co­le­ti­va, já que ha­ve­rá mais pes­so­as no am­bi­en­te. O im­por­tan­te pa­ra se pre­pa­rar an­tes é “se­pa­rar em blo­cos a sua car­rei­ra, con­se­guin­do ex­pli­car mui­to bem quais fo­ram as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as, con­quis­tas, di­fi­cul­da­des, mo­ti­vos de saí­da de ca­da pro­je­to. Te­nha um es­pa­ço pa­ra des­cre­ver a sua vi­da pes­so­al, sem gran­des de­ta­lhes: ape­na ape­nas hob­bi­es e fa­to­res que mais acre­di­tam acred que po­dem aju­dar em uma equ equi­pe e uma em­pre­sa. Pre­pa­rar-se e en­sai­ar en em voz al­ta, fa­zen­do com que seu s cé­re­bro pas­se por is­so an­tes e não nã per­ce­ba a si­tu­a­ção co­mo no­vi­da novidade, é in­dis­pen­sá­vel pa­ra di­mi­nuir o ner­vo­sis­mo e a an­si­e­da­de”, con­ta o es­pe­ci­a­lis­ta em ha­bi­li­da­des co­mun co­mu­ni­ca­ti­vas Ro­gé­rio Che­quer.

CONSULTORIAS Ro­gé­rio Che­quer, engenheiro, mi­nis­tra trei­na­men­tos e workshops so­bre au­to­co­nhe­ci­men­to e ha­bi­li­da­des co­mu­ni­ca­ti­vas; Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na, psi­có­lo­ga e co­a­ch | FO­TOS is­tock/getty Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.