Caminhos pa­ra o SU­CES­SO

Mé­to­dos e di­cas pa­ra fa­lar bem em pú­bli­co e atin­gir seus ob­je­ti­vos com a co­mu­ni­ca­ção

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Che­gou a ho­ra. Vo­cê es­tá di­an­te da pla­teia, dos en­tre­vis­ta­do­res ou da­que­les que de­se­ja con­ven­cer e trans­mi­tir uma men­sa­gem. As pes­so­as e seus olhos aten­tos es­tão em um lu­gar pa­ra ou­vir o que vo­cê tem a di­zer. O seu fo­co é se apre­sen­tar com de­sen­vol­tu­ra, do­mi­nar o me­do, de­mons­trar se­gu­ran­ça e cum­prir o ob­je­ti­vo, se­ja ele mi­nis­trar uma boa au­la, fa­zer um dis­cur­so en­co­ra­ja­dor ou ter êxi­to em uma si­tu­a­ção de em­pre­go.

A cir­cuns­tân­cia des­cri­ta é mo­ti­va­do­ra de an­si­e­da­de e re­ceio por par­te de mui­tos in­di­ví­du­os. Alu­nos cu­jos co­ra­ções pal­pi­tam só de ou­vir as pa­la­vras “apre­sen­tar pa­ra a sa­la”, su­jei­tos pre­pa­ra­dos pa­ra um car­go que não se sa­em bem em en­tre­vis­tas e pro­fis­si­o­nais que per­dem opor­tu­ni­da­des por não con­se­gui­rem de­fen­der pon­tos de vis­ta en­ten­dem a ne­ces­si­da­de de de­sen­vol­ver me­lhor su­as ha­bi­li­da­des de co­mu­ni­ca­ção. E é cla­ro que não é fá­cil, mas um con­jun­to de ações po­de sim­pli­fi­car es­se mo­men­to. “Fa­lar em pú­bli­co, re­al­men­te, é es­tar ex­pos­to e en­vol­ve vá­ri­os de­ta­lhes, que sem­pre es­tão ex­pres­san­do al­go so­bre nós. A co­mu­ni­ca­ção é a ação de dei­xar co­mum”, afir­ma Ana Lú­cia Spi­na, fo­no­au­dió­lo­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em voz, co­a­ch em co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va e uma das au­to­ras do li­vro Co­mo Fa­lar Bem em Pú­bli­co, da edi­to­ra Im­pe­tus. Sen­do as­sim, pa­ra ser ca­paz de di­vi­dir com os ou­tros de­ter­mi­na­dos con­teú­dos e, o mais im­por­tan­te, fa­zer is­so bem e sem so­frer, se­pa­ra­mos al­gu­mas di­cas e téc­ni­cas.

1. Ex­pres­são e na­tu­ra­li­da­de

Pa­ra mui­tos es­tu­di­o­sos, a co­mu­ni­ca­ção é in­te­gran­te do ser hu­ma­no, ou se­ja, faz par­te de to­dos nós. A gran­de ques­tão se­ria se a po­ten­ci­a­li­da­de se­rá ou não de­sen­vol­vi­da. Exis­tem in­di­ví­du­os mais tí­mi­dos e até mes­mo os que apre­sen­tam glos­so­fo­bia, o me­do ex­tre­mo de fa­lar em pú­bli­co. No en­tan­to, exis­tem mei­os de man­ter tais ca­sos sob con­tro­le – re­cor­ren­do ao au­xí­lio pro­fis­si­o­nal ca­so se­ja ne­ces­sá­rio – e evo­luir nes­se sen­ti­do. Ca­da um com sua ma­nei­ra de ser e agir de­ve apri­mo­rar pon­tos par­ti­cu­la­res, que fa­zem par­te das pró­pri­as ca­rac­te­rís­ti­cas. Is­so por­que ten­tar apa­ren­tar al­go to­tal­men­te di­fe­ren­te da­qui­lo que vo­cê é po­de ter o efei­to con­trá­rio: li­mi­tar to­dos os im­pul­sos re­ve­la uma ati­tu­de for­ça­da, além de ser ou­tra pre­o­cu­pa­ção den­tre as tan­tas pre­sen­tes na men­te. “É im­por­tan­te en­ten­der que não pre­ci­sa ‘pa­re­cer’ al­guém que se co­mu­ni­ca bem, mas que há a pos­si­bi­li­da­de de com­pre­en­der e ajus­tar as im­pres­sões que vo­cê trans­mi­te”, res­sal­ta Ana Lú­cia Spi­na.

2. Au­to­co­nhe­ci­men­to é es­sen­ci­al

De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, quem quer fa­lar bem pre­ci­sa, ini­ci­al­men­te, en­ten­der-se co­mo co­mu­ni­ca­dor. Co­nhe­cer os pon­tos fra­cos, tra­ba­lhá-los e sa­ber o que fun­ci­o­na ou não pa­ra si são fa­to­res de­ter­mi­nan­tes. “Di­zer que fa­lar pau­sa­da­men­te é bom pa­ra to­dos po­de ser um pro­ble­ma. Se uma pes­soa que fa­la bai­xo e sem mui­ta ex­pres­são vo­cal co­me­çar a fa­zer pau­sas, ela fi­ca­rá com uma co­mu­ni­ca­ção ain­da me­nos ex­pres­si­va”, exem­pli­fi­ca a pro­fis­si­o­nal.

