De­pres­são ou TRANS­TOR­NO BI­PO­LAR?

A con­fu­são no di­ag­nós­ti­co po­de le­var a um tra­ta­men­to ina­de­qua­do e pi­o­rar os sin­to­mas

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Até dez anos: es­se é o tem­po que o di­ag­nós­ti­co do trans­tor­no bi­po­lar po­de de­mo­rar pa­ra che­gar, se­gun­do da­dos da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Trans­tor­no Bi­po­lar. Por is­so, es­ti­ma-se que 60% das pes­so­as es­tão atu­al­men­te com di­ag­nós­ti­cos equi­vo­ca­dos. Es­tu­dos ame­ri­ca­nos su­ge­rem que a con­fir­ma­ção po­de de­mo­rar ain­da mais: até 14 anos des­de a pri­mei­ra con­sul­ta com o psi­qui­a­tra. O mais co­mum é que o pro­ble­ma se­ja con­fun­di­do com a de­pres­são, uma vez que os mé­di­cos são con­sul­ta­dos prin­ci­pal­men­te na f ase de­pres­si­va do trans­tor­no bi­po­lar (TB). Co­mo os sin­to­mas são pra­ti­ca­men­te os mes­mos (não há na­da que di­fe­ren­cie a de­pres­são do TB e o trans­tor­no de­pres­si­vo mai­or), a des­con­fi­an­ça de bi­po­la­ri­da­de se­quer sur­ge.

Além dis­so, a bus­ca por um tra­ta­men­to ocor­re na fa­se de­pres­si­va por­que é quan­do o pa­ci­en­te não se sen­te bem. Na fa­se eu­fó­ri­ca ou ma­nía­ca, por exem­plo, o in­di­ví­duo acre­di­ta que não há na­da de er­ra­do com seu com­por­ta­men­to ou seus sen­ti­men­tos e, por­tan­to, não ne­ces­si­ta de aju­da pro­fis­si­o­nal. “Na fa­se ma­nía­ca, que ten­de a du­rar de um a três me­ses, o pa­ci­en­te fi­ca ex­pan­si­vo, fa­la mui­to, faz pla­nos mi­ra­bo­lan­tes. Tem idei­as a res­pei­to de um fu­tu­ro sem­pre oti­mis­ta pa­ra ele e, por is­so, se aven­tu­ra em ne­gó­ci­os, ten­ta ob­ter lu­cros, pen­sa em em­pre­en­di­men­tos que acre­di­ta que nin­guém nun­ca pen­sou, e po­dem tam­bém ficar hi­per­se­xu­a­li­za­dos”, in­for­ma o psi­qui­a­tra Sér­gio Lima.

