Sem ho­ra MAR­CA­DA

En­ten­der so­bre o te­ma e pen­sar an­tes de fa­lar são as chaves pa­ra um bom dis­cur­so de improviso

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Se a an­si­e­da­de vem até quan­do es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra fa­lar em pú­bli­co, ima­gi­ne quan­do é ne­ces­sá­rio im­pro­vi­sar? Pa­ra Pau­lo Ro­ber to Mel­ler, au­tor do li v r o “Fa­le de improviso em pú­bli­co”, des­de que as idei­as es­te­jam cla­ras na ca­be­ça e o dis­cur­so se­ja bre­ve, há gran­des chan­ces de ter su­ces­so. Di­fe­ren­te de uma pa­les­tra, fa­lar de improviso é ape­nas ex­por al­gu­mas idei­as de for­ma cla­ra e su­cin­ta. É ne­ces­sá­rio tam­bém que o co­mu­ni­ca­dor es­te­ja equi­li­bra­do emo­ci­o­nal­men­te e em­pol­ga­do pa­ra apr sen­tar seu dis­cur­so da for­ma mais efi­caz.

Por ser de improviso, não há uma pre­pa­ra­ção co­mo a aju­da de apa­re­lhos ele­trô­ni­cos ou ou­tros ape­tre­chos que aju­dem a pren­der a aten­ção do ou­vin­te - a úni­ca fer­ra­men­ta é a pró­pria fa­la. Mas en­tão, co­mo es­tar pre­pa­ra­do pa­ra al­go que vai sur­gir de sur­pre­sa? O ide­al é se pre­pa­rar mes­mo que vo­cê não te­nha uma apre­sen­ta­ção mar­ca­da. Co­nhe­cer so­bre ora­tó­ria, por exem­plo, é útil pa­ra qual­quer pes­soa, pre­ci­se ela fa­lar em pú­bli­co ou não. Além dis­so, é pos­sí­vel ima­gi­nar os as­sun­tos so­bre os quais vo­cê vai ter que dis­cur­sar al­gum dia, por­tan­to, en­ten­der so­bre a área na qual atua é in­dis­pen­sá­vel. Por fim, a or­dem é trei­nar. Es­ta­mos fa­lan­do de improviso a to­do mo­men­to, quan­do de­fen­de­mos nos­so pon­to de vis­ta so­bre al­gum as­sun­to, ou quan­do sim­ples­men­te ex­pu­se­mos nos­sos gos­tos, pre­fe­rên­ci­as. O treino po­de co­me­çar, por­tan­to, nas con­ver­sas in­for­mais, nos diá­lo­gos com as pes­so­as co­nhe­ci­das: ten­te apli­car seus co­nhe­ci­men­tos de ora­tó­ria e ser o mais cla­ro pos­sí­vel na ho­ra da con­ver­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.