Tem­pe­ra­men­to EM CON­FLI­TO

Co­nhe­ça os prin­ci­pais sin­to­mas da bi­po­la­ri­da­de e for­mas prá­ti­cas de iden­ti­fi­car es­sa dis­fun­ção

Mente Curiosa - - EDITORIAL - CON­SUL­TO­RI­AS El­len Mo­ra­es Sen­ra, psi­có­lo­ga e es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia cog­ni­ti­vo com­por­ta­men­tal; Bri­an Bel­lan­di da Cunha e Sil­va, mé­di­co es­pe­ci­a­li­za­do em psiquiatria | FO­TOS is­tock/getty Images

Otrans­tor­no bi­po­lar, ain­da que te­nha al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas si­mi­la­res à es­qui­zo­fre­nia, pos­sui ele­men­tos que lhe são úni­cos. E é por meio des­ses atri­bu­tos que os pro­fis­si­o­nais da men­te de­ter­mi­nam quan­do uma pes­soa, re­al­men­te, es­tá so­fren­do des­se qua­dro. Con­fi­ra abai­xo al­guns in­dí­ci­os que po­dem fa­zer vo­cê sus­pei­tar se a bi­po­la­ri­da­de es­tá ou não pre­sen­te.

PRIN­CI­PAIS SIN­TO­MAS

Ge­ral­men­te, é por meio dos efei­tos do trans­tor­no bi­po­lar que se iden­ti­fi­ca o dis­túr­bio. Co­mo o pró­prio no­me já diz, a bi­po­la­ri­da­de tem co­mo mai­or ca­rac­te­rís­ti­ca a du­a­li­da­de de humores (eu­fo­ria e de­pres­são). “Du­ran­te uma crise ma­nía­ca é co­mum ver­mos a pre­sen­ça de au­to­es­ti­ma in­fla­da, com­ple­xo de gran­di­o­si­da­de, re­du­ção da ne­ces­si­da­de do so­no, fa­la e

pen­sa­men­tos ace­le­ra­dos, agi­ta­ção mo­to­ra, pro­pen­são a re­a­li­zar ati­vi­da­des pe­ri­go­sas, den­tre ou­tros”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga El­len Mo­ra­es Sen­ra. Po­rém, tra­tan­do-se de um epi­só­dio de­pres­si­vo mai­or, é co­mum que o pa­ci­en­te apre­sen­te um hu­mor tris­te na mai­or par­te do dia. Além dis­so, há “di­mi­nui­ção do in­te­res­se ou pra­zer em re­a­li­zar ati­vi­da­des, per­da ou ga­nho sig­ni­fi­ca­ti­vo de pe­so, insô­nia ou so­no exa­ge­ra­do, agi­ta­ção ou len­ti­dão psi­co­mo­to­ra, e tam­bém a dis­tra­ção e fu­ga de pen­sa­men­tos”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.o que di­fe­ren­ci­a­rá uma pes­soa sau­dá­vel de al­guém que pos­sui trans­tor­no bi­po­lar, se­gun­do El­len, é que os epi­só­di­os de al­te­ra­ção de hu­mor, co­muns em qual­quer pes­soa, afe­tam di­re­ta­men­te a qua­li­da­de de bem-es­tar de quem tem bi­po­la­ri­da­de. De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, a du­ra­ção des­ses epi­só­di­os é uma for­ma de iden­ti­fi­car se as cri­ses es­tão re­la­ci­o­na­das a es­se trans­tor­no ou não. “A pes­soa es­tar tris­te por uma per­da ou al­go re­la­ci­o­na­do não im­pe­de seu fun­ci­o­na­men­to re­gu­lar. Já in­di­ví­du­os com epi­só­di­os de­pres­si­vos mai­o­res fi­cam nes­se es­ta­do por di­as e, ge­ral­men­te, não con­se­guem de­sem­pe­nhar su­as fun­ções nor­mal­men­te. O epi­só­dio ma­nía­co, ca­rac­te­ri­za­do por eu­fo­ria e com­por­ta­men­tos ex­ces­si­vos, tam­bém po­de pre­ju­di­car, es­pe­ci­al­men­te se acom­pa­nha­dos de ca­rac­te­rís­ti­cas psi­có­ti­cas. Em su­ma, uma al­te­ra­ção nor­mal de hu­mor po­de du­rar al­gu­mas ho­ras ou mi­nu­tos e não in­ca­pa­ci­tam o su­jei­to por se­ma­nas co­mo a bi­po­la­ri­da­de o faz”, acres­cen­ta.

EM BUS­CA DO DI­AG­NÓS­TI­CO

Pa­ra se en­con­trar uma res­pos­ta de­fi­ni­ti­va so­bre o qua­dro de bi­po­la­ri­da­de, é ne­ces­sá­rio que o in­di­ví­duo re­a­li­ze uma ava­li­a­ção com­por­ta­men­tal de sua si­tu­a­ção, além de exa­mes clí­ni­cos, com ava­li­a­ção do his­tó­ri­co de saú­de men­tal. “O in­di­ca­do é pro­cu­rar pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos, prin­ci­pal­men­te o mé­di­co psi­qui­a­tra. A co­la­bo­ra­ção de ou­tras es­pe­ci­a­li­da­des, co­mo a neu­ro­lo­gia, po­de ser útil pa­ra even­tu­ais di­ag­nós­ti­cos di­fe­ren­ci­ais”, ori­en­ta Bri­an Bel­lan­di, mé­di­co es­pe­ci­a­li­za­do em psiquiatria.

PAR­CE­RIA FUN­DA­MEN­TAL

Ain­da de acor­do com o pro­fis­si­o­nal, fa­mi­li­a­res e ami­gos po­dem ter um pa­pel de­ci­si­vo pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção des­se trans­tor­no no in­di­ví­duo e no seu pro­ces­so de tra­ta­men­to. “Es­tu­dos mos­tram que pa­ci­en­tes que re­ce­bem aju­da e su­por­te de ami­gos e fa­mi­li­a­res apre­sen­tam me­nor ta­xa de in­ter­na­ção hos­pi­ta­lar e me­lhor ade­são à te­ra­pia, cor­ro­bo­ran­do pa­ra que se te­nha uma vi­da com­ple­ta­men­te fun­ci­o­nal quan­do a do­en­ça es­tá con­tro­la­da”, afir­ma Bri­an Bel­lan­di.el­len Mo­ra­es acres­cen­ta que al­guns si­nais po­dem ser relevantes pa­ra que pes­so­as pró­xi­mas sus­pei­tem da pre­sen­ça do trans­tor­no, co­mo per­ce­ber se o in­di­ví­duo “iso­lou-se por di­as se­gui­dos sem se co­mu­ni­car ou afir­man­do in­ca­pa­ci­da­de e/ou fal­ta de von­ta­de de re­a­li­zar ta­re­fas; ve­ri­fi­car com­por­ta­men­tos ex­ces­si­vos co­mo abu­so de subs­tân­ci­as sem pre­ce­den­tes; além de no­tar se hou­ve­ram mu­dan­ças no in­di­ví­duo de uma se­ma­na pa­ra ou­tra ou de um mês pa­ra ou­tro”.

“A pes­soa es­tar tris­te por uma per­da ou al­go re­la­ci­o­na­do não im­pe­de seu fun­ci­o­na­men­to re­gu­lar. Já in­di­ví­du­os com epi­só­di­os de­pres­si­vos mai­o­res fi­cam nes­se es­ta­do por di­as e, ge­ral­men­te, não con­se­guem de­sem­pe­nhar su­as fun­ções nor­mal­men­te” El­len Mo­ra­es Sen­ra, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.