3. Tes­te e treino

Pa­ra sa­ber o que fa­zer ou não no mo­men­to da apre­sen­ta­ção, é ne­ces­sá­rio ter se pre­pa­ra­do an­tes. E não es­ta­mos fa­lan­do ape­nas de es­tu­dar o con­teú­do. Ve­ri­fi­que o seu de­sem­pe­nho pa­ra que se­ja pos­sí­vel apri­mo­rar pon­tos pro­ble­má­ti­cos. Fil­me vo­cê mes­mo ou pe­ça pa­ra um ami­go as­sis­tir e aju­dar a iden­ti­fi­car pos­sí­veis fa­lhas.

4. Mu­de sua vi­são

Pes­so­as cu­ja re­a­ção a uma fa­la em pú­bli­co é o me­do, pro­va­vel­men­te, te­rão um pen­sa­men­to ne­ga­ti­vo so­bre o mo­men­to em si. Por is­so, a di­ca é ten­tar pen­sar na apre­sen - ta­ção co­mo uma opor­tu­ni­da­de, se não for de em­pre­go ou de fe­char um ne­gó­cio, de apri­mo­rar um pon­to fra­co ou dis­cor­rer so­bre um tó­pi­co in­te­res­san­te. Aos pou­cos, a ma­nei­ra co­mo as si­tu­a­ções são per­ce­bi­das po­de ser res­sig­ni­fi­ca­da.

5. Pre­ve­ja o que po­de dar er­ra­do

Du­ran­te o treino, tem sem­pre uma par­te que vo­cê er­ra? Re­do­bre a aten­ção e fa­ça mais ano­ta­ções nes­sa eta­pa. Se co­me­ter o mes­mo er­ro du­ran­te a apre­sen­ta­ção, não se de­ses­pe­re. As pes­so­as são ca­pa­zes de en­ten­der se o mo­men­to for le­va­do com bom hu­mor e jo­go de cin­tu­ra. Pre­pa­re-se pa­ra es­sa cir­cuns­tân­cia tam­bém. Já se os tre­mo­res fo­rem um pro­ble­ma, se­gu­re al­gum ob­je­to, apoie as mãos na ca­dei­ra, na me­sa ou no mi­cro­fo­ne. A per­cep­ção do si­nal não é po­si­ti­va pa­ra quem de­se­ja de­mons­trar se­gu­ran­ça.

6. Con­tro­le o tem­po

Se­gun­do Ana Lú­cia, es­te é um gran­de de­sa­fio. “Se não há um re­ló­gio à vis­ta, pe­ço pa­ra al­guém me avi­sar quan­do fal­tar dez ou cin­co mi­nu­tos por­que, as­sim, vou re­su­min­do. Va­le uma olha­di­nha dis­cre­ta no re­ló­gio tam­bém”, re­co­men­da. A pro­fis­si­o­nal ain­da res­sal­ta que, nos nos­sos en­sai­os, de­ve­mos ve­ri­fi­car tal ques­tão. “É me­lhor usar me­nos tem­po do que mais, pois tem­po é pre­ci­o­so, e in­va­dir o do ou­tro de­mons­tra fal­ta de cui­da­do. Uma au­la de dez mi­nu­tos não de­ve ter mais que dez slides”, pon­tua.

7. Fa­ça um chec­klist

Vo­cê en­con­tra­rá uma lis­ta de itens pa­ra se­pa­rar an­tes da apre­sen­ta­ção. Afi­nal, a ba­te­ria do com­pu­ta­dor de­ve es­tar cheia, os slides sem er­ros, os ar­qui­vos de ví­deo bai­xa­dos e vá­ri­os ou­tros de­ta­lhes, que são mui­tos pa­ra se­rem guar­da­dos ape­nas na ca­be­ça.

8. Es­que­ça a de­co­re­ba!

Tra­çar uma li­nha de ra­ci­o­cí­nio pa­ra as in­for­ma­ções é a me­lhor ma­nei­ra de não pre­ci­sar de­co­rar. Quan­do não exis­te uma sequên­cia ló­gi­ca, há mais pro­pen­são de lap­sos de me­mó­ria. Se vo­cê do­mi­nar o as­sun­to, ape­nas um lem­bre­te (que po­de es­tar no sli­de) se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra re­lem­brar o que de­ve ser di­to.

9. Tra­ba­lhe o tom de voz

A co­mu­ni­ca­ção vai mui­to além do que es­tá sen­do di­to. A ma­nei­ra co­mo vo­cê faz tam­bém é es­sen­ci­al. Por is­so, pa­ra mos­trar a im­por­tân­cia de uma fa­la, re­du­za a ve­lo­ci­da­de e dei­xe sua voz mais gra­ve, as­sim a pla­teia te­rá a no­ção do des­ta­que do con­teú­do e se lem­bra­rá de­le por mais tem­po. Já se a in­ten­ção for pro­vo­car en­tu­si­as­mo, fa­le mais rá­pi­do.