OB­SER­VA­ÇÃO DO PA­CI­EN­TE

In­fe­liz­men­te, ain­da não exis­tem exa­mes ca­pa­zes de de­tec­tar um trans­tor­no emo­ci­o­nal. O di­ag­nós­ti­co, por­tan­to, é re­a­li­za­do por meio da ava­li­a­ção clí­ni­ca com um psi­qui­a­tra. As­sim, ca­da pa­ci­en­te pre­ci­sa ser cui­da­do­sa­men­te ava­li­a­do pa­ra che­gar à conclusão de que o pro­ble­ma é o trans­tor­no bi­po­lar. Em uma re­vi­são de es­tu­dos da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), os pes­qui­sa­do­res iden­ti­fi­ca­ram al­guns fa­to­res que po­dem iden­ti­fi­car que um pri­mei­ro epi­só­dio de­pres­si­vo na ver­da­de po­de ser trans­tor­no bi­po­lar. De acor­do com a pes­qui­sa, é pre­ci­so ter aten­ção a aspectos co­mo o his­tó­ri­co fa­mi­li­ar. O TB tem car­ga ge­né­ti­ca for­te, ape­sar de se mul­ti­de­ter­mi­na­do. Es­tu­dos com gê­me­os in­di­ca­ram que os trans­tor­nos do es­pec­tro bi­po­lar são he­re­di­tá­ri­os, com in­ci­dên­cia su­pe­ri­or a 80% em gê­me­os idên­ti­cos, cain­do pa­ra 6% em pa­ren­tes de pri­mei­ro grau. De­pr es s ão trans­ge­ra­ci­o­nal ou em mui­tas pes­so­as da fa­mí­lia tam­bém po - dem ser um si­nal de TB, além de de­pres­são com sin­to­mas psi­có­ti­cos e de início an­tes dos 25 anos, per­so­na­li­da­de hi­per­tí­mi­ca e re­sis­tên­cia a an­ti­de­pres­si­vos. O acom­pa­nha­men­to ao lon­go do tra­ta­men­to tam­bém vai per­mi­tir que um di­ag­nós­ti­co pre­ci­pi­ta­do se mo­di­fi­que. A psi­qui­a­tra Fer­nan­da Ra­mal­lo, do Hos­pi­tal Ad­ven­tis­ta Sil­ves­tre, ex­pli­ca que é pre­ci­so ava­li­ar, além da his­tó­ria de vi­da do in­di­ví­duo, a dos fa­mi­li­a­res. No de­cor­rer das con­sul­tas, es­sa ava­li­a­ção cons­trói pos­sí­veis hi­pó­te­ses di­ag­nós­ti­cas. “De­pen­den­do das ma­ni­fes­ta­ções clí­ni­cas apre­sen­ta­das pe­lo pa­ci­en­te ao lon­go do tem­po e co­mo ele for re­a­gin­do ao tra­ta­men­to pro­pos­to, o di­ag­nós­ti­co vai se cons­truin­do até a cer­te­za de um di­ag­nós­ti­co úni­co”.

TRA­TA­MEN­TO INCORRETO

Con­tro­lar os sin­to­mas e pre­ve­nir no­vas cri­ses é o objetivo do tra­ta-

men­to do trans­tor­no bi­po­lar. Quan­do o di­ag­nós­ti­co não é re­a­li­za­do e o pa­ci­en­te de­mo­ra a ter os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os, po­dem acon­te­cer des­de sim­ples incô­mo­dos até con­sequên­ci­as gra­ves. “Exis­tem pesquisas mos­tran­do que as re­pe­ti­ções dos sur­tos de ir­ri­ta­bi­li­da­de po­dem al­te­rar per­ma­nen­te­men­te as co­ne­xões no cé­re­bro e ex­por es­te pa­ci­en­te a qua­dros de de­mên­cia a lon­go pra­zo”, diz o neu­ro­pe­di­a­tra Clay Bri­tes. Os pro­ble­mas po­dem sur­gir tam­bém ca­so o in­di­ví­duo já te­nha pro­cu­ra­do um mé­di­co, mas ini­ci­a­do o tra­ta­men­to pa­ra ou­tro trans­tor­no que não o bi­po­lar. Co­mo o pro­ble­ma é ge­ral­men­te con­fun­di­do com a de­pres­são, é co­mum que mui­ta gen­te man­te­nha o tra­ta­men­to da de­pres­são por mui­to tem­po, o que po­de agra­var o epi­só­dio de ma­nia quan­do ele sur­ge. “O tra­ta­men­to incorreto po­de cau­sar uma vi­ra­da da de­pres­são pa­ra o qua­dro ma­nía­co, e o qua­dro ma­nía­co é mais di­fí­cil de tra­tar, por­que o pa­ci­en­te acre­di­ta que es­tá bem. Em mui­tos ca­sos, na fa­se ma­nía­ca os pa­ci­en­tes pre­ci­sam de in­ter­na­ção, pois não têm crí­ti­ca do que es­tá acon­te­cen­do com ela”, des­ta­ca o psi­qui­a­tra Sér­gio Lima.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.