10. Aten­te-se aos ges­tos

O es­pa­ço en­tre o quei­xo e a cin­tu­ra é cha­ma­do pe­los co­mu­ni­ca­do­res de zo­na do po­der. Ten­te cen­tra­li­zar a mai­o­ria dos ges­tos nes­sa área. Ou­tra di­ca é dar pre­fe- rên­cia pa­ra mo­vi­men­tos de fo­ra pa­ra den­tro do cor­po pa­ra trans­mi­tir mais se­gu­ran­ça – o con­trá­rio po­de pas­sar a sen­sa­ção de me­nor im­por­tân­cia às pa­la­vras.

OS MAI­O­RES ER­ROS • LIN­GUA­GEM

Usar uma lin­gua­gem co­lo­qui­al, ou com pa­la­vrões, pa­ra uma pla­teia de exe­cu­ti­vos ou ser mui­to formal com um pú­bli­co jo­vem po­de ar­rui­nar a apre­sen­ta­ção pe­la fal­ta de com­pa­ti­bi­li­da­de. Mas es­se pro­ble­ma se­rá evi­ta­do ca­so o ora­dor pes­qui­se so­bre sua au­di­ên­cia an­tes.o em­pre­go re­pe­ti­do de ter­mos, co­mo “né”, tam­bém po­de atrair a aten­ção dos in­di­ví­du­os, dei­xan­do o con­teú­do em um se­gun­do pla­no. Os ví­ci­os de lin­gua­gem não acres­cen­tam na­da ao dis­cur­so, por is­so é im­por­tan­te tra­ba­lhar es­se fa­tor em ca­so de ma­ni­as.

• ESQUECER A CONCLUSÃO

As gran­des pre­o­cu­pa­ções das pes­so­as são os mo­men­tos ini­ci­ais, pe­la an­si­e­da­de, e o trans­cor­rer do dis­cur­so, por ser o gran­de ob­je­ti­vo. To­da­via, mui­tas ve­zes, a conclusão é es­que­ci­da. No úl­ti­mo sli­de, co­lo­que seus con­ta­tos ca­so al­guém se in­te­res­se por al­go além do que foi fa­la­do e pla­ne­je tal eta­pa. “Pa­ra con­cluir, nun­ca va­le di­zer: ‘era is­so en­tão’! Is­so dei­xa o fi­nal po­bre. As pos­si­bi­li­da­des são sim­ples co­mo: fa­zer uma frase que re­su­ma a men­sa­gem prin­ci­pal da au­la ou pa­les­tra e di­zer ‘gra­to pe­la aten­ção’. Ter­mi­nar com um pen­sa­men­to im­pac­tan­te de al­gum pen­sa­dor re­la­ci­o­na­do ao te­ma tam­bém é vá­li­do, sem­pre agra­de­cen­do a aten­ção”, es­cla­re­ce Ana Lú­cia.

• SÓ SE PRE­O­CU­PAR COM A MEN­SA­GEM

“Os mai­o­res er­ros são se pre­o­cu­par so­men­te com o con­teú­do e não dar aten­ção à for­ma co­mo é trans­mi­ti­do, além de fi­car pre­so a slides chei­os de textos – eles de­vem ser lim­pos e so­men­te usa­dos co­mo apoio. Afi­nal, a fa­la e a in­ter­pre­ta­ção são os mo­ti­vos pa­ra a apre­sen­ta­ção. Ca­so con­trá­rio, um li­vro da­ria con­ta de trans­mi­tir as in­for­ma­ções. Ou­tro equí­vo­co é não trei­nar an­tes. O ora­dor de­ve ser um tra­du­tor, sa­ber se a sequên­cia e o ob­je­ti­vo es­tão cla­ros. Se não hou­ver is­so, po­de ser um de­sas­tre”, pon­tua a es­pe­ci­a­lis­ta.

• NÃO ACOMPANHAR O SLI­DE

De­mons­tran­do fal­ta de pla­ne­ja­men­to, o co­mu­ni­ca­dor adi­an­ta o que es­tá nas pró­xi­mas lâ­mi­nas ou es­que­ce um item so­bre o que es­tá sen­do exi­bi­do. Es­se er­ro po­de con­fun­dir a pla­teia, prin­ci­pal­men­te quan­do exis­tem pes­so­as fa­zen­do ano­ta­ções. Cer­ti­fi­que-se da or­dem do sli­de an­tes da apre­sen­ta­ção.

CONSULTORIAS Ana Lú­cia Spi­na, fo­no­au­dió­lo­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em voz, dou­to­ra pe­la Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Campinas (Uni­camp), co­a­ch em co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va e uma das au­to­ras do li­vro Co­mo Fa­lar Bem em Pú­bli­co, da edi­to­ra Im­pe­tus | FO­TOS is­tock/getty Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.